Gostou do artigo? Compartilhe!

Transtornos mentais podem se espalhar nos grupos sociais dos jovens

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie esta notícia

Se há uma coisa que a maioria das pessoas sabe sobre os adolescentes e a sua saúde1 mental é que as coisas estão piorando. As taxas de vários problemas de saúde1 mental têm aumentado neste grupo, especialmente nos EUA, mas também na Austrália, no Reino Unido e em muitos outros países.

Agora, um estudo recentemente concluído, publicado no JAMA Psychiatry, demonstra que os transtornos mentais podem ser transmitidos entre indivíduos dentro das suas redes (grupos) sociais. Observou-se que ter apenas uma pessoa com um problema de saúde1 mental em uma turma escolar foi associado a um maior risco de tal diagnóstico2 entre os seus colegas, mas as potenciais razões para isso são difíceis de definir. A constatação foi mais evidente no caso dos transtornos de humor, ansiedade e alimentares.

Utilizando dados de registo de toda a população, pesquisadores da Universidade de Helsinque, do Instituto Finlandês de Saúde1 e Bem-Estar, da Universidade de Jyväskylä e da Universidade de Manchester investigaram se os transtornos mentais podem ser transmitidos nas redes sociais formadas pelas turmas escolares.

O estudo é o maior e mais abrangente até agora sobre a propagação de transtornos mentais nos grupos sociais, com a participação de mais de 700 mil alunos do nono ano de 860 escolas finlandesas. Os adolescentes foram acompanhados desde o final do nono ano por uma mediana de 11 anos.

Os pesquisadores demonstraram que o número de colegas diagnosticados com transtorno mental estava associado a um risco maior de receber um diagnóstico2 de transtorno mental mais tarde na vida.

Leia sobre "Saúde1 mental" e "Principais transtornos mentais".

“A ligação observada foi mais forte durante o primeiro ano de acompanhamento do estudo. Isto não foi explicado por uma série de fatores relacionados aos pais, escola e área residencial”, diz o professor associado Christian Hakulinen, da Universidade de Helsinque.

“Esta pesquisa sugere que a transmissão social deve ser considerada um possível fator no desenvolvimento de transtornos mentais”, observou Jussi Alho, PhD, também da Universidade de Helsinque. “Deve-se notar, porém, que este estudo não permite tirar conclusões sobre a causalidade das associações observadas ou, caso a associação seja causal, sobre os mecanismos que explicariam a transmissão.”

De acordo com Hakulinen, estudos anteriores produziram resultados semelhantes: por exemplo, pesquisadores americanos observaram indícios de sintomas3 depressivos potencialmente transmitidos de um indivíduo para outro nos grupos sociais.

Em pesquisas anteriores, no entanto, as redes sociais foram tipicamente escolhidas de forma independente pelos sujeitos da pesquisa, o que pode resultar em distorções nos dados. Hakulinen destaca que as turmas escolares são redes sociais adequadas para pesquisas, pois geralmente as pessoas não conseguem escolher seus colegas de classe.

“A definição das redes sociais e o acompanhamento dos adolescentes foram possíveis graças aos extensos registros finlandeses. As descobertas aprofundam significativamente a nossa compreensão de como os problemas de saúde1 mental se desenvolvem e afetam outras pessoas nas nossas redes sociais”, diz ele.

Hakulinen observa, no entanto, que a ligação observada no estudo não é necessariamente causal. Além disso, o estudo não investigou como os transtornos mentais podem ser potencialmente transmitidos entre indivíduos.

“Pode ser possível, por exemplo, que o limite para procurar ajuda para problemas de saúde1 mental seja reduzido quando há uma ou mais pessoas na sua rede social que já procuraram ajuda para os problemas. Na verdade, esse tipo de normalização do diagnóstico2 e do tratamento pode ser considerado um contágio4 benéfico de transtornos mentais”, diz Hakulinen.

Os transtornos mentais são um desafio global significativo, afetando negativamente os indivíduos, a sociedade e a economia. De acordo com Hakulinen, os sintomas3 de ansiedade e humor, em particular, aumentaram nos últimos anos entre os jovens.

Estudos anteriores demonstraram que, em cerca de metade dos casos, o aparecimento de transtornos mentais na idade adulta ocorre quando as pessoas têm menos de 18 anos. Na verdade, Hakulinen enfatiza a importância de medidas preventivas e de intervenção precoce.

“Ao tomar medidas preventivas, vale a pena considerar que os transtornos mentais podem se espalhar de um adolescente para outro”, diz Hakulinen.

No artigo publicado, os pesquisadores relatam que pesquisas anteriores indicam que os transtornos mentais podem ser transmitidos de um indivíduo para outro nos grupos sociais. No entanto, faltam evidências epidemiológicas de base populacional que digam respeito a toda a gama de transtornos mentais.

O objetivo deste estudo, portanto, foi examinar se ter colegas com diagnóstico2 de transtorno mental no nono ano do ensino fundamental está associado ao risco posterior de ser diagnosticado com transtorno mental.

Em um estudo de registro de base populacional, foram incluídos dados sobre todos os cidadãos finlandeses nascidos entre 1 de Janeiro de 1985 e 31 de Dezembro de 1997, cujas informações demográficas, de saúde1 e escolares foram ligadas a partir de registos nacionais. Os membros da coorte5 foram acompanhados desde 1º de agosto do ano em que concluíram o nono ano (aproximadamente 16 anos) até o diagnóstico2 de transtorno mental, emigração, óbito6 ou 31 de dezembro de 2019, o que ocorresse primeiro. A análise dos dados foi realizada no período de 15 de maio de 2023 a 8 de fevereiro de 2024.

A exposição do estudo foi 1 ou mais indivíduos com diagnóstico2 de transtorno mental na mesma turma do nono ano. O desfecho principal foi ser diagnosticado com transtorno mental durante o acompanhamento.

Entre os 713.809 membros da coorte5 (idade média no início do acompanhamento, 16,1 [IQR, 15,9-16,4] anos; 50,4% eram do sexo masculino), 47.433 tiveram diagnóstico2 de transtorno mental no nono ano. Dos restantes 666.376 membros da coorte5, 167.227 pessoas (25,1%) receberam um diagnóstico2 de transtorno mental durante o acompanhamento (7,3 milhões de pessoas-ano).

Foi encontrada uma associação dose-resposta, sem aumento significativo no risco posterior de 1 colega de classe diagnosticado (HR, 1,01; IC 95%, 1,00-1,02), mas um aumento de 5% com mais de 1 colega de classe diagnosticado (HR, 1,05; IC 95%, 1,04-1,06).

O risco não foi proporcional ao longo do tempo, mas foi maior durante o primeiro ano de acompanhamento, mostrando um aumento de 9% para 1 colega de classe diagnosticado (HR, 1,09; IC 95%, 1,04-1,14) e um aumento de 18% para mais de 1 colega diagnosticado (HR, 1,18; IC 95%, 1,13-1,24).

Dos transtornos mentais examinados, o risco foi maior para transtornos de humor, de ansiedade e alimentares. O risco aumentado foi observado após o ajuste para uma série de fatores de confusão dos pais, da escola e da área.

As descobertas deste estudo sugerem que os transtornos mentais podem ser transmitidos nas redes de colegas de adolescentes. Mais pesquisas são necessárias para elucidar os mecanismos subjacentes à possível transmissão de transtornos mentais.

Veja também sobre "Transtornos de ansiedade", "Transtornos afetivos" e "Transtornos alimentares".

 

Fontes:
JAMA Psychiatry, publicação em 22 de maio de 2024.
Science Daily, notícia publicada em 23 de maio de 2024.

 

NEWS.MED.BR, 2024. Transtornos mentais podem se espalhar nos grupos sociais dos jovens. Disponível em: <https://www.news.med.br/p/medical-journal/1470262/transtornos-mentais-podem-se-espalhar-nos-grupos-sociais-dos-jovens.htm>. Acesso em: 18 jul. 2024.

Complementos

1 Saúde: 1. Estado de equilíbrio dinâmico entre o organismo e o seu ambiente, o qual mantém as características estruturais e funcionais do organismo dentro dos limites normais para sua forma de vida e para a sua fase do ciclo vital. 2. Estado de boa disposição física e psíquica; bem-estar. 3. Brinde, saudação que se faz bebendo à saúde de alguém. 4. Força física; robustez, vigor, energia.
2 Diagnóstico: Determinação de uma doença a partir dos seus sinais e sintomas.
3 Sintomas: Alterações da percepção normal que uma pessoa tem de seu próprio corpo, do seu metabolismo, de suas sensações, podendo ou não ser um indício de doença. Os sintomas são as queixas relatadas pelo paciente mas que só ele consegue perceber. Sintomas são subjetivos, sujeitos à interpretação pessoal. A variabilidade descritiva dos sintomas varia em função da cultura do indivíduo, assim como da valorização que cada pessoa dá às suas próprias percepções.
4 Contágio: 1. Em infectologia, é a transmissão de doença de uma pessoa a outra, por contato direto ou indireto. 2. Na história da medicina, aplica-se a qualquer doença contagiosa. 3. No sentido figurado, é a transmissão de características negativas, de vícios, etc. ou então a reprodução involuntária de reação alheia.
5 Coorte: Grupo de indivíduos que têm algo em comum ao serem reunidos e que são observados por um determinado período de tempo para que se possa avaliar o que ocorre com eles. É importante que todos os indivíduos sejam observados por todo o período de seguimento, já que informações de uma coorte incompleta podem distorcer o verdadeiro estado das coisas. Por outro lado, o período de tempo em que os indivíduos serão observados deve ser significativo na história natural da doença em questão, para que haja tempo suficiente do risco se manifestar.
6 Óbito: Morte de pessoa; passamento, falecimento.
Gostou do artigo? Compartilhe!