news.med.br
Medical Journal - 22/01/16
Uma revisão sistemática da toxicidade1 do uso de corticosteroides orais em crianças, mesmo em terapias de cursos rápidos, mostrou que eles podem causar vômitos2, alterações comportamentais e distúrbios do sono (reações mais frequentes), além de aumentar a susceptibilidade3 a infecções4 (reação mais grave).
1 Toxicidade: Capacidade de uma substância produzir efeitos prejudiciais ao organismo vivo.
2 Vômitos: São a expulsão ativa do conteúdo gástrico pela boca. Podem ser classificados em: alimentar, fecalóide, biliar, em jato, pós-prandial. Sinônimo de êmese. Os medicamentos que agem neste sintoma são chamados de antieméticos.
3 Susceptibilidade: 1. Ato, característica ou condição do que é suscetível. 2. Capacidade de receber as impressões que põem em exercício as ações orgânicas; sensibilidade. 3. Disposição ou tendência para se ofender e se ressentir com (algo, geralmente sem importância); delicadeza, melindre. 4. Em física, é o coeficiente de proporcionalidade entre o campo magnético aplicado a um material e a sua magnetização.
4 Infecções: Doença produzida pela invasão de um germe (bactéria, vírus, fungo, etc.) em um organismo superior. Como conseqüência da mesma podem ser produzidas alterações na estrutura ou funcionamento dos tecidos comprometidos, ocasionando febre, queda do estado geral, e inúmeros sintomas que dependem do tipo de germe e da reação imunológica perante o mesmo.
   [Mais...]

Medical Journal - 24/08/21
O sono interrompido geralmente ocorre com a progressão da doença neurodegenerativa. Estudos de neuroimagem grandes e bem caracterizados de adultos sem comprometimento cognitivo1 são necessários para esclarecer a magnitude e o início da associação entre o sono e a patologia2 β-amiloide (Aβ) emergente. Neste estudo, publicado pelo JAMA Network Open, demonstrou-se um risco aumentado de deposição de Aβ com a redução da duração do sono noturno, que ocorreu precocemente, antes do comprometimento cognitivo1 ou deposição significativa de Aβ. O sono diurno pode estar associado a um aumento no risco de acúmulo precoce de Aβ e não parece ser corretivo para a perda de sono noturno, demonstrando uma dependência do ritmo circadiano3 do sono na prevenção do acúmulo de Aβ.
1 Cognitivo: 1. Relativo ao conhecimento, à cognição. 2. Relativo ao processo mental de percepção, memória, juízo e/ou raciocínio. 3. Diz-se de estados e processos relativos à identificação de um saber dedutível e à resolução de tarefas e problemas determinados. 4. Diz-se dos princípios classificatórios derivados de constatações, percepções e/ou ações que norteiam a passagem das representações simbólicas à experiência, e também da organização hierárquica e da utilização no pensamento e linguagem daqueles mesmos princípios.
2 Patologia: 1. Especialidade médica que estuda as doenças e as alterações que estas provocam no organismo. 2. Qualquer desvio anatômico e/ou fisiológico, em relação à normalidade, que constitua uma doença ou caracterize determinada doença. 3. Por extensão de sentido, é o desvio em relação ao que é próprio ou adequado ou em relação ao que é considerado como o estado normal de uma coisa inanimada ou imaterial.
3 Ritmo circadiano: Também conhecido como ciclo circadiano, o ritmo circadiano representa o período de um dia (24 horas) no qual se completam as atividades do ciclo biológico dos seres vivos. Uma das funções deste sistema é o ajuste do relógio biológico, controlando o sono e o apetite. Através de um marca-passo interno que se encontra no cérebro, o ritmo circadiano regula tanto os ritmos materiais quanto os psicológicos, o que pode influenciar em atividade como: digestão em vigília, renovação de células e controle de temperatura corporal.
   [Mais...]

Medical Journal - 23/08/21
A hipercolesterolemia1 familiar é a doença cardiovascular hereditária mais comum e acarreta riscos significativos de morbidade2 e mortalidade3. O teste genético pode identificar os indivíduos afetados, mas alguns ensaios baseados em arranjos rastreiam apenas um pequeno subconjunto de variantes patogênicas conhecidas. Neste estudo, publicado pelo JAMA Cardiology, uma triagem de variantes limitadas apresentou uma taxa de detecção significativamente menor (8,4%) do que o teste de diagnóstico4 abrangente (27%). Esses resultados sugerem que achados clinicamente significativos para hipercolesterolemia1 familiar seriam perdidos para dois terços dos indivíduos afetados se a triagem de variantes limitadas fosse usada.
1 Hipercolesterolemia: Aumento dos níveis de colesterol do sangue. Está associada a uma maior predisposição ao desenvolvimento de aterosclerose.
2 Morbidade: Morbidade ou morbilidade é a taxa de portadores de determinada doença em relação à população total estudada, em determinado local e em determinado momento.
3 Mortalidade: A taxa de mortalidade ou coeficiente de mortalidade é um dado demográfico do número de óbitos, geralmente para cada mil habitantes em uma dada região, em um determinado período de tempo.
4 Diagnóstico: Determinação de uma doença a partir dos seus sinais e sintomas.
   [Mais...]

Medical Journal - 11/08/21
O diabetes tipo 21 é um fator de risco2 estabelecido para demência3. No entanto, os papéis do controle glicêmico e das complicações diabéticas no desenvolvimento da demência3 foram menos fundamentados. Este estudo, publicado na revista Diabetes4 Care, examinou as associações de níveis longitudinais de HbA1c5 e complicações diabéticas com o risco de incidência6 de demência3 entre pacientes com diabetes tipo 21. Os resultados mostraram que níveis de HbA1c5 mais altos ou instáveis e a presença de complicações diabéticas em pacientes com diabetes tipo 21 estão associados a um risco aumentado de demência3. Assim, o controle eficaz da glicemia7 pode ter um papel significativo na manutenção da saúde8 cognitiva9 entre idosos com diabetes4.
1 Diabetes tipo 2: Condição caracterizada por altos níveis de glicose causada tanto por graus variáveis de resistência à insulina quanto por deficiência relativa na secreção de insulina. O tipo 2 se desenvolve predominantemente em pessoas na fase adulta, mas pode aparecer em jovens.
2 Fator de risco: Qualquer coisa que aumente a chance de uma pessoa desenvolver uma doença.
3 Demência: Deterioração irreversível e crônica das funções intelectuais de uma pessoa.
4 Diabetes: Nome que designa um grupo de doenças caracterizadas por diurese excessiva. A mais frequente é o Diabetes mellitus, ainda que existam outras variantes (Diabetes insipidus) de doença nas quais o transtorno primário é a incapacidade dos rins de concentrar a urina.
5 HbA1C: Hemoglobina glicada, hemoglobina glicosilada, glico-hemoglobina ou HbA1C e, mais recentemente, apenas como A1C é uma ferramenta de diagnóstico na avaliação do controle glicêmico em pacientes diabéticos. Atualmente, a manutenção do nível de A1C abaixo de 7% é considerada um dos principais objetivos do controle glicêmico de pacientes diabéticos. Algumas sociedades médicas adotam metas terapêuticas mais rígidas de 6,5% para os valores de A1C.
6 Incidência: Medida da freqüência em que uma doença ocorre. Número de casos novos de uma doença em um certo grupo de pessoas por um certo período de tempo.
7 Glicemia: Valor de concentração da glicose do sangue. Seus valores normais oscilam entre 70 e 110 miligramas por decilitro de sangue (mg/dl).
8 Saúde: 1. Estado de equilíbrio dinâmico entre o organismo e o seu ambiente, o qual mantém as características estruturais e funcionais do organismo dentro dos limites normais para sua forma de vida e para a sua fase do ciclo vital. 2. Estado de boa disposição física e psíquica; bem-estar. 3. Brinde, saudação que se faz bebendo à saúde de alguém. 4. Força física; robustez, vigor, energia.
9 Cognitiva: 1. Relativa ao conhecimento, à cognição. 2. Relativa ao processo mental de percepção, memória, juízo e/ou raciocínio. 3. Diz-se de estados e processos relativos à identificação de um saber dedutível e à resolução de tarefas e problemas determinados. 4. Diz-se dos princípios classificatórios derivados de constatações, percepções e/ou ações que norteiam a passagem das representações simbólicas à experiência, e também da organização hierárquica e da utilização no pensamento e linguagem daqueles mesmos princípios.
   [Mais...]

Medical Journal - 19/07/21
Até que ponto a arquitetura genética da esquizofrenia1 é compartilhada com a área de superfície e espessura cortical do cérebro2? Neste estudo, publicado no JAMA Psychiatry, os conjuntos de dados revelaram que 94% das variantes genéticas associadas à área de superfície cortical total e todas as variantes associadas à espessura cortical média também foram associadas ao risco genético de esquizofrenia1, apesar das correlações genéticas não significativas. Dessa forma, a quantidade de variantes genéticas compartilhadas entre a esquizofrenia1 e a estrutura cortical do cérebro2 sugere mecanismos genéticos moleculares sobrepostos entre o desenvolvimento cortical e a esquizofrenia1.
1 Esquizofrenia: Doença mental do grupo das Psicoses, caracterizada por alterações emocionais, de conduta e intelectuais, caracterizadas por uma relação pobre com o meio social, desorganização do pensamento, alucinações auditivas, etc.
2 Cérebro: Derivado do TELENCÉFALO, o cérebro é composto dos hemisférios direito e esquerdo. Cada hemisfério contém um córtex cerebral exterior e gânglios basais subcorticais. O cérebro inclui todas as partes dentro do crânio exceto MEDULA OBLONGA, PONTE e CEREBELO. As funções cerebrais incluem as atividades sensório-motora, emocional e intelectual.
   [Mais...]

Medical Journal - 19/02/21
Estudo publicado pelo periódico Diabetes1 Care e realizado com o objetivo de investigar o efeito da metformina2 sobre os níveis de testosterona em homens com diabetes mellitus3 tipo 2 mostrou que o uso de metformina2 oral pode diminuir os níveis de testosterona sérica, independentemente do controle da glicose4 no sangue5.
1 Diabetes: Nome que designa um grupo de doenças caracterizadas por diurese excessiva. A mais frequente é o Diabetes mellitus, ainda que existam outras variantes (Diabetes insipidus) de doença nas quais o transtorno primário é a incapacidade dos rins de concentrar a urina.
2 Metformina: Medicamento para uso oral no tratamento do diabetes tipo 2. Reduz a glicemia por reduzir a quantidade de glicose produzida pelo fígado e ajudando o corpo a responder melhor à insulina produzida pelo pâncreas. Pertence à classe das biguanidas.
3 Diabetes mellitus: Distúrbio metabólico originado da incapacidade das células de incorporar glicose. De forma secundária, podem estar afetados o metabolismo de gorduras e proteínas.Este distúrbio é produzido por um déficit absoluto ou relativo de insulina. Suas principais características são aumento da glicose sangüínea (glicemia), poliúria, polidipsia (aumento da ingestão de líquidos) e polifagia (aumento da fome).
4 Glicose: Uma das formas mais simples de açúcar.
5 Sangue: O sangue é uma substância líquida que circula pelas artérias e veias do organismo. Em um adulto sadio, cerca de 45% do volume de seu sangue é composto por células (a maioria glóbulos vermelhos, glóbulos brancos e plaquetas). O sangue é vermelho brilhante, quando oxigenado nos pulmões (nos alvéolos pulmonares). Ele adquire uma tonalidade mais azulada, quando perde seu oxigênio, através das veias e dos pequenos vasos denominados capilares.
   [Mais...]

Pharma News - 04/06/10
O diagnóstico1 de depressão ou outras doenças psiquiátricas durante a gravidez2 pode levar à prescrição de antidepressivos a despeito de seus efeitos colaterais3. Artigo, publicado no Canadian Medical Association Journal, avaliou os efeitos de alguns destes medicamentos na gestação e concluiu que o uso especialmente de paroxetina, venlafaxina ou uma combinação de diferentes classes de antidepressivos está associado ao risco aumentado de aborto espontâneo.
1 Diagnóstico: Determinação de uma doença a partir dos seus sinais e sintomas.
2 Gravidez: Condição de ter um embrião ou feto em desenvolvimento no trato reprodutivo feminino após a união de ovo e espermatozóide.
3 Efeitos colaterais: 1. Ação não esperada de um medicamento. Ou seja, significa a ação sobre alguma parte do organismo diferente daquela que precisa ser tratada pelo medicamento. 2. Possível reação que pode ocorrer durante o uso do medicamento, podendo ser benéfica ou maléfica.
   [Mais...]

Medical Journal - 01/09/21
A maioria das mortes relacionadas ao câncer1 não ocorre a partir do primeiro tumor2 que surge em um paciente, mas de cânceres que reaparecem meses ou anos após o tratamento. Os cientistas acreditam que um grupo de células3 cancerosas raras, chamadas células3 persistentes, pode contribuir para essa recorrência4. Agora, uma equipe de pesquisadores da Harvard Medical School e do Broad Institute de MIT e Harvard mostrou que uma pequena fração das células3 persistentes, chamadas células3 persistentes cíclicas, não apenas sobrevivem quando expostas a drogas contra o câncer1, mas mantêm a capacidade de crescer e se multiplicar até mesmo sob constante tratamento medicamentoso. As descobertas, publicadas na revista Nature, podem ajudar a explicar por que tantos tratamentos contra o câncer1 promissores em laboratório falham nos testes clínicos.
1 Câncer: Crescimento anormal de um tecido celular capaz de invadir outros órgãos localmente ou à distância (metástases).
2 Tumor: Termo que literalmente significa massa ou formação de tecido. É utilizado em geral para referir-se a uma formação neoplásica.
3 Células: Unidades (ou subunidades) funcionais e estruturais fundamentais dos organismos vivos. São compostas de CITOPLASMA (com várias ORGANELAS) e limitadas por uma MEMBRANA CELULAR.
4 Recorrência: 1. Retorno, repetição. 2. Em medicina, é o reaparecimento dos sintomas característicos de uma doença, após a sua completa remissão. 3. Em informática, é a repetição continuada da mesma operação ou grupo de operações. 4. Em psicologia, é a volta à memória.
   [Mais...]

Medical Journal - 11/08/21
Crianças com diabetes tipo 21 correm alto risco de desenvolver complicações graves – variando de hipertensão2 a doença renal3 – por volta dos 20 ou 30 anos, de acordo com um estudo de 15 anos com centenas de jovens com a doença, publicado no The New England Journal of Medicine. Os pesquisadores descobriram que, ao final do período de estudo, 60% dos participantes – que tinham em média 26 anos na época – desenvolveram pelo menos uma complicação relacionada ao diabetes4. Assim, o estudo concluiu que, para pessoas que tiveram início de diabetes tipo 21 na juventude, o risco de complicações, incluindo complicações microvasculares, aumentou de forma constante ao longo do tempo e afetou a maioria dos participantes no início da idade adulta.
1 Diabetes tipo 2: Condição caracterizada por altos níveis de glicose causada tanto por graus variáveis de resistência à insulina quanto por deficiência relativa na secreção de insulina. O tipo 2 se desenvolve predominantemente em pessoas na fase adulta, mas pode aparecer em jovens.
2 Hipertensão: Condição presente quando o sangue flui através dos vasos com força maior que a normal. Também chamada de pressão alta. Hipertensão pode causar esforço cardíaco, dano aos vasos sangüíneos e aumento do risco de um ataque cardíaco, derrame ou acidente vascular cerebral, além de problemas renais e morte.
3 Renal: Relacionado aos rins. Uma doença renal é uma doença dos rins. Insuficiência renal significa que os rins pararam de funcionar.
4 Diabetes: Nome que designa um grupo de doenças caracterizadas por diurese excessiva. A mais frequente é o Diabetes mellitus, ainda que existam outras variantes (Diabetes insipidus) de doença nas quais o transtorno primário é a incapacidade dos rins de concentrar a urina.
   [Mais...]

Medical Journal - 14/12/18
Um antidepressivo tricíclico de baixa dose é eficaz no tratamento da dor lombar crônica? Os resultados deste ensaio clínico publicado pelo JAMA Internal Medicine sugerem que amitriptilina em baixas doses pode ser um tratamento efetivo para dor lombar crônica, especialmente se a alternativa for o uso de um opióide.   [Mais...]
Mostrar: 10
<< - « Anteriores - 2 - 3 - 4 - 5 - 6 - 7 - Próximos » - >>
41 a 50 (Total: 787)
  • Entrar
  • Receber conteúdos