news.med.br
Tratar a perda auditiva faz diferença, sugere uma metanálise publicada no JAMA Neurology. Restaurar a perda auditiva com aparelhos auditivos ou implantes cocleares foi associado a menos declínio cognitivo1 a longo prazo e até mesmo algum ganho. O uso de aparelhos auditivos por adultos com perda auditiva foi associado a uma redução relativa significativa de 19% no risco de qualquer declínio cognitivo1 em comparação com a perda auditiva não corrigida em estudos de longo prazo com acompanhamento variando de 2 a 25 anos. O uso de aparelho auditivo ou implante2 coclear também foi associado a uma melhora de 3% nas pontuações cognitivas de curto prazo. Este estudo contribui para a crescente base de evidências e serve como um impulso para os médicos que tratam pacientes com perda auditiva para convencê-los a adotar dispositivos restauradores auditivos, para mitigar3 o risco de declínio cognitivo1, como demência4.
1 Cognitivo: 1. Relativo ao conhecimento, à cognição. 2. Relativo ao processo mental de percepção, memória, juízo e/ou raciocínio. 3. Diz-se de estados e processos relativos à identificação de um saber dedutível e à resolução de tarefas e problemas determinados. 4. Diz-se dos princípios classificatórios derivados de constatações, percepções e/ou ações que norteiam a passagem das representações simbólicas à experiência, e também da organização hierárquica e da utilização no pensamento e linguagem daqueles mesmos princípios.
2 Implante: 1. Em cirurgia e odontologia é o material retirado do próprio indivíduo, de outrem ou artificialmente elaborado que é inserido ou enxertado em uma estrutura orgânica, de modo a fazer parte integrante dela. 2. Na medicina, é qualquer material natural ou artificial inserido ou enxertado no organismo. 3. Em patologia, é uma célula ou fragmento de tecido, especialmente de tumores, que migra para outro local do organismo, com subsequente crescimento.
3 Mitigar: Tornar mais brando, mais suave, menos intenso (geralmente referindo-se à dor ou ao sofrimento); aliviar, suavizar, aplacar.
4 Demência: Deterioração irreversível e crônica das funções intelectuais de uma pessoa.
   [Mais...]

Nenhuma variante genética é um fator de risco1 maior para a doença de Alzheimer2 do que uma chamada APOE4. Mas exatamente como o gene estimula o dano cerebral tem sido um mistério. Agora, novos achados mostram que isso pode ser devido à diminuição da produção de uma substância gordurosa chamada mielina3 pelas células4 conhecidas como oligodendrócitos. O estudo, publicado na revista Nature, associou o APOE4 ao processamento defeituoso do colesterol5 no cérebro6, o que, por sua vez, leva a defeitos nas bainhas isolantes que envolvem as fibras nervosas e facilitam sua atividade elétrica. Os resultados preliminares indicam que essas alterações podem causar déficits de memória e aprendizado. E o trabalho sugere que medicamentos que restauram o processamento do colesterol5 no cérebro6 podem tratar a doença.
1 Fator de risco: Qualquer coisa que aumente a chance de uma pessoa desenvolver uma doença.
2 Doença de Alzheimer: É uma doença progressiva, de causa e tratamentos ainda desconhecidos que acomete preferencialmente as pessoas idosas. É uma forma de demência. No início há pequenos esquecimentos, vistos pelos familiares como parte do processo normal de envelhecimento, que se vão agravando gradualmente. Os pacientes tornam-se confusos e por vezes agressivos, passando a apresentar alterações da personalidade, com distúrbios de conduta e acabam por não reconhecer os próprios familiares e até a si mesmos quando colocados frente a um espelho. Tornam-se cada vez mais dependentes de terceiros, iniciam-se as dificuldades de locomoção, a comunicação inviabiliza-se e passam a necessitar de cuidados e supervisão integral, até mesmo para as atividades elementares como alimentação, higiene, vestuário, etc..
3 Mielina: Bainha, rica em lipídeos e proteínas, que reveste os AXÔNIOS, tanto no sistema nervoso central como no periférico. É um isolante elétrico que permite a condução dos impulsos nervosos de modo mais rápido e energeticamente mais eficiente. É formada pelas membranas de células da glia (CÉLULAS DE SCHWANN no sistema nervoso periférico e OLIGODENDROGLIA no sistema nervoso central). A deterioração desta bainha nas DOENÇAS DESMIELINIZANTES é um sério problema clínico.
4 Células: Unidades (ou subunidades) funcionais e estruturais fundamentais dos organismos vivos. São compostas de CITOPLASMA (com várias ORGANELAS) e limitadas por uma MEMBRANA CELULAR.
5 Colesterol: Tipo de gordura produzida pelo fígado e encontrada no sangue, músculos, fígado e outros tecidos. O colesterol é usado pelo corpo para a produção de hormônios esteróides (testosterona, estrógeno, cortisol e progesterona). O excesso de colesterol pode causar depósito de gordura nos vasos sangüíneos. Seus componentes são: HDL-Colesterol: tem efeito protetor para as artérias, é considerado o bom colesterol. LDL-Colesterol: relacionado às doenças cardiovasculares, é o mau colesterol. VLDL-Colesterol: representa os triglicérides (um quinto destes).
6 Cérebro: Derivado do TELENCÉFALO, o cérebro é composto dos hemisférios direito e esquerdo. Cada hemisfério contém um córtex cerebral exterior e gânglios basais subcorticais. O cérebro inclui todas as partes dentro do crânio exceto MEDULA OBLONGA, PONTE e CEREBELO. As funções cerebrais incluem as atividades sensório-motora, emocional e intelectual.
   [Mais...]

Os transtornos de ansiedade são condições comuns, altamente angustiantes e prejudiciais. Existem tratamentos eficazes, mas muitos pacientes não os acessam ou não respondem a eles. Intervenções baseadas em mindfulness, como redução de estresse baseada em mindfulness, são populares e podem diminuir a ansiedade, mas não se sabe como elas se comparam aos tratamentos padrão de primeira linha. Neste estudo, publicado no JAMA Psychiatry, foi demonstrado que, entre adultos com transtorno de ansiedade diagnosticado, uma intervenção de redução do estresse baseada em mindfulness não era inferior ao tratamento com escitalopram, um tratamento psicofarmacológico de primeira linha comumente usado para transtornos de ansiedade.   [Mais...]
Embora a anemia1 por deficiência de ferro continue sendo uma causa comum de anemia1 em crianças pequenas, ainda mais comum é a prevalência2 de deficiência de ferro não anêmica. Este estudo, publicado na revista Pediatrics, teve como objetivo examinar a associação entre deficiência crônica de ferro na infância e a função cognitiva3 posterior. Foi demonstrado que crianças com deficiência crônica de ferro, em comparação com crianças com suficiência de ferro, demonstraram melhora no estado de ferro, mas pontuações cognitivas de 6 a 7 pontos mais baixas 4 e 12 meses após a intervenção. Pesquisas futuras podem examinar os resultados de uma estratégia de triagem com base na detecção precoce da deficiência de ferro usando ferritina sérica.
1 Anemia: Condição na qual o número de células vermelhas do sangue está abaixo do considerado normal para a idade, resultando em menor oxigenação para as células do organismo.
2 Prevalência: Número de pessoas em determinado grupo ou população que são portadores de uma doença. Número de casos novos e antigos desta doença.
3 Cognitiva: 1. Relativa ao conhecimento, à cognição. 2. Relativa ao processo mental de percepção, memória, juízo e/ou raciocínio. 3. Diz-se de estados e processos relativos à identificação de um saber dedutível e à resolução de tarefas e problemas determinados. 4. Diz-se dos princípios classificatórios derivados de constatações, percepções e/ou ações que norteiam a passagem das representações simbólicas à experiência, e também da organização hierárquica e da utilização no pensamento e linguagem daqueles mesmos princípios.
   [Mais...]

Uma pesquisa da Noruega envolvendo quase 75.000 nascimentos indica que conceber dentro de três meses após um aborto espontâneo ou aborto induzido não aumenta os riscos de resultados adversos. A descoberta vai contra a recomendação atual da Organização Mundial da Saúde1 de esperar pelo menos seis meses após o aborto espontâneo ou induzido antes de engravidar novamente, para evitar complicações para a mãe e o bebê. Os resultados, publicados na PLoS Medicine, mostraram ainda que as mulheres tinham menor risco de complicações na gravidez2, como baixo peso ao nascer e diabetes gestacional3, se concebessem dentro de três meses após um aborto espontâneo. Em combinação com pesquisas anteriores, esses resultados sugerem que as mulheres podem tentar engravidar logo após um aborto espontâneo ou induzido anterior sem aumentar os riscos à saúde1 perinatal.
1 Saúde: 1. Estado de equilíbrio dinâmico entre o organismo e o seu ambiente, o qual mantém as características estruturais e funcionais do organismo dentro dos limites normais para sua forma de vida e para a sua fase do ciclo vital. 2. Estado de boa disposição física e psíquica; bem-estar. 3. Brinde, saudação que se faz bebendo à saúde de alguém. 4. Força física; robustez, vigor, energia.
2 Gravidez: Condição de ter um embrião ou feto em desenvolvimento no trato reprodutivo feminino após a união de ovo e espermatozóide.
3 Diabetes gestacional: Tipo de diabetes melito que se desenvolve durante a gravidez e habitualmente desaparece após o parto, mas aumenta o risco da mãe desenvolver diabetes no futuro. O diabetes gestacional é controlado com planejamento das refeições, atividade física e, em alguns casos, com o uso de insulina.
   [Mais...]

Mães que fumaram cigarros durante a gravidez1, mas também tomaram suplementos de vitamina2 C, tiveram filhos com melhor função das vias aéreas e menor risco de sibilos mais tarde, de acordo com um estudo de acompanhamento de um estudo randomizado3. As descobertas foram publicadas no JAMA Pediatrics. Aos 5 anos, as crianças nascidas de mães que fumavam e tomavam vitamina2 C diariamente durante a gravidez1 tiveram medidas 17,2% maiores em média do fluxo expiratório forçado (FEF)25-75 em comparação com aquelas cujas mães receberam placebo4. Além disso, filhos de fumantes grávidas que tomaram vitamina2 C tiveram uma probabilidade quase 60% menor de desenvolver sibilos. As crianças cujas mães iniciaram o tratamento com vitamina2 C com 18 semanas de gravidez1 ou antes podem ter experimentado uma redução ainda maior nas chances de sibilos.
1 Gravidez: Condição de ter um embrião ou feto em desenvolvimento no trato reprodutivo feminino após a união de ovo e espermatozóide.
2 Vitamina: Compostos presentes em pequenas quantidades nos diversos alimentos e nutrientes e que são indispensáveis para o desenvolvimento dos processos biológicos normais.
3 Estudo randomizado: Ensaios clínicos comparativos randomizados são considerados o melhor delineamento experimental para avaliar questões relacionadas a tratamento e prevenção. Classicamente, são definidos como experimentos médicos projetados para determinar qual de duas ou mais intervenções é a mais eficaz mediante a alocação aleatória, isto é, randomizada, dos pacientes aos diferentes grupos de estudo. Em geral, um dos grupos é considerado controle - o que algumas vezes pode ser ausência de tratamento, placebo, ou mais frequentemente, um tratamento de eficácia reconhecida. Recursos estatísticos são disponíveis para validar conclusões e maximizar a chance de identificar o melhor tratamento. Esses modelos são chamados de estudos de superioridade, cujo objetivo é determinar se um tratamento em investigação é superior ao agente comparativo.
4 Placebo: Preparação neutra quanto a efeitos farmacológicos, ministrada em substituição a um medicamento, com a finalidade de suscitar ou controlar as reações, geralmente de natureza psicológica, que acompanham tal procedimento terapêutico.
   [Mais...]

O uso de medicamentos para transtorno de déficit de atenção e hiperatividade (TDAH) não foi associado ao aumento do risco de doença cardiovascular (DCV), mostrou uma revisão sistemática e metanálise de 19 estudos, publicada no JAMA Network Open, embora os pesquisadores tenham alertado que um aumento modesto do risco não pôde ser completamente descartado. Entre mais de 3 milhões de pessoas, não houve associações estatisticamente significativas entre o uso de medicamentos para TDAH e quaisquer riscos de DCV entre crianças e adolescentes, adultos jovens ou de meia-idade, ou idosos durante um acompanhamento médio variando de 0,25 a 9,5 anos. Ao analisar desfechos cardiovasculares específicos, não houve associações estatisticamente significativas entre o uso de medicamentos para TDAH e parada cardíaca ou arritmias1, doenças cerebrovasculares ou infarto do miocárdio2.
1 Arritmias: Arritmia cardíaca é o nome dado a diversas perturbações que alteram a frequência ou o ritmo dos batimentos cardíacos.
2 Infarto do miocárdio: Interrupção do suprimento sangüíneo para o coração por estreitamento dos vasos ou bloqueio do fluxo. Também conhecido por ataque cardíaco.
   [Mais...]

Pessoas na faixa dos 20 e 30 anos com consumo de álcool de moderado a pesado eram mais propensas a ter um AVC precoce na idade adulta em comparação com aquelas que consumiam pequenas quantidades de álcool a cada semana, mostrou um estudo publicado na revista Neurology. Adultos jovens que consumiram 105 g de álcool por semana, ou 15 g por dia, por 2 ou mais anos tiveram maior probabilidade de ter um AVC ao longo de 5,6 anos de acompanhamento em comparação com bebedores leves. O risco de AVC aumentou à medida que aumentou o número de anos de consumo moderado a pesado na idade adulta jovem. Aos 3 anos, a taxa de risco ajustada foi de 1,22, e aos 4 anos, foi de 1,23. Uma bebida de tamanho padrão contém cerca de 14 g de álcool, equivalente a 350 ml de cerveja, 150 ml de vinho ou 45 ml de licor.   [Mais...]
Uma associação histológica1 entre doença inflamatória da gengiva e fibrose2 atrial foi confirmada em um pequeno estudo prospectivo3, publicado no JACC: Clinical Electrophysiology mostrando que pessoas exibindo sinais4 de periodontite tendiam a ter fibrose2 atrial com base em seus apêndices atriais esquerdos ressecados. A área de superfície inflamada periodontal5 foi significativamente associada à fibrose2 atrial após o ajuste multivariável. Com a substituição fibrótica do miocárdio6 atrial conhecida por contribuir para o desenvolvimento de fibrilação atrial, essas descobertas aumentam a evidência de uma ligação entre doença oral e sistêmica. Assim, esses achados revelaram histologicamente a associação de periodontite com fibrose2 atrial. Isso indica que a periodontite, que é modificável, é provavelmente um fator de risco7 para fibrilação atrial.
1 Histológica: Relativo à histologia, ou seja, relativo à disciplina biomédica que estuda a estrutura microscópica, composição e função dos tecidos vivos.
2 Fibrose: 1. Aumento das fibras de um tecido. 2. Formação ou desenvolvimento de tecido conjuntivo em determinado órgão ou tecido como parte de um processo de cicatrização ou de degenerescência fibroide.
3 Prospectivo: 1. Relativo ao futuro. 2. Suposto, possível; esperado. 3. Relativo à preparação e/ou à previsão do futuro quanto à economia, à tecnologia, ao plano social etc. 4. Em geologia, é relativo à prospecção.
4 Sinais: São alterações percebidas ou medidas por outra pessoa, geralmente um profissional de saúde, sem o relato ou comunicação do paciente. Por exemplo, uma ferida.
5 Periodontal: Relativo ao ou próprio do tecido em torno dos dentes, o periodonto. O periodonto é o tecido conjuntivo que fixa o dente no alvéolo.
6 Miocárdio: Tecido muscular do CORAÇÃO. Composto de células musculares estriadas e involuntárias (MIÓCITOS CARDÍACOS) conectadas, que formam a bomba contrátil geradora do fluxo sangüíneo. Sinônimos: Músculo Cardíaco; Músculo do Coração
7 Fator de risco: Qualquer coisa que aumente a chance de uma pessoa desenvolver uma doença.
   [Mais...]

As infecções1 do trato urinário2 (ITUs) recorrentes podem um dia ser evitadas com uma vacina3 em vez de antibióticos, se resultados promissores alcançados em camundongos e coelhos forem replicados em ensaios clínicos4. Em estudo publicado na revista Science Advances, a vacina3 em forma de comprimido que se dissolve sob a língua5 protegeu contra infecções1 do trato urinário2 nos animais. A vacina3 treina o sistema imunológico6 para reconhecer e combater as bactérias causadoras de ITU, expondo-o a três moléculas peptídicas encontradas na superfície desses micróbios. Em camundongos, a vacina3 funcionou tão bem quanto antibióticos em altas doses para prevenir infecções1 do trato urinário2. Como a vacina3 foi direcionada especificamente contra bactérias causadoras de ITU e não contra bactérias saudáveis, ela não afetou a mistura normal de bactérias intestinais nos animais.
1 Infecções: Doença produzida pela invasão de um germe (bactéria, vírus, fungo, etc.) em um organismo superior. Como conseqüência da mesma podem ser produzidas alterações na estrutura ou funcionamento dos tecidos comprometidos, ocasionando febre, queda do estado geral, e inúmeros sintomas que dependem do tipo de germe e da reação imunológica perante o mesmo.
2 Trato Urinário:
3 Vacina: Tratamento à base de bactérias, vírus vivos atenuados ou seus produtos celulares, que têm o objetivo de produzir uma imunização ativa no organismo para uma determinada infecção.
4 Ensaios clínicos: Há três fases diferentes em um ensaio clínico. A Fase 1 é o primeiro teste de um tratamento em seres humanos para determinar se ele é seguro. A Fase 2 concentra-se em saber se um tratamento é eficaz. E a Fase 3 é o teste final antes da aprovação para determinar se o tratamento tem vantagens sobre os tratamentos padrões disponíveis.
5 Língua:
6 Sistema imunológico: Sistema de defesa do organismo contra infecções e outros ataques de micro-organismos que enfraquecem o nosso corpo.
   [Mais...]

Mostrar: 10
<< - « Anteriores - 2 - 3 - 4 - 5 - 6 - 7 - Próximos » - >>
41 a 50 (Total: 3379)
  • Entrar
  • Receber conteúdos