news.med.br
Medical Journal - 13/10/21
A intervenção no estilo de vida pode prevenir o diabetes tipo 21, mas a resposta à intervenção varia dependendo dos subfenótipos de risco. Neste estudo, publicado pela revista Diabetes2, pesquisadores testaram se indivíduos pré-diabéticos com baixo risco se beneficiam de intervenção no estilo de vida convencional e se indivíduos com alto risco se beneficiam de uma intensificação da intervenção no estilo de vida. Foi demonstrado que é possível em indivíduos de alto risco com pré-diabetes3 melhorar os resultados glicêmicos e cardiometabólicos pela intensificação da intervenção no estilo de vida. Assim, a intervenção no estilo de vida individualizada, baseada em fenótipo4 de risco, pode ser benéfica para a prevenção do diabetes2.
1 Diabetes tipo 2: Condição caracterizada por altos níveis de glicose causada tanto por graus variáveis de resistência à insulina quanto por deficiência relativa na secreção de insulina. O tipo 2 se desenvolve predominantemente em pessoas na fase adulta, mas pode aparecer em jovens.
2 Diabetes: Nome que designa um grupo de doenças caracterizadas por diurese excessiva. A mais frequente é o Diabetes mellitus, ainda que existam outras variantes (Diabetes insipidus) de doença nas quais o transtorno primário é a incapacidade dos rins de concentrar a urina.
3 Pré-diabetes: Condição em que um teste de glicose, feito após 8 a 12 horas de jejum, mostra um nível de glicose mais alto que o normal mas não tão alto para um diagnóstico de diabetes. A medida está entre 100 mg/dL e 125 mg/dL. A maioria das pessoas com pré-diabetes têm um risco aumentado de desenvolver diabetes tipo 2.
4 Fenótipo: Características apresentadas por um indivíduo sejam elas morfológicas, fisiológicas ou comportamentais. Também fazem parte do fenótipo as características microscópicas e de natureza bioquímica, que necessitam de testes especiais para a sua identificação, como, por exemplo, o tipo sanguíneo do indivíduo.
   [Mais...]

Medical Journal - 11/10/21
Estudo publicado pelo The British Medical Journal buscou avaliar se a metformina1 de liberação prolongada pode ser usada para prolongar a gestação em mulheres com pré-eclâmpsia2 pré-termo sob observação vigilante. O tempo médio desde a randomização até o parto foi de 17,7 dias no braço da metformina1 e 10,1 dias no braço do placebo3, uma diferença média de 7,6 dias. Este estudo sugere que a metformina1 de liberação prolongada pode prolongar a gestação em mulheres com pré-eclâmpsia2 pré-termo, embora sejam necessários mais estudos. Ele fornece uma prova de conceito4 de que o tratamento da pré-eclâmpsia2 pré-termo é possível.
1 Metformina: Medicamento para uso oral no tratamento do diabetes tipo 2. Reduz a glicemia por reduzir a quantidade de glicose produzida pelo fígado e ajudando o corpo a responder melhor à insulina produzida pelo pâncreas. Pertence à classe das biguanidas.
2 Pré-eclâmpsia: É caracterizada por hipertensão, edema (retenção de líquidos) e proteinúria (presença de proteína na urina). Manifesta-se na segunda metade da gravidez (após a 20a semana de gestação) e pode evoluir para convulsão e coma, mas essas condições melhoram com a saída do feto e da placenta. No meio médico, o termo usado é Moléstia Hipertensiva Específica da Gravidez. É a principal causa de morte materna no Brasil atualmente.
3 Placebo: Preparação neutra quanto a efeitos farmacológicos, ministrada em substituição a um medicamento, com a finalidade de suscitar ou controlar as reações, geralmente de natureza psicológica, que acompanham tal procedimento terapêutico.
4 Prova de conceito: Prova de conceito (PoC ou Proof of Concept) é um termo utilizado para denominar um modelo prático que possa provar o conceito (teórico) estabelecido por uma pesquisa ou artigo técnico. Ela pode ser considerada uma implementação, em geral resumida ou incompleta, de um método ou de uma ideia, realizada com o propósito de verificar se o conceito ou a teoria em questão é susceptível de ser explorado de maneira útil.
   [Mais...]

Saúde - 11/10/21
O paracetamol (também conhecido como acetaminofeno) é o ingrediente ativo em mais de 600 medicamentos usados para aliviar a dor leve a moderada e reduzir a febre1. O paracetamol é amplamente usado por grávidas. No entanto, o aumento da pesquisa experimental e epidemiológica sugere que a exposição pré-natal ao paracetamol pode alterar o desenvolvimento fetal, o que pode aumentar os riscos de alguns distúrbios neurodesenvolvimentais, reprodutivos e urogenitais. Nesse contexto, em um consenso publicado na revista Nature Reviews Endocrinology, pesquisadores resumiram essas evidências e pediram ações de precaução por meio de um esforço de pesquisa direcionado e do aumento da conscientização entre profissionais de saúde2 e gestantes.
1 Febre: É a elevação da temperatura do corpo acima dos valores normais para o indivíduo. São aceitos como valores de referência indicativos de febre: temperatura axilar ou oral acima de 37,5°C e temperatura retal acima de 38°C. A febre é uma reação do corpo contra patógenos.
2 Saúde: 1. Estado de equilíbrio dinâmico entre o organismo e o seu ambiente, o qual mantém as características estruturais e funcionais do organismo dentro dos limites normais para sua forma de vida e para a sua fase do ciclo vital. 2. Estado de boa disposição física e psíquica; bem-estar. 3. Brinde, saudação que se faz bebendo à saúde de alguém. 4. Força física; robustez, vigor, energia.
   [Mais...]

Medical Journal - 08/10/21
Nova pesquisa descobriu uma causa provável da doença de Alzheimer1, em uma descoberta significativa que oferece novas oportunidades de prevenção e tratamento dessa doença. O estudo, publicado na revista PLOS Biology, revelou que a proteína beta amiloide (Aβ) derivada do fígado2 pode promover patologia3 cerebral, apoiando que a Aβ periférica pode contribuir para a neurodegeneração. Os pesquisadores geraram um novo camundongo transgênico com expressão da proteína precursora de amiloide mutante humana principalmente no fígado2, e identificaram que uma causa provável da doença de Alzheimer1 foi o vazamento do sangue4 para o cérebro5 de partículas que carregam gordura6 que transporta proteínas7 tóxicas. Os camundongos modificados apresentaram neurodegeneração concomitante com disfunção dos capilares8 cerebrais, extravasamento parenquimatoso9 de lipoproteína-Aβ e inflamação10 neurovascular.
1 Doença de Alzheimer: É uma doença progressiva, de causa e tratamentos ainda desconhecidos que acomete preferencialmente as pessoas idosas. É uma forma de demência. No início há pequenos esquecimentos, vistos pelos familiares como parte do processo normal de envelhecimento, que se vão agravando gradualmente. Os pacientes tornam-se confusos e por vezes agressivos, passando a apresentar alterações da personalidade, com distúrbios de conduta e acabam por não reconhecer os próprios familiares e até a si mesmos quando colocados frente a um espelho. Tornam-se cada vez mais dependentes de terceiros, iniciam-se as dificuldades de locomoção, a comunicação inviabiliza-se e passam a necessitar de cuidados e supervisão integral, até mesmo para as atividades elementares como alimentação, higiene, vestuário, etc..
2 Fígado: Órgão que transforma alimento em energia, remove álcool e toxinas do sangue e fabrica bile. A bile, produzida pelo fígado, é importante na digestão, especialmente das gorduras. Após secretada pelas células hepáticas ela é recolhida por canalículos progressivamente maiores que a levam para dois canais que se juntam na saída do fígado e a conduzem intermitentemente até o duodeno, que é a primeira porção do intestino delgado. Com esse canal biliar comum, chamado ducto hepático, comunica-se a vesícula biliar através de um canal sinuoso, chamado ducto cístico. Quando recebe esse canal de drenagem da vesícula biliar, o canal hepático comum muda de nome para colédoco. Este, ao entrar na parede do duodeno, tem um músculo circular, designado esfíncter de Oddi, que controla o seu esvaziamento para o intestino.
3 Patologia: 1. Especialidade médica que estuda as doenças e as alterações que estas provocam no organismo. 2. Qualquer desvio anatômico e/ou fisiológico, em relação à normalidade, que constitua uma doença ou caracterize determinada doença. 3. Por extensão de sentido, é o desvio em relação ao que é próprio ou adequado ou em relação ao que é considerado como o estado normal de uma coisa inanimada ou imaterial.
4 Sangue: O sangue é uma substância líquida que circula pelas artérias e veias do organismo. Em um adulto sadio, cerca de 45% do volume de seu sangue é composto por células (a maioria glóbulos vermelhos, glóbulos brancos e plaquetas). O sangue é vermelho brilhante, quando oxigenado nos pulmões (nos alvéolos pulmonares). Ele adquire uma tonalidade mais azulada, quando perde seu oxigênio, através das veias e dos pequenos vasos denominados capilares.
5 Cérebro: Derivado do TELENCÉFALO, o cérebro é composto dos hemisférios direito e esquerdo. Cada hemisfério contém um córtex cerebral exterior e gânglios basais subcorticais. O cérebro inclui todas as partes dentro do crânio exceto MEDULA OBLONGA, PONTE e CEREBELO. As funções cerebrais incluem as atividades sensório-motora, emocional e intelectual.
6 Gordura: Um dos três principais nutrientes dos alimentos. Os alimentos que fornecem gordura são: manteiga, margarina, óleos, nozes, carnes vermelhas, peixes, frango e alguns derivados do leite. O excesso de calorias é estocado no organismo na forma de gordura, fornecendo uma reserva de energia ao organismo.
7 Proteínas: Um dos três principais nutrientes dos alimentos. Alimentos que fornecem proteína incluem carne vermelha, frango, peixe, queijos, leite, derivados do leite, ovos.
8 Capilares: Minúsculos vasos que conectam as arteríolas e vênulas.
9 Parenquimatoso: Relativo a parênquima. Parênquima, na anatomia geral, é uma célula específica de uma glândula ou de um órgão, contida no tecido conjuntivo. Na anatomia botânica, é um tecido vegetal fundamental, que constitui a maior parte da massa dos vegetais, formado por células poliédricas, quase isodiamétricas e com paredes não lignificadas, a partir das quais os outros tecidos se desenvolvem. Já na anatomia zoológica, é uma substância celular mole que preenche o espaço entre os órgãos.
10 Inflamação: Conjunto de processos que se desenvolvem em um tecido em resposta a uma agressão externa. Incluem fenômenos vasculares como vasodilatação, edema, desencadeamento da resposta imunológica, ativação do sistema de coagulação, etc.Quando se produz em um tecido superficial (pele, tecido celular subcutâneo) pode apresentar tumefação, aumento da temperatura local, coloração avermelhada e dor (tétrade de Celso, o cientista que primeiro descreveu as características clínicas da inflamação).
   [Mais...]

Medical Journal - 07/10/21
Pacientes com ataque cardíaco que se apresentaram ao hospital muito depois do início dos sintomas1 ainda tiveram melhores resultados em curto e longo prazo após a revascularização miocárdica, de acordo estudo publicado no Journal of the American College of Cardiology. Os resultados mostraram que os pacientes com infarto2 agudo3 do miocárdio4 com supradesnivelamento do segmento ST (IAMCSST) que se apresentaram 12-48 horas após o início dos sintomas1 tiveram uma incidência5 menor de mortalidade6 em 30 dias se submetidos à revascularização, ou seja, intervenção coronária percutânea primária (2,1% vs 7,2% se não revascularizado). As taxas de mortalidade6 durante o acompanhamento com duração mediana de 58 meses também favoreceram o grupo revascularizado (30,4 vs 78,7 por 1.000 pacientes-ano), e a revascularização foi independentemente associada a uma redução significativa da mortalidade6 a longo prazo.
1 Sintomas: Alterações da percepção normal que uma pessoa tem de seu próprio corpo, do seu metabolismo, de suas sensações, podendo ou não ser um indício de doença. Os sintomas são as queixas relatadas pelo paciente mas que só ele consegue perceber. Sintomas são subjetivos, sujeitos à interpretação pessoal. A variabilidade descritiva dos sintomas varia em função da cultura do indivíduo, assim como da valorização que cada pessoa dá às suas próprias percepções.
2 Infarto: Morte de um tecido por irrigação sangüínea insuficiente. O exemplo mais conhecido é o infarto do miocárdio, no qual se produz a obstrução das artérias coronárias com conseqüente lesão irreversível do músculo cardíaco.
3 Agudo: Descreve algo que acontece repentinamente e por curto período de tempo. O oposto de crônico.
4 Miocárdio: Tecido muscular do CORAÇÃO. Composto de células musculares estriadas e involuntárias (MIÓCITOS CARDÍACOS) conectadas, que formam a bomba contrátil geradora do fluxo sangüíneo. Sinônimos: Músculo Cardíaco; Músculo do Coração
5 Incidência: Medida da freqüência em que uma doença ocorre. Número de casos novos de uma doença em um certo grupo de pessoas por um certo período de tempo.
6 Mortalidade: A taxa de mortalidade ou coeficiente de mortalidade é um dado demográfico do número de óbitos, geralmente para cada mil habitantes em uma dada região, em um determinado período de tempo.
   [Mais...]

Medical Journal - 06/10/21
Quatro estudos de coorte1 juntos adicionam evidências de que os níveis de colesterol2 cedo na vida são importantes para eventos posteriores. No estudo publicado no JAMA Cardiology, a doença arterial coronariana se correlacionou significativamente com o colesterol2 LDL3 cumulativo, bem como o LDL3 médio ponderado no tempo durante a idade adulta jovem e meia-idade, independentemente do nível de colesterol2 LDL3 na meia-idade. O risco foi observado para níveis tão baixos quanto 100 mg/dL4, muito abaixo dos limites de tratamento atuais. Esses achados sugerem que os níveis anteriores de LDL3 podem informar estratégias para a prevenção primária da doença arterial coronariana.
1 Estudos de coorte: Um estudo de coorte é realizado para verificar se indivíduos expostos a um determinado fator apresentam, em relação aos indivíduos não expostos, uma maior propensão a desenvolver uma determinada doença. Um estudo de coorte é constituído, em seu início, de um grupo de indivíduos, denominada coorte, em que todos estão livres da doença sob investigação. Os indivíduos dessa coorte são classificados em expostos e não-expostos ao fator de interesse, obtendo-se assim dois grupos (ou duas coortes de comparação). Essas coortes serão observadas por um período de tempo, verificando-se quais indivíduos desenvolvem a doença em questão. Os indivíduos expostos e não-expostos devem ser comparáveis, ou seja, semelhantes quanto aos demais fatores, que não o de interesse, para que as conclusões obtidas sejam confiáveis.
2 Colesterol: Tipo de gordura produzida pelo fígado e encontrada no sangue, músculos, fígado e outros tecidos. O colesterol é usado pelo corpo para a produção de hormônios esteróides (testosterona, estrógeno, cortisol e progesterona). O excesso de colesterol pode causar depósito de gordura nos vasos sangüíneos. Seus componentes são: HDL-Colesterol: tem efeito protetor para as artérias, é considerado o bom colesterol. LDL-Colesterol: relacionado às doenças cardiovasculares, é o mau colesterol. VLDL-Colesterol: representa os triglicérides (um quinto destes).
3 LDL: Lipoproteína de baixa densidade, encarregada de transportar colesterol através do sangue. Devido à sua tendência em depositar o colesterol nas paredes arteriais e a produzir aterosclerose, tem sido denominada “mau colesterol“.
4 Mg/dL: Miligramas por decilitro, unidade de medida que mostra a concentração de uma substância em uma quantidade específica de fluido.
   [Mais...]

Medical Journal - 06/10/21
Nova pesquisa publicada no jornal científico Clinical Pediatrics enfatiza o impacto das escolhas e intervenções dietéticas na redução dos fatores de risco cardiovascular entre crianças com sobrepeso1 ou obesidade2. Em uma avaliação de 3 padrões alimentares específicos em crianças de 9 a 18 anos com IMC3 no percentil 95 ou superior, os resultados forneceram evidências que sugerem que a adesão a qualquer uma das 3 dietas examinadas no estudo pode resultar em melhorias significativas nos fatores de risco cardiovascular nessa população de pacientes. Melhorias significativas foram observadas ao examinar o peso, pressão arterial sistólica4 e diastólica e mieloperoxidase. Além disso, resultados estatisticamente significativos semelhantes foram observados para colesterol5 total e LDL6.
1 Sobrepeso: Peso acima do normal, índice de massa corporal entre 25 e 29,9.
2 Obesidade: Condição em que há acúmulo de gorduras no organismo além do normal, mais severo que o sobrepeso. O índice de massa corporal é igual ou maior que 30.
3 IMC: Medida usada para avaliar se uma pessoa está abaixo do peso, com peso normal, com sobrepeso ou obesa. É a medida mais usada na prática para saber se você é considerado obeso ou não. Também conhecido como IMC. É calculado dividindo-se o peso corporal em quilogramas pelo quadrado da altura em metros. Existe uma tabela da Organização Mundial de Saúde que classifica as medidas de acordo com o resultado encontrado.
4 Pressão arterial sistólica: É a pressão mais elevada (pico) verificada nas artérias durante a fase de sístole do ciclo cardíaco, é também chamada de pressão máxima.
5 Colesterol: Tipo de gordura produzida pelo fígado e encontrada no sangue, músculos, fígado e outros tecidos. O colesterol é usado pelo corpo para a produção de hormônios esteróides (testosterona, estrógeno, cortisol e progesterona). O excesso de colesterol pode causar depósito de gordura nos vasos sangüíneos. Seus componentes são: HDL-Colesterol: tem efeito protetor para as artérias, é considerado o bom colesterol. LDL-Colesterol: relacionado às doenças cardiovasculares, é o mau colesterol. VLDL-Colesterol: representa os triglicérides (um quinto destes).
6 LDL: Lipoproteína de baixa densidade, encarregada de transportar colesterol através do sangue. Devido à sua tendência em depositar o colesterol nas paredes arteriais e a produzir aterosclerose, tem sido denominada “mau colesterol“.
   [Mais...]

Novos medicamentos - 05/10/21
O tratamento com o antiviral oral experimental molnupiravir cortou o risco de hospitalização e morte pela metade para pacientes1 com COVID-19 em risco, disse a fabricante Merck. Uma análise provisória do ensaio multinacional de fase III MOVe-OUT constatou que entre 775 pacientes com COVID-19 de alto risco não hospitalizados, 7,3% dos que tomavam molnupiravir foram hospitalizados ou morreram até o dia 29 da randomização, em comparação com 14,1% daqueles recebendo placebo2. Além disso, a Merck observou que não houve mortes no grupo do molnupiravir, contra oito no grupo do placebo2. Com base em dados de sequenciamento viral de 40% dos participantes, a droga foi eficaz contra as variantes Gamma, Mu e Delta do coronavírus. Os eventos adversos gerais e os relacionados ao medicamento foram comparáveis em ambos os braços do estudo. Diante desses resultados positivos, a empresa planeja entrar com um pedido de autorização de uso emergencial.
1 Para pacientes: Você pode utilizar este texto livremente com seus pacientes, inclusive alterando-o, de acordo com a sua prática e experiência. Conheça todos os materiais Para Pacientes disponíveis para auxiliar, educar e esclarecer seus pacientes, colaborando para a melhoria da relação médico-paciente, reunidos no canal Para Pacientes . As informações contidas neste texto são baseadas em uma compilação feita pela equipe médica da Centralx. Você deve checar e confirmar as informações e divulgá-las para seus pacientes de acordo com seus conhecimentos médicos.
2 Placebo: Preparação neutra quanto a efeitos farmacológicos, ministrada em substituição a um medicamento, com a finalidade de suscitar ou controlar as reações, geralmente de natureza psicológica, que acompanham tal procedimento terapêutico.
   [Mais...]

Saúde - 05/10/21
Mulheres que amamentam e que tiveram covid-19 secretam anticorpos1 neutralizantes contra o vírus2 em seu leite materno por até 10 meses após a infecção3, de acordo com estudo apresentado no Simpósio Global de Amamentação4 e Lactação5. Pesquisadores analisaram amostras de leite materno de 75 mulheres que se recuperaram de uma infecção3 por covid-19 e descobriram que 88% das amostras continham anticorpos1 contra o vírus2 SARS-CoV-2 e, na maioria dos casos, eles eram capazes de neutralizar o vírus2, o que significa que podem bloquear a infecção3. As descobertas sugerem que a amamentação4 pode ajudar a proteger os bebês6 de serem infectados com covid-19. O estudo também descobriu que a maioria das mulheres que receberam as vacinas Pfizer/BioNTech ou Moderna também tinham anticorpos1 específicos para o coronavírus no leite materno, mas níveis mais baixos de anticorpos1 foram observados no leite de mulheres que receberam a vacina7 Johnson & Johnson.
1 Anticorpos: Proteínas produzidas pelo organismo para se proteger de substâncias estranhas como bactérias ou vírus. As pessoas que têm diabetes tipo 1 produzem anticorpos que destroem as células beta produtoras de insulina do próprio organismo.
2 Vírus: Pequeno microorganismo capaz de infectar uma célula de um organismo superior e replicar-se utilizando os elementos celulares do hospedeiro. São capazes de causar múltiplas doenças, desde um resfriado comum até a AIDS.
3 Infecção: Doença produzida pela invasão de um germe (bactéria, vírus, fungo, etc.) em um organismo superior. Como conseqüência da mesma podem ser produzidas alterações na estrutura ou funcionamento dos tecidos comprometidos, ocasionando febre, queda do estado geral, e inúmeros sintomas que dependem do tipo de germe e da reação imunológica perante o mesmo.
4 Amamentação: Ato da nutriz dar o peito e o lactente mamá-lo diretamente. É um fenômeno psico-sócio-cultural. Dar de mamar a; criar ao peito; aleitar; lactar... A amamentação é uma forma de aleitamento, mas há outras formas.
5 Lactação: Fenômeno fisiológico neuro-endócrino (hormonal) de produção de leite materno pela puérpera no pós-parto; independente dela estar ou não amamentando.Toda mulher após o parto tem produção de leite - lactação; mas, infelizmente nem todas amamentam.
6 Bebês: Lactentes. Inclui o período neonatal e se estende até 1 ano de idade (12 meses).
7 Vacina: Tratamento à base de bactérias, vírus vivos atenuados ou seus produtos celulares, que têm o objetivo de produzir uma imunização ativa no organismo para uma determinada infecção.
   [Mais...]

Medical Journal - 04/10/21
Bebês1 que pareciam estar se encaminhando para o transtorno do espectro autista (TEA) tinham sintomas2 mais leves quando crianças se seus cuidadores fossem submetidos a uma intervenção de comunicação social quando os bebês1 tinham apenas 1 ano de idade, descobriu um estudo publicado no JAMA Pediatrics. No ensaio clínico randomizado3 de 103 bebês1 mostrando sinais4 comportamentais precoces de TEA, a intervenção preventiva levou a uma redução estatisticamente significativa na gravidade dos comportamentos de TEA na primeira infância. Os bebês1 que receberam a intervenção preventiva tiveram menor chance de atender aos critérios diagnósticos para TEA (6,7%) do que aqueles que receberam os cuidados habituais (20,5%) na idade de 3 anos.
1 Bebês: Lactentes. Inclui o período neonatal e se estende até 1 ano de idade (12 meses).
2 Sintomas: Alterações da percepção normal que uma pessoa tem de seu próprio corpo, do seu metabolismo, de suas sensações, podendo ou não ser um indício de doença. Os sintomas são as queixas relatadas pelo paciente mas que só ele consegue perceber. Sintomas são subjetivos, sujeitos à interpretação pessoal. A variabilidade descritiva dos sintomas varia em função da cultura do indivíduo, assim como da valorização que cada pessoa dá às suas próprias percepções.
3 Randomizado: Ensaios clínicos comparativos randomizados são considerados o melhor delineamento experimental para avaliar questões relacionadas a tratamento e prevenção. Classicamente, são definidos como experimentos médicos projetados para determinar qual de duas ou mais intervenções é a mais eficaz mediante a alocação aleatória, isto é, randomizada, dos pacientes aos diferentes grupos de estudo. Em geral, um dos grupos é considerado controle – o que algumas vezes pode ser ausência de tratamento, placebo, ou mais frequentemente, um tratamento de eficácia reconhecida. Recursos estatísticos são disponíveis para validar conclusões e maximizar a chance de identificar o melhor tratamento. Esses modelos são chamados de estudos de superioridade, cujo objetivo é determinar se um tratamento em investigação é superior ao agente comparativo.
4 Sinais: São alterações percebidas ou medidas por outra pessoa, geralmente um profissional de saúde, sem o relato ou comunicação do paciente. Por exemplo, uma ferida.
   [Mais...]

Mostrar: 10
<< - « Anteriores - 4 - 5 - 6 - 7 - 8 - 9 - Próximos » - >>
61 a 70 (Total: 2957)
  • Entrar
  • Receber conteúdos