news.med.br
Mesmo os pacientes com diabetes tipo 21 podem se beneficiar do uso de um sistema de circuito totalmente fechado de administração de insulina2, também conhecido como pâncreas3 artificial, de acordo com um estudo cruzado aberto, publicado na Nature Medicine. No estudo randomizado4 de 28 adultos, os pacientes passaram o dobro do tempo na faixa alvo de glicose5 (70 a 180 mg/dL6) enquanto no sistema de circuito fechado em comparação com um período de controle (66,3% vs 32,3%). Os usuários do sistema de circuito fechado também passaram menos tempo em hiperglicemia7 e o sistema se mostrou seguro, não aumentando o tempo gasto em hipoglicemia8. Segundo os pesquisadores, o pâncreas3 artificial pode fornecer uma abordagem segura e eficaz para ajudar os pacientes com diabetes tipo 21 que lutam para controlar seus níveis de açúcar9 no sangue10, e a tecnologia é simples de usar e pode ser implementada com segurança em casa.
1 Diabetes tipo 2: Condição caracterizada por altos níveis de glicose causada tanto por graus variáveis de resistência à insulina quanto por deficiência relativa na secreção de insulina. O tipo 2 se desenvolve predominantemente em pessoas na fase adulta, mas pode aparecer em jovens.
2 Insulina: Hormônio que ajuda o organismo a usar glicose como energia. As células-beta do pâncreas produzem insulina. Quando o organismo não pode produzir insulna em quantidade suficiente, ela é usada por injeções ou bomba de insulina.
3 Pâncreas: Órgão nodular (no ABDOME) que abriga GLÂNDULAS ENDÓCRINAS e GLÂNDULAS EXÓCRINAS. A pequena porção endócrina é composta pelas ILHOTAS DE LANGERHANS, que secretam vários hormônios na corrente sangüínea. A grande porção exócrina (PÂNCREAS EXÓCRINO) é uma glândula acinar composta, que secreta várias enzimas digestivas no sistema de ductos pancreáticos (que desemboca no DUODENO).
4 Estudo randomizado: Ensaios clínicos comparativos randomizados são considerados o melhor delineamento experimental para avaliar questões relacionadas a tratamento e prevenção. Classicamente, são definidos como experimentos médicos projetados para determinar qual de duas ou mais intervenções é a mais eficaz mediante a alocação aleatória, isto é, randomizada, dos pacientes aos diferentes grupos de estudo. Em geral, um dos grupos é considerado controle - o que algumas vezes pode ser ausência de tratamento, placebo, ou mais frequentemente, um tratamento de eficácia reconhecida. Recursos estatísticos são disponíveis para validar conclusões e maximizar a chance de identificar o melhor tratamento. Esses modelos são chamados de estudos de superioridade, cujo objetivo é determinar se um tratamento em investigação é superior ao agente comparativo.
5 Glicose: Uma das formas mais simples de açúcar.
6 Mg/dL: Miligramas por decilitro, unidade de medida que mostra a concentração de uma substância em uma quantidade específica de fluido.
7 Hiperglicemia: Excesso de glicose no sangue. Hiperglicemia de jejum é o nível de glicose acima dos níveis considerados normais após jejum de 8 horas. Hiperglicemia pós-prandial acima de níveis considerados normais após 1 ou 2 horas após alimentação.
8 Hipoglicemia: Condição que ocorre quando há uma queda excessiva nos níveis de glicose, freqüentemente abaixo de 70 mg/dL, com aparecimento rápido de sintomas. Os sinais de hipoglicemia são: fome, fadiga, tremores, tontura, taquicardia, sudorese, palidez, pele fria e úmida, visão turva e confusão mental. Se não for tratada, pode levar ao coma. É tratada com o consumo de alimentos ricos em carboidratos como pastilhas ou sucos com glicose. Pode também ser tratada com uma injeção de glucagon caso a pessoa esteja inconsciente ou incapaz de engolir. Também chamada de reação à insulina.
9 Açúcar: 1. Classe de carboidratos com sabor adocicado, incluindo glicose, frutose e sacarose. 2. Termo usado para se referir à glicemia sangüínea.
10 Sangue: O sangue é uma substância líquida que circula pelas artérias e veias do organismo. Em um adulto sadio, cerca de 45% do volume de seu sangue é composto por células (a maioria glóbulos vermelhos, glóbulos brancos e plaquetas). O sangue é vermelho brilhante, quando oxigenado nos pulmões (nos alvéolos pulmonares). Ele adquire uma tonalidade mais azulada, quando perde seu oxigênio, através das veias e dos pequenos vasos denominados capilares.
   [Mais...]

Um novo estudo, publicado na revista Science Advances, mostrou que os alimentos que consumimos nos anos de formação ficam ‘impressos’ no cérebro1, que tem dificuldade de alterar preferências mais tarde na vida. A exposição precoce a uma variedade de sabores, portanto, ajudaria no desenvolvimento gustativo, efeito esse que não foi observado na idade adulta. Identificou-se ainda que a exposição a múltiplos sabores na infância levou ao desenvolvimento de circuitos neurais, e que essa preferência do sabor foi influenciada por todos os aspectos da experiência gustativa: as sensações na boca2, o olfato e a interação do intestino com o cérebro1. Os resultados estabelecem uma ligação fundamental entre a experiência gustativa, a preferência por doces, a plasticidade inibitória e a função do circuito cortical, e destacam a importância da nutrição3 no início da vida na definição das preferências de sabor.
1 Cérebro: Derivado do TELENCÉFALO, o cérebro é composto dos hemisférios direito e esquerdo. Cada hemisfério contém um córtex cerebral exterior e gânglios basais subcorticais. O cérebro inclui todas as partes dentro do crânio exceto MEDULA OBLONGA, PONTE e CEREBELO. As funções cerebrais incluem as atividades sensório-motora, emocional e intelectual.
2 Boca: Cavidade oral ovalada (localizada no ápice do trato digestivo) composta de duas partes
3 Nutrição: Incorporação de vitaminas, minerais, proteínas, lipídios, carboidratos, oligoelementos, etc. indispensáveis para o desenvolvimento e manutenção de um indivíduo normal.
   [Mais...]

Uma nova análise dos dados de um estudo de perda de peso de um ano identificou comportamentos e biomarcadores que contribuem para a perda de peso a curto e longo prazo. Seguir rigorosamente uma dieta – saudável com baixo teor de carboidratos ou saudável com baixo teor de gordura1 – era o que importava para a perda de peso a curto prazo durante os primeiros seis meses. Mas as pessoas que mantiveram a perda de peso a longo prazo por um ano comeram o mesmo número de calorias2 que aquelas que recuperaram o peso ou que não perderam peso durante os próximos seis meses. Os pesquisadores identificaram vários biomarcadores que preveem o sucesso de um indivíduo em perder peso e mantê-lo a longo prazo. Esses biomarcadores incluem assinaturas do microbioma3 intestinal, proteínas4 produzidas pelo corpo humano5 e níveis de dióxido de carbono exalado. Os pesquisadores publicaram suas descobertas na revista Cell Reports Medicine.
1 Gordura: Um dos três principais nutrientes dos alimentos. Os alimentos que fornecem gordura são: manteiga, margarina, óleos, nozes, carnes vermelhas, peixes, frango e alguns derivados do leite. O excesso de calorias é estocado no organismo na forma de gordura, fornecendo uma reserva de energia ao organismo.
2 Calorias: Dizemos que um alimento tem “x“ calorias, para nos referirmos à quantidade de energia que ele pode fornecer ao organismo, ou seja, à energia que será utilizada para o corpo realizar suas funções de respiração, digestão, prática de atividades físicas, etc.
3 Microbioma: Comunidade ecológica de microrganismos comensais, simbióticos e patogênicos que compartilham nosso espaço corporal. Microbioma humano é o conjunto de microrganismos que reside no corpo do Homo sapiens, mantendo uma relação simbiótica com o hospedeiro. O conceito vai além do termo microbiota, incluindo também a relação entre as células microbianas e as células e sistemas humanos, por meio de seus genomas, transcriptomas, proteomas e metabolomas.
4 Proteínas: Um dos três principais nutrientes dos alimentos. Alimentos que fornecem proteína incluem carne vermelha, frango, peixe, queijos, leite, derivados do leite, ovos.
5 Corpo humano: O corpo humano é a substância física ou estrutura total e material de cada homem. Ele divide-se em cabeça, pescoço, tronco e membros. A anatomia humana estuda as grandes estruturas e sistemas do corpo humano.
   [Mais...]

Foi descoberta uma nova estrutura anatômica que faz parte do sistema de eliminação de resíduos do cérebro1. O tecido2 é uma membrana fina envolvendo o cérebro1 que mantém o líquido cefalorraquidiano3 recém-produzido – que circula dentro do cérebro1 – separado do fluido “sujo” que contém os resíduos das células4. A fina camada de tecido2 foi chamada de membrana subaracnoidea tipo linfática, ou SLYM. As descobertas foram publicadas na revista Science. A SLYM é morfo e imunofenotipicamente semelhante ao revestimento da membrana mesotelial de órgãos periféricos e cavidades do corpo, e envolve vasos sanguíneos5 e abriga células4 imunes, por isso pode permitir detectar sinais6 de infecção7 presentes no líquido cefalorraquidiano3. A caracterização funcional da SLYM fornece informações fundamentais sobre as barreiras imunológicas cerebrais e o transporte de fluidos.
1 Cérebro: Derivado do TELENCÉFALO, o cérebro é composto dos hemisférios direito e esquerdo. Cada hemisfério contém um córtex cerebral exterior e gânglios basais subcorticais. O cérebro inclui todas as partes dentro do crânio exceto MEDULA OBLONGA, PONTE e CEREBELO. As funções cerebrais incluem as atividades sensório-motora, emocional e intelectual.
2 Tecido: Conjunto de células de características semelhantes, organizadas em estruturas complexas para cumprir uma determinada função. Exemplo de tecido: o tecido ósseo encontra-se formado por osteócitos dispostos em uma matriz mineral para cumprir funções de sustentação.
3 Líquido cefalorraquidiano: Líquido cefalorraquidiano (LCR), também conhecido como líquor ou fluido cérebro espinhal, é definido como um fluido corporal estéril, incolor, encontrado no espaço subaracnoideo no cérebro e na medula espinhal (entre as meninges aracnoide e pia-máter). Caracteriza-se por ser uma solução salina pura, com baixo teor de proteínas e células, atuando como um amortecedor para o córtex cerebral e a medula espinhal. Possui também a função de fornecer nutrientes para o tecido nervoso e remover resíduos metabólicos do mesmo. É sintetizado pelos plexos coroidais, epitélio ventricular e espaço subaracnoideo em uma taxa de aproximadamente 20 mL/hora. Em recém-nascidos, este líquido é encontrado em um volume que varia entre 10 a 60 mL, enquanto que no adulto fica entre 100 a 150 mL.
4 Células: Unidades (ou subunidades) funcionais e estruturais fundamentais dos organismos vivos. São compostas de CITOPLASMA (com várias ORGANELAS) e limitadas por uma MEMBRANA CELULAR.
5 Vasos Sanguíneos: Qualquer vaso tubular que transporta o sangue (artérias, arteríolas, capilares, vênulas e veias).
6 Sinais: São alterações percebidas ou medidas por outra pessoa, geralmente um profissional de saúde, sem o relato ou comunicação do paciente. Por exemplo, uma ferida.
7 Infecção: Doença produzida pela invasão de um germe (bactéria, vírus, fungo, etc.) em um organismo superior. Como conseqüência da mesma podem ser produzidas alterações na estrutura ou funcionamento dos tecidos comprometidos, ocasionando febre, queda do estado geral, e inúmeros sintomas que dependem do tipo de germe e da reação imunológica perante o mesmo.
   [Mais...]

Nova pesquisa, publicada na revista Science Translational Medicine, identificou uma via celular envolvida na osteoartrite1 (OA) e mostrou que o medicamento talarozol pode atingir essa via, possivelmente alterando a progressão da OA. O estudo propõe a mecanoinflamação como o principal fator de osteoartrite1 da mão2, e identifica a importância do ácido retinoico em seu desenvolvimento. Os pesquisadores mostraram que o talarozol aumenta os níveis de ácido retinoico na articulação3, suprimindo a mecanoinflamação – potencialmente modificando o curso da doença. O talarozol foi capaz de suprimir genes mecanoinflamatórios na cartilagem articular4 in vivo 6 horas após a desestabilização da articulação do joelho5 em camundongos e reduziu a degradação da cartilagem6 e a formação de osteófitos7 após 26 dias.
1 Osteoartrite: Termo geral que se emprega para referir-se ao processo degenerativo da cartilagem articular, manifestado por dor ao movimento, derrame articular, etc. Também denominado artrose.
2 Mão: Articulação entre os ossos do metacarpo e as falanges.
3 Articulação: 1. Ponto de contato, de junção de duas partes do corpo ou de dois ou mais ossos. 2. Ponto de conexão entre dois órgãos ou segmentos de um mesmo órgão ou estrutura, que geralmente dá flexibilidade e facilita a separação das partes. 3. Ato ou efeito de articular-se. 4. Conjunto dos movimentos dos órgãos fonadores (articuladores) para a produção dos sons da linguagem.
4 Cartilagem Articular:
5 Articulação do joelho:
6 Cartilagem: Tecido resistente e flexível, de cor branca ou cinzenta, formado de grandes células inclusas em substância que apresenta tendência à calcificação e à ossificação.
7 Osteófitos: Desenvolvimentos patológicos de tecido ósseo em torno de uma articulação, cuja cartilagem está alterada pela artrose.
   [Mais...]

Algumas condições de saúde1 associadas à demência2 apareceram precocemente e consistentemente muito antes do diagnóstico3, enquanto outras se tornaram significativas muito mais tarde, sugeriu um estudo de coorte4 publicado na revista Annals of Neurology. Para pessoas com diagnóstico3 subsequente de doença de Alzheimer5, as associações mais precoces e consistentes em todos os momentos ao longo de um período de 15 anos incluíram depressão, disfunção erétil, anormalidades na marcha, perda auditiva e sintomas6 nervosos e musculoesqueléticos. Para aqueles eventualmente diagnosticados com demência2 vascular7, as associações mais precoces e consistentes ao longo de 13 anos foram um eletrocardiograma8 (ECG) anormal, disritmias cardíacas, doença cerebrovascular9, câncer10 de pele11 não epitelial, depressão e perda auditiva.
1 Saúde: 1. Estado de equilíbrio dinâmico entre o organismo e o seu ambiente, o qual mantém as características estruturais e funcionais do organismo dentro dos limites normais para sua forma de vida e para a sua fase do ciclo vital. 2. Estado de boa disposição física e psíquica; bem-estar. 3. Brinde, saudação que se faz bebendo à saúde de alguém. 4. Força física; robustez, vigor, energia.
2 Demência: Deterioração irreversível e crônica das funções intelectuais de uma pessoa.
3 Diagnóstico: Determinação de uma doença a partir dos seus sinais e sintomas.
4 Estudo de coorte: Um estudo de coorte é realizado para verificar se indivíduos expostos a um determinado fator apresentam, em relação aos indivíduos não expostos, uma maior propensão a desenvolver uma determinada doença. Um estudo de coorte é constituído, em seu início, de um grupo de indivíduos, denominada coorte, em que todos estão livres da doença sob investigação. Os indivíduos dessa coorte são classificados em expostos e não-expostos ao fator de interesse, obtendo-se assim dois grupos (ou duas coortes de comparação). Essas coortes serão observadas por um período de tempo, verificando-se quais indivíduos desenvolvem a doença em questão. Os indivíduos expostos e não-expostos devem ser comparáveis, ou seja, semelhantes quanto aos demais fatores, que não o de interesse, para que as conclusões obtidas sejam confiáveis.
5 Doença de Alzheimer: É uma doença progressiva, de causa e tratamentos ainda desconhecidos que acomete preferencialmente as pessoas idosas. É uma forma de demência. No início há pequenos esquecimentos, vistos pelos familiares como parte do processo normal de envelhecimento, que se vão agravando gradualmente. Os pacientes tornam-se confusos e por vezes agressivos, passando a apresentar alterações da personalidade, com distúrbios de conduta e acabam por não reconhecer os próprios familiares e até a si mesmos quando colocados frente a um espelho. Tornam-se cada vez mais dependentes de terceiros, iniciam-se as dificuldades de locomoção, a comunicação inviabiliza-se e passam a necessitar de cuidados e supervisão integral, até mesmo para as atividades elementares como alimentação, higiene, vestuário, etc..
6 Sintomas: Alterações da percepção normal que uma pessoa tem de seu próprio corpo, do seu metabolismo, de suas sensações, podendo ou não ser um indício de doença. Os sintomas são as queixas relatadas pelo paciente mas que só ele consegue perceber. Sintomas são subjetivos, sujeitos à interpretação pessoal. A variabilidade descritiva dos sintomas varia em função da cultura do indivíduo, assim como da valorização que cada pessoa dá às suas próprias percepções.
7 Vascular: Relativo aos vasos sanguíneos do organismo.
8 Eletrocardiograma: Registro da atividade elétrica produzida pelo coração através da captação e amplificação dos pequenos potenciais gerados por este durante o ciclo cardíaco.
9 Doença cerebrovascular: É um dano aos vasos sangüíneos do cérebro que resulta em derrame (acidente vascular cerebral). Os vasos tornam-se obstruídos por depósitos de gordura (aterosclerose) ou tornam-se espessados ou duros bloqueando o fluxo sangüíneo para o cérebro. Quando o fluxo é interrompido, as células nervosas sofrem dano ou morrem, resultando no derrame. Pacientes com diabetes descompensado têm maiores riscos de AVC.
10 Câncer: Crescimento anormal de um tecido celular capaz de invadir outros órgãos localmente ou à distância (metástases).
11 Pele: Camada externa do corpo, que o protege do meio ambiente. Composta por DERME e EPIDERME.
   [Mais...]

O aumento do estresse ao ter um cônjuge lutando contra o câncer1 pode se manifestar em um diagnóstico2 clínico de um novo transtorno psiquiátrico, descobriu um estudo publicado no JAMA Network Open. Olhando para mais de 3 milhões de pessoas que vivem na Dinamarca e na Suécia, houve uma maior incidência3 de primeiro aparecimento de transtornos psiquiátricos entre cônjuges de pacientes com câncer1 quando comparados com os cônjuges de pacientes sem câncer1 (6,9% vs 5,6%). Essa diferença se traduziu em um risco 14% maior durante um acompanhamento médio de mais de 8 anos, com riscos igualmente elevados de desenvolver depressão, transtorno de abuso de substâncias e transtornos relacionados ao estresse. Um risco particularmente elevado (30%) entre os cônjuges foi observado durante o primeiro ano após o diagnóstico2 de câncer1, impulsionado principalmente por uma maior incidência3 de distúrbios relacionados ao estresse e depressão.
1 Câncer: Crescimento anormal de um tecido celular capaz de invadir outros órgãos localmente ou à distância (metástases).
2 Diagnóstico: Determinação de uma doença a partir dos seus sinais e sintomas.
3 Incidência: Medida da freqüência em que uma doença ocorre. Número de casos novos de uma doença em um certo grupo de pessoas por um certo período de tempo.
   [Mais...]

Em estudo publicado na revista Nature, pesquisadores apresentam uma abordagem para isolar células1 senescentes2 de camundongos. Suas análises subsequentes revelam que as células1 causam inflamação3, impedindo a regeneração do músculo esquelético4 mesmo em animais jovens (um cenário em que as células1 eram consideradas benéficas). O trabalho reforça a ideia de que a remoção de células1 senescentes2 pode ajudar a combater o envelhecimento. Os resultados fornecem uma técnica para isolar células1 senescentes2 in vivo, definir um modelo de senescência para o músculo e descobrir interações funcionais improdutivas entre células1 senescentes2 e células-tronco5 em nichos regenerativos que podem ser superados. Como as células1 senescentes2 também se acumulam nos músculos6 humanos, essas descobertas abrem caminhos potenciais para melhorar o reparo muscular ao longo da vida.
1 Células: Unidades (ou subunidades) funcionais e estruturais fundamentais dos organismos vivos. São compostas de CITOPLASMA (com várias ORGANELAS) e limitadas por uma MEMBRANA CELULAR.
2 Senescentes: Que está em processo de envelhecimento.
3 Inflamação: Conjunto de processos que se desenvolvem em um tecido em resposta a uma agressão externa. Incluem fenômenos vasculares como vasodilatação, edema, desencadeamento da resposta imunológica, ativação do sistema de coagulação, etc.Quando se produz em um tecido superficial (pele, tecido celular subcutâneo) pode apresentar tumefação, aumento da temperatura local, coloração avermelhada e dor (tétrade de Celso, o cientista que primeiro descreveu as características clínicas da inflamação).
4 Músculo Esquelético: Subtipo de músculo estriado fixado por TENDÕES ao ESQUELETO. Os músculos esqueléticos são inervados e seu movimento pode ser conscientemente controlado. Também são chamados de músculos voluntários.
5 Células-tronco: São células primárias encontradas em todos os organismos multicelulares que retêm a habilidade de se renovar por meio da divisão celular mitótica e podem se diferenciar em uma vasta gama de tipos de células especializadas.
6 Músculos: Tecidos contráteis que produzem movimentos nos animais.
   [Mais...]

Mesmo para pessoas que não frequentam a academia, um punhado de atividades diárias curtas e intensas pode reduzir o risco de mortalidade1, de acordo com uma nova pesquisa publicada na Nature Medicine. Essas atividades curtas não são exercícios no sentido tradicional. Em vez disso, são ações incorporadas à vida diária – como subir escadas ou caminhar rapidamente durante o trajeto. Algumas sessões de 1 a 2 minutos por dia podem reduzir o risco de mortalidade1, sugere o estudo. Em comparação com os participantes que não engajaram em atividade física vigorosa intermitente2 no estilo de vida (VILPA), os participantes que engajaram em VILPA na frequência mediana da amostra de 3 sessões de VILPA de duração padronizada por dia (com duração de 1 ou 2 minutos cada) mostraram uma redução de 38% a 40% no risco de mortalidade1 por todas as causas e por câncer3 e uma redução de 48% a 49% no risco de mortalidade1 por doença cardiovascular.
1 Mortalidade: A taxa de mortalidade ou coeficiente de mortalidade é um dado demográfico do número de óbitos, geralmente para cada mil habitantes em uma dada região, em um determinado período de tempo.
2 Intermitente: Nos quais ou em que ocorrem interrupções; que cessa e recomeça por intervalos; intervalado, descontínuo. Em medicina, diz-se de episódios de febre alta que se alternam com intervalos de temperatura normal ou cujas pulsações têm intervalos desiguais entre si.
3 Câncer: Crescimento anormal de um tecido celular capaz de invadir outros órgãos localmente ou à distância (metástases).
   [Mais...]

Um novo estudo com 160 pessoas, publicado na revista Neurology, descobriu que combinar terapias padrão para epilepsia1 com uma dieta pobre em carboidratos reduziu as convulsões em mais de 50% em um quarto dos participantes com epilepsia1 resistente a medicamentos. Metade dos participantes seguiu uma dieta de Atkins modificada, que consiste em comer apenas 20 gramas de carboidratos por dia, e todos os participantes continuaram com os medicamentos padrão para epilepsia1. Após seis meses, mais de 26% das pessoas na dieta baixa em carboidratos viram as convulsões mensais reduzidas em mais de 50% em comparação com o mês anterior ao ensaio. O mesmo foi verdade para apenas 2,5% do grupo de controle. O grupo com baixo teor de carboidratos também relatou melhorias significativamente maiores na qualidade de vida, em média, em comparação com o grupo controle.
1 Epilepsia: Alteração temporária e reversível do funcionamento cerebral, que não tenha sido causada por febre, drogas ou distúrbios metabólicos. Durante alguns segundos ou minutos, uma parte do cérebro emite sinais incorretos, que podem ficar restritos a esse local ou espalhar-se. Quando restritos, a crise será chamada crise epiléptica parcial; quando envolverem os dois hemisférios cerebrais, será uma crise epiléptica generalizada. O paciente pode ter distorções de percepção, movimentos descontrolados de uma parte do corpo, medo repentino, desconforto no estômago, ver ou ouvir de maneira diferente e até perder a consciência - neste caso é chamada de crise complexa. Depois do episódio, enquanto se recupera, a pessoa pode sentir-se confusa e ter déficits de memória. Existem outros tipos de crises epilépticas.
   [Mais...]

Mostrar: 10
« Anteriores - 1 - 2 - 3 - 4 - 5 - 6 - Próximos » - >>
11 a 20 (Total: 3385)
  • Entrar
  • Receber conteúdos