news.med.br  -  Medical Journal
Medical Journal - 08/06/21
Uma rede neural artificial pode interpretar sinais1 do cérebro2 de uma pessoa que está imaginando que está escrevendo com uma caneta e convertê-los em texto. O dispositivo converte palavras com precisão de 90 caracteres por minuto, com 94,1% de precisão bruta online e mais de 99% de precisão offline com autocorreção de uso geral. O estudo descrevendo a interface criada foi publicado na revista Nature, e fornece detalhes da comunicação cérebro2-texto de alto desempenho por meio de escrita à mão3. A interface cérebro2-computador foi testada em um participante cuja mão3 estava paralisada por lesão4 da medula espinhal5. Os resultados abrem uma nova abordagem para interfaces cérebro2-computador e demonstram a viabilidade de decodificar com precisão movimentos rápidos e hábeis anos após a paralisia6.
1 Sinais: São alterações percebidas ou medidas por outra pessoa, geralmente um profissional de saúde, sem o relato ou comunicação do paciente. Por exemplo, uma ferida.
2 Cérebro: Derivado do TELENCÉFALO, o cérebro é composto dos hemisférios direito e esquerdo. Cada hemisfério contém um córtex cerebral exterior e gânglios basais subcorticais. O cérebro inclui todas as partes dentro do crânio exceto MEDULA OBLONGA, PONTE e CEREBELO. As funções cerebrais incluem as atividades sensório-motora, emocional e intelectual.
3 Mão: Articulação entre os ossos do metacarpo e as falanges.
4 Lesão: 1. Ato ou efeito de lesar (-se). 2. Em medicina, ferimento ou traumatismo. 3. Em patologia, qualquer alteração patológica ou traumática de um tecido, especialmente quando acarreta perda de função de uma parte do corpo. Ou também, um dos pontos de manifestação de uma doença sistêmica. 4. Em termos jurídicos, prejuízo sofrido por uma das partes contratantes que dá mais do que recebe, em virtude de erros de apreciação ou devido a elementos circunstanciais. Ou também, em direito penal, ofensa, dano à integridade física de alguém.
5 Medula Espinhal:
6 Paralisia: Perda total da força muscular que produz incapacidade para realizar movimentos nos setores afetados. Pode ser produzida por doença neurológica, muscular, tóxica, metabólica ou ser uma combinação das mesmas.
   [Mais...]

Medical Journal - 08/06/21
Uma equipe de cientistas anunciou que restaurou parcialmente a visão1 de um homem cego ao construir proteínas2 que captam a luz em um de seus olhos3. Usando uma técnica chamada optogenética, eles adicionaram proteínas2 sensíveis à luz à retina4 do homem, dando-lhe uma visão1 borrada dos objetos. O estudo, publicado na revista Nature Medicine, é o primeiro a descrever o uso bem-sucedido desse tratamento. O paciente percebeu, localizou, contou e tocou objetos diferentes usando apenas o olho5 tratado com vetor enquanto usava óculos especiais. Durante a percepção visual, os registros eletroencefalográficos multicanal revelaram atividade relacionada ao objeto acima do córtex visual.
1 Visão: 1. Ato ou efeito de ver. 2. Percepção do mundo exterior pelos órgãos da vista; sentido da vista. 3. Algo visto, percebido. 4. Imagem ou representação que aparece aos olhos ou ao espírito, causada por delírio, ilusão, sonho; fantasma, visagem. 5. No sentido figurado, concepção ou representação, em espírito, de situações, questões etc.; interpretação, ponto de vista. 6. Percepção de fatos futuros ou distantes, como profecia ou advertência divina.
2 Proteínas: Um dos três principais nutrientes dos alimentos. Alimentos que fornecem proteína incluem carne vermelha, frango, peixe, queijos, leite, derivados do leite, ovos.
3 Olhos:
4 Retina: Parte do olho responsável pela formação de imagens. É como uma tela onde se projetam as imagens: retém as imagens e as traduz para o cérebro através de impulsos elétricos enviados pelo nervo óptico. Possui duas partes: a retina periférica e a mácula.
5 Olho: s. m. (fr. oeil; ing. eye). Órgão da visão, constituído pelo globo ocular (V. este termo) e pelos diversos meios que este encerra. Está situado na órbita e ligado ao cérebro pelo nervo óptico. V. ocular, oftalm-. Sinônimos: Olhos
   [Mais...]

Medical Journal - 07/06/21
A associação do colesterol1 de lipoproteína de alta densidade (HDL2) plasmático com o risco de demência3 não é clara. Portanto, nesse estudo publicado no jornal científico Cardiovascular Research, pesquisadores testaram a hipótese de que níveis elevados de colesterol1 HDL2 plasmático estão associados a risco aumentado de demência3 e se uma possível associação é de natureza causal. Os resultados mostraram que o colesterol1 HDL2 elevado no plasma4 foi observacionalmente associado ao aumento do risco de qualquer demência3 e doença de Alzheimer5, sugerindo que o colesterol1 HDL2 pode ser usado como um biomarcador plasmático facilmente acessível para avaliação de risco individual.
1 Colesterol: Tipo de gordura produzida pelo fígado e encontrada no sangue, músculos, fígado e outros tecidos. O colesterol é usado pelo corpo para a produção de hormônios esteróides (testosterona, estrógeno, cortisol e progesterona). O excesso de colesterol pode causar depósito de gordura nos vasos sangüíneos. Seus componentes são: HDL-Colesterol: tem efeito protetor para as artérias, é considerado o bom colesterol. LDL-Colesterol: relacionado às doenças cardiovasculares, é o mau colesterol. VLDL-Colesterol: representa os triglicérides (um quinto destes).
2 HDL: Abreviatura utilizada para denominar um tipo de proteína encarregada de transportar o colesterol sanguíneo, que se relaciona com menor risco cardiovascular. Também é conhecido como “Bom Colesterol”. Seus valores normais são de 35-50mg/dl.
3 Demência: Deterioração irreversível e crônica das funções intelectuais de uma pessoa.
4 Plasma: Parte que resta do SANGUE, depois que as CÉLULAS SANGÜÍNEAS são removidas por CENTRIFUGAÇÃO (sem COAGULAÇÃO SANGÜÍNEA prévia).
5 Doença de Alzheimer: É uma doença progressiva, de causa e tratamentos ainda desconhecidos que acomete preferencialmente as pessoas idosas. É uma forma de demência. No início há pequenos esquecimentos, vistos pelos familiares como parte do processo normal de envelhecimento, que se vão agravando gradualmente. Os pacientes tornam-se confusos e por vezes agressivos, passando a apresentar alterações da personalidade, com distúrbios de conduta e acabam por não reconhecer os próprios familiares e até a si mesmos quando colocados frente a um espelho. Tornam-se cada vez mais dependentes de terceiros, iniciam-se as dificuldades de locomoção, a comunicação inviabiliza-se e passam a necessitar de cuidados e supervisão integral, até mesmo para as atividades elementares como alimentação, higiene, vestuário, etc..
   [Mais...]

Medical Journal - 07/06/21
Uma pesquisa da USP, publicada na revista Journal of Proteomics, abre caminhos para o uso de uma nova forma de diagnosticar aneurismas cerebrais. Os cientistas descobriram, no líquido cefalorraquidiano1, peptídeos que aparecem somente em pacientes que tiveram ruptura das artérias2 causada por aneurisma3 ou em casos de ruptura tardia. Os resultados sugerem peptídeos como novos marcadores de aneurismas saculares intracranianos. As investigações contínuas permitirão a caracterização do significado biológico e clínico dos peptídeos identificados no presente estudo, bem como a identificação de protótipos para terapias farmacológicas baseadas em peptídeos para o tratamento de aneurismas saculares intracranianos.
1 Líquido cefalorraquidiano: Líquido cefalorraquidiano (LCR), também conhecido como líquor ou fluido cérebro espinhal, é definido como um fluido corporal estéril, incolor, encontrado no espaço subaracnoideo no cérebro e na medula espinhal (entre as meninges aracnoide e pia-máter). Caracteriza-se por ser uma solução salina pura, com baixo teor de proteínas e células, atuando como um amortecedor para o córtex cerebral e a medula espinhal. Possui também a função de fornecer nutrientes para o tecido nervoso e remover resíduos metabólicos do mesmo. É sintetizado pelos plexos coroidais, epitélio ventricular e espaço subaracnoideo em uma taxa de aproximadamente 20 mL/hora. Em recém-nascidos, este líquido é encontrado em um volume que varia entre 10 a 60 mL, enquanto que no adulto fica entre 100 a 150 mL.
2 Artérias: Os vasos que transportam sangue para fora do coração.
3 Aneurisma: Alargamento anormal da luz de um vaso sangüíneo. Pode ser produzida por uma alteração congênita na parede do mesmo ou por efeito de diferentes doenças (hipertensão, aterosclerose, traumatismo arterial, doença de Marfán, etc.).
   [Mais...]

Medical Journal - 04/06/21
Pesquisadores modificaram um adenovírus respiratório comum para entrar em células1 tumorais como um cavalo de Tróia e entregar genes para uma variedade de tratamentos. Esses genes enganam as células1 tumorais para que produzam anticorpos2 terapêuticos, fazendo com que sejam eliminadas de dentro para fora. No artigo sobre a técnica, publicado na revista Proceedings of National Academy of Sciences, os pesquisadores demonstram como a plataforma de terapia gênica SHREAD para entrega parácrina melhora a localização do tumor3 e os efeitos intratumorais de um anticorpo4 clínico. Esta abordagem aumenta em 1.800 vezes o nível de um anticorpo4 modelo no tumor3 em relação ao seu nível na corrente sanguínea, em comparação com a administração direta. Assim, este sistema poderia permitir a produção local de drogas altamente potentes com risco muito reduzido de toxicidades sistêmicas.
1 Células: Unidades (ou subunidades) funcionais e estruturais fundamentais dos organismos vivos. São compostas de CITOPLASMA (com várias ORGANELAS) e limitadas por uma MEMBRANA CELULAR.
2 Anticorpos: Proteínas produzidas pelo organismo para se proteger de substâncias estranhas como bactérias ou vírus. As pessoas que têm diabetes tipo 1 produzem anticorpos que destroem as células beta produtoras de insulina do próprio organismo.
3 Tumor: Termo que literalmente significa massa ou formação de tecido. É utilizado em geral para referir-se a uma formação neoplásica.
4 Anticorpo: Proteína circulante liberada pelos linfócitos em reação à presença no organismo de uma substância estranha (antígeno).
   [Mais...]

Medical Journal - 02/06/21
A anticoagulação para pacientes1 com fibrilação atrial e doença hepática2 permanece uma questão controversa na prática clínica, uma vez que esta população única apresenta um risco aumentado de eventos tromboembólicos e hemorrágicos3. Nesta análise combinada, publicada no European Heart Journal Cardiovascular Pharmacotherapy, os resultados indicam a superioridade dos anticoagulantes4 orais não-AVK sobre os antagonistas da vitamina5 K no tratamento de pacientes com doença hepática2, o que é uma conclusão com implicações clínicas robustas em um campo anteriormente inexplorado.
1 Para pacientes: Você pode utilizar este texto livremente com seus pacientes, inclusive alterando-o, de acordo com a sua prática e experiência. Conheça todos os materiais Para Pacientes disponíveis para auxiliar, educar e esclarecer seus pacientes, colaborando para a melhoria da relação médico-paciente, reunidos no canal Para Pacientes . As informações contidas neste texto são baseadas em uma compilação feita pela equipe médica da Centralx. Você deve checar e confirmar as informações e divulgá-las para seus pacientes de acordo com seus conhecimentos médicos.
2 Hepática: Relativa a ou que forma, constitui ou faz parte do fígado.
3 Hemorrágicos: Relativo à hemorragia, ou seja, ao escoamento de sangue para fora dos vasos sanguíneos.
4 Anticoagulantes: Substâncias ou medicamentos que evitam a coagulação, especialmente do sangue.
5 Vitamina: Compostos presentes em pequenas quantidades nos diversos alimentos e nutrientes e que são indispensáveis para o desenvolvimento dos processos biológicos normais.
   [Mais...]

Medical Journal - 02/06/21
Um novo estudo, realizado por pesquisadores da USP e publicado na revista Clinical Science, demonstrou que a camada de gordura1 que envolve os vasos sanguíneos2 próximos ao coração3, chamada de tecido adiposo4 perivascular, está relacionada à perda da capacidade dos vasos de se adequarem ao fluxo sanguíneo bombeado. Essa incapacidade decorre da carência na função anticontrátil deste tecido5, o que sobrecarrega o funcionamento do coração3 e pode agravar a insuficiência cardíaca6. Esses resultados sugerem o tecido adiposo4 perivascular como um alvo na fisiopatologia7 da disfunção vascular8 na insuficiência cardíaca6 e fornecem novas perspectivas para o tratamento dessa síndrome9.
1 Gordura: Um dos três principais nutrientes dos alimentos. Os alimentos que fornecem gordura são: manteiga, margarina, óleos, nozes, carnes vermelhas, peixes, frango e alguns derivados do leite. O excesso de calorias é estocado no organismo na forma de gordura, fornecendo uma reserva de energia ao organismo.
2 Vasos Sanguíneos: Qualquer vaso tubular que transporta o sangue (artérias, arteríolas, capilares, vênulas e veias).
3 Coração: Órgão muscular, oco, que mantém a circulação sangüínea.
4 Tecido Adiposo: Tecido conjuntivo especializado composto por células gordurosas (ADIPÓCITOS). É o local de armazenamento de GORDURAS, geralmente na forma de TRIGLICERÍDEOS. Em mamíferos, existem dois tipos de tecido adiposo, a GORDURA BRANCA e a GORDURA MARROM. Suas distribuições relativas variam em diferentes espécies sendo que a maioria do tecido adiposo compreende o do tipo branco.
5 Tecido: Conjunto de células de características semelhantes, organizadas em estruturas complexas para cumprir uma determinada função. Exemplo de tecido: o tecido ósseo encontra-se formado por osteócitos dispostos em uma matriz mineral para cumprir funções de sustentação.
6 Insuficiência Cardíaca: É uma condição na qual a quantidade de sangue bombeada pelo coração a cada minuto (débito cardíaco) é insuficiente para suprir as demandas normais de oxigênio e de nutrientes do organismo. Refere-se à diminuição da capacidade do coração suportar a carga de trabalho.
7 Fisiopatologia: Estudo do conjunto de alterações fisiológicas que acontecem no organismo e estão associadas a uma doença.
8 Vascular: Relativo aos vasos sanguíneos do organismo.
9 Síndrome: Conjunto de sinais e sintomas que se encontram associados a uma entidade conhecida ou não.
   [Mais...]

Medical Journal - 01/06/21
Uma marca registrada da doença de Alzheimer1 é o acúmulo de peptídeo β-amiloide (Aβ). O donanemab, um anticorpo2 que tem como alvo uma forma modificada de Aβ depositado, está sendo investigado para o tratamento da doença de Alzheimer1 precoce. Em estudo publicado no The New England Journal of Medicine, o donanemab resultou em uma pontuação composta melhor para a cognição3 e para a capacidade de realizar atividades da vida diária do que o placebo4 em 76 semanas, embora os resultados para desfechos secundários tenham sido mistos. Ensaios mais longos e maiores são necessários para estudar a eficácia e segurança de donanemab na doença de Alzheimer1.
1 Doença de Alzheimer: É uma doença progressiva, de causa e tratamentos ainda desconhecidos que acomete preferencialmente as pessoas idosas. É uma forma de demência. No início há pequenos esquecimentos, vistos pelos familiares como parte do processo normal de envelhecimento, que se vão agravando gradualmente. Os pacientes tornam-se confusos e por vezes agressivos, passando a apresentar alterações da personalidade, com distúrbios de conduta e acabam por não reconhecer os próprios familiares e até a si mesmos quando colocados frente a um espelho. Tornam-se cada vez mais dependentes de terceiros, iniciam-se as dificuldades de locomoção, a comunicação inviabiliza-se e passam a necessitar de cuidados e supervisão integral, até mesmo para as atividades elementares como alimentação, higiene, vestuário, etc..
2 Anticorpo: Proteína circulante liberada pelos linfócitos em reação à presença no organismo de uma substância estranha (antígeno).
3 Cognição: É o conjunto dos processos mentais usados no pensamento, percepção, classificação, reconhecimento e compreensão para o julgamento através do raciocínio para o aprendizado de determinados sistemas e soluções de problemas.
4 Placebo: Preparação neutra quanto a efeitos farmacológicos, ministrada em substituição a um medicamento, com a finalidade de suscitar ou controlar as reações, geralmente de natureza psicológica, que acompanham tal procedimento terapêutico.
   [Mais...]

Medical Journal - 01/06/21
Pesquisadores desenvolveram uma droga experimental que reverteu os principais sintomas1 da doença de Alzheimer2 em camundongos. A droga funciona revigorando um mecanismo de limpeza celular que elimina proteínas3 indesejadas, digerindo-as e reciclando-as. O estudo foi publicado online na revista Cell, e revela uma interação dinâmica entre esse processo conhecido como autofagia mediada por chaperonas (CMA) e a doença de Alzheimer2. As descobertas sugerem que as drogas para acelerar a CMA podem oferecer esperança para o tratamento de doenças neurodegenerativas.
1 Sintomas: Alterações da percepção normal que uma pessoa tem de seu próprio corpo, do seu metabolismo, de suas sensações, podendo ou não ser um indício de doença. Os sintomas são as queixas relatadas pelo paciente mas que só ele consegue perceber. Sintomas são subjetivos, sujeitos à interpretação pessoal. A variabilidade descritiva dos sintomas varia em função da cultura do indivíduo, assim como da valorização que cada pessoa dá às suas próprias percepções.
2 Doença de Alzheimer: É uma doença progressiva, de causa e tratamentos ainda desconhecidos que acomete preferencialmente as pessoas idosas. É uma forma de demência. No início há pequenos esquecimentos, vistos pelos familiares como parte do processo normal de envelhecimento, que se vão agravando gradualmente. Os pacientes tornam-se confusos e por vezes agressivos, passando a apresentar alterações da personalidade, com distúrbios de conduta e acabam por não reconhecer os próprios familiares e até a si mesmos quando colocados frente a um espelho. Tornam-se cada vez mais dependentes de terceiros, iniciam-se as dificuldades de locomoção, a comunicação inviabiliza-se e passam a necessitar de cuidados e supervisão integral, até mesmo para as atividades elementares como alimentação, higiene, vestuário, etc..
3 Proteínas: Um dos três principais nutrientes dos alimentos. Alimentos que fornecem proteína incluem carne vermelha, frango, peixe, queijos, leite, derivados do leite, ovos.
   [Mais...]

Medical Journal - 31/05/21
A depressão é um dos principais contribuintes para o fardo de doenças em todo o mundo. As intervenções digitais de saúde1 mental podem resolver a lacuna de tratamento em países de baixa e média renda, mas a eficácia nesses países é desconhecida. Neste estudo, publicado pelo JAMA, uma proporção significativamente maior de participantes que receberam a intervenção digital, em comparação com o tratamento usual aprimorado, experimentou pelo menos 50% de redução nos sintomas2 depressivos em 3 meses (40,7% vs 28,6% no Brasil; 52,7% vs 34,1% no Peru), embora as diferenças não fossem mais estatisticamente significativas em 6 meses.
1 Saúde: 1. Estado de equilíbrio dinâmico entre o organismo e o seu ambiente, o qual mantém as características estruturais e funcionais do organismo dentro dos limites normais para sua forma de vida e para a sua fase do ciclo vital. 2. Estado de boa disposição física e psíquica; bem-estar. 3. Brinde, saudação que se faz bebendo à saúde de alguém. 4. Força física; robustez, vigor, energia.
2 Sintomas: Alterações da percepção normal que uma pessoa tem de seu próprio corpo, do seu metabolismo, de suas sensações, podendo ou não ser um indício de doença. Os sintomas são as queixas relatadas pelo paciente mas que só ele consegue perceber. Sintomas são subjetivos, sujeitos à interpretação pessoal. A variabilidade descritiva dos sintomas varia em função da cultura do indivíduo, assim como da valorização que cada pessoa dá às suas próprias percepções.
   [Mais...]

» 31/05/2021 - Estudo internacional identifica alta prevalência de sintomas depressivos em pacientes com diabetes tipo 1 e tipo 2 em países em desenvolvimento
» 28/05/2021 - Uma terapia de nanopartículas contra a COVID-19 usando pequeno RNA de interferência inibiu efetivamente o SARS-CoV-2 em mais de 90%
» 27/05/2021 - Estudo identifica melhor sobrevivência após conservação da mama em comparação com a mastectomia em pacientes com câncer de mama
» 26/05/2021 - Revisão sistemática e metanálise mostra que hipertensão e albuminúria são comuns no diabetes tipo 2 pediátrico
» 26/05/2021 - Análise mostra que terapia renal substitutiva permanece significativamente maior entre pessoas com diabetes, apesar de queda na taxa de incidência nesses indivíduos
» 25/05/2021 - MDMA, conhecido como Ecstasy ou Molly, pode trazer alívio quando combinado com psicoterapia para aqueles com transtorno de estresse pós-traumático grave
» 25/05/2021 - Tanto o tratamento com agonistas alfa-2 adrenérgicos quanto com estimulantes melhoraram os sintomas em crianças em idade pré-escolar com TDAH
» 24/05/2021 - Hemorragia intracerebral foi associada a eventos isquêmicos arteriais subsequentes, em estudo do JAMA Neurology
» 24/05/2021 - Terapia antiplaquetária dupla reduz risco de AVC recorrente em pacientes que sofreram AVC isquêmico ou ataque isquêmico transitório
» 21/05/2021 - Tafenoquina tem o potencial de reduzir a transmissão do Plasmodium vivax, causador da malária, segundo estudo realizado no Brasil


Visualizar: Títulos | Resumos
  • Entrar
  • Receber conteúdos