Gostou do artigo? Compartilhe!

Workshop de saúde mental de um dia melhora o humor dos adolescentes durante seis meses

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie esta notícia

Um workshop escolar de um dia baseado em terapia cognitivo1-comportamental (TCC) levou a pequenas melhorias no humor e nos níveis de estresse dos adolescentes durante pelo menos seis meses. De acordo com o estudo, publicado no The Lancet Psychiatry, os participantes observaram pequenas melhorias nas pontuações de sintomas2 de depressão.

O resultado contrasta com vários outros ensaios recentes de intervenções de saúde3 mental nas escolas, que concluíram que estas pioraram ligeiramente o bem-estar das crianças.

Na última década, a TCC tornou-se um dos tipos mais comuns de terapia da fala oferecida a pessoas com depressão ou ansiedade. Ao contrário de tipos mais abertos de terapia da fala, como a psicanálise, a TCC é estruturada com o objetivo de encorajar as pessoas a mudar formas de pensamento ou padrões de comportamento que não as ajudam, como focar em eventos perturbadores ou evitar situações sociais.

A TCC também tem a maior evidência de ensaios randomizados envolvendo adultos com depressão, ansiedade ou outros problemas de saúde3 mental. Os participantes geralmente consultam um terapeuta 1 hora por semana durante dois ou três meses.

O último ensaio foi concebido para avaliar se um curso de um dia poderia trazer benefícios para os adolescentes, neste caso com idades entre os 16 e os 18 anos. O workshop foi oferecido a alunos que sentiam que estavam experimentando estresse, preocupações ou mau humor.

Três terapeutas ministraram o curso para grupos de 16 alunos. O curso envolveu ensiná-los sobre TCC e técnicas de relaxamento e atenção plena – breves práticas meditativas – e oferecer dicas práticas sobre gerenciamento de tempo e sono suficiente.

Em 57 escolas na Inglaterra, 900 alunos foram selecionados aleatoriamente para participar em um dos workshops ou para utilizar os sistemas de saúde3 mental existentes, como serem encaminhados para serviços de saúde3.

Após os workshops, os alunos tiveram direito a até mais três ligações telefônicas com os terapeutas para apoio.

Saiba mais sobre "Transtornos de ansiedade", "Depressões" e "Saúde3 mental - o que é".

Aqueles que participaram nos workshops observaram uma diminuição nos seus sintomas2 de depressão, em comparação com o grupo de controle, de pouco mais de 2 pontos em uma escala de 67 pontos, o que é classificado como um efeito pequeno.

Mas entre um terço dos participantes que tiveram as pontuações mais altas de depressão no início, aqueles que participaram dos workshops observaram uma redução média de cerca de 4 pontos nos sintomas2, o que é classificado como um impacto moderado, diz Ben Carter, do King's College London. “Encontramos um efeito muito maior do que esperávamos.”

Os workshops também levaram a pequenas melhorias em todo o grupo nos testes de ansiedade e bem-estar, que duraram pelo menos seis meses.

June Brown, outro membro da equipe do King’s, diz que pode haver várias razões pelas quais este formato parece mais benéfico do que outras intervenções de saúde3 mental nas escolas. Alguns programas anteriores envolviam professores que davam formação sobre atenção plena a turmas inteiras, em vez de recorrerem a terapeutas e de se concentrarem em adolescentes que realmente estavam tendo problemas, como neste ensaio, diz ela. A atenção plena também tem menos evidências de apoio para seu uso em adultos do que a TCC.

Jack Andrews, da Universidade de Oxford, diz que as descobertas são bem-vindas. “O ensaio foi muito bem desenhado”, diz ele. “Esses resultados são muito promissores.”

Os terapeutas que conduzem as oficinas fazem parte de uma nova iniciativa que começou em 2018 para que profissionais de saúde3 mental trabalhem em escolas inglesas. Eles estão atualmente trabalhando em escolas que ensinam cerca de um terço dos alunos da Inglaterra, estando eventualmente prevista uma cobertura para todas as escolas.

No artigo publicado, os pesquisadores relatam que depressão e ansiedade são cada vez mais prevalentes em adolescentes. O ensaio Breves Oficinas Educacionais em Escolas Secundárias investigou a eficácia de um programa breve e acessível de oficinas sobre estresse para jovens de 16 a 18 anos. O objetivo foi investigar a eficácia clínica e o custo-efetividade do workshop de terapia cognitivo1-comportamental (TCC) DISCOVER sobre sintomas2 de depressão em jovens de 16 a 18 anos aos 6 meses, em comparação com o tratamento usual.

Foi conduzido um ensaio multicêntrico, controlado e randomizado4 por cluster em escolas do Reino Unido que ofereciam os dois últimos anos do ensino secundário para avaliar a eficácia clínica e o custo-efetividade de um breve workshop de TCC (DISCOVER) em comparação com o tratamento usual.

Planejou-se inscrever 60 escolas e 900 adolescentes, utilizando um sistema de autorreferência para recrutar participantes. As escolas foram randomizadas em uma proporção de 1:1 para que os participantes recebessem o workshop DISCOVER ou o tratamento usual, estratificado por local e balanceado de acordo com o tamanho da escola e índice de privação múltipla. Os participantes foram incluídos se tivessem entre 16 e 18 anos de idade, frequentassem o ano letivo completo, procurassem ajuda para o estresse, fossem fluentes em inglês e fossem capazes de fornecer consentimento informado por escrito.

Os avaliadores de resultados, o economista sênior5 de saúde3, o estatístico sênior5 e o investigador-chefe foram mascarados. Pessoas com experiência vivida foram envolvidas no estudo. O desfecho primário foi sintomas2 de depressão medidos com o Questionário de Humor e Sentimentos (MFQ) no acompanhamento de 6 meses, na população com intenção de tratar de todos os participantes com dados completos de covariáveis.

111 escolas foram convidadas a participar do estudo, sete foram consideradas inelegíveis e 47 não deram consentimento. Entre 4 de outubro de 2021 e 10 de novembro de 2022, 933 alunos de 57 escolas foram selecionados para elegibilidade, sete não foram elegíveis para inclusão e 26 não compareceram à reunião e avaliação de base, resultando na participação de 900 adolescentes no estudo. O grupo DISCOVER incluiu 443 participantes (295 [67%] mulheres e 136 [31%] homens) e o grupo de tratamento usual incluiu 457 participantes (346 [76%] mulheres e 92 [20%] homens). 468 (52%) dos 900 participantes eram brancos e a idade geral dos participantes era de 17,2 anos (DP 0,6). 873 (97%) adolescentes foram acompanhados na população com intenção de tratar.

A análise primária de intenção de tratar (n = 854) encontrou uma diferença média ajustada no MFQ de -2,06 (IC 95% -3,35 a -0,76; d de Cohen = -0,17; p = 0,0019) no acompanhamento de 6 meses, indicando melhora clínica no grupo DISCOVER.

A probabilidade de o DISCOVER ser custo-efetivo em comparação com o tratamento usual variou de 61% a 78%, com um valor de £20.000 a £30.000 por limite de ano de vida ajustado pela qualidade. Nove eventos adversos (dois dos quais foram classificados como graves) foram relatados no grupo DISCOVER e 14 (dois dos quais foram classificados como graves) foram relatados no grupo de tratamento usual.

As descobertas indicam que a intervenção DISCOVER é clinicamente eficaz e economicamente viável e pode ser uma intervenção precoce promissora nas escolas. Dada a importância de abordar precocemente as necessidades de saúde3 mental nesta população adolescente, são necessárias pesquisas adicionais para explorar esta intervenção.

Leia sobre "Terapia cognitivo1 comportamental", "Atenção Plena ou Mindfulness: o que é" e "Maneiras de lidar com o estresse".

 

Fontes:
The Lancet Psychiatry, publicação em 14 de maio de 2024.
New Scientist, notícia publicada em 14 de maio de 2024.

 

NEWS.MED.BR, 2024. Workshop de saúde mental de um dia melhora o humor dos adolescentes durante seis meses. Disponível em: <https://www.news.med.br/p/medical-journal/1470232/workshop-de-saude-mental-de-um-dia-melhora-o-humor-dos-adolescentes-durante-seis-meses.htm>. Acesso em: 13 jul. 2024.

Complementos

1 Cognitivo: 1. Relativo ao conhecimento, à cognição. 2. Relativo ao processo mental de percepção, memória, juízo e/ou raciocínio. 3. Diz-se de estados e processos relativos à identificação de um saber dedutível e à resolução de tarefas e problemas determinados. 4. Diz-se dos princípios classificatórios derivados de constatações, percepções e/ou ações que norteiam a passagem das representações simbólicas à experiência, e também da organização hierárquica e da utilização no pensamento e linguagem daqueles mesmos princípios.
2 Sintomas: Alterações da percepção normal que uma pessoa tem de seu próprio corpo, do seu metabolismo, de suas sensações, podendo ou não ser um indício de doença. Os sintomas são as queixas relatadas pelo paciente mas que só ele consegue perceber. Sintomas são subjetivos, sujeitos à interpretação pessoal. A variabilidade descritiva dos sintomas varia em função da cultura do indivíduo, assim como da valorização que cada pessoa dá às suas próprias percepções.
3 Saúde: 1. Estado de equilíbrio dinâmico entre o organismo e o seu ambiente, o qual mantém as características estruturais e funcionais do organismo dentro dos limites normais para sua forma de vida e para a sua fase do ciclo vital. 2. Estado de boa disposição física e psíquica; bem-estar. 3. Brinde, saudação que se faz bebendo à saúde de alguém. 4. Força física; robustez, vigor, energia.
4 Randomizado: Ensaios clínicos comparativos randomizados são considerados o melhor delineamento experimental para avaliar questões relacionadas a tratamento e prevenção. Classicamente, são definidos como experimentos médicos projetados para determinar qual de duas ou mais intervenções é a mais eficaz mediante a alocação aleatória, isto é, randomizada, dos pacientes aos diferentes grupos de estudo. Em geral, um dos grupos é considerado controle – o que algumas vezes pode ser ausência de tratamento, placebo, ou mais frequentemente, um tratamento de eficácia reconhecida. Recursos estatísticos são disponíveis para validar conclusões e maximizar a chance de identificar o melhor tratamento. Esses modelos são chamados de estudos de superioridade, cujo objetivo é determinar se um tratamento em investigação é superior ao agente comparativo.
5 Sênior: 1. Que é o mais velho. 2. Diz-se de desportistas que já ganharam primeiros prêmios: um piloto sênior. 3. Diz-se de profissionais experientes que já exercem, há algum tempo, determinada atividade.
Gostou do artigo? Compartilhe!