news.med.br
Um tratamento para mover o sangue do cordão umbilical1 para o corpo de um recém-nascido pode melhorar a saúde2 geral de recém-nascidos classificados como não vigorosos – tônus ruim, pálidos e com respiração mínima, sugere um estudo publicado no American Journal of Obstetrics and Gynecology. O procedimento, conhecido como ordenha do cordão umbilical3, envolve apertar suavemente o cordão entre o polegar e o indicador e empurrar lentamente o sangue4 para o abdômen. Em comparação com os bebês5 não vigorosos que receberam o tratamento padrão de clampeamento imediato do cordão umbilical3, os bebês5 que foram submetidos à ordenha do cordão foram menos propensos a precisar de suporte cardíaco e respiratório, menos propensos a ter um baixo nível de oxigênio no cérebro6 e mais propensos a ter maiores níveis de hemoglobina7.
1 Sangue do Cordão Umbilical: Sangue do feto. A troca de nutrientes e de resíduos entre o sangue fetal e o materno ocorre através da PLACENTA. O sangue do cordão é o sangue contido nos vasos umbilicais (CORDÃO UMBILICAL) no momento do parto.
2 Saúde: 1. Estado de equilíbrio dinâmico entre o organismo e o seu ambiente, o qual mantém as características estruturais e funcionais do organismo dentro dos limites normais para sua forma de vida e para a sua fase do ciclo vital. 2. Estado de boa disposição física e psíquica; bem-estar. 3. Brinde, saudação que se faz bebendo à saúde de alguém. 4. Força física; robustez, vigor, energia.
3 Cordão Umbilical: Estrutura flexível semelhante a corda, que conecta um FETO em desenvolvimento à PLACENTA, em mamíferos. O cordão contém vasos sanguíneos que transportam oxigênio e nutrientes da mãe ao feto e resíduos para longe do feto.
4 Sangue: O sangue é uma substância líquida que circula pelas artérias e veias do organismo. Em um adulto sadio, cerca de 45% do volume de seu sangue é composto por células (a maioria glóbulos vermelhos, glóbulos brancos e plaquetas). O sangue é vermelho brilhante, quando oxigenado nos pulmões (nos alvéolos pulmonares). Ele adquire uma tonalidade mais azulada, quando perde seu oxigênio, através das veias e dos pequenos vasos denominados capilares.
5 Bebês: Lactentes. Inclui o período neonatal e se estende até 1 ano de idade (12 meses).
6 Cérebro: Derivado do TELENCÉFALO, o cérebro é composto dos hemisférios direito e esquerdo. Cada hemisfério contém um córtex cerebral exterior e gânglios basais subcorticais. O cérebro inclui todas as partes dentro do crânio exceto MEDULA OBLONGA, PONTE e CEREBELO. As funções cerebrais incluem as atividades sensório-motora, emocional e intelectual.
7 Hemoglobina: Proteína encarregada de transportar o oxigênio desde os pulmões até os tecidos do corpo. Encontra-se em altas concentrações nos glóbulos vermelhos.
   [Mais...]

O uso precoce de oseltamivir (Tamiflu) em crianças hospitalizadas com influenza1 foi associado a melhores resultados, de acordo com uma análise publicada no JAMA Pediatrics. Entre mais de 55.000 crianças, o tratamento com oseltamivir na chegada ou no dia 1 foi associado a um menor tempo de permanência hospitalar em comparação com o tratamento no dia 2 ou posterior ou nenhum (mediana de 3 vs 4 dias). O tratamento precoce também foi associado a menores chances de readmissão em 7 dias (3,5% vs 4,8%), transferência tardia para a unidade de terapia intensiva2 (2,4% vs 5,5%), e do resultado composto de morte ou uso de oxigenação por membrana extracorpórea (ECMO) (0,9% vs 1,4%,). Esses achados apoiam as recomendações atuais para o uso de oseltamivir em crianças hospitalizadas com gripe3.
1 Influenza: Doença infecciosa, aguda, de origem viral que acomete o trato respiratório, ocorrendo em epidemias ou pandemias e frequentemente se complicando pela associação com outras infecções bacterianas.
2 Terapia intensiva: Tratamento para diabetes no qual os níveis de glicose são mantidos o mais próximo do normal possível através de injeções freqüentes ou uso de bomba de insulina, planejamento das refeições, ajuste em medicamentos hipoglicemiantes e exercícios baseados nos resultados de testes de glicose além de contatos freqüentes entre o diabético e o profissional de saúde.
3 Gripe: Doença viral adquirida através do contágio interpessoal que se caracteriza por faringite, febre, dores musculares generalizadas, náuseas, etc. Sua duração é de aproximadamente cinco a sete dias e tem uma maior incidência nos meses frios. Em geral desaparece naturalmente sem tratamento, apenas com medidas de controle geral (repouso relativo, ingestão de líquidos, etc.). Os antibióticos não funcionam na gripe e não devem ser utilizados de rotina.
   [Mais...]

Pessoas com doença mental grave têm uma taxa de mortalidade1 maior do que a população em geral, vivendo em média 10 a 20 anos a menos. O objetivo deste estudo, publicado no The Lancet Psychiatry, foi estimar o risco relativo de todas as causas e de causa específica e a taxa de mortalidade1 excessiva em uma coorte2 nacional de pacientes internados com doença mental grave em comparação com pacientes internados sem doença mental grave no Brasil. Em contraste com estudos de países de alta renda, pacientes internados com doença mental grave no Brasil apresentaram alto risco relativo para epilepsia3 idiopática4, tuberculose5, HIV6 e hepatite7 aguda, e não houve diferença significativa na mortalidade1 por câncer8 em comparação com pacientes internados sem doença mental grave. Essas causas identificadas devem ser abordadas como prioridade para maximizar a prevenção da mortalidade1 entre pessoas com doença mental grave.
1 Mortalidade: A taxa de mortalidade ou coeficiente de mortalidade é um dado demográfico do número de óbitos, geralmente para cada mil habitantes em uma dada região, em um determinado período de tempo.
2 Coorte: Grupo de indivíduos que têm algo em comum ao serem reunidos e que são observados por um determinado período de tempo para que se possa avaliar o que ocorre com eles. É importante que todos os indivíduos sejam observados por todo o período de seguimento, já que informações de uma coorte incompleta podem distorcer o verdadeiro estado das coisas. Por outro lado, o período de tempo em que os indivíduos serão observados deve ser significativo na história natural da doença em questão, para que haja tempo suficiente do risco se manifestar.
3 Epilepsia: Alteração temporária e reversível do funcionamento cerebral, que não tenha sido causada por febre, drogas ou distúrbios metabólicos. Durante alguns segundos ou minutos, uma parte do cérebro emite sinais incorretos, que podem ficar restritos a esse local ou espalhar-se. Quando restritos, a crise será chamada crise epiléptica parcial; quando envolverem os dois hemisférios cerebrais, será uma crise epiléptica generalizada. O paciente pode ter distorções de percepção, movimentos descontrolados de uma parte do corpo, medo repentino, desconforto no estômago, ver ou ouvir de maneira diferente e até perder a consciência - neste caso é chamada de crise complexa. Depois do episódio, enquanto se recupera, a pessoa pode sentir-se confusa e ter déficits de memória. Existem outros tipos de crises epilépticas.
4 Idiopática: 1. Relativo a idiopatia; que se forma ou se manifesta espontaneamente ou a partir de causas obscuras ou desconhecidas; não associado a outra doença. 2. Peculiar a um indivíduo.
5 Tuberculose: Doença infecciosa crônica produzida pelo bacilo de Koch (Mycobacterium tuberculosis). Produz doença pulmonar, podendo disseminar-se para qualquer outro órgão. Os sintomas de tuberculose pulmonar consistem em febre, tosse, expectoração, hemoptise, acompanhada de perda de peso e queda do estado geral. Em países em desenvolvimento (como o Brasil) aconselha-se a vacinação com uma cepa atenuada desta bactéria (vacina BCG).
6 HIV: Abreviatura em inglês do vírus da imunodeficiência humana. É o agente causador da AIDS.
7 Hepatite: Inflamação do fígado, caracterizada por coloração amarela da pele e mucosas (icterícia), dor na região superior direita do abdome, cansaço generalizado, aumento do tamanho do fígado, etc. Pode ser produzida por múltiplas causas como infecções virais, toxicidade por drogas, doenças imunológicas, etc.
8 Câncer: Crescimento anormal de um tecido celular capaz de invadir outros órgãos localmente ou à distância (metástases).
   [Mais...]

Uma terapia celular de alta tecnologia usada para tratar o câncer1 foi reaproveitada como tratamento para o lúpus2, uma condição autoimune3 que pode causar danos nas articulações4, nos rins5 e no coração6. A terapia com células7 CAR-T colocou todas as cinco pessoas com lúpus2 tratadas até agora em remissão. Os participantes foram acompanhados por uma média de 8 meses, com a primeira pessoa tratada há 17 meses. Mas é muito cedo para saber quanto tempo as remissões durarão. Os resultados foram publicados na revista Nature Medicine. Nos pacientes tratados, as células7 CAR-T expandidas in vivo levaram à depleção8 profunda das células7 B, melhora dos sintomas9 clínicos e normalização dos parâmetros laboratoriais, incluindo soroconversão de anticorpos10 anti-DNA de fita dupla. Esses dados sugerem que a transferência de células7 CAR-T CD19 é viável, tolerável e altamente eficaz no lúpus2 eritematoso11 sistêmico12.
1 Câncer: Crescimento anormal de um tecido celular capaz de invadir outros órgãos localmente ou à distância (metástases).
2 Lúpus: 1. É uma inflamação crônica da pele, caracterizada por ulcerações ou manchas, conforme o tipo específico. 2. Doença autoimune rara, mais frequente nas mulheres, provocada por um desequilíbrio do sistema imunológico. Nesta patologia, a defesa imunológica do indivíduo se vira contra os tecidos do próprio organismo como pele, articulações, fígado, coração, pulmão, rins e cérebro. Essas múltiplas formas de manifestação clínica, às vezes, podem confundir e retardar o diagnóstico. Lúpus exige tratamento cuidadoso por médicos especializados no assunto.
3 Autoimune: 1. Relativo à autoimunidade (estado patológico de um organismo atingido por suas próprias defesas imunitárias). 2. Produzido por autoimunidade. 3. Autoalergia.
4 Articulações:
5 Rins: Órgãos em forma de feijão que filtram o sangue e formam a urina. Os rins são localizados na região posterior do abdômen, um de cada lado da coluna vertebral.
6 Coração: Órgão muscular, oco, que mantém a circulação sangüínea.
7 Células: Unidades (ou subunidades) funcionais e estruturais fundamentais dos organismos vivos. São compostas de CITOPLASMA (com várias ORGANELAS) e limitadas por uma MEMBRANA CELULAR.
8 Depleção: 1. Em patologia, significa perda de elementos fundamentais do organismo, especialmente água, sangue e eletrólitos (sobretudo sódio e potássio). 2. Em medicina, é o ato ou processo de extração de um fluido (por exxemplo, sangue) 3. Estado ou condição de esgotamento provocado por excessiva perda de sangue. 4. Na eletrônica, em um material semicondutor, medição da densidade de portadores de carga abaixo do seu nível e do nível de dopagem em uma temperatura específica.
9 Sintomas: Alterações da percepção normal que uma pessoa tem de seu próprio corpo, do seu metabolismo, de suas sensações, podendo ou não ser um indício de doença. Os sintomas são as queixas relatadas pelo paciente mas que só ele consegue perceber. Sintomas são subjetivos, sujeitos à interpretação pessoal. A variabilidade descritiva dos sintomas varia em função da cultura do indivíduo, assim como da valorização que cada pessoa dá às suas próprias percepções.
10 Anticorpos: Proteínas produzidas pelo organismo para se proteger de substâncias estranhas como bactérias ou vírus. As pessoas que têm diabetes tipo 1 produzem anticorpos que destroem as células beta produtoras de insulina do próprio organismo.
11 Eritematoso: Relativo a ou próprio de eritema. Que apresenta eritema. Eritema é uma vermelhidão da pele, devido à vasodilatação dos capilares cutâneos.
12 Sistêmico: 1. Relativo a sistema ou a sistemática. 2. Relativo à visão conspectiva, estrutural de um sistema; que se refere ou segue um sistema em seu conjunto. 3. Disposto de modo ordenado, metódico, coerente. 4. Em medicina, é o que envolve o organismo como um todo ou em grande parte.
   [Mais...]

A ressuscitação com fluidos agressiva precoce para pancreatite1 aguda, uma prática amplamente recomendada, não melhorou os resultados clínicos e levou a mais sobrecarga hídrica quando comparada à ressuscitação com fluidos moderada, mostrou o estudo randomizado2 WATERFALL publicado no The New England Journal of Medicine. Em uma análise interina do estudo, que foi interrompido precocemente por razões de segurança, a incidência3 de pancreatite1 moderadamente grave ou grave não foi significativamente diferente entre os grupos, embora numericamente maior em pacientes que receberam ressuscitação com fluidos agressiva precoce (22,1% vs 17,3%). E 20,5% daqueles no grupo de ressuscitação agressiva experimentaram sobrecarga de fluidos versus apenas 6,3% no grupo de ressuscitação moderada. Esses achados não suportam as diretrizes atuais de manejo, que recomendam ressuscitação agressiva precoce para o tratamento da pancreatite1 aguda.
1 Pancreatite: Inflamação do pâncreas. A pancreatite aguda pode ser produzida por cálculos biliares, alcoolismo, drogas, etc. Pode ser uma doença grave e fatal. Os primeiros sintomas consistem em dor abdominal, vômitos e distensão abdominal.
2 Estudo randomizado: Ensaios clínicos comparativos randomizados são considerados o melhor delineamento experimental para avaliar questões relacionadas a tratamento e prevenção. Classicamente, são definidos como experimentos médicos projetados para determinar qual de duas ou mais intervenções é a mais eficaz mediante a alocação aleatória, isto é, randomizada, dos pacientes aos diferentes grupos de estudo. Em geral, um dos grupos é considerado controle - o que algumas vezes pode ser ausência de tratamento, placebo, ou mais frequentemente, um tratamento de eficácia reconhecida. Recursos estatísticos são disponíveis para validar conclusões e maximizar a chance de identificar o melhor tratamento. Esses modelos são chamados de estudos de superioridade, cujo objetivo é determinar se um tratamento em investigação é superior ao agente comparativo.
3 Incidência: Medida da freqüência em que uma doença ocorre. Número de casos novos de uma doença em um certo grupo de pessoas por um certo período de tempo.
   [Mais...]

Um novo estudo indica que uma dieta rica em açúcar1 desequilibra o microbioma2, estimulando o crescimento de bactérias intestinais que expulsam microrganismos úteis, de modo que o corpo produz menos células3 imunes intestinais que ajudam a prevenir distúrbios metabólicos. Os achados foram publicados na revista Cell. No artigo, os pesquisadores relatam como o desequilíbrio da microbiota4 induzido pelo açúcar1 da dieta interrompe a proteção imunomediada da síndrome metabólica5. A dieta rica em gordura6 e açúcar1 promoveu doenças metabólicas ao esgotar os micróbios indutores de Th17, e a recuperação das células3 Th17 comensais restaurou a proteção. A perda de células3 Th17 protetoras induzida pela dieta foi mediada pela presença de açúcar1. A eliminação do açúcar1 de dietas ricas em gordura6 protegeu os camundongos da obesidade7 e da síndrome metabólica5 de uma maneira dependente das células3 Th17 específicas comensais.
1 Açúcar: 1. Classe de carboidratos com sabor adocicado, incluindo glicose, frutose e sacarose. 2. Termo usado para se referir à glicemia sangüínea.
2 Microbioma: Comunidade ecológica de microrganismos comensais, simbióticos e patogênicos que compartilham nosso espaço corporal. Microbioma humano é o conjunto de microrganismos que reside no corpo do Homo sapiens, mantendo uma relação simbiótica com o hospedeiro. O conceito vai além do termo microbiota, incluindo também a relação entre as células microbianas e as células e sistemas humanos, por meio de seus genomas, transcriptomas, proteomas e metabolomas.
3 Células: Unidades (ou subunidades) funcionais e estruturais fundamentais dos organismos vivos. São compostas de CITOPLASMA (com várias ORGANELAS) e limitadas por uma MEMBRANA CELULAR.
4 Microbiota: Em ecologia, chama-se microbiota ao conjunto dos microrganismos que habitam um ecossistema, principalmente bactérias, protozoários e outros microrganismos que têm funções importantes na decomposição da matéria orgânica e, portanto, na reciclagem dos nutrientes. Fazem parte da microbiota humana uma quantidade enorme de bactérias que vivem em harmonia no organismo e auxiliam a ação do sistema imunológico e a nutrição, por exemplo.
5 Síndrome metabólica: Tendência de várias doenças ocorrerem ao mesmo tempo. Incluindo obesidade, resistência insulínica, diabetes ou pré-diabetes, hipertensão e hiperlipidemia.
6 Gordura: Um dos três principais nutrientes dos alimentos. Os alimentos que fornecem gordura são: manteiga, margarina, óleos, nozes, carnes vermelhas, peixes, frango e alguns derivados do leite. O excesso de calorias é estocado no organismo na forma de gordura, fornecendo uma reserva de energia ao organismo.
7 Obesidade: Condição em que há acúmulo de gorduras no organismo além do normal, mais severo que o sobrepeso. O índice de massa corporal é igual ou maior que 30.
   [Mais...]

O rituximabe é uma opção de terceira linha para miastenia1 gravis generalizada refratária com base em evidências empíricas, mas seu efeito na doença de início recente é desconhecido. O objetivo deste estudo, publicado no JAMA Neurology, foi investigar a eficácia e segurança do rituximabe em comparação com placebo2 como um complemento ao tratamento padrão para miastenia1 gravis. Neste ensaio clínico randomizado3 de 47 indivíduos, a proporção de indivíduos com manifestações mínimas da doença com apenas baixas doses de corticosteroides e sem necessidade de tratamento de resgate em 4 meses foi de 71% com rituximabe e 29% com placebo2, indicando uma diferença significativa. Dessa forma, o tratamento com rituximabe pode ser considerado precocemente após o início da miastenia1 gravis generalizada para reduzir o risco de agravamento da doença e/ou necessidade de terapias adicionais.
1 Miastenia: Perda das forças musculares ocasionada por doenças musculares inflamatórias. Por ex. Miastenia Gravis. A debilidade pode predominar em diferentes grupos musculares segundo o tipo de afecção (debilidade nos músculos extrínsecos do olho, da pelve, ou dos ombros, etc.).
2 Placebo: Preparação neutra quanto a efeitos farmacológicos, ministrada em substituição a um medicamento, com a finalidade de suscitar ou controlar as reações, geralmente de natureza psicológica, que acompanham tal procedimento terapêutico.
3 Randomizado: Ensaios clínicos comparativos randomizados são considerados o melhor delineamento experimental para avaliar questões relacionadas a tratamento e prevenção. Classicamente, são definidos como experimentos médicos projetados para determinar qual de duas ou mais intervenções é a mais eficaz mediante a alocação aleatória, isto é, randomizada, dos pacientes aos diferentes grupos de estudo. Em geral, um dos grupos é considerado controle – o que algumas vezes pode ser ausência de tratamento, placebo, ou mais frequentemente, um tratamento de eficácia reconhecida. Recursos estatísticos são disponíveis para validar conclusões e maximizar a chance de identificar o melhor tratamento. Esses modelos são chamados de estudos de superioridade, cujo objetivo é determinar se um tratamento em investigação é superior ao agente comparativo.
   [Mais...]

Pacientes que tiveram um ataque isquêmico1 transitório ou acidente vascular cerebral2 menor têm um risco aumentado de eventos cardiovasculares nos 5 anos seguintes. O objetivo deste estudo, publicado no The Lancet Neurology, foi avaliar os resultados funcionais de 5 anos em pacientes com ataque isquêmico1 transitório ou acidente vascular cerebral2 isquêmico1 menor e determinar os fatores associados à incapacidade a longo prazo. Encontrou-se uma carga substancial de incapacidade em 5 anos após ataque isquêmico1 transitório ou acidente vascular cerebral2 isquêmico1 menor, e a maioria dos preditores dessa incapacidade foram fatores de risco modificáveis. Os pacientes que fizeram exercício físico regular antes do evento índice tiveram um risco significativamente reduzido de incapacidade em 5 anos em comparação com os pacientes que não fizeram exercício.
1 Isquêmico: Relativo à ou provocado pela isquemia, que é a diminuição ou suspensão da irrigação sanguínea, numa parte do organismo, ocasionada por obstrução arterial ou por vasoconstrição.
2 Acidente vascular cerebral: Conhecido popularmente como derrame cerebral, o acidente vascular cerebral (AVC) ou encefálico é uma doença que consiste na interrupção súbita do suprimento de sangue com oxigênio e nutrientes para o cérebro, lesando células nervosas, o que pode resultar em graves conseqüências, como inabilidade para falar ou mover partes do corpo. Há dois tipos de derrame, o isquêmico e o hemorrágico.
   [Mais...]

Pesquisadores criaram um pequeno dispositivo vestível capaz de medir mudanças de tamanho em tumores cancerosos sob a pele1. Um estudo testando este novo dispositivo através de um modelo de camundongos foi publicado na revista Science Advances. Conhecido como FAST, “Sensor Autônomo Flexível Medindo Tumores”, o dispositivo vestível consiste em uma membrana elástica de polímero semelhante à pele1 incorporada com uma camada de circuitos de ouro. O sensor adere à pele1 acima de onde um tumor2 cancerígeno está localizado atualmente. O sensor também possui uma pequena “mochila” eletrônica segurando sua bateria. À medida que o tumor2 cresce ou encolhe, o sensor se estica ou se contrai junto com ele. O dispositivo mede quanta tensão o sensor experimenta e os dados são transmitidos por meio de um aplicativo de telefone celular, através do qual os médicos podem obter dados de medição ao vivo e históricos.
1 Pele: Camada externa do corpo, que o protege do meio ambiente. Composta por DERME e EPIDERME.
2 Tumor: Termo que literalmente significa massa ou formação de tecido. É utilizado em geral para referir-se a uma formação neoplásica.
   [Mais...]

Mais do que o dobro de pacientes com melanoma1 avançado previamente tratados permaneceram livres de progressão em 6 meses quando receberam seus próprios linfócitos infiltrantes de tumor2 (TILs) em vez de imunoterapia, mostrou um estudo randomizado3 apresentado no congresso anual da Sociedade Europeia de Oncologia Médica (ESMO). Os dados primários mostraram uma taxa de sobrevida4 livre de progressão de 6 meses de 52,7% com TILs versus 21,4% com ipilimumabe (Yervoy). Uma análise de subgrupo mostrou que os pacientes em quase todas as categorias clínicas e demográficas se beneficiaram dos TILs. Uma análise preliminar de sobrevida4 mostrou uma taxa de sobrevida4 global em 2 anos de 54,3% no grupo de TIL versus 44,1% no braço controle. Apesar dos possíveis problemas de produção e financiamento, os TILs podem ajudar a atender à substancial necessidade não atendida de tratamento eficaz após a progressão na imunoterapia de primeira linha.
1 Melanoma: Neoplasia maligna que deriva dos melanócitos (as células responsáveis pela produção do principal pigmento cutâneo). Mais freqüente em pessoas de pele clara e exposta ao sol.Podem derivar de manchas prévias que mudam de cor ou sangram por traumatismos mínimos, ou instalar-se em pele previamente sã.
2 Tumor: Termo que literalmente significa massa ou formação de tecido. É utilizado em geral para referir-se a uma formação neoplásica.
3 Estudo randomizado: Ensaios clínicos comparativos randomizados são considerados o melhor delineamento experimental para avaliar questões relacionadas a tratamento e prevenção. Classicamente, são definidos como experimentos médicos projetados para determinar qual de duas ou mais intervenções é a mais eficaz mediante a alocação aleatória, isto é, randomizada, dos pacientes aos diferentes grupos de estudo. Em geral, um dos grupos é considerado controle - o que algumas vezes pode ser ausência de tratamento, placebo, ou mais frequentemente, um tratamento de eficácia reconhecida. Recursos estatísticos são disponíveis para validar conclusões e maximizar a chance de identificar o melhor tratamento. Esses modelos são chamados de estudos de superioridade, cujo objetivo é determinar se um tratamento em investigação é superior ao agente comparativo.
4 Sobrevida: Prolongamento da vida além de certo limite; prolongamento da existência além da morte, vida futura.
   [Mais...]

Mostrar: 10
1 - 2 - 3 - 4 - 5 - 6 - Próximos » - >>
1 a 10 (Total: 3263)
  • Entrar
  • Receber conteúdos