news.med.br  -  Medical Journal
Medical Journal - 14/06/18
Sean G. Byars, da University of Melbourne, na Austrália, e da University of Copenhagen, na Dinamarca, e demais colaboradores, publicaram no periódico JAMA Otolaryngology Head & Neck Surgery um estudo que mostra que cirurgias de adenoidectomia1, amigdalectomia e adenoamigdalectomia podem estar associadas a um aumento dos riscos a longo prazo de doenças respiratórias, infecciosas e alérgicas.
1 Adenoidectomia: Retirada cirúrgica das adenoides.
   [Mais...]

Medical Journal - 13/06/18
Em um novo estudo dinamarquês, a exposição ao fluconazol não foi associada a um risco aumentado de natimortalidade ou de morte neonatal. O estudo foi publicado pelo periódico The Journal of the American Medical Association (JAMA).   [Mais...]
Medical Journal - 12/06/18
Cientistas descobriram uma conexão entre bactérias no intestino e respostas imunes antitumorais no fígado1. Este estudo teve publicação online pela revista Science e foi conduzido por pesquisadores do National Cancer2 Institute / Center for Cancer2 Research (NCI/CCR).
1 Fígado: Órgão que transforma alimento em energia, remove álcool e toxinas do sangue e fabrica bile. A bile, produzida pelo fígado, é importante na digestão, especialmente das gorduras. Após secretada pelas células hepáticas ela é recolhida por canalículos progressivamente maiores que a levam para dois canais que se juntam na saída do fígado e a conduzem intermitentemente até o duodeno, que é a primeira porção do intestino delgado. Com esse canal biliar comum, chamado ducto hepático, comunica-se a vesícula biliar através de um canal sinuoso, chamado ducto cístico. Quando recebe esse canal de drenagem da vesícula biliar, o canal hepático comum muda de nome para colédoco. Este, ao entrar na parede do duodeno, tem um músculo circular, designado esfíncter de Oddi, que controla o seu esvaziamento para o intestino.
2 Câncer: Crescimento anormal de um tecido celular capaz de invadir outros órgãos localmente ou à distância (metástases).
   [Mais...]

Medical Journal - 11/06/18
Com os objetivos de avaliar a prevalência1 do uso de cocaína e maconha em adultos com o primeiro infarto do miocárdio2 (IM) antes dos 50 anos de idade e determinar sua associação com desfechos em longo prazo, foi realizado um trabalho publicado pelo periódico Journal of the American College of Cardiology.
1 Prevalência: Número de pessoas em determinado grupo ou população que são portadores de uma doença. Número de casos novos e antigos desta doença.
2 Infarto do miocárdio: Interrupção do suprimento sangüíneo para o coração por estreitamento dos vasos ou bloqueio do fluxo. Também conhecido por ataque cardíaco.
   [Mais...]

Medical Journal - 07/06/18
Pesquisadores do Massachusetts Institute of Technology investigaram a permeabilidade1 do muco cervical e sua associação com o risco de parto prematuro. Os resultados do trabalho foram divulgados na revista Scientific Reports.
1 Permeabilidade: Qualidade dos corpos que deixam passar através de seus poros outros corpos (fluidos, líquidos, gases, etc.).
   [Mais...]

Medical Journal - 04/06/18
O acréscimo da resposta pupilar à Escala de Coma1 de Glasgow prevê com maior precisão o prognóstico2 após um traumatismo3 cranioencefálico (TCE), incluindo a probabilidade de morte, do que cada uma das avaliações isoladamente. É o que fala um artigo publicado pelo periódico Journal of Neurosurgery.
1 Coma: 1. Alteração do estado normal de consciência caracterizado pela falta de abertura ocular e diminuição ou ausência de resposta a estímulos externos. Pode ser reversível ou evoluir para a morte. 2. Presente do subjuntivo ou imperativo do verbo “comer.“
2 Prognóstico: 1. Juízo médico, baseado no diagnóstico e nas possibilidades terapêuticas, em relação à duração, à evolução e ao termo de uma doença. Em medicina, predição do curso ou do resultado provável de uma doença; prognose. 2. Predição, presságio, profecia relativos a qualquer assunto. 3. Relativo a prognose. 4. Que traça o provável desenvolvimento futuro ou o resultado de um processo. 5. Que pode indicar acontecimentos futuros (diz-se de sinal, sintoma, indício, etc.). 6. No uso pejorativo, pernóstico, doutoral, professoral; prognóstico.
3 Traumatismo: Lesão produzida pela ação de um agente vulnerante físico, químico ou biológico e etc. sobre uma ou várias partes do organismo.
   [Mais...]

Medical Journal - 01/06/18
O exercício físico por 52 horas ao longo de um período de 6 meses pode ser uma dose ideal para a melhora cognitiva1 em idosos, mostra uma revisão sistemática de 98 ensaios clínicos2 randomizados publicada pelo Neurology: Clinical Practice.
1 Cognitiva: 1. Relativa ao conhecimento, à cognição. 2. Relativa ao processo mental de percepção, memória, juízo e/ou raciocínio. 3. Diz-se de estados e processos relativos à identificação de um saber dedutível e à resolução de tarefas e problemas determinados. 4. Diz-se dos princípios classificatórios derivados de constatações, percepções e/ou ações que norteiam a passagem das representações simbólicas à experiência, e também da organização hierárquica e da utilização no pensamento e linguagem daqueles mesmos princípios.
2 Ensaios clínicos: Há três fases diferentes em um ensaio clínico. A Fase 1 é o primeiro teste de um tratamento em seres humanos para determinar se ele é seguro. A Fase 2 concentra-se em saber se um tratamento é eficaz. E a Fase 3 é o teste final antes da aprovação para determinar se o tratamento tem vantagens sobre os tratamentos padrões disponíveis.
   [Mais...]

Medical Journal - 29/05/18
Estudo publicado pelo The Journal of Nutrition avaliou o efeito da ingestão diária de aspartame1 durante 12 semanas na glicemia2 e mostrou que o aspartame1 ingerido não teve efeito sobre a glicemia2, o apetite ou o peso corporal entre adultos saudáveis e magros.
1 Aspartame: Adoçante com quase nenhuma caloria e sem valor nutricional.
2 Glicemia: Valor de concentração da glicose do sangue. Seus valores normais oscilam entre 70 e 110 miligramas por decilitro de sangue (mg/dl).
   [Mais...]

Medical Journal - 28/05/18
Cientistas da Columbia University, em Nova Iorque, examinaram se sintomas1 depressivos maiores estavam associados ao desempenho cognitivo2 específico de domínio, alteração na cognição3 e marcadores de ressonância magnética4 de atrofia5 cerebral e doença cerebrovascular6 subclínica em uma amostra diversificada de idosos do Northern Manhattan Study.
1 Sintomas: Alterações da percepção normal que uma pessoa tem de seu próprio corpo, do seu metabolismo, de suas sensações, podendo ou não ser um indício de doença. Os sintomas são as queixas relatadas pelo paciente mas que só ele consegue perceber. Sintomas são subjetivos, sujeitos à interpretação pessoal. A variabilidade descritiva dos sintomas varia em função da cultura do indivíduo, assim como da valorização que cada pessoa dá às suas próprias percepções.
2 Desempenho cognitivo: Desempenho dos processos de aprendizagem e de aquisição de conhecimento através da percepção.
3 Cognição: É o conjunto dos processos mentais usados no pensamento, percepção, classificação, reconhecimento e compreensão para o julgamento através do raciocínio para o aprendizado de determinados sistemas e soluções de problemas.
4 Ressonância magnética: Exame que fornece imagens em alta definição dos órgãos internos do corpo através da utilização de um campo magnético.
5 Atrofia: 1. Em biologia, é a falta de desenvolvimento de corpo, órgão, tecido ou membro. 2. Em patologia, é a diminuição de peso e volume de órgão, tecido ou membro por nutrição insuficiente das células ou imobilização. 3. No sentido figurado, é uma debilitação ou perda de alguma faculdade mental ou de um dos sentidos, por exemplo, da memória em idosos.
6 Doença cerebrovascular: É um dano aos vasos sangüíneos do cérebro que resulta em derrame (acidente vascular cerebral). Os vasos tornam-se obstruídos por depósitos de gordura (aterosclerose) ou tornam-se espessados ou duros bloqueando o fluxo sangüíneo para o cérebro. Quando o fluxo é interrompido, as células nervosas sofrem dano ou morrem, resultando no derrame. Pacientes com diabetes descompensado têm maiores riscos de AVC.
   [Mais...]

Medical Journal - 24/05/18
A suplementação1 com ácidos graxos ômega-3 de origem marinha tem alguma associação com reduções na doença coronariana2 fatal ou não fatal em pessoas com alto risco de doença cardiovascular? Uma meta-análise de 10 ensaios clínicos3, publicada no JAMA Cardiology, envolvendo 77.917 indivíduos, mostra que não.
1 Suplementação: Que serve de suplemento para suprir o que falta, que completa ou amplia.
2 Doença coronariana: Doença do coração causada por estreitamento das artérias que fornecem sangue ao coração. Se o fluxo é cortado, o resultado é um ataque cardíaco.
3 Ensaios clínicos: Há três fases diferentes em um ensaio clínico. A Fase 1 é o primeiro teste de um tratamento em seres humanos para determinar se ele é seguro. A Fase 2 concentra-se em saber se um tratamento é eficaz. E a Fase 3 é o teste final antes da aprovação para determinar se o tratamento tem vantagens sobre os tratamentos padrões disponíveis.
   [Mais...]

» 21/05/2018 - Hospitalização por ideação suicida ou tentativa de suicídio aumenta em crianças e adolescentes nos EUA
» 18/05/2018 - Associação da interrupção do ritmo circadiano com transtornos de humor, bem-estar subjetivo e função cognitiva: um estudo transversal UK Biobank
» 14/05/2018 - Caminhada ajuda na fertilidade de mulheres com história de aborto espontâneo
» 10/05/2018 - Incidência de carcinoma hepatocelular em pacientes com cirrose associada ao vírus da hepatite C tratada com agentes antivirais de ação direta
» 09/05/2018 - Nódulo tireoidiano em pacientes com 70 anos ou mais: benefícios e riscos de tratamento cirúrgico devem ser avaliados
» 07/05/2018 - Cinco fatores de estilo de vida saudável impactam a expectativa de vida nos EUA
» 27/04/2018 - Vírus zika mata seletivamente células tumorais embrionárias humanas agressivas do SNC in vitro e in vivo
» 23/04/2018 - NEJM: relação entre medida da pressão arterial por M.A.P.A ou em consultório e mortalidade
» 19/04/2018 - Antipsicóticos podem alterar a função tireoidiana
» 16/04/2018 - Medicamentos supressores de ácido e antibióticos durante os primeiros seis meses de vida podem aumentar risco de doenças alérgicas na primeira infância


Visualizar: Títulos | Resumos
  • Entrar
  • Assinar
O news.med.br® é parte integrante da Plataforma HiDoctor® e é oferecido a você gratuitamente.