news.med.br  -  Medical Journal
Uma menina com uma doença rara agora pode respirar mais facilmente após receber um tratamento experimental feito com células-tronco1 do cordão umbilical2 de sua irmã, no primeiro caso desse tipo, descrito em estudo publicado na revista Nature Cardiovascular Research. A menina tem uma forma hereditária de hipertensão arterial3 pulmonar. Isso causa malformação4 dos vasos sanguíneos5 nos pulmões6, levando à insuficiência cardíaca7 progressiva e geralmente fatal. Para o tratamento, a paciente recebeu transfusões do líquido em que as células-tronco1 mesenquimais8 do cordão umbilical2 de sua irmã foram cultivadas. O tratamento melhorou marcadamente os parâmetros clínicos e hemodinâmicos e diminuiu os marcadores plasmáticos de fibrose9 vascular10, lesão11 e inflamação12. Estudos clínicos prospectivos adicionais são necessários para confirmar e explorar ainda mais os benefícios da terapia derivada de células-tronco1 mesenquimais8 de cordão umbilical2 humano para hipertensão arterial3 pulmonar.
1 Células-tronco: São células primárias encontradas em todos os organismos multicelulares que retêm a habilidade de se renovar por meio da divisão celular mitótica e podem se diferenciar em uma vasta gama de tipos de células especializadas.
2 Cordão Umbilical: Estrutura flexível semelhante a corda, que conecta um FETO em desenvolvimento à PLACENTA, em mamíferos. O cordão contém vasos sanguíneos que transportam oxigênio e nutrientes da mãe ao feto e resíduos para longe do feto.
3 Hipertensão arterial: Aumento dos valores de pressão arterial acima dos valores considerados normais, que no adulto são de 140 milímetros de mercúrio de pressão sistólica e 85 milímetros de pressão diastólica.
4 Malformação: 1. Defeito na forma ou na formação; anomalia, aberração, deformação. 2. Em patologia, é vício de conformação de uma parte do corpo, de origem congênita ou hereditária, geralmente curável por cirurgia. Ela é diferente da deformação (que é adquirida) e da monstruosidade (que é incurável).
5 Vasos Sanguíneos: Qualquer vaso tubular que transporta o sangue (artérias, arteríolas, capilares, vênulas e veias).
6 Pulmões: Órgãos do sistema respiratório situados na cavidade torácica e responsáveis pelas trocas gasosas entre o ambiente e o sangue. São em número de dois, possuem forma piramidal, têm consistência esponjosa e medem cerca de 25 cm de comprimento. Os pulmões humanos são divididos em segmentos denominados lobos. O pulmão esquerdo possui dois lobos e o direito possui três. Os pulmões são compostos de brônquios que se dividem em bronquíolos e alvéolos pulmonares. Nos alvéolos se dão as trocas gasosas ou hematose pulmonar entre o meio ambiente e o corpo, com a entrada de oxigênio na hemoglobina do sangue (formando a oxiemoglobina) e saída do gás carbônico ou dióxido de carbono (que vem da célula como carboemoglobina) dos capilares para o alvéolo.
7 Insuficiência Cardíaca: É uma condição na qual a quantidade de sangue bombeada pelo coração a cada minuto (débito cardíaco) é insuficiente para suprir as demandas normais de oxigênio e de nutrientes do organismo. Refere-se à diminuição da capacidade do coração suportar a carga de trabalho.
8 Mesenquimais: Relativo ao mesênquima; mesenquimático, mesenquimatoso. Mesênquima, na embriologia, é o tecido mesodérmico embrionário dos vertebrados, pouco diferenciado, que origina os tecidos conjuntivos no adulto. Na anatomia geral, no adulto, é o tecido conjuntivo comum e indiferenciado.
9 Fibrose: 1. Aumento das fibras de um tecido. 2. Formação ou desenvolvimento de tecido conjuntivo em determinado órgão ou tecido como parte de um processo de cicatrização ou de degenerescência fibroide.
10 Vascular: Relativo aos vasos sanguíneos do organismo.
11 Lesão: 1. Ato ou efeito de lesar (-se). 2. Em medicina, ferimento ou traumatismo. 3. Em patologia, qualquer alteração patológica ou traumática de um tecido, especialmente quando acarreta perda de função de uma parte do corpo. Ou também, um dos pontos de manifestação de uma doença sistêmica. 4. Em termos jurídicos, prejuízo sofrido por uma das partes contratantes que dá mais do que recebe, em virtude de erros de apreciação ou devido a elementos circunstanciais. Ou também, em direito penal, ofensa, dano à integridade física de alguém.
12 Inflamação: Conjunto de processos que se desenvolvem em um tecido em resposta a uma agressão externa. Incluem fenômenos vasculares como vasodilatação, edema, desencadeamento da resposta imunológica, ativação do sistema de coagulação, etc.Quando se produz em um tecido superficial (pele, tecido celular subcutâneo) pode apresentar tumefação, aumento da temperatura local, coloração avermelhada e dor (tétrade de Celso, o cientista que primeiro descreveu as características clínicas da inflamação).
   [Mais...]

Febre1, perda de apetite e busca por aquecimento são respostas comuns a infecções2, e a descoberta das células3 cerebrais responsáveis por esse comportamento em camundongos pode ajudar a tratar doenças crônicas. Agora, em um estudo publicado na revista Nature, essas células3 foram descobertas. Para identificar as partes do cérebro4 responsáveis por coordenar esses comportamentos na doença, os pesquisadores injetaram em camundongos moléculas que induzem efeitos semelhantes a uma doença genuína. Eles então usaram sequenciamento e imagens fluorescentes para determinar quais neurônios5 eram mais ativos nos cérebros dos camundongos durante a doença induzida. A equipe encontrou uma população de neurônios5 que se encaixam na área pré-óptica medial ventral do hipotálamo6, que geralmente é responsável pela termorregulação. Esses neurônios5 foram significativamente ativados pelas moléculas produtoras de doenças, em comparação com os cérebros de camundongos que não receberam as moléculas.
1 Febre: É a elevação da temperatura do corpo acima dos valores normais para o indivíduo. São aceitos como valores de referência indicativos de febre: temperatura axilar ou oral acima de 37,5°C e temperatura retal acima de 38°C. A febre é uma reação do corpo contra patógenos.
2 Infecções: Doença produzida pela invasão de um germe (bactéria, vírus, fungo, etc.) em um organismo superior. Como conseqüência da mesma podem ser produzidas alterações na estrutura ou funcionamento dos tecidos comprometidos, ocasionando febre, queda do estado geral, e inúmeros sintomas que dependem do tipo de germe e da reação imunológica perante o mesmo.
3 Células: Unidades (ou subunidades) funcionais e estruturais fundamentais dos organismos vivos. São compostas de CITOPLASMA (com várias ORGANELAS) e limitadas por uma MEMBRANA CELULAR.
4 Cérebro: Derivado do TELENCÉFALO, o cérebro é composto dos hemisférios direito e esquerdo. Cada hemisfério contém um córtex cerebral exterior e gânglios basais subcorticais. O cérebro inclui todas as partes dentro do crânio exceto MEDULA OBLONGA, PONTE e CEREBELO. As funções cerebrais incluem as atividades sensório-motora, emocional e intelectual.
5 Neurônios: Unidades celulares básicas do tecido nervoso. Cada neurônio é formado por corpo, axônio e dendritos. Sua função é receber, conduzir e transmitir impulsos no SISTEMA NERVOSO. Sinônimos: Células Nervosas
6 Hipotálamo: Parte ventral do diencéfalo extendendo-se da região do quiasma óptico à borda caudal dos corpos mamilares, formando as paredes lateral e inferior do terceiro ventrículo.
   [Mais...]

A incidência1 de diabetes mellitus2 tipo 2 está aumentando entre os jovens. O tratamento uma vez por semana com dulaglutida, um agonista3 do receptor do peptídeo-1 semelhante ao glucagon4 (GLP-1), pode ter eficácia no controle glicêmico em jovens com diabetes tipo 25. Neste estudo, publicado no The New England Journal of Medicine, designou-se aleatoriamente participantes de 10 a menos de 18 anos para receber injeções subcutâneas de placebo6 uma vez por semana, dulaglutida na dose de 0,75 mg ou dulaglutida na dose de 1,5 mg. Em 26 semanas, o nível médio de hemoglobina glicada7 aumentou no grupo placebo6 (0,6 pontos percentuais) e diminuiu nos grupos dulaglutida (-0,6 pontos percentuais no grupo de 0,75 mg e -0,9 pontos percentuais no grupo de 1,5 mg). Além disso, uma porcentagem maior de participantes nos grupos de dulaglutida agrupados do que no grupo placebo6 tinha um nível de hemoglobina glicada7 inferior a 7,0% (51% vs. 14%). O estudo concluiu que o tratamento com dulaglutida foi superior ao placebo6 na melhora do controle glicêmico entre os jovens com diabetes tipo 25.
1 Incidência: Medida da freqüência em que uma doença ocorre. Número de casos novos de uma doença em um certo grupo de pessoas por um certo período de tempo.
2 Diabetes mellitus: Distúrbio metabólico originado da incapacidade das células de incorporar glicose. De forma secundária, podem estar afetados o metabolismo de gorduras e proteínas.Este distúrbio é produzido por um déficit absoluto ou relativo de insulina. Suas principais características são aumento da glicose sangüínea (glicemia), poliúria, polidipsia (aumento da ingestão de líquidos) e polifagia (aumento da fome).
3 Agonista: 1. Em farmacologia, agonista refere-se às ações ou aos estímulos provocados por uma resposta, referente ao aumento (ativação) ou diminuição (inibição) da atividade celular. Sendo uma droga receptiva. 2. Lutador. Na Grécia antiga, pessoa que se dedicava à ginástica para fortalecer o físico ou como preparação para o serviço militar.
4 Glucagon: Hormônio produzido pelas células-alfa do pâncreas. Ele aumenta a glicose sangüínea. Uma forma injetável de glucagon, disponível por prescrição médica, pode ser usada no tratamento da hipoglicemia severa.
5 Diabetes tipo 2: Condição caracterizada por altos níveis de glicose causada tanto por graus variáveis de resistência à insulina quanto por deficiência relativa na secreção de insulina. O tipo 2 se desenvolve predominantemente em pessoas na fase adulta, mas pode aparecer em jovens.
6 Placebo: Preparação neutra quanto a efeitos farmacológicos, ministrada em substituição a um medicamento, com a finalidade de suscitar ou controlar as reações, geralmente de natureza psicológica, que acompanham tal procedimento terapêutico.
7 Hemoglobina glicada: Hemoglobina glicada, hemoglobina glicosilada, glico-hemoglobina ou HbA1C e, mais recentemente, apenas como A1C é uma ferramenta de diagnóstico na avaliação do controle glicêmico em pacientes diabéticos. Atualmente, a manutenção do nível de A1C abaixo de 7% é considerada um dos principais objetivos do controle glicêmico de pacientes diabéticos. Algumas sociedades médicas adotam metas terapêuticas mais rígidas de 6,5% para os valores de A1C.
   [Mais...]

Um novo estudo promissor, publicado na revista científica Arthritis & Rheumatology, sugere que caminhar pode evitar a dor no joelho para pessoas com osteoartrite1. Os pesquisadores entrevistaram mais de 1.000 pessoas com 50 anos ou mais com osteoartrite1 do joelho, o tipo mais comum de artrite2. Alguns tinham dor persistente no início, enquanto outros não. Após quatro anos, aqueles que começaram sem dores frequentes no joelho e caminharam para se exercitar pelo menos 10 vezes tiveram menos probabilidade de experimentar novos episódios regulares de rigidez ou dores ao redor dos joelhos e tiveram menos danos estruturais nos joelhos. Além disso, 37% dos participantes do estudo que não caminharam para se exercitar desenvolveram dores no joelho novas e frequentes, em comparação com 26% dos que caminharam. O estudo concluiu que, em indivíduos com mais de 50 anos de idade com osteoartrite1 de joelho, a caminhada para exercício foi associada ao menor desenvolvimento de dor no joelho frequente.
1 Osteoartrite: Termo geral que se emprega para referir-se ao processo degenerativo da cartilagem articular, manifestado por dor ao movimento, derrame articular, etc. Também denominado artrose.
2 Artrite: Inflamação de uma articulação, caracterizada por dor, aumento da temperatura, dificuldade de movimentação, inchaço e vermelhidão da área afetada.
   [Mais...]

O risanquizumabe (Skyrizi) foi seguro e eficaz para pacientes1 com doença de Crohn2 (DC) moderada a grave, de acordo com dois ensaios de indução de fase III e um ensaio de manutenção. Todos os desfechos co-primários foram atingidos na semana 12 para os ensaios de indução, ADVANCE e MOTIVATE, mesmo em diferentes doses intravenosas, de acordo com os resultados publicados no The Lancet. No ADVANCE, o risanquizumabe levou a mais remissão clínica, conforme determinado pelo índice de atividade da DC (IADC) ou frequência de fezes e escore de dor abdominal, bem como melhor resposta endoscópica em comparação com placebo3. Com doses de 600 mg e 1.200 mg versus placebo3, respectivamente, as taxas de remissão clínica por IADC foram de 45%, 42%, 25%; remissão clínica por critérios de fezes/dor foram de 43%, 41%, 22%; e para resposta endoscópica foram de 40%, 32%, 12%. As taxas foram semelhantes no MOTIVATE. O estudo concluiu que o risanquizumabe foi eficaz e bem tolerado como terapia de indução em pacientes com doença de Crohn2 ativa moderada a grave.
1 Para pacientes: Você pode utilizar este texto livremente com seus pacientes, inclusive alterando-o, de acordo com a sua prática e experiência. Conheça todos os materiais Para Pacientes disponíveis para auxiliar, educar e esclarecer seus pacientes, colaborando para a melhoria da relação médico-paciente, reunidos no canal Para Pacientes . As informações contidas neste texto são baseadas em uma compilação feita pela equipe médica da Centralx. Você deve checar e confirmar as informações e divulgá-las para seus pacientes de acordo com seus conhecimentos médicos.
2 Doença de Crohn: Doença inflamatória crônica do intestino que acomete geralmente o íleo e o cólon, embora possa afetar qualquer outra parte do intestino. A doença cursa com períodos de remissão sintomática e outros de agravamento. Na maioria dos casos, a doença de Crohn é de intensidade moderada e se torna bem controlada pela medicação, tornando possível uma vida razoavelmente normal para seu portador. A causa da doença de Crohn ainda não é totalmente conhecida. Os sintomas mais comuns são: dor abdominal, diarreia, perda de peso, febre moderada, sensação de distensão abdominal, perda de apetite e de peso.
3 Placebo: Preparação neutra quanto a efeitos farmacológicos, ministrada em substituição a um medicamento, com a finalidade de suscitar ou controlar as reações, geralmente de natureza psicológica, que acompanham tal procedimento terapêutico.
   [Mais...]

As chances de ruptura de aneurismas intracranianos foram menores em pessoas que tomavam inibidores do sistema renina-angiotensina-aldosterona (SRAA) para hipertensão1, mostrou um estudo chinês publicado na revista científica Hypertension. Em um banco de dados multicêntrico com mais de 3.000 pessoas com esses aneurismas registradas entre 2016-2021, as taxas de ruptura atingiram 23,4% em usuários de inibidores do SRAA e 76,6% em não usuários. O uso de inibidores do SRAA foi associado a um risco significativamente reduzido de ruptura de aneurisma2 intracraniano, e isso se aplicou aos inibidores da enzima3 conversora de angiotensina (ECA) e aos bloqueadores dos receptores da angiotensina (BRAs) igualmente. Os pesquisadores destacaram a relativa segurança e acessibilidade dos inibidores do SRAA e sugeriram que um estudo randomizado4 fosse realizado para confirmar se esses medicamentos protegem contra a ruptura do aneurisma2.
1 Hipertensão: Condição presente quando o sangue flui através dos vasos com força maior que a normal. Também chamada de pressão alta. Hipertensão pode causar esforço cardíaco, dano aos vasos sangüíneos e aumento do risco de um ataque cardíaco, derrame ou acidente vascular cerebral, além de problemas renais e morte.
2 Aneurisma: Alargamento anormal da luz de um vaso sangüíneo. Pode ser produzida por uma alteração congênita na parede do mesmo ou por efeito de diferentes doenças (hipertensão, aterosclerose, traumatismo arterial, doença de Marfán, etc.).
3 Enzima: Proteína produzida pelo organismo que gera uma reação química. Por exemplo, as enzimas produzidas pelo intestino que ajudam no processo digestivo.
4 Estudo randomizado: Ensaios clínicos comparativos randomizados são considerados o melhor delineamento experimental para avaliar questões relacionadas a tratamento e prevenção. Classicamente, são definidos como experimentos médicos projetados para determinar qual de duas ou mais intervenções é a mais eficaz mediante a alocação aleatória, isto é, randomizada, dos pacientes aos diferentes grupos de estudo. Em geral, um dos grupos é considerado controle - o que algumas vezes pode ser ausência de tratamento, placebo, ou mais frequentemente, um tratamento de eficácia reconhecida. Recursos estatísticos são disponíveis para validar conclusões e maximizar a chance de identificar o melhor tratamento. Esses modelos são chamados de estudos de superioridade, cujo objetivo é determinar se um tratamento em investigação é superior ao agente comparativo.
   [Mais...]

O agente único dostarlimabe (Jemperli) levou a respostas completas em 100% de um pequeno grupo de pacientes com câncer1 retal localmente avançado deficiente em reparo de incompatibilidade (dMMR), permitindo que eles evitassem cirurgia, quimioterapia2 e radiação, pelo menos por enquanto. O dostarlimabe é um anticorpo3 monoclonal anti-PD-1 e foi administrado a cada 3 semanas por 6 meses. O ensaio foi pequeno, com apenas 16 pacientes, mas os resultados foram surpreendentes. O câncer1 desapareceu em todos os pacientes, indetectável por exame físico, endoscopia4, PET Scan ou ressonância magnética5. Os resultados foram publicados no The New England Journal of Medicine. Todos os 12 pacientes acompanhados por pelo menos 6 meses tiveram respostas clínicas completas e nenhum dos pacientes recebeu terapia adicional. O estudo concluiu que o câncer1 retal localmente avançado, deficiente em reparo de incompatibilidade, foi altamente sensível ao bloqueio de PD-1 com agente único. É necessário um acompanhamento mais longo para avaliar a duração da resposta.
1 Câncer: Crescimento anormal de um tecido celular capaz de invadir outros órgãos localmente ou à distância (metástases).
2 Quimioterapia: Método que utiliza compostos químicos, chamados quimioterápicos, no tratamento de doenças causadas por agentes biológicos. Quando aplicada ao câncer, a quimioterapia é chamada de quimioterapia antineoplásica ou quimioterapia antiblástica.
3 Anticorpo: Proteína circulante liberada pelos linfócitos em reação à presença no organismo de uma substância estranha (antígeno).
4 Endoscopia: Método no qual se visualiza o interior de órgãos e cavidades corporais por meio de um instrumento óptico iluminado.
5 Ressonância magnética: Exame que fornece imagens em alta definição dos órgãos internos do corpo através da utilização de um campo magnético.
   [Mais...]

Homens com câncer1 de próstata2 tiveram um risco 50% maior de desenvolver tromboembolismo3 venoso (TEV) nos primeiros 5 anos após o diagnóstico4 de câncer1 em comparação com homens sem câncer1 de próstata2, de acordo com um estudo recente publicado no BMJ Open. Os resultados da análise de dados de um estudo de coorte5 de base populacional com mais de 550.000 homens na Suécia demonstram que aqueles com câncer1 de próstata2 tinham um risco 48% maior de trombose venosa profunda6 e um risco 47% maior de embolia7 pulmonar após o ajuste para as características do paciente. A razão de proporção de incidência8 diminuiu de 2,53 em 6 meses para 1,59 em 5 anos de acompanhamento. Os médicos devem estar atentos a esse aumento acentuado no risco de TEV em homens com câncer1 de próstata2 para ajudar a garantir o diagnóstico4 oportuno.
1 Câncer: Crescimento anormal de um tecido celular capaz de invadir outros órgãos localmente ou à distância (metástases).
2 Próstata: Glândula que (nos machos) circunda o colo da BEXIGA e da URETRA. Secreta uma substância que liquefaz o sêmem coagulado. Está situada na cavidade pélvica (atrás da parte inferior da SÍNFISE PÚBICA, acima da camada profunda do ligamento triangular) e está assentada sobre o RETO.
3 Tromboembolismo: Doença produzida pela impactação de um fragmento de um trombo. É produzida quando este se desprende de seu lugar de origem, e é levado pela corrente sangüínea até produzir a oclusão de uma artéria distante do local de origem do trombo. Esta oclusão pode ter diversas conseqüências, desde leves até fatais, dependendo do tamanho do vaso ocluído e do tipo de circulação do órgão onde se deu a oclusão.
4 Diagnóstico: Determinação de uma doença a partir dos seus sinais e sintomas.
5 Estudo de coorte: Um estudo de coorte é realizado para verificar se indivíduos expostos a um determinado fator apresentam, em relação aos indivíduos não expostos, uma maior propensão a desenvolver uma determinada doença. Um estudo de coorte é constituído, em seu início, de um grupo de indivíduos, denominada coorte, em que todos estão livres da doença sob investigação. Os indivíduos dessa coorte são classificados em expostos e não-expostos ao fator de interesse, obtendo-se assim dois grupos (ou duas coortes de comparação). Essas coortes serão observadas por um período de tempo, verificando-se quais indivíduos desenvolvem a doença em questão. Os indivíduos expostos e não-expostos devem ser comparáveis, ou seja, semelhantes quanto aos demais fatores, que não o de interesse, para que as conclusões obtidas sejam confiáveis.
6 Trombose Venosa Profunda: Caracteriza-se pela formação de coágulos no interior das veias profundas da perna. O que mais chama a atenção é o edema (inchaço) e a dor, normalmente restritos a uma só perna. O edema pode se localizar apenas na panturrilha e pé ou estar mais exuberante na coxa, indicando que o trombo se localiza nas veias profundas dessa região ou mais acima da virilha. Uma de suas principais conseqüências a curto prazo é a embolia pulmonar, que pode deixar seqüelas ou mesmo levar à morte. Fatores individuais de risco são: varizes de membros inferiores, idade maior que 40 anos, obesidade, trombose prévia, uso de anticoncepcionais, terapia de reposição hormonal, entre outras.
7 Embolia: Impactação de uma substância sólida (trombo, colesterol, vegetação, inóculo bacteriano), líquida ou gasosa (embolia gasosa) em uma região do circuito arterial com a conseqüente obstrução do fluxo e isquemia.
8 Incidência: Medida da freqüência em que uma doença ocorre. Número de casos novos de uma doença em um certo grupo de pessoas por um certo período de tempo.
   [Mais...]

O tratamento com testosterona para hipogonadismo não aumentou os riscos a curto ou médio prazo para eventos cardiovasculares, de acordo com uma revisão sistemática e metanálise publicada na revista The Lancet Healthy Longevity. Os riscos cardiovasculares foram semelhantes entre os homens no grupo de testosterona e aqueles no grupo placebo1 (7,5% vs 7,2%), e a taxa de mortalidade2 entre aqueles em tratamento com testosterona foi 0,4 pontos percentuais menor do que o grupo controle, mas essa diferença não foi estatisticamente significativa. Os eventos cardiovasculares mais comuns nos grupos de testosterona e placebo1 incluíram arritmia3 (31,3% vs 26,7%), doença arterial coronariana (19,9% vs 18,8%), insuficiência cardíaca4 (13,3% vs 15,9%) e infarto do miocárdio5 (6,0% vs 9,1 %). O estudo, portanto, não encontrou evidências de que a testosterona aumentasse os riscos cardiovasculares de curto a médio prazo em homens com hipogonadismo, mas há uma escassez de dados avaliando sua segurança a longo prazo. Dessa forma, dados de longo prazo são necessários para avaliar completamente a segurança da testosterona.
1 Placebo: Preparação neutra quanto a efeitos farmacológicos, ministrada em substituição a um medicamento, com a finalidade de suscitar ou controlar as reações, geralmente de natureza psicológica, que acompanham tal procedimento terapêutico.
2 Mortalidade: A taxa de mortalidade ou coeficiente de mortalidade é um dado demográfico do número de óbitos, geralmente para cada mil habitantes em uma dada região, em um determinado período de tempo.
3 Arritmia: Arritmia cardíaca é o nome dado a diversas perturbações que alteram a frequência ou o ritmo dos batimentos cardíacos.
4 Insuficiência Cardíaca: É uma condição na qual a quantidade de sangue bombeada pelo coração a cada minuto (débito cardíaco) é insuficiente para suprir as demandas normais de oxigênio e de nutrientes do organismo. Refere-se à diminuição da capacidade do coração suportar a carga de trabalho.
5 Infarto do miocárdio: Interrupção do suprimento sangüíneo para o coração por estreitamento dos vasos ou bloqueio do fluxo. Também conhecido por ataque cardíaco.
   [Mais...]

Um dispositivo de lente de contato sem fio pode ajudar a tratar a condição ocular glaucoma1, monitorando o acúmulo de pressão dentro do olho2 e fornecendo medicamentos automaticamente quando ela aumenta muito. A descoberta foi publicada na revista Nature Communications. Os pesquisadores testaram suas lentes em coelhos sem glaucoma1. Eles demonstraram pela primeira vez que o dispositivo poderia monitorar a pressão ocular nos animais e transmitir os dados de forma sem fio para o computador externo. Em seguida, eles usaram o computador para transmitir sem fio um sinal3 para a lente de contato que desencadeou a liberação do medicamento brimonidina. Ao rastrear os coelhos, eles descobriram que a pressão ocular dos animais diminuiu cerca de um terço após 30 minutos e mais de 40% após 2 horas, em média. Segundo os pesquisadores, os recursos minimamente invasivos, inteligentes, sem fio e teranósticos conferem à lente de contato desenvolvida um sistema altamente promissor para tratamentos de glaucoma1.
1 Glaucoma: É quando há aumento da pressão intra-ocular e danos ao nervo óptico decorrentes desse aumento de pressão. Esses danos se expressam no exame de fundo de olho e por alterações no campo de visão.
2 Olho: s. m. (fr. oeil; ing. eye). Órgão da visão, constituído pelo globo ocular (V. este termo) e pelos diversos meios que este encerra. Está situado na órbita e ligado ao cérebro pelo nervo óptico. V. ocular, oftalm-. Sinônimos: Olhos
3 Sinal: 1. É uma alteração percebida ou medida por outra pessoa, geralmente um profissional de saúde, sem o relato ou comunicação do paciente. Por exemplo, uma ferida. 2. Som ou gesto que indica algo, indício. 3. Dinheiro que se dá para garantir um contrato.
   [Mais...]

» Terapia neurodesenvolvimental não é recomendada para crianças com paralisia cerebral
» Implantes cocleares beneficiam crianças surdas com deficiência de desenvolvimento precoce
» Terapia genética do receptor de células T se mostra promissora para o câncer de pâncreas
» Limitação de turnos de trabalho de duração estendida na residência médica melhorou a segurança do paciente
» Níveis muito altos de colesterol HDL foram associados à morte precoce em pessoas com doença arterial coronariana
» FDA aprova primeiro tratamento para esofagite eosinofílica, um distúrbio imunológico crônico
» Medicação para o vício em bebida reduziu em 63% o risco de doença hepática relacionada ao álcool
» Limitar o uso recreativo de mídias em tela aumenta a atividade física habitual em crianças
» Nova pesquisa oferece pistas sobre por que alguns bebês morrem de síndrome da morte súbita infantil
» Fatores de risco modificáveis foram associados ao declínio cognitivo subjetivo em adultos com 45 anos ou mais


Visualizar: Títulos | Resumos
  • Entrar
  • Receber conteúdos