news.med.br
Crianças e adolescentes que foram expostas à pré-eclâmpsia1 no útero2 podem ter maior probabilidade de sofrer um derrame3 ou desenvolver doença arterial coronariana, mas o risco geral permanece baixo, segundo um estudo publicado no JAMA Network Open. No geral, o número de eventos de acidente vascular cerebral4 e diagnósticos de doença isquêmica do coração5 foi muito baixo. No entanto, os participantes que foram expostos à pré-eclâmpsia1 no período pré-natal tiveram 33% mais chances de desenvolver doença isquêmica do coração5 e 34% mais chances de ter um AVC aos 19 anos, em média, em comparação com os participantes sem exposição à pré-eclâmpsia1 no período pré-natal. Os riscos não foram totalmente explicados por nascimento prematuro ou pequeno para idade gestacional, e os riscos associados de AVC foram maiores para formas graves de pré-eclâmpsia1.
1 Pré-eclâmpsia: É caracterizada por hipertensão, edema (retenção de líquidos) e proteinúria (presença de proteína na urina). Manifesta-se na segunda metade da gravidez (após a 20a semana de gestação) e pode evoluir para convulsão e coma, mas essas condições melhoram com a saída do feto e da placenta. No meio médico, o termo usado é Moléstia Hipertensiva Específica da Gravidez. É a principal causa de morte materna no Brasil atualmente.
2 Útero: Orgão muscular oco (de paredes espessas), na pelve feminina. Constituído pelo fundo (corpo), local de IMPLANTAÇÃO DO EMBRIÃO e DESENVOLVIMENTO FETAL. Além do istmo (na extremidade perineal do fundo), encontra-se o COLO DO ÚTERO (pescoço), que se abre para a VAGINA. Além dos istmos (na extremidade abdominal superior do fundo), encontram-se as TUBAS UTERINAS.
3 Derrame: Conhecido popularmente como derrame cerebral, o acidente vascular cerebral (AVC) ou encefálico é uma doença que consiste na interrupção súbita do suprimento de sangue com oxigênio e nutrientes para o cérebro, lesando células nervosas, o que pode resultar em graves conseqüências, como inabilidade para falar ou mover partes do corpo. Há dois tipos de derrame, o isquêmico e o hemorrágico.
4 Acidente vascular cerebral: Conhecido popularmente como derrame cerebral, o acidente vascular cerebral (AVC) ou encefálico é uma doença que consiste na interrupção súbita do suprimento de sangue com oxigênio e nutrientes para o cérebro, lesando células nervosas, o que pode resultar em graves conseqüências, como inabilidade para falar ou mover partes do corpo. Há dois tipos de derrame, o isquêmico e o hemorrágico.
5 Coração: Órgão muscular, oco, que mantém a circulação sangüínea.
   [Mais...]

Segundo um novo estudo, publicado no JAMA Network Open, crianças cujas mães consumiram produtos contendo cafeína em taxas bem acima da média durante a gravidez1 acabaram sendo mais baixas do que filhos de mulheres com menor ingestão de cafeína. Em duas coortes acompanhadas prospectivamente, com cerca de 2.400 crianças no total, os filhos de mulheres com o maior consumo tiveram em média 1,5 a 2,2 cm a menos nas idades de 7 a 8 anos. O estudo demonstrou que a exposição intrauterina a níveis crescentes de cafeína e paraxantina, mesmo em baixas quantidades, foi associada a menor estatura na primeira infância. A implicação clínica das reduções na altura e no peso não é clara; no entanto, as reduções foram aparentes mesmo com níveis de consumo de cafeína abaixo das diretrizes clinicamente recomendadas de menos de 200 mg por dia.
1 Gravidez: Condição de ter um embrião ou feto em desenvolvimento no trato reprodutivo feminino após a união de ovo e espermatozóide.
   [Mais...]

A pré-eclâmpsia1 está associada à morbidade2 materna e perinatal. Além da terapia aguda para hipertensão3 grave, faltam melhores práticas para o manejo da hipertensão3 intraparto. Um estudo randomizado4, publicado no jornal científico Hypertension, sugere que o uso de nifedipina de liberação prolongada intraparto pode ajudar a prevenir hipertensão3 grave entre gestantes com pré-eclâmpsia1. Os resultados do estudo, que randomizou 110 indivíduos, sugerem que o uso de nifedipina foi associado à redução da terapia hipertensiva aguda intraparto em indivíduos com pré-eclâmpsia1 com características graves, com análises posteriores apontando para uma menor taxa de cesariana em comparação com a terapia com placebo5. A taxa de admissão na unidade de terapia intensiva6 neonatal também foi menor no grupo nifedipina.
1 Pré-eclâmpsia: É caracterizada por hipertensão, edema (retenção de líquidos) e proteinúria (presença de proteína na urina). Manifesta-se na segunda metade da gravidez (após a 20a semana de gestação) e pode evoluir para convulsão e coma, mas essas condições melhoram com a saída do feto e da placenta. No meio médico, o termo usado é Moléstia Hipertensiva Específica da Gravidez. É a principal causa de morte materna no Brasil atualmente.
2 Morbidade: Morbidade ou morbilidade é a taxa de portadores de determinada doença em relação à população total estudada, em determinado local e em determinado momento.
3 Hipertensão: Condição presente quando o sangue flui através dos vasos com força maior que a normal. Também chamada de pressão alta. Hipertensão pode causar esforço cardíaco, dano aos vasos sangüíneos e aumento do risco de um ataque cardíaco, derrame ou acidente vascular cerebral, além de problemas renais e morte.
4 Estudo randomizado: Ensaios clínicos comparativos randomizados são considerados o melhor delineamento experimental para avaliar questões relacionadas a tratamento e prevenção. Classicamente, são definidos como experimentos médicos projetados para determinar qual de duas ou mais intervenções é a mais eficaz mediante a alocação aleatória, isto é, randomizada, dos pacientes aos diferentes grupos de estudo. Em geral, um dos grupos é considerado controle - o que algumas vezes pode ser ausência de tratamento, placebo, ou mais frequentemente, um tratamento de eficácia reconhecida. Recursos estatísticos são disponíveis para validar conclusões e maximizar a chance de identificar o melhor tratamento. Esses modelos são chamados de estudos de superioridade, cujo objetivo é determinar se um tratamento em investigação é superior ao agente comparativo.
5 Placebo: Preparação neutra quanto a efeitos farmacológicos, ministrada em substituição a um medicamento, com a finalidade de suscitar ou controlar as reações, geralmente de natureza psicológica, que acompanham tal procedimento terapêutico.
6 Terapia intensiva: Tratamento para diabetes no qual os níveis de glicose são mantidos o mais próximo do normal possível através de injeções freqüentes ou uso de bomba de insulina, planejamento das refeições, ajuste em medicamentos hipoglicemiantes e exercícios baseados nos resultados de testes de glicose além de contatos freqüentes entre o diabético e o profissional de saúde.
   [Mais...]

Um novo estudo publicado na revista Obstetrics & Gynecology demonstra substancial risco materno pós-parto de longo prazo para hipertensão1 grave, e deve levantar uma bandeira vermelha de que a hipertensão1 crônica leve é tudo menos “leve”. Entre a amostra elegível de 647 gestantes com hipertensão1 leve, 36,5% desenvolveram o desfecho primário de hipertensão1 grave ou complicações cardiovasculares em 5-7 anos de acompanhamento após a gravidez2 índice. Os componentes cardiovasculares do desfecho primário foram raros e ocorreram em menos de 1% das pacientes. Pacientes negras tiveram mais de duas vezes mais chances de progredir para hipertensão1 grave no acompanhamento em comparação com pacientes brancas. Elas também progrediram mais rápido. Fumar tabaco também foi associado a uma progressão mais rápida.
1 Hipertensão: Condição presente quando o sangue flui através dos vasos com força maior que a normal. Também chamada de pressão alta. Hipertensão pode causar esforço cardíaco, dano aos vasos sangüíneos e aumento do risco de um ataque cardíaco, derrame ou acidente vascular cerebral, além de problemas renais e morte.
2 Gravidez: Condição de ter um embrião ou feto em desenvolvimento no trato reprodutivo feminino após a união de ovo e espermatozóide.
   [Mais...]

A insônia é comum e foi associada a resultados adversos da gravidez1 e perinatais em estudos observacionais. No entanto, essas associações podem ser vulneráveis a confusão residual ou causalidade reversa. Neste estudo, publicado pela revista PLOS Medicine, observou-se algumas evidências em apoio de uma possível relação causal entre insônia geneticamente prevista e aborto espontâneo, depressão perinatal e baixo peso ao nascer. O estudo também encontrou evidências observacionais em apoio de uma associação entre insônia na gravidez1 e depressão perinatal, sem evidência multivariável clara de uma associação com baixo peso ao nascer. Esses achados destacam a importância do sono saudável em mulheres em idade reprodutiva, embora a replicação em estudos maiores, inclusive com instrumentos genéticos específicos para insônia na gravidez1, seja importante.
1 Gravidez: Condição de ter um embrião ou feto em desenvolvimento no trato reprodutivo feminino após a união de ovo e espermatozóide.
   [Mais...]

Tomar altas doses de vitamina1 D e óleo de peixe durante a gravidez2 reduziu o risco de crupe em crianças pequenas, mostrou um estudo controlado randomizado3 dinamarquês apresentado na reunião da European Respiratory Society. Entre mais de 600 mulheres grávidas, tomar óleo de peixe levou a uma redução de 38% no risco de crupe em crianças menores de 3 anos em comparação com placebo4, enquanto tomar altas doses de vitamina1 D levou a uma redução de 40% no risco de crupe versus a dose padrão de vitamina1 D. Não houve evidência de interação entre os suplementos. Os níveis de redução de risco foram semelhantes com ambos os suplementos, mas não houve efeito aditivo. Este estudo é o primeiro a demonstrar os efeitos protetores da suplementação5 de LCPUFA n-3 e de altas doses de vitamina1 D durante a gravidez2 sobre o risco de crupe na primeira infância.
1 Vitamina: Compostos presentes em pequenas quantidades nos diversos alimentos e nutrientes e que são indispensáveis para o desenvolvimento dos processos biológicos normais.
2 Gravidez: Condição de ter um embrião ou feto em desenvolvimento no trato reprodutivo feminino após a união de ovo e espermatozóide.
3 Randomizado: Ensaios clínicos comparativos randomizados são considerados o melhor delineamento experimental para avaliar questões relacionadas a tratamento e prevenção. Classicamente, são definidos como experimentos médicos projetados para determinar qual de duas ou mais intervenções é a mais eficaz mediante a alocação aleatória, isto é, randomizada, dos pacientes aos diferentes grupos de estudo. Em geral, um dos grupos é considerado controle – o que algumas vezes pode ser ausência de tratamento, placebo, ou mais frequentemente, um tratamento de eficácia reconhecida. Recursos estatísticos são disponíveis para validar conclusões e maximizar a chance de identificar o melhor tratamento. Esses modelos são chamados de estudos de superioridade, cujo objetivo é determinar se um tratamento em investigação é superior ao agente comparativo.
4 Placebo: Preparação neutra quanto a efeitos farmacológicos, ministrada em substituição a um medicamento, com a finalidade de suscitar ou controlar as reações, geralmente de natureza psicológica, que acompanham tal procedimento terapêutico.
5 Suplementação: Que serve de suplemento para suprir o que falta, que completa ou amplia.
   [Mais...]

A suplementação1 de ácido fólico na pré-concepção2 tem sido sugerida para proteger contra doença cardíaca congênita3, mas a associação entre folato de glóbulos vermelhos materno, o biomarcador padrão ouro de exposição ao folato, e risco subsequente de cardiopatia congênita3 da prole necessita maiores estudos. Neste estudo, publicado no Annals of Internal Medicine, foi demonstrado que o folato de glóbulos vermelhos materno mais alto está associado à redução do risco de doença cardíaca congênita3 na prole. Para a prevenção primária de cardiopatia congênita3, níveis de folato de glóbulos vermelhos mais altos do que os atualmente recomendados para a prevenção de defeitos do tubo neural4 podem ser necessários e justificam mais estudos.
1 Suplementação: Que serve de suplemento para suprir o que falta, que completa ou amplia.
2 Concepção: O início da gravidez.
3 Congênita: 1. Em biologia, o que é característico do indivíduo desde o nascimento ou antes do nascimento; conato. 2. Que se manifesta espontaneamente; inato, natural, infuso. 3. Que combina bem com; apropriado, adequado. 4. Em termos jurídicos, é o que foi adquirido durante a vida fetal ou embrionária; nascido com o indivíduo. Por exemplo, um defeito congênito.
4 Tubo neural: Estrutura embrionária que dará origem ao cérebro e à medula espinhal. Durante a gestação humana, o tubo neural dá origem a três vesículas: romboencéfalo, mesencéfalo e prosencéfalo.
   [Mais...]

Os recém-nascidos de mães com deficiência apresentaram risco leve a moderadamente aumentado de várias complicações no parto, relatou um estudo de coorte1 publicado na revista Pediatrics. Os bebês2 de mães com deficiência intelectual ou de desenvolvimento estavam em maior risco de vários desfechos em comparação com aqueles nascidos de mães sem deficiência diagnosticada, como nascimento prematuro com menos de 37 semanas, pequeno para a idade gestacional, morbidade3 neonatal, síndrome4 de abstinência neonatal e admissão na UTI Neonatal. Recém-nascidos de mães com duas ou mais deficiências apresentaram magnitudes semelhantes desses riscos elevados. O estudo concluiu que existe um risco elevado de leve a moderado para complicações entre os recém-nascidos de mulheres com deficiência. Essas mulheres podem precisar de cuidados pré-concepção5 e pré-natais adaptados e aprimorados, e seus recém-nascidos podem precisar de apoio extra após o nascimento.
1 Estudo de coorte: Um estudo de coorte é realizado para verificar se indivíduos expostos a um determinado fator apresentam, em relação aos indivíduos não expostos, uma maior propensão a desenvolver uma determinada doença. Um estudo de coorte é constituído, em seu início, de um grupo de indivíduos, denominada coorte, em que todos estão livres da doença sob investigação. Os indivíduos dessa coorte são classificados em expostos e não-expostos ao fator de interesse, obtendo-se assim dois grupos (ou duas coortes de comparação). Essas coortes serão observadas por um período de tempo, verificando-se quais indivíduos desenvolvem a doença em questão. Os indivíduos expostos e não-expostos devem ser comparáveis, ou seja, semelhantes quanto aos demais fatores, que não o de interesse, para que as conclusões obtidas sejam confiáveis.
2 Bebês: Lactentes. Inclui o período neonatal e se estende até 1 ano de idade (12 meses).
3 Morbidade: Morbidade ou morbilidade é a taxa de portadores de determinada doença em relação à população total estudada, em determinado local e em determinado momento.
4 Síndrome: Conjunto de sinais e sintomas que se encontram associados a uma entidade conhecida ou não.
5 Concepção: O início da gravidez.
   [Mais...]

Mulheres grávidas com hipertensão1 gestacional e pré-eclâmpsia2/eclâmpsia3 tiveram um risco maior de demência4 vascular5 mais tarde na vida, embora não tenham apresentado risco excessivo significativo para a doença de Alzheimer6, de acordo com um estudo que acompanhou mulheres retrospectivamente por um período de 80 anos, apresentado na Conferência Internacional da Associação de Alzheimer7. Entre quase 20.000 mulheres com histórico de distúrbios hipertensivos da gravidez8 (DHG), o risco de demência4 vascular5 foi maior naquelas com pré-eclâmpsia2/eclâmpsia3 e naquelas com hipertensão1 gestacional, em comparação com aquelas sem DHG. O risco de demência4 por todas as causas também foi maior com essas condições. Mulheres com pré-eclâmpsia2/eclâmpsia3 também foram mais propensas a desenvolver outras demências / demências não especificadas em comparação com mulheres sem DHG. Segundo os pesquisadores, até 61% do excesso de risco pode ser explicado por distúrbios cardíacos e mentais na meia-idade.
1 Hipertensão: Condição presente quando o sangue flui através dos vasos com força maior que a normal. Também chamada de pressão alta. Hipertensão pode causar esforço cardíaco, dano aos vasos sangüíneos e aumento do risco de um ataque cardíaco, derrame ou acidente vascular cerebral, além de problemas renais e morte.
2 Pré-eclâmpsia: É caracterizada por hipertensão, edema (retenção de líquidos) e proteinúria (presença de proteína na urina). Manifesta-se na segunda metade da gravidez (após a 20a semana de gestação) e pode evoluir para convulsão e coma, mas essas condições melhoram com a saída do feto e da placenta. No meio médico, o termo usado é Moléstia Hipertensiva Específica da Gravidez. É a principal causa de morte materna no Brasil atualmente.
3 Eclâmpsia: Ocorre quando a mulher com pré-eclâmpsia grave apresenta covulsão ou entra em coma. As convulsões ocorrem porque a pressão sobe muito e, em decorrência disso, diminui o fluxo de sangue que vai para o cérebro.
4 Demência: Deterioração irreversível e crônica das funções intelectuais de uma pessoa.
5 Vascular: Relativo aos vasos sanguíneos do organismo.
6 Doença de Alzheimer: É uma doença progressiva, de causa e tratamentos ainda desconhecidos que acomete preferencialmente as pessoas idosas. É uma forma de demência. No início há pequenos esquecimentos, vistos pelos familiares como parte do processo normal de envelhecimento, que se vão agravando gradualmente. Os pacientes tornam-se confusos e por vezes agressivos, passando a apresentar alterações da personalidade, com distúrbios de conduta e acabam por não reconhecer os próprios familiares e até a si mesmos quando colocados frente a um espelho. Tornam-se cada vez mais dependentes de terceiros, iniciam-se as dificuldades de locomoção, a comunicação inviabiliza-se e passam a necessitar de cuidados e supervisão integral, até mesmo para as atividades elementares como alimentação, higiene, vestuário, etc..
7 Alzheimer: Doença degenerativa crônica que produz uma deterioração insidiosa e progressiva das funções intelectuais superiores. É uma das causas mais freqüentes de demência. Geralmente começa a partir dos 50 anos de idade e tem incidência similar entre homens e mulheres.
8 Gravidez: Condição de ter um embrião ou feto em desenvolvimento no trato reprodutivo feminino após a união de ovo e espermatozóide.
   [Mais...]

Apesar de ser o distúrbio endócrino1 mais comum que afeta as mulheres em idade fértil, a síndrome2 dos ovários3 policísticos (SOP) representa um aspecto muitas vezes esquecido da saúde4 da mulher na medicina moderna. Um novo estudo, publicado no Journal of the American Heart Association, está fornecendo aos médicos uma visão5 abrangente das tendências, preditores e resultados de complicações cardiovasculares entre mulheres com SOP. Os resultados do estudo, que utilizou dados da Amostra Nacional de Pacientes Internados de 2002 a 2019, detalham tendências proeminentes de doenças cardiovasculares6 entre mulheres com SOP durante hospitalizações de parto nos EUA, sugerindo que a SOP foi um preditor independente de risco aumentado de complicações múltiplas, incluindo pré-eclâmpsia7, eclâmpsia8, miocardiopatia9 periparto e insuficiência cardíaca10 em comparação com suas homólogas sem SOP. Isso significa a importância da consulta pré-gestacional e otimização da saúde4 cardiometabólica para melhorar os resultados maternos e neonatais.
1 Endócrino: Relativo a ou próprio de glândula, especialmente de secreção interna; endocrínico.
2 Síndrome: Conjunto de sinais e sintomas que se encontram associados a uma entidade conhecida ou não.
3 Ovários: São órgãos pares com aproximadamente 3cm de comprimento, 2cm de largura e 1,5cm de espessura cada um. Eles estão presos ao útero e à cavidade pelvina por meio de ligamentos. Na puberdade, os ovários começam a secretar os hormônios sexuais, estrógeno e progesterona. As células dos folículos maduros secretam estrógeno, enquanto o corpo lúteo produz grandes quantidades de progesterona e pouco estrógeno.
4 Saúde: 1. Estado de equilíbrio dinâmico entre o organismo e o seu ambiente, o qual mantém as características estruturais e funcionais do organismo dentro dos limites normais para sua forma de vida e para a sua fase do ciclo vital. 2. Estado de boa disposição física e psíquica; bem-estar. 3. Brinde, saudação que se faz bebendo à saúde de alguém. 4. Força física; robustez, vigor, energia.
5 Visão: 1. Ato ou efeito de ver. 2. Percepção do mundo exterior pelos órgãos da vista; sentido da vista. 3. Algo visto, percebido. 4. Imagem ou representação que aparece aos olhos ou ao espírito, causada por delírio, ilusão, sonho; fantasma, visagem. 5. No sentido figurado, concepção ou representação, em espírito, de situações, questões etc.; interpretação, ponto de vista. 6. Percepção de fatos futuros ou distantes, como profecia ou advertência divina.
6 Doenças cardiovasculares: Doença do coração e vasos sangüíneos (artérias, veias e capilares).
7 Pré-eclâmpsia: É caracterizada por hipertensão, edema (retenção de líquidos) e proteinúria (presença de proteína na urina). Manifesta-se na segunda metade da gravidez (após a 20a semana de gestação) e pode evoluir para convulsão e coma, mas essas condições melhoram com a saída do feto e da placenta. No meio médico, o termo usado é Moléstia Hipertensiva Específica da Gravidez. É a principal causa de morte materna no Brasil atualmente.
8 Eclâmpsia: Ocorre quando a mulher com pré-eclâmpsia grave apresenta covulsão ou entra em coma. As convulsões ocorrem porque a pressão sobe muito e, em decorrência disso, diminui o fluxo de sangue que vai para o cérebro.
9 Miocardiopatia: Termo utilizado para se referir a doenças que afetam o músculo cardíaco.Suas causas são variadas sendo as mais freqüentes a isquemia e a hipertensão. Na América do Sul é importante a infecção pelo Tripanosoma Cruzi, causa da miocardiopatia chagásica. Quando não se encontra uma causa para a doença, ela é chamada miocardiopatia idiopática.
10 Insuficiência Cardíaca: É uma condição na qual a quantidade de sangue bombeada pelo coração a cada minuto (débito cardíaco) é insuficiente para suprir as demandas normais de oxigênio e de nutrientes do organismo. Refere-se à diminuição da capacidade do coração suportar a carga de trabalho.
   [Mais...]

Mostrar: 10
1 - 2 - 3 - 4 - 5 - 6 - Próximos » - >>
1 a 10 (Total: 164)
  • Entrar
  • Receber conteúdos