news.med.br
Medical Journal - 15/02/22
A insônia é comum após traumatismo1 cranioencefálico (TCE) e contribui para morbidade2 e sequelas3 a longo prazo. O objetivo deste estudo, publicado no JAMA Network Open, foi identificar trajetórias únicas de insônia nos 12 meses após o TCE. Na análise, a insônia foi comum durante os 12 meses após o TCE. Cinco classes de trajetória de insônia foram identificadas e fatores de linha de base, incluindo sexo, raça e etnia, história de TCE, história psiquiátrica e status de tomografia computadorizada4 foram identificados como significativamente associados à pertinência à classe de trajetória de insônia. Esses resultados sugerem importante heterogeneidade no curso da insônia após traumatismo1 cranioencefálico em adultos. Mais trabalho é necessário para identificar os resultados associados a esses subgrupos de classe de trajetória de insônia e identificar abordagens ideais de tratamento específicas para os subgrupos.
1 Traumatismo: Lesão produzida pela ação de um agente vulnerante físico, químico ou biológico e etc. sobre uma ou várias partes do organismo.
2 Morbidade: Morbidade ou morbilidade é a taxa de portadores de determinada doença em relação à população total estudada, em determinado local e em determinado momento.
3 Sequelas: 1. Na medicina, é a anomalia consequente a uma moléstia, da qual deriva direta ou indiretamente. 2. Ato ou efeito de seguir. 3. Grupo de pessoas que seguem o interesse de alguém; bando. 4. Efeito de uma causa; consequência, resultado. 5. Ato ou efeito de dar seguimento a algo que foi iniciado; sequência, continuação. 6. Sequência ou cadeia de fatos, coisas, objetos; série, sucessão. 7. Possibilidade de acompanhar a coisa onerada nas mãos de qualquer detentor e exercer sobre ela as prerrogativas de seu direito.
4 Tomografia computadorizada: Exame capaz de obter imagens em tons de cinza de “fatias” de partes do corpo ou de órgãos selecionados, as quais são geradas pelo processamento por um computador de uma sucessão de imagens de raios X de alta resolução em diversos segmentos sucessivos de partes do corpo ou de órgãos.
   [Mais...]

Medical Journal - 30/12/21
A ansiedade ampliou o risco de comprometimento cognitivo1 leve em pessoas sem comprometimento cognitivo1 com beta amiloide elevada, mostrou um estudo prospectivo2. Embora os depósitos de amiloide aumentem o risco de comprometimento cognitivo1 independentemente, houve uma interação aditiva significativa entre a amiloide e a ansiedade, relataram os pesquisadores no estudo publicado na revista Alzheimer3's & Dementia. Não houve efeito semelhante com a depressão. No que se trata de saúde4 pública, também foi descoberto que controlar a ansiedade na velhice com atividades físicas e apoio social pode diminuir o risco de comprometimento cognitivo1 leve de uma pessoa. O estudo concluiu, portanto, que a ansiedade modificou a associação entre deposição elevada de beta-amiloide e comprometimento cognitivo1 leve incidente5.
1 Cognitivo: 1. Relativo ao conhecimento, à cognição. 2. Relativo ao processo mental de percepção, memória, juízo e/ou raciocínio. 3. Diz-se de estados e processos relativos à identificação de um saber dedutível e à resolução de tarefas e problemas determinados. 4. Diz-se dos princípios classificatórios derivados de constatações, percepções e/ou ações que norteiam a passagem das representações simbólicas à experiência, e também da organização hierárquica e da utilização no pensamento e linguagem daqueles mesmos princípios.
2 Prospectivo: 1. Relativo ao futuro. 2. Suposto, possível; esperado. 3. Relativo à preparação e/ou à previsão do futuro quanto à economia, à tecnologia, ao plano social etc. 4. Em geologia, é relativo à prospecção.
3 Alzheimer: Doença degenerativa crônica que produz uma deterioração insidiosa e progressiva das funções intelectuais superiores. É uma das causas mais freqüentes de demência. Geralmente começa a partir dos 50 anos de idade e tem incidência similar entre homens e mulheres.
4 Saúde: 1. Estado de equilíbrio dinâmico entre o organismo e o seu ambiente, o qual mantém as características estruturais e funcionais do organismo dentro dos limites normais para sua forma de vida e para a sua fase do ciclo vital. 2. Estado de boa disposição física e psíquica; bem-estar. 3. Brinde, saudação que se faz bebendo à saúde de alguém. 4. Força física; robustez, vigor, energia.
5 Incidente: 1. Que incide, que sobrevém ou que tem caráter secundário; incidental. 2. Acontecimento imprevisível que modifica o desenrolar normal de uma ação. 3. Dificuldade passageira que não modifica o desenrolar de uma operação, de uma linha de conduta.
   [Mais...]

Novos medicamentos - 20/10/21
O atogepant (Qulipta) se tornou o primeiro antagonista1 do receptor do peptídeo relacionado ao gene da calcitonina2 (CGRP) (gepant) oral desenvolvido especificamente para a prevenção da enxaqueca3 a obter a aprovação da Food and Drug Administration (FDA) dos Estados Unidos, anunciou a empresa biofarmacêutica AbbVie, que desenvolveu o medicamento. O atogepant ganhou aprovação para a prevenção da enxaqueca3 episódica em adultos. A aprovação é apoiada por dados de um programa clínico robusto que avalia a eficácia, segurança e tolerabilidade de Qulipta em cerca de 2.000 doentes com 4 a 14 dias de enxaqueca3 por mês. O ensaio clínico demonstrou que os pacientes tratados com 60 mg de Qulipta ao longo de 12 semanas tiveram uma redução de 4,2 dias em relação ao valor basal de 7,8. O Qulipta fornece uma opção de tratamento oral simples desenvolvida especificamente para prevenir ataques de enxaqueca3 e direcionar o CGRP, que se acredita estar crucialmente envolvido na enxaqueca3 em muitos pacientes.
1 Antagonista: 1. Opositor. 2. Adversário. 3. Em anatomia geral, que ou o que, numa mesma região anatômica ou função fisiológica, trabalha em sentido contrário (diz-se de músculo). 4. Em medicina, que realiza movimento contrário ou oposto a outro (diz-se de músculo). 5. Em farmácia, que ou o que tende a anular a ação de outro agente (diz-se de agente, medicamento etc.). Agem como bloqueadores de receptores. 6. Em odontologia, que se articula em oposição (diz-se de ou qualquer dente em relação ao da maxila oposta).
2 Calcitonina: Hormônio secretado pela glândula tireoide que inibe a perda de cálcio dos ossos.
3 Enxaqueca: Sinônimo de migrânea. É a cefaléia cuja prevalência varia de 10 a 20% da população. Ocorre principalmente em mulheres com uma proporção homem:mulher de 1:2-3. As razões para esta preponderância feminina ainda não estão bem entendidas, mas suspeita-se de alguma relação com o hormônio feminino. Resulta da pressão exercida por vasos sangüíneos dilatados no tecido nervoso cerebral subjacente. O tratamento da enxaqueca envolve normalmente drogas vaso-constritoras para aliviar esta pressão. No entanto, esta medicamentação pode causar efeitos secundários no sistema circulatório e é desaconselhada a pessoas com problemas cardiológicos.
   [Mais...]

Medical Journal - 25/11/14
Montelucaste não é eficaz para o tratamento da tosse após-infecção1 em adultos, é o que mostra um estudo controlado por placebo2, duplo-cego, randomizado3, publicado pelo The Lancet Respiratory Medicine.
1 Infecção: Doença produzida pela invasão de um germe (bactéria, vírus, fungo, etc.) em um organismo superior. Como conseqüência da mesma podem ser produzidas alterações na estrutura ou funcionamento dos tecidos comprometidos, ocasionando febre, queda do estado geral, e inúmeros sintomas que dependem do tipo de germe e da reação imunológica perante o mesmo.
2 Placebo: Preparação neutra quanto a efeitos farmacológicos, ministrada em substituição a um medicamento, com a finalidade de suscitar ou controlar as reações, geralmente de natureza psicológica, que acompanham tal procedimento terapêutico.
3 Randomizado: Ensaios clínicos comparativos randomizados são considerados o melhor delineamento experimental para avaliar questões relacionadas a tratamento e prevenção. Classicamente, são definidos como experimentos médicos projetados para determinar qual de duas ou mais intervenções é a mais eficaz mediante a alocação aleatória, isto é, randomizada, dos pacientes aos diferentes grupos de estudo. Em geral, um dos grupos é considerado controle – o que algumas vezes pode ser ausência de tratamento, placebo, ou mais frequentemente, um tratamento de eficácia reconhecida. Recursos estatísticos são disponíveis para validar conclusões e maximizar a chance de identificar o melhor tratamento. Esses modelos são chamados de estudos de superioridade, cujo objetivo é determinar se um tratamento em investigação é superior ao agente comparativo.
   [Mais...]

Medical Journal - 23/06/22
Um novo estudo promissor, publicado na revista científica Arthritis & Rheumatology, sugere que caminhar pode evitar a dor no joelho para pessoas com osteoartrite1. Os pesquisadores entrevistaram mais de 1.000 pessoas com 50 anos ou mais com osteoartrite1 do joelho, o tipo mais comum de artrite2. Alguns tinham dor persistente no início, enquanto outros não. Após quatro anos, aqueles que começaram sem dores frequentes no joelho e caminharam para se exercitar pelo menos 10 vezes tiveram menos probabilidade de experimentar novos episódios regulares de rigidez ou dores ao redor dos joelhos e tiveram menos danos estruturais nos joelhos. Além disso, 37% dos participantes do estudo que não caminharam para se exercitar desenvolveram dores no joelho novas e frequentes, em comparação com 26% dos que caminharam. O estudo concluiu que, em indivíduos com mais de 50 anos de idade com osteoartrite1 de joelho, a caminhada para exercício foi associada ao menor desenvolvimento de dor no joelho frequente.
1 Osteoartrite: Termo geral que se emprega para referir-se ao processo degenerativo da cartilagem articular, manifestado por dor ao movimento, derrame articular, etc. Também denominado artrose.
2 Artrite: Inflamação de uma articulação, caracterizada por dor, aumento da temperatura, dificuldade de movimentação, inchaço e vermelhidão da área afetada.
   [Mais...]

Pharma News - 19/05/22
Tirzepatida, um receptor de GIP e agonista1 do receptor GLP-1 em investigação, ajudou pessoas com sobrepeso2 ou obesidade3, sem diabetes4, a perder peso significativo, anunciou a fabricante Eli Lilly. No ensaio clínico de fase III SURMOUNT-1 de 72 semanas, as pessoas que tomaram 15 mg do injetável uma vez por semana perderam em média 22,5% do peso corporal – representando uma perda média de 24 kg. O estudo também avaliou duas doses mais baixas de tirzepatida, ambas também eficazes. Os adultos que tomaram 5 mg tiveram reduções médias de peso de 16,0% (16 kg) e aqueles que tomaram 10 mg tiveram uma perda de 21,4% (22 kg) do peso corporal médio da linha de base de 105 kg, em comparação com placebo5 (perda de 2,4%, ou 2 kg). Da mesma forma, 55% e 63% das pessoas que tomaram 10 mg e 15 mg de tirzepatida, respectivamente, alcançaram pelo menos 20% de redução do peso corporal em comparação com 3,1% daqueles que receberam placebo5.
1 Agonista: 1. Em farmacologia, agonista refere-se às ações ou aos estímulos provocados por uma resposta, referente ao aumento (ativação) ou diminuição (inibição) da atividade celular. Sendo uma droga receptiva. 2. Lutador. Na Grécia antiga, pessoa que se dedicava à ginástica para fortalecer o físico ou como preparação para o serviço militar.
2 Sobrepeso: Peso acima do normal, índice de massa corporal entre 25 e 29,9.
3 Obesidade: Condição em que há acúmulo de gorduras no organismo além do normal, mais severo que o sobrepeso. O índice de massa corporal é igual ou maior que 30.
4 Diabetes: Nome que designa um grupo de doenças caracterizadas por diurese excessiva. A mais frequente é o Diabetes mellitus, ainda que existam outras variantes (Diabetes insipidus) de doença nas quais o transtorno primário é a incapacidade dos rins de concentrar a urina.
5 Placebo: Preparação neutra quanto a efeitos farmacológicos, ministrada em substituição a um medicamento, com a finalidade de suscitar ou controlar as reações, geralmente de natureza psicológica, que acompanham tal procedimento terapêutico.
   [Mais...]

Medical Journal - 04/05/22
Nova pesquisa publicada na revista científica Diabetologia fornece evidências sugerindo que a adesão a uma dieta composta por alimentos saudáveis, à base de plantas está associada a um menor risco de desenvolver diabetes tipo 21. Os resultados detalham uma associação inversa entre adesão a dietas à base de plantas e risco de diabetes tipo 21 ao avaliar a adesão usando pontuações de perfil metabólico para 3 índices derivados de questionários de frequência alimentar. Foram identificados perfis de multimetabólitos compreendendo 55 metabólitos2 para índice geral de dieta à base de plantas, 93 metabólitos2 para índice de dieta saudável à base de plantas e 75 metabólitos2 para índice de dieta não saudável à base de plantas. O estudo concluiu que perfis de metabólitos2 plasmáticos relacionados a dietas à base de plantas, especialmente uma dieta saudável à base de plantas, foram associados a um menor risco de diabetes tipo 21 entre uma população geralmente saudável.
1 Diabetes tipo 2: Condição caracterizada por altos níveis de glicose causada tanto por graus variáveis de resistência à insulina quanto por deficiência relativa na secreção de insulina. O tipo 2 se desenvolve predominantemente em pessoas na fase adulta, mas pode aparecer em jovens.
2 Metabólitos: Qualquer composto intermediário das reações enzimáticas do metabolismo.
   [Mais...]

Medical Journal - 28/04/22
Um novo estudo, publicado pelo JAMA Network Open, buscou determinar as taxas de mortalidade infantil1 de acordo com a causa da morte em crianças com e sem defeitos congênitos2. Os defeitos congênitos2 foram fortemente associados à mortalidade3 por causas circulatórias, respiratórias e digestivas, mas as anomalias raramente foram listadas como causa da morte. Comparadas com crianças sem defeitos congênitos2, aquelas com defeitos congênitos2 apresentaram maior risco de morte entre 28 e 364 dias de vida. Os resultados indicam que os defeitos congênitos2 foram associados a mais de 23 vezes o risco de mortalidade3 devido a causas circulatórias, respiratórias e digestivas em comparação com nenhum defeito. Assim, os achados sugerem que crianças com defeitos congênitos2 têm alto risco de mortalidade3 pós-neonatal e que a contribuição dos defeitos congênitos2 pode estar subestimada nas estatísticas de mortalidade3.
1 Mortalidade Infantil: A taxa de mortalidade infantil é o quociente entre os óbitos de menores de um ano ocorridos em uma determinada unidade geográfica e período de tempo, e os nascidos vivos da mesma unidade nesse período, segundo a fórmula: Taxa de Mortalidade Infantil = (Óbitos de Menores de 1 ano / Nascidos Vivos) x 1.000
2 Defeitos congênitos: Problemas ou condições que estão presentes ao nascimento.
3 Mortalidade: A taxa de mortalidade ou coeficiente de mortalidade é um dado demográfico do número de óbitos, geralmente para cada mil habitantes em uma dada região, em um determinado período de tempo.
   [Mais...]

Medical Journal - 14/04/22
O tratamento com lítio pode ser protetor contra a demência1 e seus subtipos, indicou um estudo de coorte2 retrospectivo3 publicado na revista PLoS Medicine. Entre os pacientes que receberam cuidados de saúde4 mental, aqueles expostos ao lítio em dosagens clínicas padrão tiveram um risco 44% menor de receber um diagnóstico5 de demência1 versus aqueles não expostos em um acompanhamento médio de 4,8 anos. O uso de lítio foi associado a um risco significativamente reduzido para ambos os subtipos de demência1 considerados, a Doença de Alzheimer6 e a demência1 vascular7. Os pesquisadores não mediram o risco para outros subtipos de demência1. Esses resultados dão mais suporte à ideia de que o lítio pode ser um tratamento modificador da doença para a demência1 e que este é um tratamento promissor para levar adiante em ensaios clínicos8 randomizados maiores para essa indicação.
1 Demência: Deterioração irreversível e crônica das funções intelectuais de uma pessoa.
2 Estudo de coorte: Um estudo de coorte é realizado para verificar se indivíduos expostos a um determinado fator apresentam, em relação aos indivíduos não expostos, uma maior propensão a desenvolver uma determinada doença. Um estudo de coorte é constituído, em seu início, de um grupo de indivíduos, denominada coorte, em que todos estão livres da doença sob investigação. Os indivíduos dessa coorte são classificados em expostos e não-expostos ao fator de interesse, obtendo-se assim dois grupos (ou duas coortes de comparação). Essas coortes serão observadas por um período de tempo, verificando-se quais indivíduos desenvolvem a doença em questão. Os indivíduos expostos e não-expostos devem ser comparáveis, ou seja, semelhantes quanto aos demais fatores, que não o de interesse, para que as conclusões obtidas sejam confiáveis.
3 Retrospectivo: Relativo a fatos passados, que se volta para o passado.
4 Saúde: 1. Estado de equilíbrio dinâmico entre o organismo e o seu ambiente, o qual mantém as características estruturais e funcionais do organismo dentro dos limites normais para sua forma de vida e para a sua fase do ciclo vital. 2. Estado de boa disposição física e psíquica; bem-estar. 3. Brinde, saudação que se faz bebendo à saúde de alguém. 4. Força física; robustez, vigor, energia.
5 Diagnóstico: Determinação de uma doença a partir dos seus sinais e sintomas.
6 Doença de Alzheimer: É uma doença progressiva, de causa e tratamentos ainda desconhecidos que acomete preferencialmente as pessoas idosas. É uma forma de demência. No início há pequenos esquecimentos, vistos pelos familiares como parte do processo normal de envelhecimento, que se vão agravando gradualmente. Os pacientes tornam-se confusos e por vezes agressivos, passando a apresentar alterações da personalidade, com distúrbios de conduta e acabam por não reconhecer os próprios familiares e até a si mesmos quando colocados frente a um espelho. Tornam-se cada vez mais dependentes de terceiros, iniciam-se as dificuldades de locomoção, a comunicação inviabiliza-se e passam a necessitar de cuidados e supervisão integral, até mesmo para as atividades elementares como alimentação, higiene, vestuário, etc..
7 Vascular: Relativo aos vasos sanguíneos do organismo.
8 Ensaios clínicos: Há três fases diferentes em um ensaio clínico. A Fase 1 é o primeiro teste de um tratamento em seres humanos para determinar se ele é seguro. A Fase 2 concentra-se em saber se um tratamento é eficaz. E a Fase 3 é o teste final antes da aprovação para determinar se o tratamento tem vantagens sobre os tratamentos padrões disponíveis.
   [Mais...]

Medical Journal - 18/03/22
A capacidade pulmonar é um marcador mensurável simples da saúde1 pulmonar. A baixa função pulmonar está associada a alta mortalidade2 e desfechos cardiopulmonares adversos. O presente estudo, publicado pela revista PLOS Medicine, buscou abordar a associação entre o volume expiratório forçado no primeiro segundo3 (VEF1), um indicador da função pulmonar, com marcadores amplos de saúde1 geral, relevantes para a trajetória do envelhecimento na população geral. Observou-se associações graduais entre VEF1 mais baixo com maiores chances de sintomas4 respiratórios incapacitantes, percepção de saúde1 geral ruim e menor desempenho cognitivo5 e físico. Esses achados apoiam as implicações mais amplas da medida da função pulmonar na saúde1 geral e na trajetória do envelhecimento.
1 Saúde: 1. Estado de equilíbrio dinâmico entre o organismo e o seu ambiente, o qual mantém as características estruturais e funcionais do organismo dentro dos limites normais para sua forma de vida e para a sua fase do ciclo vital. 2. Estado de boa disposição física e psíquica; bem-estar. 3. Brinde, saudação que se faz bebendo à saúde de alguém. 4. Força física; robustez, vigor, energia.
2 Mortalidade: A taxa de mortalidade ou coeficiente de mortalidade é um dado demográfico do número de óbitos, geralmente para cada mil habitantes em uma dada região, em um determinado período de tempo.
3 Volume Expiratório forçado no primeiro segundo: É o volume de ar expirado num segundo. Ele é reduzido nos doentes com doença pulmonar obstrutiva crônica (DPOC), pois estes necessitam de mais tempo para expirarem completamente.
4 Sintomas: Alterações da percepção normal que uma pessoa tem de seu próprio corpo, do seu metabolismo, de suas sensações, podendo ou não ser um indício de doença. Os sintomas são as queixas relatadas pelo paciente mas que só ele consegue perceber. Sintomas são subjetivos, sujeitos à interpretação pessoal. A variabilidade descritiva dos sintomas varia em função da cultura do indivíduo, assim como da valorização que cada pessoa dá às suas próprias percepções.
5 Desempenho cognitivo: Desempenho dos processos de aprendizagem e de aquisição de conhecimento através da percepção.
   [Mais...]

Mostrar: 10
<< - « Anteriores - 6 - 7 - 8 - 9 - 10 - 11 - Próximos » - >>
81 a 90 (Total: 2806)
  • Entrar
  • Receber conteúdos