Gostou do artigo? Compartilhe!

Gravidez na adolescência foi associada à morte prematura: adolescentes que tiveram filhos tinham 2 vezes mais chances de morrer antes dos 31 anos

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie esta notícia

A gravidez1 na adolescência aumenta as probabilidades de uma jovem abandonar a escola e ter de lutar contra a pobreza, revelam pesquisas. As adolescentes também têm maior probabilidade de desenvolver complicações médicas graves durante a gravidez1.

Agora, um grande estudo realizado no Canadá relata outra descoberta perturbadora: as mulheres que engravidaram na adolescência têm maior probabilidade de morrer antes dos 31 anos. A tendência foi observada entre as mulheres que levaram a gravidez1 na adolescência até o fim, bem como entre aquelas que abortaram.

“Quanto mais jovem era a pessoa quando engravidou, maior era o risco de morte prematura”, disse o Dr. Joel G. Ray, especialista em medicina obstétrica e epidemiologista do St. Michael’s Hospital em Toronto e primeiro autor do estudo, que foi publicado no JAMA Network Open.

“Algumas pessoas argumentarão que não deveríamos julgar isso, mas acho que sempre soubemos intuitivamente que existe uma idade que é jovem demais para a gravidez”, acrescentou.

Saiba mais sobre "Gravidez1 precoce: quais são as consequências" e "Gravidez1 de risco: quando pode ocorrer".

O estudo utilizou um registo provincial de seguros de saúde2 para analisar os resultados da gravidez1 entre cerca de 2,2 milhões de adolescentes em Ontário, Canadá, incluindo todas as meninas que tinham 12 anos de idade entre abril de 1991 e março de 2021.

Mesmo depois de os pesquisadores terem levado em conta os problemas de saúde2 pré-existentes que as meninas podem ter tido, e as disparidades de renda e educação, as adolescentes que levaram a gravidez1 até ao fim tinham duas vezes mais probabilidades de sofrer morte prematura mais tarde na vida.

Os pesquisadores encontraram probabilidades semelhantes entre mulheres que, na adolescência, tiveram gravidezes ectópicas3, nas quais o óvulo fertilizado4 cresce fora do útero5, ou gravidezes que terminaram em um natimorto ou em aborto espontâneo.

O perigo era substancialmente menor entre as mulheres que interromperam a gravidez1 na adolescência – no entanto, elas ainda tinham 40% mais probabilidades de morrer prematuramente, em comparação com aquelas que não tinham engravidado.

Dr. Ray e seus colegas descobriram que as maiores chances de morte prematura se davam entre as mulheres que engravidaram antes dos 16 anos e aquelas que engravidaram mais de uma vez na adolescência.

Lesões6 – tanto autoinfligidas quanto não intencionais, como agressões – causaram a maioria das mortes prematuras, concluiu a análise.

As mulheres que engravidaram na adolescência tinham duas vezes mais probabilidade de morrer jovens devido a uma lesão7 não intencional, em comparação com aquelas que não tinham engravidado na adolescência – e também tinham duas vezes mais probabilidade de morrer devido a uma lesão7 autoinfligida.

Em um comentário que acompanhou a publicação do artigo, Elizabeth L. Cook, cientista da Child Trends, uma organização de pesquisa focada em crianças e jovens, observou que a gravidez1 na adolescência pode não ser um fator causal na mortalidade8 prematura.

Pelo contrário, pode ser um substituto para uma série de outras influências, incluindo experiências adversas na infância, que aumentam as probabilidades de uma morte precoce. Ela pediu mais pesquisas para entender essas causas.

Embora algumas adolescentes optem por engravidar, “a maioria das gravidezes na adolescência não são intencionais, o que expõe deficiências nos sistemas existentes para educar, orientar e apoiar as jovens”, escreveu a Sra. Cook. O estigma e o isolamento que muitas adolescentes grávidas vivenciam “podem tornar mais difícil o sucesso na idade adulta”, acrescentou ela. O novo estudo não é o primeiro a encontrar uma associação entre gravidez1 na adolescência e morte prematura, mas parece ser um dos maiores e mais robustos.

Um estudo finlandês relatou em 2017 que as mulheres que tiveram uma gravidez1 na adolescência tinham maior probabilidade de morrer prematuramente como resultado de suicídio, por causas relacionadas ao álcool, doenças circulatórias e acidentes de carro. Esse estudo atribuiu o risco excessivo ao baixo nível de escolaridade.

Embora os riscos da gravidez1 geralmente aumentem com a idade, as adolescentes grávidas têm maior probabilidade do que as mulheres na faixa dos 20 e 30 anos de desenvolver pressão arterial9 elevada relacionada com a gravidez1 e uma condição potencialmente fatal chamada pré-eclâmpsia10.

Ela têm maior probabilidade de dar à luz prematuramente e de ter bebês11 pequenos para a idade gestacional, e os seus bebês11 têm frequentemente outros problemas de saúde2 graves e correm maior risco de morrer durante o primeiro ano de vida.

Leia sobre "Aborto: o que é" e "Gestação semana a semana".

No artigo publicado, os pesquisadores relatam que lesões6 não intencionais, suicídio e homicídio são as principais causas de morte entre mulheres jovens. A gravidez1 na adolescência pode ser um marcador de experiências de vida adversas.

O objetivo deste estudo foi avaliar o risco de mortalidade8 prematura a partir dos 12 anos em associação com o número de gestações na adolescência e a idade quando da gravidez1.

Este estudo de coorte12 de base populacional foi realizado entre todas as mulheres vivas aos 12 anos de idade, de 1º de abril de 1991 a 31 de março de 2021, em Ontário, Canadá (a província mais populosa, que possui cuidados de saúde2 e coleta de dados universais). O período de estudo terminou em 31 de março de 2022.

A principal exposição foi o número de gravidezes na adolescência entre 12 e 19 anos (0, 1 ou ≥2). As exposições secundárias incluíram como terminou a gravidez1 na adolescência (nascimento ou aborto espontâneo versus aborto induzido) e a idade da primeira gravidez1 na adolescência.

O principal desfecho foi mortalidade8 por todas as causas a partir dos 12 anos de idade. As taxas de risco (HR) foram ajustadas para o ano de nascimento, comorbidades13 entre 9 e 11 anos de idade e educação em nível de área, nível de renda e ruralidade.

De 2.242.929 adolescentes, 163.124 (7,3%) tiveram uma gravidez1 com idade média de 18 anos (IQR, 17-19 anos). Daquelas com gravidez1 na adolescência, 60.037 (36,8%) terminaram em parto (das quais 59.485 [99,1%] eram nascidos vivos) e 106.135 (65,1%) terminaram em aborto induzido. A idade mediana no final do acompanhamento foi de 25 anos (IQR, 18-32 anos) para aquelas sem gravidez1 na adolescência e 31 anos (IQR, 25-36 anos) para aquelas com gravidez1 na adolescência.

Houve 6.030 mortes (1,9 por 10.000 pessoas-ano [IC 95%, 1,9-2,0 por 10.000 pessoas-ano]) entre aquelas sem gravidez1 na adolescência, 701 mortes (4,1 por 10.000 pessoas-ano [IC 95%, 3,8-4,5 por 10.000 pessoas-ano]) entre aquelas com 1 gravidez1 na adolescência, e 345 mortes (6,1 por 10.000 pessoas-ano [IC 95%, 5,5-6,8 por 10.000 pessoas-ano]) entre aquelas com 2 ou mais gravidezes na adolescência; as HRs ajustadas (AHRs) foram de 1,51 (IC 95%, 1,39-1,63) para aquelas com 1 gravidez1 e 2,14 (IC 95%, 1,92-2,39) para aquelas com 2 ou mais gestações.

Comparando aquelas com e sem gravidez1 na adolescência, a AHR para morte prematura foi de 1,25 (IC 95%, 1,12-1,40) por não lesão7, 2,06 (IC 95%, 1,75-2,43) por lesão7 não intencional e 2,02 (IC 95%, 1,54-2,65) por lesão7 intencional.

Neste estudo de coorte12 de base populacional com 2,2 milhões de adolescentes do sexo feminino, a gravidez1 na adolescência foi associada à mortalidade8 prematura futura. Deve-se avaliar se o apoio às adolescentes do sexo feminino que engravidam pode melhorar a prevenção da mortalidade8 prematura subsequente na idade adulta jovem e média.

Veja também: "Teste de gravidez1: estou grávida ou não?"

 

Fontes:
JAMA Network Open, publicação em 14 de março de 2024.
The New York Times, notícia publicada em 14 de março de 2024.

 

NEWS.MED.BR, 2024. Gravidez na adolescência foi associada à morte prematura: adolescentes que tiveram filhos tinham 2 vezes mais chances de morrer antes dos 31 anos. Disponível em: <https://www.news.med.br/p/medical-journal/1468332/gravidez-na-adolescencia-foi-associada-a-morte-prematura-adolescentes-que-tiveram-filhos-tinham-2-vezes-mais-chances-de-morrer-antes-dos-31-anos.htm>. Acesso em: 28 mai. 2024.

Complementos

1 Gravidez: Condição de ter um embrião ou feto em desenvolvimento no trato reprodutivo feminino após a união de ovo e espermatozóide.
2 Saúde: 1. Estado de equilíbrio dinâmico entre o organismo e o seu ambiente, o qual mantém as características estruturais e funcionais do organismo dentro dos limites normais para sua forma de vida e para a sua fase do ciclo vital. 2. Estado de boa disposição física e psíquica; bem-estar. 3. Brinde, saudação que se faz bebendo à saúde de alguém. 4. Força física; robustez, vigor, energia.
3 Ectópicas: Relativo à ectopia, ou seja, à posição anômala de um órgão.
4 Óvulo Fertilizado: ÓVULO fecundado, resultante da fusão entre um gameta feminino e um masculino.
5 Útero: Orgão muscular oco (de paredes espessas), na pelve feminina. Constituído pelo fundo (corpo), local de IMPLANTAÇÃO DO EMBRIÃO e DESENVOLVIMENTO FETAL. Além do istmo (na extremidade perineal do fundo), encontra-se o COLO DO ÚTERO (pescoço), que se abre para a VAGINA. Além dos istmos (na extremidade abdominal superior do fundo), encontram-se as TUBAS UTERINAS.
6 Lesões: 1. Ato ou efeito de lesar (-se). 2. Em medicina, ferimento ou traumatismo. 3. Em patologia, qualquer alteração patológica ou traumática de um tecido, especialmente quando acarreta perda de função de uma parte do corpo. Ou também, um dos pontos de manifestação de uma doença sistêmica. 4. Em termos jurídicos, prejuízo sofrido por uma das partes contratantes que dá mais do que recebe, em virtude de erros de apreciação ou devido a elementos circunstanciais. Ou também, em direito penal, ofensa, dano à integridade física de alguém.
7 Lesão: 1. Ato ou efeito de lesar (-se). 2. Em medicina, ferimento ou traumatismo. 3. Em patologia, qualquer alteração patológica ou traumática de um tecido, especialmente quando acarreta perda de função de uma parte do corpo. Ou também, um dos pontos de manifestação de uma doença sistêmica. 4. Em termos jurídicos, prejuízo sofrido por uma das partes contratantes que dá mais do que recebe, em virtude de erros de apreciação ou devido a elementos circunstanciais. Ou também, em direito penal, ofensa, dano à integridade física de alguém.
8 Mortalidade: A taxa de mortalidade ou coeficiente de mortalidade é um dado demográfico do número de óbitos, geralmente para cada mil habitantes em uma dada região, em um determinado período de tempo.
9 Pressão arterial: A relação que define a pressão arterial é o produto do fluxo sanguíneo pela resistência. Considerando-se a circulação como um todo, o fluxo total é denominado débito cardíaco, enquanto a resistência é denominada de resistência vascular periférica total.
10 Pré-eclâmpsia: É caracterizada por hipertensão, edema (retenção de líquidos) e proteinúria (presença de proteína na urina). Manifesta-se na segunda metade da gravidez (após a 20a semana de gestação) e pode evoluir para convulsão e coma, mas essas condições melhoram com a saída do feto e da placenta. No meio médico, o termo usado é Moléstia Hipertensiva Específica da Gravidez. É a principal causa de morte materna no Brasil atualmente.
11 Bebês: Lactentes. Inclui o período neonatal e se estende até 1 ano de idade (12 meses).
12 Estudo de coorte: Um estudo de coorte é realizado para verificar se indivíduos expostos a um determinado fator apresentam, em relação aos indivíduos não expostos, uma maior propensão a desenvolver uma determinada doença. Um estudo de coorte é constituído, em seu início, de um grupo de indivíduos, denominada coorte, em que todos estão livres da doença sob investigação. Os indivíduos dessa coorte são classificados em expostos e não-expostos ao fator de interesse, obtendo-se assim dois grupos (ou duas coortes de comparação). Essas coortes serão observadas por um período de tempo, verificando-se quais indivíduos desenvolvem a doença em questão. Os indivíduos expostos e não-expostos devem ser comparáveis, ou seja, semelhantes quanto aos demais fatores, que não o de interesse, para que as conclusões obtidas sejam confiáveis.
13 Comorbidades: Coexistência de transtornos ou doenças.
Gostou do artigo? Compartilhe!