news.med.br
A crioneurólise percutânea aplicada imediatamente antes da cirurgia de mama1 ajudou a controlar a dor aguda e interromper a progressão para dor crônica, de acordo com um pequeno estudo publicado na revista Anesthesiology. Adultos randomizados para crio antes da mastectomia2 unilateral ou bilateral relataram dor mediana zero (em uma escala de classificação de dor de 0 a 10) no dia 2 pós-operatório. Em contraste, os controles que receberam tratamento simulado relataram uma pontuação média de dor mais alta, de 3,0, no mesmo momento. Houve evidência de analgesia superior até o mês 12. Durante as primeiras 3 semanas, a crioneurólise reduziu o uso cumulativo de opioides em 98%. Após 1 ano, a dor crônica se desenvolveu em 1 (3%) participante ativo em comparação com 5 (17%) participantes simulados. O estudo concluiu, portanto, que a crioneurólise percutânea melhorou marcadamente a analgesia sem efeitos colaterais3 sistêmicos4 ou complicações após a mastectomia2.
1 Mama: Em humanos, uma das regiões pareadas na porção anterior do TÓRAX. As mamas consistem das GLÂNDULAS MAMÁRIAS, PELE, MÚSCULOS, TECIDO ADIPOSO e os TECIDOS CONJUNTIVOS.
2 Mastectomia: Cirurgia através da qual extirpa-se parte ou a totalidade da mama. Pode estar indicada como tratamento do câncer de mama.
3 Efeitos colaterais: 1. Ação não esperada de um medicamento. Ou seja, significa a ação sobre alguma parte do organismo diferente daquela que precisa ser tratada pelo medicamento. 2. Possível reação que pode ocorrer durante o uso do medicamento, podendo ser benéfica ou maléfica.
4 Sistêmicos: 1. Relativo a sistema ou a sistemática. 2. Relativo à visão conspectiva, estrutural de um sistema; que se refere ou segue um sistema em seu conjunto. 3. Disposto de modo ordenado, metódico, coerente. 4. Em medicina, é o que envolve o organismo como um todo ou em grande parte.
   [Mais...]

Fígados transplantados de doadores mais velhos podem durar um século no total e, às vezes, sobreviver mais tempo que os de pessoas mais jovens, mostrou um novo estudo apresentado no Scientific Forum of the American College of Surgeons (ACS) Clinical Congress 2022. Dos 253.406 fígados transplantados entre 1990-2022, 25 fígados preencheram os critérios de serem fígados centenários – aqueles com idade cumulativa superior a 100 anos. Quatorze deles ainda estavam em seu receptor, e o fígado1 mais velho que os pesquisadores encontraram tinha 108 anos. Para esses fígados centenários, a idade média dos doadores foi significativamente maior, 84,7 anos em comparação com 38,5 anos para transplantes de fígados não centenários. Notavelmente, os doadores do grupo de fígados centenários tiveram menor incidência2 de diabetes3 e menos infecções4 do doador.
1 Fígado: Órgão que transforma alimento em energia, remove álcool e toxinas do sangue e fabrica bile. A bile, produzida pelo fígado, é importante na digestão, especialmente das gorduras. Após secretada pelas células hepáticas ela é recolhida por canalículos progressivamente maiores que a levam para dois canais que se juntam na saída do fígado e a conduzem intermitentemente até o duodeno, que é a primeira porção do intestino delgado. Com esse canal biliar comum, chamado ducto hepático, comunica-se a vesícula biliar através de um canal sinuoso, chamado ducto cístico. Quando recebe esse canal de drenagem da vesícula biliar, o canal hepático comum muda de nome para colédoco. Este, ao entrar na parede do duodeno, tem um músculo circular, designado esfíncter de Oddi, que controla o seu esvaziamento para o intestino.
2 Incidência: Medida da freqüência em que uma doença ocorre. Número de casos novos de uma doença em um certo grupo de pessoas por um certo período de tempo.
3 Diabetes: Nome que designa um grupo de doenças caracterizadas por diurese excessiva. A mais frequente é o Diabetes mellitus, ainda que existam outras variantes (Diabetes insipidus) de doença nas quais o transtorno primário é a incapacidade dos rins de concentrar a urina.
4 Infecções: Doença produzida pela invasão de um germe (bactéria, vírus, fungo, etc.) em um organismo superior. Como conseqüência da mesma podem ser produzidas alterações na estrutura ou funcionamento dos tecidos comprometidos, ocasionando febre, queda do estado geral, e inúmeros sintomas que dependem do tipo de germe e da reação imunológica perante o mesmo.
   [Mais...]

Ter ciclos menstruais irregulares ou longos pode sinalizar um risco maior de doenças cardiovasculares1 futuras, de acordo com uma nova pesquisa publicada no JAMA Network Open. Nesse estudo de coorte2 retrospectivo3, os resultados indicam que mulheres com ciclos menstruais irregulares ou sem menstruação4 em intervalos de tempo diferentes nas idades de 14 a 49 anos viram seu risco cardiovascular aumentar em 15% ou mais em comparação com aquelas com ciclos muito regulares nas mesmas idades em análises multivariáveis ajustadas. Além disso, descobriu-se que apenas uma pequena proporção da relação entre as características do ciclo e o risco de doença cardiovascular foi impulsionada pela hipercolesterolemia5, hipertensão6 crônica e diabetes tipo 27. Os resultados sugerem que a disfunção do ciclo menstrual pode ser um marcador útil para identificar mulheres com maior probabilidade de desenvolver eventos cardiovasculares mais tarde na vida.
1 Doenças cardiovasculares: Doença do coração e vasos sangüíneos (artérias, veias e capilares).
2 Estudo de coorte: Um estudo de coorte é realizado para verificar se indivíduos expostos a um determinado fator apresentam, em relação aos indivíduos não expostos, uma maior propensão a desenvolver uma determinada doença. Um estudo de coorte é constituído, em seu início, de um grupo de indivíduos, denominada coorte, em que todos estão livres da doença sob investigação. Os indivíduos dessa coorte são classificados em expostos e não-expostos ao fator de interesse, obtendo-se assim dois grupos (ou duas coortes de comparação). Essas coortes serão observadas por um período de tempo, verificando-se quais indivíduos desenvolvem a doença em questão. Os indivíduos expostos e não-expostos devem ser comparáveis, ou seja, semelhantes quanto aos demais fatores, que não o de interesse, para que as conclusões obtidas sejam confiáveis.
3 Retrospectivo: Relativo a fatos passados, que se volta para o passado.
4 Menstruação: Sangramento cíclico através da vagina, que é produzido após um ciclo ovulatório normal e que corresponde à perda da camada mais superficial do endométrio uterino.
5 Hipercolesterolemia: Aumento dos níveis de colesterol do sangue. Está associada a uma maior predisposição ao desenvolvimento de aterosclerose.
6 Hipertensão: Condição presente quando o sangue flui através dos vasos com força maior que a normal. Também chamada de pressão alta. Hipertensão pode causar esforço cardíaco, dano aos vasos sangüíneos e aumento do risco de um ataque cardíaco, derrame ou acidente vascular cerebral, além de problemas renais e morte.
7 Diabetes tipo 2: Condição caracterizada por altos níveis de glicose causada tanto por graus variáveis de resistência à insulina quanto por deficiência relativa na secreção de insulina. O tipo 2 se desenvolve predominantemente em pessoas na fase adulta, mas pode aparecer em jovens.
   [Mais...]

A pré-eclâmpsia1 está associada à morbidade2 materna e perinatal. Além da terapia aguda para hipertensão3 grave, faltam melhores práticas para o manejo da hipertensão3 intraparto. Um estudo randomizado4, publicado no jornal científico Hypertension, sugere que o uso de nifedipina de liberação prolongada intraparto pode ajudar a prevenir hipertensão3 grave entre gestantes com pré-eclâmpsia1. Os resultados do estudo, que randomizou 110 indivíduos, sugerem que o uso de nifedipina foi associado à redução da terapia hipertensiva aguda intraparto em indivíduos com pré-eclâmpsia1 com características graves, com análises posteriores apontando para uma menor taxa de cesariana em comparação com a terapia com placebo5. A taxa de admissão na unidade de terapia intensiva6 neonatal também foi menor no grupo nifedipina.
1 Pré-eclâmpsia: É caracterizada por hipertensão, edema (retenção de líquidos) e proteinúria (presença de proteína na urina). Manifesta-se na segunda metade da gravidez (após a 20a semana de gestação) e pode evoluir para convulsão e coma, mas essas condições melhoram com a saída do feto e da placenta. No meio médico, o termo usado é Moléstia Hipertensiva Específica da Gravidez. É a principal causa de morte materna no Brasil atualmente.
2 Morbidade: Morbidade ou morbilidade é a taxa de portadores de determinada doença em relação à população total estudada, em determinado local e em determinado momento.
3 Hipertensão: Condição presente quando o sangue flui através dos vasos com força maior que a normal. Também chamada de pressão alta. Hipertensão pode causar esforço cardíaco, dano aos vasos sangüíneos e aumento do risco de um ataque cardíaco, derrame ou acidente vascular cerebral, além de problemas renais e morte.
4 Estudo randomizado: Ensaios clínicos comparativos randomizados são considerados o melhor delineamento experimental para avaliar questões relacionadas a tratamento e prevenção. Classicamente, são definidos como experimentos médicos projetados para determinar qual de duas ou mais intervenções é a mais eficaz mediante a alocação aleatória, isto é, randomizada, dos pacientes aos diferentes grupos de estudo. Em geral, um dos grupos é considerado controle - o que algumas vezes pode ser ausência de tratamento, placebo, ou mais frequentemente, um tratamento de eficácia reconhecida. Recursos estatísticos são disponíveis para validar conclusões e maximizar a chance de identificar o melhor tratamento. Esses modelos são chamados de estudos de superioridade, cujo objetivo é determinar se um tratamento em investigação é superior ao agente comparativo.
5 Placebo: Preparação neutra quanto a efeitos farmacológicos, ministrada em substituição a um medicamento, com a finalidade de suscitar ou controlar as reações, geralmente de natureza psicológica, que acompanham tal procedimento terapêutico.
6 Terapia intensiva: Tratamento para diabetes no qual os níveis de glicose são mantidos o mais próximo do normal possível através de injeções freqüentes ou uso de bomba de insulina, planejamento das refeições, ajuste em medicamentos hipoglicemiantes e exercícios baseados nos resultados de testes de glicose além de contatos freqüentes entre o diabético e o profissional de saúde.
   [Mais...]

Um gel pegajoso feito do vegetal quiabo é capaz de parar o sangramento nos corações e fígados feridos de cães e coelhos, de acordo com um estudo publicado no jornal científico Advanced Healthcare Materials. Esta bandagem biodegradável poderia potencialmente ser usada em humanos caso se mostre segura e eficaz. Os pesquisadores criaram um pó liofilizado1 a partir do suco de quiabo que forma um gel após o contato com o sangue2 e sela rapidamente os locais de lesão3. Em experimentos com sangue2 humano, o gel de quiabo pode ativar plaquetas4, aumentar a adesão de plaquetas4 ativadas e liberar fatores de coagulação5 XI e XII. Demonstrou-se, portanto, que o gel desenvolvido é biocompatível, biodegradável, pode promover a cicatrização de feridas e mostra potencial como bioadesivo hemostático sustentável, especialmente no cenário de hemorragia6 significativa.
1 Liofilizado: Submetido à liofilização, que é a desidratação de substâncias realizada em baixas temperaturas, usada especialmente na conservação de alimentos, em medicamentos, etc.
2 Sangue: O sangue é uma substância líquida que circula pelas artérias e veias do organismo. Em um adulto sadio, cerca de 45% do volume de seu sangue é composto por células (a maioria glóbulos vermelhos, glóbulos brancos e plaquetas). O sangue é vermelho brilhante, quando oxigenado nos pulmões (nos alvéolos pulmonares). Ele adquire uma tonalidade mais azulada, quando perde seu oxigênio, através das veias e dos pequenos vasos denominados capilares.
3 Lesão: 1. Ato ou efeito de lesar (-se). 2. Em medicina, ferimento ou traumatismo. 3. Em patologia, qualquer alteração patológica ou traumática de um tecido, especialmente quando acarreta perda de função de uma parte do corpo. Ou também, um dos pontos de manifestação de uma doença sistêmica. 4. Em termos jurídicos, prejuízo sofrido por uma das partes contratantes que dá mais do que recebe, em virtude de erros de apreciação ou devido a elementos circunstanciais. Ou também, em direito penal, ofensa, dano à integridade física de alguém.
4 Plaquetas: Elemento do sangue (não é uma célula porque não apresenta núcleo) produzido na medula óssea, cuja principal função é participar da coagulação do sangue através da formação de conglomerados que tamponam o escape do sangue por uma lesão em um vaso sangüíneo.
5 Coagulação: Ato ou efeito de coagular(-se), passando do estado líquido ao sólido.
6 Hemorragia: Saída de sangue dos vasos sanguíneos ou do coração para o exterior, para o interstício ou para cavidades pré-formadas do organismo.
   [Mais...]

O rastreamento por sigmoidoscopia reduz a incidência1 a longo prazo de câncer2 colorretal (CCR) e mortalidade3, de acordo com dados agrupados de quatro estudos randomizados com publicação na revista Annals of Internal Medicine. Na análise de quase 275.000 participantes, a incidência1 cumulativa de CCR em 15 anos foi 21% menor entre os convidados para rastreamento em comparação com um grupo que recebeu cuidados habituais, em 1,84 versus 2,35 casos por 100 pessoas. A mortalidade3 específica do CCR também foi menor para o grupo de rastreamento, em 0,51 versus 0,65 mortes por 100 pessoas, correspondendo a uma redução de 20% em 15 anos. Os benefícios do rastreamento foram consistentes para todas as idades iniciais (55-64 anos nos estudos), foram mais aparentes em homens e foram principalmente confinados a cânceres do cólon4 distal5.
1 Incidência: Medida da freqüência em que uma doença ocorre. Número de casos novos de uma doença em um certo grupo de pessoas por um certo período de tempo.
2 Câncer: Crescimento anormal de um tecido celular capaz de invadir outros órgãos localmente ou à distância (metástases).
3 Mortalidade: A taxa de mortalidade ou coeficiente de mortalidade é um dado demográfico do número de óbitos, geralmente para cada mil habitantes em uma dada região, em um determinado período de tempo.
4 Cólon:
5 Distal: 1. Que se localiza longe do centro, do ponto de origem ou do ponto de união. 2. Espacialmente distante; remoto. 3. Em anatomia geral, é o mais afastado do tronco (diz-se de membro) ou do ponto de origem (diz-se de vasos ou nervos). Ou também o que é voltado para a direção oposta à cabeça. 4. Em odontologia, é o mais distante do ponto médio do arco dental.
   [Mais...]

Pessoas com 50 anos ou mais que relataram dormir 5 horas ou menos por noite tinham um risco maior de várias doenças crônicas no futuro, mostrou um estudo longitudinal publicado na revista PLoS Medicine. Aos 50 anos, o risco aumenta em 30%; aos 60, o percentual passa para 32%; aos 70, o risco é 40% maior. O maior risco de multimorbidade futura ao longo de 25 anos foi observado em pessoas saudáveis que dormiam 5 ou menos horas por noite, em comparação com aquelas que dormiam 7 horas. A duração do sono maior ou igual a 9 horas aos 60 anos e aos 70 anos, mas não aos 50 anos foi associada à multimorbidade incidente1. Observou-se, assim, que a curta duração do sono está associada ao risco de doença crônica e multimorbidade subsequente, mas não à progressão para óbito2.
1 Incidente: 1. Que incide, que sobrevém ou que tem caráter secundário; incidental. 2. Acontecimento imprevisível que modifica o desenrolar normal de uma ação. 3. Dificuldade passageira que não modifica o desenrolar de uma operação, de uma linha de conduta.
2 Óbito: Morte de pessoa; passamento, falecimento.
   [Mais...]

Um novo estudo publicado na revista Nature Medicine se baseou em dados de dispositivos vestíveis fitness que contam passos para avaliar a relação entre contagem diária de passos e risco de doenças crônicas, demonstrando que pessoas que caminham mais têm risco reduzido de algumas doenças. A relação entre passos por dia e doença incidente1 foi inversa e linear para obesidade2, apneia3 do sono, doença do refluxo gastroesofágico4 e transtorno depressivo maior, com valores acima de 8.200 passos diários associados à proteção contra doenças incidentes5. As relações com diabetes6 e hipertensão7 incidentes5 foram não lineares, sem redução adicional de risco acima de 8.000-9.000 passos. Esses achados fornecem uma base de evidências do mundo real para orientação clínica sobre os níveis de atividade necessários para reduzir o risco de doenças.
1 Incidente: 1. Que incide, que sobrevém ou que tem caráter secundário; incidental. 2. Acontecimento imprevisível que modifica o desenrolar normal de uma ação. 3. Dificuldade passageira que não modifica o desenrolar de uma operação, de uma linha de conduta.
2 Obesidade: Condição em que há acúmulo de gorduras no organismo além do normal, mais severo que o sobrepeso. O índice de massa corporal é igual ou maior que 30.
3 Apnéia: É uma parada respiratória provocada pelo colabamento total das paredes da faringe que ocorre principalmente enquanto a pessoa está dormindo e roncando. No adulto, considera-se apnéia após 10 segundos de parada respiratória. Como a criança tem uma reserva menor, às vezes, depois de dois ou três segundos, o sangue já se empobrece de oxigênio.
4 Refluxo gastroesofágico: Presença de conteúdo ácido proveniente do estômago na luz esofágica. Como o dito órgão não está adaptado fisiologicamente para suportar a acidez do suco gástrico, pode ser produzida inflamação de sua mucosa (esofagite).
5 Incidentes: 1. Que incide, que sobrevém ou que tem caráter secundário; incidental. 2. Acontecimento imprevisível que modifica o desenrolar normal de uma ação. 3. Dificuldade passageira que não modifica o desenrolar de uma operação, de uma linha de conduta.
6 Diabetes: Nome que designa um grupo de doenças caracterizadas por diurese excessiva. A mais frequente é o Diabetes mellitus, ainda que existam outras variantes (Diabetes insipidus) de doença nas quais o transtorno primário é a incapacidade dos rins de concentrar a urina.
7 Hipertensão: Condição presente quando o sangue flui através dos vasos com força maior que a normal. Também chamada de pressão alta. Hipertensão pode causar esforço cardíaco, dano aos vasos sangüíneos e aumento do risco de um ataque cardíaco, derrame ou acidente vascular cerebral, além de problemas renais e morte.
   [Mais...]

Um estudo recente, publicado no Headache: The Journal of Head and Face1 Pain, relata que a ingestão dietética de vitamina2 B1, a tiamina, pode ajudar a prevenir a enxaqueca3 em algumas pessoas. Maiores quantidades de tiamina na dieta estavam associadas a menores chances de dor de cabeça4 severa ou enxaqueca3, e isso foi particularmente verdadeiro entre as mulheres. No entanto, os pesquisadores não encontraram uma diminuição significativa no risco relacionado à ingestão de riboflavina (vitamina2 B2). Este estudo fornece dados importantes para apoiar que os fatores nutricionais podem influenciar a indução da enxaqueca3. No futuro, mais estudos clínicos são necessários para confirmar essas conclusões, e experimentos adicionais são necessários para explorar os possíveis mecanismos de prevenção e tratamento da enxaqueca3.
1 Face: Parte anterior da cabeça que inclui a pele, os músculos e as estruturas da fronte, olhos, nariz, boca, bochechas e mandíbula.
2 Vitamina: Compostos presentes em pequenas quantidades nos diversos alimentos e nutrientes e que são indispensáveis para o desenvolvimento dos processos biológicos normais.
3 Enxaqueca: Sinônimo de migrânea. É a cefaléia cuja prevalência varia de 10 a 20% da população. Ocorre principalmente em mulheres com uma proporção homem:mulher de 1:2-3. As razões para esta preponderância feminina ainda não estão bem entendidas, mas suspeita-se de alguma relação com o hormônio feminino. Resulta da pressão exercida por vasos sangüíneos dilatados no tecido nervoso cerebral subjacente. O tratamento da enxaqueca envolve normalmente drogas vaso-constritoras para aliviar esta pressão. No entanto, esta medicamentação pode causar efeitos secundários no sistema circulatório e é desaconselhada a pessoas com problemas cardiológicos.
4 Cabeça:
   [Mais...]

Dois artigos publicados na revista Cell alertam para detalhes muitas vezes não considerados quando queremos ter saúde1: tão importante quanto o que colocamos no prato é que horas comemos e quanto tempo de jejum se faz todos os dias. Em um dos estudos, descobriu-se que comer em uma janela de 10 horas pode reduzir os danos à saúde1 do trabalho em turnos: bombeiros que trabalham em turnos de 24 horas que só comiam entre 9h e 19h viram melhorias na saúde1 do coração2, açúcar3 no sangue4 e pressão arterial5. A alimentação com restrição de tempo, portanto, se mostrou viável e pode melhorar a saúde1 cardiometabólica. Já no outro estudo, pesquisadores demonstraram que a alimentação isocalórica tardia aumenta a fome, diminui o gasto energético e modifica as vias metabólicas em adultos com sobrepeso6 e obesidade7.
1 Saúde: 1. Estado de equilíbrio dinâmico entre o organismo e o seu ambiente, o qual mantém as características estruturais e funcionais do organismo dentro dos limites normais para sua forma de vida e para a sua fase do ciclo vital. 2. Estado de boa disposição física e psíquica; bem-estar. 3. Brinde, saudação que se faz bebendo à saúde de alguém. 4. Força física; robustez, vigor, energia.
2 Coração: Órgão muscular, oco, que mantém a circulação sangüínea.
3 Açúcar: 1. Classe de carboidratos com sabor adocicado, incluindo glicose, frutose e sacarose. 2. Termo usado para se referir à glicemia sangüínea.
4 Sangue: O sangue é uma substância líquida que circula pelas artérias e veias do organismo. Em um adulto sadio, cerca de 45% do volume de seu sangue é composto por células (a maioria glóbulos vermelhos, glóbulos brancos e plaquetas). O sangue é vermelho brilhante, quando oxigenado nos pulmões (nos alvéolos pulmonares). Ele adquire uma tonalidade mais azulada, quando perde seu oxigênio, através das veias e dos pequenos vasos denominados capilares.
5 Pressão arterial: A relação que define a pressão arterial é o produto do fluxo sanguíneo pela resistência. Considerando-se a circulação como um todo, o fluxo total é denominado débito cardíaco, enquanto a resistência é denominada de resistência vascular periférica total.
6 Sobrepeso: Peso acima do normal, índice de massa corporal entre 25 e 29,9.
7 Obesidade: Condição em que há acúmulo de gorduras no organismo além do normal, mais severo que o sobrepeso. O índice de massa corporal é igual ou maior que 30.
   [Mais...]

Mostrar: 10
<< - « Anteriores - 2 - 3 - 4 - 5 - 6 - 7 - Próximos » - >>
41 a 50 (Total: 3329)
  • Entrar
  • Receber conteúdos