Gostou do artigo? Compartilhe!

Dieta cetogênica de longo prazo pode acelerar o envelhecimento dos órgãos

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie esta notícia

Uma dieta cetogênica faz com que células1 danificadas se acumulem nos órgãos de camundongos. Seu acúmulo sugere que a dieta cetogênica pode acelerar o envelhecimento dos órgãos, aumentando o risco de condições como doenças cardíacas e câncer2.

Os dados são de uma nova pesquisa, publicada na revista Science Advances, que descobriu que uma dieta cetogênica contínua e de longo prazo pode induzir células1 senescentes3, ou envelhecidas, em tecidos normais, com implicações específicas para a função cardíaca e renal4. Mas interrupções planejadas na dieta podem ajudar na prevenção.

Embora muitas pessoas tenham adotado dietas com baixo teor de carboidratos, como a dieta cetogênica, para perda de peso e controle do açúcar5 no sangue6, as pesquisas sobre seus efeitos na saúde7 são confusas, com alguns estudos descobrindo que elas aumentam o risco de ataques cardíacos.

Saiba mais sobre "Dieta cetogênica", "Cetose: o que é" e "Macronutrientes8 - quais são eles".

Para saber mais, David Gius, do Centro de Ciências da Saúde7 da Universidade do Texas, em San Antonio, e seus colegas alimentaram seis camundongos com dieta cetogênica durante três semanas. Mais de 90% de suas calorias9 provinham de gordura10 e menos de 1% de carboidratos. Um grupo de controle seguiu uma dieta padrão em que 17% das calorias9 provinham de gordura10 e 58% provinham de carboidratos.

Os pesquisadores então analisaram amostras de tecido11 do coração12, rim13, fígado14 e cérebro15 dos camundongos, em busca de células1 senescentes3. A senescência ocorre quando as células1 ficam danificadas demais para funcionar, mas em vez de morrer, elas entram em um estado semelhante a um zumbi. Essas células1 permanecem nos tecidos, expelindo toxinas16 que alimentam a inflamação17.

Os animais na dieta cetogênica tinham significativamente mais células1 senescentes3 em seus órgãos em comparação com aqueles na dieta padrão. Por exemplo, os seus rins18 continham, em média, quatro vezes mais quantidade de um marcador de senescência celular do que os dos animais alimentados com uma dieta regular.

As células1 senescentes3 aumentam com a idade. Portanto, essas descobertas sugerem que a dieta cetônica pode acelerar o envelhecimento dos órgãos, o que aumentaria o risco de condições como doenças cardíacas, câncer2 e diabetes tipo 219. No entanto, mudar os camundongos de volta para uma dieta padrão diminuiu as células1 senescentes3.

“Embora a dieta cetogênica seja provavelmente uma coisa boa, ela não é para todos. E o mais importante, você precisa fazer uma pausa”, diz Gius. “Acho que nosso artigo realmente diz que precisamos estudar isso com mais rigor.”

Não está claro como essas descobertas experimentais podem ser traduzidas para as pessoas, diz Russell Jones, do Instituto Van Andel, em Michigan. “Eles estão seguindo uma dieta com 90% de gordura10, e isso seria virtualmente impossível de ser seguido por um ser humano”, diz ele.

No artigo publicado, os pesquisadores descrevem como a dieta cetogênica induz senescência celular dependente de p53 em múltiplos órgãos.

Eles relatam que uma dieta cetogênica (DC) é uma dieta rica em gordura10 e pobre em carboidratos que leva à geração de cetonas. Embora as DCs melhorem certas condições de saúde7 e sejam populares para perda de peso, também foram relatados efeitos prejudiciais.

Neste estudo, mostrou-se que camundongos em duas DCs diferentes e, em idades diferentes, induzem a senescência celular em múltiplos órgãos, incluindo o coração12 e os rins18. Este efeito é mediado pela proteína quinase ativada por adenosina monofosfato (AMPK) e inativação do gene duplo minuto 2 murino (MDM2) pela caspase-2, levando ao acúmulo de p53 e à indução de p21. Isto foi estabelecido usando camundongos silenciados para p53 e caspase-2 e inibidores de AMPK, p21 e caspase-2.

Além disso, os biomarcadores do fenótipo20 secretor associado à senescência foram elevados no soro21 de camundongos em uma DC e em amostras de plasma22 de pacientes em um ensaio clínico de DC.

A senescência celular foi eliminada por um senolítico e prevenida por uma DC intermitente23.

Estes resultados têm implicações clínicas importantes, sugerindo que os efeitos de uma DC são contextuais e provavelmente requerem otimização individual.

Leia sobre "O processo de envelhecimento", "Envelhecimento precoce" e "Dieta 'Low Carb'".

 

Fontes:
Science Advances, Vol. 10, Nº 20, em 17 de maio de 2024.
New Scientist, notícia publicada em 17 de maio de 2024.

 

NEWS.MED.BR, 2024. Dieta cetogênica de longo prazo pode acelerar o envelhecimento dos órgãos. Disponível em: <https://www.news.med.br/p/medical-journal/1470092/dieta-cetogenica-de-longo-prazo-pode-acelerar-o-envelhecimento-dos-orgaos.htm>. Acesso em: 13 jul. 2024.

Complementos

1 Células: Unidades (ou subunidades) funcionais e estruturais fundamentais dos organismos vivos. São compostas de CITOPLASMA (com várias ORGANELAS) e limitadas por uma MEMBRANA CELULAR.
2 Câncer: Crescimento anormal de um tecido celular capaz de invadir outros órgãos localmente ou à distância (metástases).
3 Senescentes: Que está em processo de envelhecimento.
4 Renal: Relacionado aos rins. Uma doença renal é uma doença dos rins. Insuficiência renal significa que os rins pararam de funcionar.
5 Açúcar: 1. Classe de carboidratos com sabor adocicado, incluindo glicose, frutose e sacarose. 2. Termo usado para se referir à glicemia sangüínea.
6 Sangue: O sangue é uma substância líquida que circula pelas artérias e veias do organismo. Em um adulto sadio, cerca de 45% do volume de seu sangue é composto por células (a maioria glóbulos vermelhos, glóbulos brancos e plaquetas). O sangue é vermelho brilhante, quando oxigenado nos pulmões (nos alvéolos pulmonares). Ele adquire uma tonalidade mais azulada, quando perde seu oxigênio, através das veias e dos pequenos vasos denominados capilares.
7 Saúde: 1. Estado de equilíbrio dinâmico entre o organismo e o seu ambiente, o qual mantém as características estruturais e funcionais do organismo dentro dos limites normais para sua forma de vida e para a sua fase do ciclo vital. 2. Estado de boa disposição física e psíquica; bem-estar. 3. Brinde, saudação que se faz bebendo à saúde de alguém. 4. Força física; robustez, vigor, energia.
8 Macronutrientes: Os macronutrientes fornecem as calorias aos alimentos. São eles: carboidratos, proteínas e lipídeos.
9 Calorias: Dizemos que um alimento tem ”x” calorias, para nos referirmos à quantidade de energia que ele pode fornecer ao organismo, ou seja, à energia que será utilizada para o corpo realizar suas funções de respiração, digestão, prática de atividades físicas, etc.
10 Gordura: Um dos três principais nutrientes dos alimentos. Os alimentos que fornecem gordura são: manteiga, margarina, óleos, nozes, carnes vermelhas, peixes, frango e alguns derivados do leite. O excesso de calorias é estocado no organismo na forma de gordura, fornecendo uma reserva de energia ao organismo.
11 Tecido: Conjunto de células de características semelhantes, organizadas em estruturas complexas para cumprir uma determinada função. Exemplo de tecido: o tecido ósseo encontra-se formado por osteócitos dispostos em uma matriz mineral para cumprir funções de sustentação.
12 Coração: Órgão muscular, oco, que mantém a circulação sangüínea.
13 Rim: Os rins são órgãos em forma de feijão que filtram o sangue e formam a urina. Os rins são localizados na região posterior do abdômen, um de cada lado da coluna vertebral.
14 Fígado: Órgão que transforma alimento em energia, remove álcool e toxinas do sangue e fabrica bile. A bile, produzida pelo fígado, é importante na digestão, especialmente das gorduras. Após secretada pelas células hepáticas ela é recolhida por canalículos progressivamente maiores que a levam para dois canais que se juntam na saída do fígado e a conduzem intermitentemente até o duodeno, que é a primeira porção do intestino delgado. Com esse canal biliar comum, chamado ducto hepático, comunica-se a vesícula biliar através de um canal sinuoso, chamado ducto cístico. Quando recebe esse canal de drenagem da vesícula biliar, o canal hepático comum muda de nome para colédoco. Este, ao entrar na parede do duodeno, tem um músculo circular, designado esfíncter de Oddi, que controla o seu esvaziamento para o intestino.
15 Cérebro: Derivado do TELENCÉFALO, o cérebro é composto dos hemisférios direito e esquerdo. Cada hemisfério contém um córtex cerebral exterior e gânglios basais subcorticais. O cérebro inclui todas as partes dentro do crânio exceto MEDULA OBLONGA, PONTE e CEREBELO. As funções cerebrais incluem as atividades sensório-motora, emocional e intelectual.
16 Toxinas: Substâncias tóxicas, especialmente uma proteína, produzidas durante o metabolismo e o crescimento de certos microrganismos, animais e plantas, capazes de provocar a formação de anticorpos ou antitoxinas.
17 Inflamação: Conjunto de processos que se desenvolvem em um tecido em resposta a uma agressão externa. Incluem fenômenos vasculares como vasodilatação, edema, desencadeamento da resposta imunológica, ativação do sistema de coagulação, etc.Quando se produz em um tecido superficial (pele, tecido celular subcutâneo) pode apresentar tumefação, aumento da temperatura local, coloração avermelhada e dor (tétrade de Celso, o cientista que primeiro descreveu as características clínicas da inflamação).
18 Rins: Órgãos em forma de feijão que filtram o sangue e formam a urina. Os rins são localizados na região posterior do abdômen, um de cada lado da coluna vertebral.
19 Diabetes tipo 2: Condição caracterizada por altos níveis de glicose causada tanto por graus variáveis de resistência à insulina quanto por deficiência relativa na secreção de insulina. O tipo 2 se desenvolve predominantemente em pessoas na fase adulta, mas pode aparecer em jovens.
20 Fenótipo: Características apresentadas por um indivíduo sejam elas morfológicas, fisiológicas ou comportamentais. Também fazem parte do fenótipo as características microscópicas e de natureza bioquímica, que necessitam de testes especiais para a sua identificação, como, por exemplo, o tipo sanguíneo do indivíduo.
21 Soro: Chama-se assim qualquer líquido de características cristalinas e incolor.
22 Plasma: Parte que resta do SANGUE, depois que as CÉLULAS SANGÜÍNEAS são removidas por CENTRIFUGAÇÃO (sem COAGULAÇÃO SANGÜÍNEA prévia).
23 Intermitente: Nos quais ou em que ocorrem interrupções; que cessa e recomeça por intervalos; intervalado, descontínuo. Em medicina, diz-se de episódios de febre alta que se alternam com intervalos de temperatura normal ou cujas pulsações têm intervalos desiguais entre si.
Gostou do artigo? Compartilhe!