news.med.br  -  Medical Journal
A maioria dos pacientes com síndrome1 de Sjögren tratados com baixas doses de interleucina-2 (IL-2) em um estudo randomizado2 controlado por placebo3 apresentaram melhora significativa, disseram os pesquisadores. Após 24 semanas no estudo de 60 pessoas, 66,7% daquelas designadas para IL-2 atingiram o desfecho primário, uma redução de 3 pontos nas pontuações do Índice de Atividade da Doença da Síndrome1 de Sjögren da EULAR (ESSDAI), em comparação com 26,7% do grupo placebo3, de acordo com os resultados publicados no JAMA Network Open. O tratamento com IL-2 também foi associado à melhora em outras medidas clínicas e laboratoriais, incluindo mudanças nas populações de células4 imunes consideradas responsáveis pela síndrome1 de Sjögren. Nenhum risco de segurança importante foi observado.
1 Síndrome: Conjunto de sinais e sintomas que se encontram associados a uma entidade conhecida ou não.
2 Estudo randomizado: Ensaios clínicos comparativos randomizados são considerados o melhor delineamento experimental para avaliar questões relacionadas a tratamento e prevenção. Classicamente, são definidos como experimentos médicos projetados para determinar qual de duas ou mais intervenções é a mais eficaz mediante a alocação aleatória, isto é, randomizada, dos pacientes aos diferentes grupos de estudo. Em geral, um dos grupos é considerado controle - o que algumas vezes pode ser ausência de tratamento, placebo, ou mais frequentemente, um tratamento de eficácia reconhecida. Recursos estatísticos são disponíveis para validar conclusões e maximizar a chance de identificar o melhor tratamento. Esses modelos são chamados de estudos de superioridade, cujo objetivo é determinar se um tratamento em investigação é superior ao agente comparativo.
3 Placebo: Preparação neutra quanto a efeitos farmacológicos, ministrada em substituição a um medicamento, com a finalidade de suscitar ou controlar as reações, geralmente de natureza psicológica, que acompanham tal procedimento terapêutico.
4 Células: Unidades (ou subunidades) funcionais e estruturais fundamentais dos organismos vivos. São compostas de CITOPLASMA (com várias ORGANELAS) e limitadas por uma MEMBRANA CELULAR.
   [Mais...]

A iluminação externa artificial noturna foi associada ao controle deficiente da glicose1 e ao aumento do risco de diabetes2, mostrou um estudo transversal na China, com resultados publicados na revista Diabetologia. Em uma amostra nacionalmente representativa de 98.658 adultos, a prevalência3 de diabetes2 foi 28% maior entre as pessoas expostas aos maiores níveis de luz artificial externa em comparação com aquelas que tiveram a menor exposição. Cada aumento de quintil4 de exposição à luz artificial foi associado a um aumento de 7% na prevalência3 de diabetes2. A exposição à luz artificial também foi associada a níveis mais altos de HbA1c5 e glicose1 em jejum, bem como reduções na função das células6 beta. As descobertas também podem ter implicações globais: mais de 80% da população mundial e 99% dos americanos e europeus vivem sob céus poluídos por luz.
1 Glicose: Uma das formas mais simples de açúcar.
2 Diabetes: Nome que designa um grupo de doenças caracterizadas por diurese excessiva. A mais frequente é o Diabetes mellitus, ainda que existam outras variantes (Diabetes insipidus) de doença nas quais o transtorno primário é a incapacidade dos rins de concentrar a urina.
3 Prevalência: Número de pessoas em determinado grupo ou população que são portadores de uma doença. Número de casos novos e antigos desta doença.
4 Quintil: 1. Em estatística, diz-se de ou qualquer separatriz que divide a área de uma distribuição de frequência em cinco domínios de áreas iguais. O termo quintil também é utilizado, por vezes, para designar uma das quintas partes da amostra ordenada. 2. Em astronomia, é o aspecto de dois planetas distantes 72° entre si (distância angular correspondente a um quinto do Zodíaco). 3. Em matemática, é o mesmo que quíntico. A palavra quintil deriva do latim quintus, que significa quinto.
5 HbA1C: Hemoglobina glicada, hemoglobina glicosilada, glico-hemoglobina ou HbA1C e, mais recentemente, apenas como A1C é uma ferramenta de diagnóstico na avaliação do controle glicêmico em pacientes diabéticos. Atualmente, a manutenção do nível de A1C abaixo de 7% é considerada um dos principais objetivos do controle glicêmico de pacientes diabéticos. Algumas sociedades médicas adotam metas terapêuticas mais rígidas de 6,5% para os valores de A1C.
6 Células: Unidades (ou subunidades) funcionais e estruturais fundamentais dos organismos vivos. São compostas de CITOPLASMA (com várias ORGANELAS) e limitadas por uma MEMBRANA CELULAR.
   [Mais...]

Para pacientes1 assintomáticos diagnosticados com cardiomiopatia amiloide por transtirretina (ATTR-CM) em estágio inicial, pode levar apenas alguns anos para progredir para insuficiência cardíaca2 clínica ou outras complicações cardiovasculares, de acordo com um estudo de coorte3 longitudinal, publicado no JACC: CardioOncology, que também descobriu que o tratamento precoce está associado a maior sobrevivência4. Durante um acompanhamento médio de 3,7 anos, 38 pessoas desenvolveram sintomas5 de insuficiência cardíaca2, 32 morreram e duas precisaram de transplante cardíaco. Além disso, 20 receberam marcapassos, 13 desenvolveram fibrilação atrial e uma teve um AVC. A sobrevida6 foi de 96,5% em 1 ano e caiu para 82% em 5 anos. O tratamento com estabilizadores de TTR foi associado a uma sobrevida6 significativamente melhorada na análise multivariada e também se correlacionou com progressão retardada para insuficiência cardíaca2.
1 Para pacientes: Você pode utilizar este texto livremente com seus pacientes, inclusive alterando-o, de acordo com a sua prática e experiência. Conheça todos os materiais Para Pacientes disponíveis para auxiliar, educar e esclarecer seus pacientes, colaborando para a melhoria da relação médico-paciente, reunidos no canal Para Pacientes . As informações contidas neste texto são baseadas em uma compilação feita pela equipe médica da Centralx. Você deve checar e confirmar as informações e divulgá-las para seus pacientes de acordo com seus conhecimentos médicos.
2 Insuficiência Cardíaca: É uma condição na qual a quantidade de sangue bombeada pelo coração a cada minuto (débito cardíaco) é insuficiente para suprir as demandas normais de oxigênio e de nutrientes do organismo. Refere-se à diminuição da capacidade do coração suportar a carga de trabalho.
3 Estudo de coorte: Um estudo de coorte é realizado para verificar se indivíduos expostos a um determinado fator apresentam, em relação aos indivíduos não expostos, uma maior propensão a desenvolver uma determinada doença. Um estudo de coorte é constituído, em seu início, de um grupo de indivíduos, denominada coorte, em que todos estão livres da doença sob investigação. Os indivíduos dessa coorte são classificados em expostos e não-expostos ao fator de interesse, obtendo-se assim dois grupos (ou duas coortes de comparação). Essas coortes serão observadas por um período de tempo, verificando-se quais indivíduos desenvolvem a doença em questão. Os indivíduos expostos e não-expostos devem ser comparáveis, ou seja, semelhantes quanto aos demais fatores, que não o de interesse, para que as conclusões obtidas sejam confiáveis.
4 Sobrevivência: 1. Ato ou efeito de sobreviver, de continuar a viver ou a existir. 2. Característica, condição ou virtude daquele ou daquilo que subsiste a um outro. Condição ou qualidade de quem ainda vive após a morte de outra pessoa. 3. Sequência ininterrupta de algo; o que subsiste de (alguma coisa remota no tempo); continuidade, persistência, duração.
5 Sintomas: Alterações da percepção normal que uma pessoa tem de seu próprio corpo, do seu metabolismo, de suas sensações, podendo ou não ser um indício de doença. Os sintomas são as queixas relatadas pelo paciente mas que só ele consegue perceber. Sintomas são subjetivos, sujeitos à interpretação pessoal. A variabilidade descritiva dos sintomas varia em função da cultura do indivíduo, assim como da valorização que cada pessoa dá às suas próprias percepções.
6 Sobrevida: Prolongamento da vida além de certo limite; prolongamento da existência além da morte, vida futura.
   [Mais...]

A lipoproteína (a) é um fator de risco1 presumido para doença cardiovascular aterosclerótica. O olpasiran é um pequeno RNA de interferência que reduz a síntese de lipoproteína (a) no fígado2. Neste estudo, publicado no The New England Journal of Medicine, foi demonstrado que o olpasiran reduz significativa e substancialmente a concentração de lipoproteína (a) de maneira dependente da dose, com reduções de até 101% observadas. O estudo concluiu que a terapia com olpasiran reduziu significativamente as concentrações de lipoproteína (a) em pacientes com doença cardiovascular aterosclerótica estabelecida. Ensaios mais longos e maiores serão necessários para determinar o efeito da terapia com olpasiran nas doenças cardiovasculares3.
1 Fator de risco: Qualquer coisa que aumente a chance de uma pessoa desenvolver uma doença.
2 Fígado: Órgão que transforma alimento em energia, remove álcool e toxinas do sangue e fabrica bile. A bile, produzida pelo fígado, é importante na digestão, especialmente das gorduras. Após secretada pelas células hepáticas ela é recolhida por canalículos progressivamente maiores que a levam para dois canais que se juntam na saída do fígado e a conduzem intermitentemente até o duodeno, que é a primeira porção do intestino delgado. Com esse canal biliar comum, chamado ducto hepático, comunica-se a vesícula biliar através de um canal sinuoso, chamado ducto cístico. Quando recebe esse canal de drenagem da vesícula biliar, o canal hepático comum muda de nome para colédoco. Este, ao entrar na parede do duodeno, tem um músculo circular, designado esfíncter de Oddi, que controla o seu esvaziamento para o intestino.
3 Doenças cardiovasculares: Doença do coração e vasos sangüíneos (artérias, veias e capilares).
   [Mais...]

Um pequeno ensaio clínico mostrou que os pesquisadores podem usar a técnica CRISPR de edição de genes para alterar as células1 imunológicas para que reconheçam proteínas2 mutantes específicas dos tumores de uma pessoa. Essas células1 podem então ser liberadas com segurança no corpo para encontrar e destruir seu alvo. É a primeira tentativa de combinar duas áreas importantes na pesquisa do câncer3: edição de genes para criar tratamentos personalizados e engenharia de células1 imunológicas chamadas células1 T para melhor direcionar os tumores. A abordagem foi testada em 16 pessoas com tumores sólidos, inclusive na mama4 e no cólon5, e os resultados foram publicados na revista Nature. Um mês após o tratamento, cinco dos participantes apresentaram doença estável, o que significa que seus tumores não cresceram.
1 Células: Unidades (ou subunidades) funcionais e estruturais fundamentais dos organismos vivos. São compostas de CITOPLASMA (com várias ORGANELAS) e limitadas por uma MEMBRANA CELULAR.
2 Proteínas: Um dos três principais nutrientes dos alimentos. Alimentos que fornecem proteína incluem carne vermelha, frango, peixe, queijos, leite, derivados do leite, ovos.
3 Câncer: Crescimento anormal de um tecido celular capaz de invadir outros órgãos localmente ou à distância (metástases).
4 Mama: Em humanos, uma das regiões pareadas na porção anterior do TÓRAX. As mamas consistem das GLÂNDULAS MAMÁRIAS, PELE, MÚSCULOS, TECIDO ADIPOSO e os TECIDOS CONJUNTIVOS.
5 Cólon:
   [Mais...]

O fungo1 Candida albicans geralmente vive tranquilamente no intestino e em outros tecidos das pessoas. Mas às vezes ele se torna nocivo, invadindo órgãos internos e a corrente sanguínea. Essas infecções2 são fatais em 40% dos casos. Agora, um novo estudo, publicado na revista Cell Host & Microbe, descobriu que o Candida albicans produz uma enzima3 que decompõe as gorduras, ajudando o patógeno a infectar os órgãos internos. Os pesquisadores observaram que a infecção4 tecidual profunda pelo patógeno fúngico5 humano invasivo requer supressão baseada em lipídios da resposta da interleucina 17. Essa supressão é mediada pela lipase Lip2. Assim, o C. albicans suprime a defesa antifúngica pela IL-17 em órgãos sólidos, alterando o meio lipídico do tecido6.
1 Fungo: Microorganismo muito simples de distribuição universal que pode colonizar uma superfície corporal e, em certas ocasiões, produzir doenças no ser humano. Como exemplos de fungos temos a Candida albicans, que pode produzir infecções superficiais e profundas, os fungos do grupo dos dermatófitos que causam lesões de pele e unhas, o Aspergillus flavus, que coloniza em alimentos como o amendoim e secreta uma toxina cancerígena, entre outros.
2 Infecções: Doença produzida pela invasão de um germe (bactéria, vírus, fungo, etc.) em um organismo superior. Como conseqüência da mesma podem ser produzidas alterações na estrutura ou funcionamento dos tecidos comprometidos, ocasionando febre, queda do estado geral, e inúmeros sintomas que dependem do tipo de germe e da reação imunológica perante o mesmo.
3 Enzima: Proteína produzida pelo organismo que gera uma reação química. Por exemplo, as enzimas produzidas pelo intestino que ajudam no processo digestivo.
4 Infecção: Doença produzida pela invasão de um germe (bactéria, vírus, fungo, etc.) em um organismo superior. Como conseqüência da mesma podem ser produzidas alterações na estrutura ou funcionamento dos tecidos comprometidos, ocasionando febre, queda do estado geral, e inúmeros sintomas que dependem do tipo de germe e da reação imunológica perante o mesmo.
5 Fúngico: Relativo à ou produzido por fungo.
6 Tecido: Conjunto de células de características semelhantes, organizadas em estruturas complexas para cumprir uma determinada função. Exemplo de tecido: o tecido ósseo encontra-se formado por osteócitos dispostos em uma matriz mineral para cumprir funções de sustentação.
   [Mais...]

A terapia experimental antissentido baseada em RNA com bepirovirsen sustentou a depuração do DNA do vírus1 da hepatite2 B (HBV) e do antígeno3 de superfície da hepatite2 B (HBsAg) para uma proporção modesta de pacientes até 6 meses após a interrupção das injeções, mostrou um estudo de fase IIb publicado no The New England Journal of Medicine. Os níveis permaneceram abaixo do nível de detecção ou quantificação naquele ponto para 9% dos pacientes com infecção4 crônica por HBV que receberam qualquer um dos dois regimes de dose de 24 semanas para injeções subcutâneas de bepirovirsen junto com análogos de nucleosídeos e para 10% que não receberam análogos de nucleosídeos, mas que receberam a dose mais elevada de bepirovirsen durante 24 semanas. Ensaios maiores e mais longos são necessários para avaliar a eficácia e segurança do bepirovirsen.
1 Vírus: Pequeno microorganismo capaz de infectar uma célula de um organismo superior e replicar-se utilizando os elementos celulares do hospedeiro. São capazes de causar múltiplas doenças, desde um resfriado comum até a AIDS.
2 Hepatite: Inflamação do fígado, caracterizada por coloração amarela da pele e mucosas (icterícia), dor na região superior direita do abdome, cansaço generalizado, aumento do tamanho do fígado, etc. Pode ser produzida por múltiplas causas como infecções virais, toxicidade por drogas, doenças imunológicas, etc.
3 Antígeno: 1. Partícula ou molécula capaz de deflagrar a produção de anticorpo específico. 2. Substância que, introduzida no organismo, provoca a formação de anticorpo.
4 Infecção: Doença produzida pela invasão de um germe (bactéria, vírus, fungo, etc.) em um organismo superior. Como conseqüência da mesma podem ser produzidas alterações na estrutura ou funcionamento dos tecidos comprometidos, ocasionando febre, queda do estado geral, e inúmeros sintomas que dependem do tipo de germe e da reação imunológica perante o mesmo.
   [Mais...]

A revascularização cirúrgica levou a menos eventos adversos graves nos membros e mortes em comparação com a terapia endovascular em pacientes com isquemia1 crônica que ameaçava os membros, de acordo com o estudo prospectivo2 randomizado3 publicado no The New England Journal of Medicine. Após um acompanhamento médio de 2,7 anos, o desfecho primário composto de eventos adversos graves nos membros e morte por qualquer causa ocorreu em 42,6% dos pacientes que tinham uma veia safena magna adequada disponível para cirurgia em comparação com 57,4% que foram atribuídos à terapia endovascular. No entanto, nenhuma diferença significativa foi observada entre os pacientes que precisavam de um canal de bypass alternativo. Aqui, eventos do desfecho primário ocorreram em 42,8% do grupo cirúrgico versus 47,7% do grupo endovascular após um acompanhamento médio de 1,6 anos.
1 Isquemia: Insuficiência absoluta ou relativa de aporte sanguíneo a um ou vários tecidos. Suas manifestações dependem do tecido comprometido, sendo a mais frequente a isquemia cardíaca, capaz de produzir infartos, isquemia cerebral, produtora de acidentes vasculares cerebrais, etc.
2 Prospectivo: 1. Relativo ao futuro. 2. Suposto, possível; esperado. 3. Relativo à preparação e/ou à previsão do futuro quanto à economia, à tecnologia, ao plano social etc. 4. Em geologia, é relativo à prospecção.
3 Randomizado: Ensaios clínicos comparativos randomizados são considerados o melhor delineamento experimental para avaliar questões relacionadas a tratamento e prevenção. Classicamente, são definidos como experimentos médicos projetados para determinar qual de duas ou mais intervenções é a mais eficaz mediante a alocação aleatória, isto é, randomizada, dos pacientes aos diferentes grupos de estudo. Em geral, um dos grupos é considerado controle – o que algumas vezes pode ser ausência de tratamento, placebo, ou mais frequentemente, um tratamento de eficácia reconhecida. Recursos estatísticos são disponíveis para validar conclusões e maximizar a chance de identificar o melhor tratamento. Esses modelos são chamados de estudos de superioridade, cujo objetivo é determinar se um tratamento em investigação é superior ao agente comparativo.
   [Mais...]

Uma vacina1 experimental contra influenza2 baseada em RNAm induziu proteção contra uma variedade de cepas3 de gripe4, de acordo com estudos em camundongos. Os resultados foram publicados na revista PNAS. No estudo, avaliou-se a imunogenicidade e a eficácia protetora das vacinas de RNA mensageiro (RNAm) encapsulado em nanopartículas lipídicas modificadas por nucleosídeos que contêm quatro antígenos5 do vírus6 influenza2 A grupo 2 em camundongos. Descobriu-se que todos os componentes da vacina1 induzem respostas imunológicas humorais e celulares antigênicas específicas após a administração de uma única dose. A inclusão de múltiplos antígenos5 conservados amplia consideravelmente a amplitude e os níveis de proteção contra um painel de cepas3 heterólogas (incluindo aviárias) do vírus6 influenza2.
1 Vacina: Tratamento à base de bactérias, vírus vivos atenuados ou seus produtos celulares, que têm o objetivo de produzir uma imunização ativa no organismo para uma determinada infecção.
2 Influenza: Doença infecciosa, aguda, de origem viral que acomete o trato respiratório, ocorrendo em epidemias ou pandemias e frequentemente se complicando pela associação com outras infecções bacterianas.
3 Cepas: Cepa ou estirpe é um termo da biologia e da genética que se refere a um grupo de descendentes com um ancestral comum que compartilham semelhanças morfológicas e/ou fisiológicas.
4 Gripe: Doença viral adquirida através do contágio interpessoal que se caracteriza por faringite, febre, dores musculares generalizadas, náuseas, etc. Sua duração é de aproximadamente cinco a sete dias e tem uma maior incidência nos meses frios. Em geral desaparece naturalmente sem tratamento, apenas com medidas de controle geral (repouso relativo, ingestão de líquidos, etc.). Os antibióticos não funcionam na gripe e não devem ser utilizados de rotina.
5 Antígenos: 1. Partículas ou moléculas capazes de deflagrar a produção de anticorpo específico. 2. Substâncias que, introduzidas no organismo, provocam a formação de anticorpo.
6 Vírus: Pequeno microorganismo capaz de infectar uma célula de um organismo superior e replicar-se utilizando os elementos celulares do hospedeiro. São capazes de causar múltiplas doenças, desde um resfriado comum até a AIDS.
   [Mais...]

Em um novo estudo, publicado na revista Science, pesquisadores descrevem o desenvolvimento de uma vacina1 experimental de RNAm que gerou respostas de anticorpos2 contra todas as 20 cepas3 conhecidas de influenza4 A e B em testes com animais, aumentando as esperanças de desenvolver uma vacina1 universal contra a gripe5. Esta vacina1 multivalente provocou altos níveis de anticorpos2 de reação cruzada e específicos de subtipo em camundongos e furões que reagiram a todos os 20 antígenos6 codificados. Para gerar uma imunidade7 básica contra cepas3 de vírus8 influenza4 epidêmicos ou pandêmicos no futuro, essa estratégia pode oferecer uma opção se a longevidade da imunidade7 em humanos for confirmada.
1 Vacina: Tratamento à base de bactérias, vírus vivos atenuados ou seus produtos celulares, que têm o objetivo de produzir uma imunização ativa no organismo para uma determinada infecção.
2 Anticorpos: Proteínas produzidas pelo organismo para se proteger de substâncias estranhas como bactérias ou vírus. As pessoas que têm diabetes tipo 1 produzem anticorpos que destroem as células beta produtoras de insulina do próprio organismo.
3 Cepas: Cepa ou estirpe é um termo da biologia e da genética que se refere a um grupo de descendentes com um ancestral comum que compartilham semelhanças morfológicas e/ou fisiológicas.
4 Influenza: Doença infecciosa, aguda, de origem viral que acomete o trato respiratório, ocorrendo em epidemias ou pandemias e frequentemente se complicando pela associação com outras infecções bacterianas.
5 Gripe: Doença viral adquirida através do contágio interpessoal que se caracteriza por faringite, febre, dores musculares generalizadas, náuseas, etc. Sua duração é de aproximadamente cinco a sete dias e tem uma maior incidência nos meses frios. Em geral desaparece naturalmente sem tratamento, apenas com medidas de controle geral (repouso relativo, ingestão de líquidos, etc.). Os antibióticos não funcionam na gripe e não devem ser utilizados de rotina.
6 Antígenos: 1. Partículas ou moléculas capazes de deflagrar a produção de anticorpo específico. 2. Substâncias que, introduzidas no organismo, provocam a formação de anticorpo.
7 Imunidade: Capacidade que um indivíduo tem de defender-se perante uma agressão bacteriana, viral ou perante qualquer tecido anormal (tumores, enxertos, etc.).
8 Vírus: Pequeno microorganismo capaz de infectar uma célula de um organismo superior e replicar-se utilizando os elementos celulares do hospedeiro. São capazes de causar múltiplas doenças, desde um resfriado comum até a AIDS.
   [Mais...]

» Praticantes de exercícios matinais tendem a ter menor risco de doença cardiovascular do que aqueles que se exercitam no meio do dia
» A pré-eclâmpsia pode aumentar o risco de doença cardíaca na prole mais tarde na vida
» Resultados promissores no primeiro teste de terapia de reposição enzimática dentro do útero em bebê com doença de Pompe
» Condições médicas novas e progressivas ocorrem em 19% das crianças que sobrevivem à hospitalização por sepse
» Estudo descobre os neurônios específicos que podem restaurar a capacidade de andar após paralisia
» Metade dos jovens do mundo estão em risco de perda auditiva
» Mesmo o hipertireoidismo subclínico pode enfraquecer os ossos
» Aspirina diária não ajuda na prevenção de fraturas em idosos e aumenta o risco de quedas graves em 17%
» Risco de câncer metastático foi reduzido em até 72% com exercícios de alta intensidade
» Neurônios nociceptores afetam a imunovigilância do câncer


Visualizar: Títulos | Resumos
  • Entrar
  • Receber conteúdos