Gostou do artigo? Compartilhe!

Interromper os antidepressivos causa sintomas em uma em cada seis pessoas, estima estudo

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie esta notícia

Os antidepressivos são um dos medicamentos mais comumente tomados em países de alta renda – e estão entre os mais controversos. Há apenas 10 anos, alguns médicos podem ter duvidado que os sintomas1 de abstinência de antidepressivos ocorressem com frequência. Agora, um estudo publicado no The Lancet Psychiatry descobriu que estas reações ocorrem em até 1 em cada 3 pessoas que param de tomar os medicamentos, embora nem sempre sejam o que parecem.

A revisão sistemática e metanálise analisou dados de mais de 20.000 pacientes de 79 ensaios clínicos2 randomizados e estudos observacionais, 16.532 dos quais descontinuaram antidepressivos.

A análise descobriu que quase um terço (31%) das pessoas que pararam de tomar um antidepressivo experimentaram pelo menos um sintoma3, como tontura4, dor de cabeça5, náusea6, insônia ou irritabilidade. Em cerca de 3% dos pacientes (1 em 35) estes sintomas1 são graves.

Mas um em cada seis pacientes (17%) que estavam tomando placebo7 também apresentou sintomas1 semelhantes aos da descontinuação quando pararam.

Então, o que a descoberta realmente significa quando os sintomas1 físicos e mentais também podem ocorrer ao descontinuar o placebo7?

Leia: "Perguntas e respostas sobre antidepressivos: fatos e equívocos comuns".

No artigo publicado, os pesquisadores relatam que os sintomas1 de descontinuação de antidepressivos estão se tornando uma parte cada vez mais importante da prática clínica, mas a incidência8 de sintomas1 de descontinuação de antidepressivos não foi quantificada.

Uma estimativa da incidência8 de sintomas1 de descontinuação de antidepressivos poderia informar pacientes e médicos sobre a descontinuação do tratamento e fornecer informações úteis aos pesquisadores de tratamentos antidepressivos.

O objetivo do estudo, portanto, foi avaliar a incidência8 de sintomas1 de descontinuação de antidepressivos em pacientes que descontinuaram antidepressivos e placebo7 na literatura publicada.

Pesquisou-se sistematicamente Medline, EMBASE e CENTRAL desde o início dos bancos de dados até 13 de outubro de 2022 para ensaios clínicos2 randomizados (ECR), outros ensaios controlados e estudos observacionais que avaliaram a incidência8 de sintomas1 de descontinuação de antidepressivos.

Para serem incluídos, os estudos deveriam ter investigado a cessação ou redução gradual de um medicamento antidepressivo estabelecido (excluindo antipsicóticos, lítio ou tiroxina) ou placebo7 em participantes com qualquer transtorno mental, comportamental ou de desenvolvimento neurológico. Foram excluídos estudos em neonatos9 e aqueles que usavam antidepressivos para condições físicas, como síndromes dolorosas devido a doenças orgânicas.

Após a seleção dos estudos, a extração resumida dos dados e a avaliação do risco de viés, os dados foram agrupados em metanálises de efeitos aleatórios. O principal resultado foi a incidência8 de sintomas1 de descontinuação de antidepressivos após a descontinuação de antidepressivos ou placebo7. Também analisamos a incidência8 de sintomas1 graves de descontinuação. Análises de sensibilidade e metarregressão testaram uma seleção de variáveis metodológicas.

Dos 6.095 artigos avaliados, foram selecionados 79 estudos (44 ECRs e 35 estudos observacionais) abrangendo 21.002 pacientes (72% mulheres, 28% homens, idade média de 45 anos [faixa 19,6-64,5]). Os dados sobre a etnia não foram relatados de forma consistente. 16.532 pacientes descontinuaram o uso de um antidepressivo e 4.470 pacientes descontinuaram o placebo7.

A incidência8 de pelo menos um sintoma3 de descontinuação de antidepressivos foi de 0,31 (IC 95% 0,27-0,35) em 62 grupos de estudo após a descontinuação de antidepressivos e de 0,17 (0,14-0,21) em 22 grupos de estudo após a descontinuação do placebo7.

Entre os grupos de antidepressivos e de placebo7 dos ECRs incluídos, a diferença resumida na incidência8 foi de 0,08 (0,04-0,12). A incidência8 de sintomas1 graves de descontinuação de antidepressivos após a descontinuação de um antidepressivo foi de 0,028 (0,014-0,057) em comparação com 0,006 (0,002-0,013) após a descontinuação de placebo7.

Desvenlafaxina, venlafaxina, imipramina e escitalopram foram associados a maiores frequências de sintomas1 de descontinuação, e imipramina, paroxetina e desvenlafaxina ou venlafaxina foram associados a maior gravidade dos sintomas1. A heterogeneidade dos resultados foi substancial.

Considerando os efeitos inespecíficos, como evidenciado nos grupos placebo7, a incidência8 de sintomas1 de descontinuação de antidepressivos é de aproximadamente 15%, afetando um em cada seis a sete pacientes que descontinuam a medicação.

As análises de subgrupos e os números de heterogeneidade apontam para fatores não explicados pelo diagnóstico10, medicação ou características relacionadas ao estudo, e podem indicar fatores subjetivos por parte dos pesquisadores, pacientes ou ambos.

A psicopatologia residual ou reemergente precisa ser considerada na interpretação dos resultados, mas os achados podem informar os médicos e os pacientes sobre a provável extensão dos sintomas1 de descontinuação dos antidepressivos sem causar alarme indevido.

Veja também sobre "Síndrome11 de abstinência", "Principais transtornos mentais" e "Antidepressivos: eles estão sendo usados em excesso?"

 

Fontes:
The Lancet Psychiatry, Vol. 11, Nº 7, em julho de 2024.
New Scientist, notícia publicada em 05 de junho de 2024.
The BMJ, notícia publicada em 06 de junho de 2024.

 

NEWS.MED.BR, 2024. Interromper os antidepressivos causa sintomas em uma em cada seis pessoas, estima estudo. Disponível em: <https://www.news.med.br/p/medical-journal/1475182/interromper-os-antidepressivos-causa-sintomas-em-uma-em-cada-seis-pessoas-estima-estudo.htm>. Acesso em: 18 jul. 2024.

Complementos

1 Sintomas: Alterações da percepção normal que uma pessoa tem de seu próprio corpo, do seu metabolismo, de suas sensações, podendo ou não ser um indício de doença. Os sintomas são as queixas relatadas pelo paciente mas que só ele consegue perceber. Sintomas são subjetivos, sujeitos à interpretação pessoal. A variabilidade descritiva dos sintomas varia em função da cultura do indivíduo, assim como da valorização que cada pessoa dá às suas próprias percepções.
2 Ensaios clínicos: Há três fases diferentes em um ensaio clínico. A Fase 1 é o primeiro teste de um tratamento em seres humanos para determinar se ele é seguro. A Fase 2 concentra-se em saber se um tratamento é eficaz. E a Fase 3 é o teste final antes da aprovação para determinar se o tratamento tem vantagens sobre os tratamentos padrões disponíveis.
3 Sintoma: Qualquer alteração da percepção normal que uma pessoa tem de seu próprio corpo, do seu metabolismo, de suas sensações, podendo ou não ser um indício de doença. O sintoma é a queixa relatada pelo paciente mas que só ele consegue perceber. Sintomas são subjetivos, sujeitos à interpretação pessoal. A variabilidade descritiva dos sintomas varia em função da cultura do indivíduo, assim como da valorização que cada pessoa dá às suas próprias percepções.
4 Tontura: O indivíduo tem a sensação de desequilíbrio, de instabilidade, de pisar no vazio, de que vai cair.
5 Cabeça:
6 Náusea: Vontade de vomitar. Forma parte do mecanismo complexo do vômito e pode ser acompanhada de sudorese, sialorréia (salivação excessiva), vertigem, etc.
7 Placebo: Preparação neutra quanto a efeitos farmacológicos, ministrada em substituição a um medicamento, com a finalidade de suscitar ou controlar as reações, geralmente de natureza psicológica, que acompanham tal procedimento terapêutico.
8 Incidência: Medida da freqüência em que uma doença ocorre. Número de casos novos de uma doença em um certo grupo de pessoas por um certo período de tempo.
9 Neonatos: Refere-se a bebês nos seus primeiros 28 dias (mês) de vida. O termo “recentemente-nascido“ refere-se especificamente aos primeiros minutos ou horas que se seguem ao nascimento. Esse termo é utilizado para enfocar os conhecimentos e treinamento da ressuscitação imediatamente após o nascimento e durante as primeiras horas de vida.
10 Diagnóstico: Determinação de uma doença a partir dos seus sinais e sintomas.
11 Síndrome: Conjunto de sinais e sintomas que se encontram associados a uma entidade conhecida ou não.
Gostou do artigo? Compartilhe!