Gostou do artigo? Compartilhe!

Biomarcadores de rastreamento ocular podem auxiliar no diagnóstico de autismo na atenção primária

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie esta notícia

Encontrar soluções eficazes e escaláveis para resolver atrasos no diagnóstico1 e disparidades no autismo é um imperativo de saúde2 pública. Abordagens que integram biomarcadores de rastreamento ocular em modelos de avaliação do autismo baseados na comunidade são promissores para resolver este problema.

O objetivo deste estudo, publicado no JAMA Network Open, foi determinar se uma bateria de biomarcadores de rastreamento ocular pode diferenciar de forma confiável crianças pequenas com e sem autismo em uma amostra representativa da comunidade coletada durante a avaliação clínica no ambiente de atenção primária e avaliar se a combinação de biomarcadores de rastreamento ocular com diagnóstico1 do médico de atenção primária e certeza diagnóstica está associada ao resultado diagnóstico1.

Saiba mais sobre "Transtornos do espectro autista" e "Autismo: como reconhecer os sintomas3 precoces".

Os médicos de atenção primária de um sistema de Centros de Avaliação Precoce do Autismo encaminharam uma amostra consecutiva de crianças para este estudo diagnóstico1 prospectivo4 para teste de índice de rastreamento ocular cego e avaliação especializada de acompanhamento de 7 de junho de 2019 a 23 de setembro de 2022. Os participantes incluíram 146 crianças (com idades entre 14 e 48 meses) encaminhadas consecutivamente por 7 centros de avaliação. Das 154 crianças inscritas, 146 forneceram dados utilizáveis para pelo menos uma medida de rastreamento ocular.

Os desfechos primários foram a sensibilidade e a especificidade de um teste composto de rastreamento ocular (ou seja, índice), que foi uma medida consolidada baseada em índices significativos de rastreamento ocular, em comparação com o diagnóstico1 clínico especializado de autismo padrão de referência. Os desfechos secundários foram sensibilidade e especificidade de uma abordagem integrada usando um teste índice e diagnóstico1 e certeza do médico de atenção primária.

Entre 146 crianças (idade média [DP], 2,6 [0,6] anos; 104 [71%] do sexo masculino; 21 [14%] hispânicos ou latinos e 96 [66%] brancos não latinos; 102 [70%] com diagnóstico1 de autismo padrão de referência), 113 (77%) tiveram resultados de autismo concordantes entre o índice (biomarcador composto) e os resultados de referência, com sensibilidade de 77,5% (IC 95%, 68,4%-84,5%) e especificidade de 77,3% (IC 95%, 63,0%-87,2%).

Quando o diagnóstico1 índice foi baseado na combinação de um biomarcador composto, diagnóstico1 do médico de atenção primária e certeza diagnóstica, os resultados foram concordantes com o padrão de referência para 114 de 127 casos (90%) com uma sensibilidade de 90,7% (IC 95%, 83,3%-95,0%) e uma especificidade de 86,7% (IC 95%, 70,3%-94,7%).

Neste estudo diagnóstico1 prospectivo4, um biomarcador composto de rastreamento ocular foi associado a um diagnóstico1 clínico de autismo de melhor estimativa, e um modelo de diagnóstico1 integrado incluindo diagnóstico1 do médico de atenção primária e certeza diagnóstica demonstrou maior sensibilidade e especificidade.

Estas conclusões sugerem que equipar os médicos de atenção primária com uma abordagem de diagnóstico1 multi método tem o potencial de melhorar substancialmente o acesso a um diagnóstico1 oportuno e preciso nas comunidades locais.

Leia sobre "Desenvolvimento infantil", "Atrasos do desenvolvimento" e "Estereotipias - como elas são".

 

Fonte: JAMA Network Open, publicação em 14 de maio de 2024.

 

NEWS.MED.BR, 2024. Biomarcadores de rastreamento ocular podem auxiliar no diagnóstico de autismo na atenção primária. Disponível em: <https://www.news.med.br/p/medical-journal/1470012/biomarcadores-de-rastreamento-ocular-podem-auxiliar-no-diagnostico-de-autismo-na-atencao-primaria.htm>. Acesso em: 17 jul. 2024.

Complementos

1 Diagnóstico: Determinação de uma doença a partir dos seus sinais e sintomas.
2 Saúde: 1. Estado de equilíbrio dinâmico entre o organismo e o seu ambiente, o qual mantém as características estruturais e funcionais do organismo dentro dos limites normais para sua forma de vida e para a sua fase do ciclo vital. 2. Estado de boa disposição física e psíquica; bem-estar. 3. Brinde, saudação que se faz bebendo à saúde de alguém. 4. Força física; robustez, vigor, energia.
3 Sintomas: Alterações da percepção normal que uma pessoa tem de seu próprio corpo, do seu metabolismo, de suas sensações, podendo ou não ser um indício de doença. Os sintomas são as queixas relatadas pelo paciente mas que só ele consegue perceber. Sintomas são subjetivos, sujeitos à interpretação pessoal. A variabilidade descritiva dos sintomas varia em função da cultura do indivíduo, assim como da valorização que cada pessoa dá às suas próprias percepções.
4 Prospectivo: 1. Relativo ao futuro. 2. Suposto, possível; esperado. 3. Relativo à preparação e/ou à previsão do futuro quanto à economia, à tecnologia, ao plano social etc. 4. Em geologia, é relativo à prospecção.
Gostou do artigo? Compartilhe!