news.med.br
Medical Journal - 19/11/18
Revisão sistemática e metanálise publica, no periódico The British Medical Journal (BMJ), os resultados de um ensaio clínico randomizado1 sobre o uso de terapia tripla no tratamento da doença pulmonar obstrutiva crônica.
1 Randomizado: Ensaios clínicos comparativos randomizados são considerados o melhor delineamento experimental para avaliar questões relacionadas a tratamento e prevenção. Classicamente, são definidos como experimentos médicos projetados para determinar qual de duas ou mais intervenções é a mais eficaz mediante a alocação aleatória, isto é, randomizada, dos pacientes aos diferentes grupos de estudo. Em geral, um dos grupos é considerado controle – o que algumas vezes pode ser ausência de tratamento, placebo, ou mais frequentemente, um tratamento de eficácia reconhecida. Recursos estatísticos são disponíveis para validar conclusões e maximizar a chance de identificar o melhor tratamento. Esses modelos são chamados de estudos de superioridade, cujo objetivo é determinar se um tratamento em investigação é superior ao agente comparativo.
   [Mais...]

Medical Journal - 13/11/18
Os adultos que desenvolvem hipertensão1, definida pela diretriz de pressão arterial2 do American College of Cardiology (ACC) / American Heart Association (AHA) de 2017, antes dos 40 anos, apresentam um risco maior de eventos cardiovasculares comparados àqueles que mantêm a pressão arterial2 normal? Para responder a esta pergunta foi publicado um estudo no periódico The Journal of the American Association (JAMA).
1 Hipertensão: Condição presente quando o sangue flui através dos vasos com força maior que a normal. Também chamada de pressão alta. Hipertensão pode causar esforço cardíaco, dano aos vasos sangüíneos e aumento do risco de um ataque cardíaco, derrame ou acidente vascular cerebral, além de problemas renais e morte.
2 Pressão arterial: A relação que define a pressão arterial é o produto do fluxo sanguíneo pela resistência. Considerando-se a circulação como um todo, o fluxo total é denominado débito cardíaco, enquanto a resistência é denominada de resistência vascular periférica total.
   [Mais...]

Saúde - 12/11/18
O US Department of Health and Human Services (HHS) liberou a segunda edição do "The Physical Activity Guidelines (PAG) for Americans", o qual inclui recomendações de atividades físicas para crianças a partir dos 3 anos de idade.   [Mais...]
Saúde - 08/11/18
O CFM publicou nova versão do Código de Ética Médica, que entra em vigor a partir de abril de 2019. A necessidade da atualização é adaptar o Código às recentes resoluções do CFM e à legislação vigente no país.   [Mais...]
Medical Journal - 07/11/18
Através de dados do The Framingham Heart Study, pesquisadores da Divisão de Endocrinologia, Diabetes1 e Hipertensão2 do Brigham and Women's Hospital / Harvard Medical School, em Boston, e do National Heart, Lung, and Blood Institute avaliaram a associação do cortisol sérico matutino com o desempenho cognitivo3 e a integridade estrutural do cérebro4 em adultos sem demência5.
1 Diabetes: Nome que designa um grupo de doenças caracterizadas por diurese excessiva. A mais frequente é o Diabetes mellitus, ainda que existam outras variantes (Diabetes insipidus) de doença nas quais o transtorno primário é a incapacidade dos rins de concentrar a urina.
2 Hipertensão: Condição presente quando o sangue flui através dos vasos com força maior que a normal. Também chamada de pressão alta. Hipertensão pode causar esforço cardíaco, dano aos vasos sangüíneos e aumento do risco de um ataque cardíaco, derrame ou acidente vascular cerebral, além de problemas renais e morte.
3 Desempenho cognitivo: Desempenho dos processos de aprendizagem e de aquisição de conhecimento através da percepção.
4 Cérebro: Derivado do TELENCÉFALO, o cérebro é composto dos hemisférios direito e esquerdo. Cada hemisfério contém um córtex cerebral exterior e gânglios basais subcorticais. O cérebro inclui todas as partes dentro do crânio exceto MEDULA OBLONGA, PONTE e CEREBELO. As funções cerebrais incluem as atividades sensório-motora, emocional e intelectual.
5 Demência: Deterioração irreversível e crônica das funções intelectuais de uma pessoa.
   [Mais...]

Saúde - 01/11/18
Uma equipe chefiada por Maurício Lacerda Nogueira, professor da Faculdade de Medicina de São José do Rio Preto (Famerp) e presidente da Sociedade Brasileira de Virologia, estudou a hipótese de que os primatas do novo mundo (do inglês New World Primates>/i> ou NHPs) podem desempenhar um papel importante na dinâmica urbana/periurbana do vírus1 da Zika.
1 Vírus: Pequeno microorganismo capaz de infectar uma célula de um organismo superior e replicar-se utilizando os elementos celulares do hospedeiro. São capazes de causar múltiplas doenças, desde um resfriado comum até a AIDS.
   [Mais...]

Medical Journal - 31/10/18
A exposição pré-natal ao ftalato está associada ao desenvolvimento da linguagem em crianças com 30 a 37 meses de idade? Neste estudo de coorte1 com dados de dois estudos independentes, que incluíram um total de 1.333 pares mãe-filho, a exposição ao dibutil ftalato e ao butil benzil ftalato durante a gravidez2 foi significativamente associada ao atraso da linguagem em crianças em idade pré-escolar.
1 Estudo de coorte: Um estudo de coorte é realizado para verificar se indivíduos expostos a um determinado fator apresentam, em relação aos indivíduos não expostos, uma maior propensão a desenvolver uma determinada doença. Um estudo de coorte é constituído, em seu início, de um grupo de indivíduos, denominada coorte, em que todos estão livres da doença sob investigação. Os indivíduos dessa coorte são classificados em expostos e não-expostos ao fator de interesse, obtendo-se assim dois grupos (ou duas coortes de comparação). Essas coortes serão observadas por um período de tempo, verificando-se quais indivíduos desenvolvem a doença em questão. Os indivíduos expostos e não-expostos devem ser comparáveis, ou seja, semelhantes quanto aos demais fatores, que não o de interesse, para que as conclusões obtidas sejam confiáveis.
2 Gravidez: Condição de ter um embrião ou feto em desenvolvimento no trato reprodutivo feminino após a união de ovo e espermatozóide.
   [Mais...]

Medical Journal - 30/10/18
O projeto de estudos The Premenopausal Breast Cancer1 Collaborative Group, do National Cancer1 Institute Cohort Consortium, pesquisou qual é a associação entre o índice de massa corporal2 e o risco de câncer1 de mama3 diagnosticado antes da menopausa4, e encontrou uma associação inversa do risco de câncer1 de mama3 com o índice de massa corporal2, entre 18 e 54 anos, mais fortemente para o índice de massa corporal2 entre 18 e 24 anos.
1 Câncer: Crescimento anormal de um tecido celular capaz de invadir outros órgãos localmente ou à distância (metástases).
2 Índice de massa corporal: Medida usada para avaliar se uma pessoa está abaixo do peso, com peso normal, com sobrepeso ou obesa. É a medida mais usada na prática para saber se você é considerado obeso ou não. Também conhecido como IMC. É calculado dividindo-se o peso corporal em quilogramas pelo quadrado da altura em metros. Existe uma tabela da Organização Mundial de Saúde que classifica as medidas de acordo com o resultado encontrado.
3 Mama: Em humanos, uma das regiões pareadas na porção anterior do TÓRAX. As mamas consistem das GLÂNDULAS MAMÁRIAS, PELE, MÚSCULOS, TECIDO ADIPOSO e os TECIDOS CONJUNTIVOS.
4 Menopausa: Estado fisiológico caracterizado pela interrupção dos ciclos menstruais normais, acompanhada de alterações hormonais em mulheres após os 45 anos.
   [Mais...]

Medical Journal - 26/10/18
Ruth F. Itzhaki, do Nuffield Department of Clinical Neurosciences, Universidade de Oxford, no Reino Unido, e demais colaboradores estudaram o papel do vírus1 herpes simplex tipo 1 na doença de Alzheimer2 e publicaram seus resultados em uma revisão na revista Frontier Aging Neuroscience.
1 Vírus: Pequeno microorganismo capaz de infectar uma célula de um organismo superior e replicar-se utilizando os elementos celulares do hospedeiro. São capazes de causar múltiplas doenças, desde um resfriado comum até a AIDS.
2 Doença de Alzheimer: É uma doença progressiva, de causa e tratamentos ainda desconhecidos que acomete preferencialmente as pessoas idosas. É uma forma de demência. No início há pequenos esquecimentos, vistos pelos familiares como parte do processo normal de envelhecimento, que se vão agravando gradualmente. Os pacientes tornam-se confusos e por vezes agressivos, passando a apresentar alterações da personalidade, com distúrbios de conduta e acabam por não reconhecer os próprios familiares e até a si mesmos quando colocados frente a um espelho. Tornam-se cada vez mais dependentes de terceiros, iniciam-se as dificuldades de locomoção, a comunicação inviabiliza-se e passam a necessitar de cuidados e supervisão integral, até mesmo para as atividades elementares como alimentação, higiene, vestuário, etc..
   [Mais...]

Medical Journal - 24/10/18
Com o objetivo de estimar os riscos para as principais malformações1 congênitas2 associadas à exposição aos β-bloqueadores no primeiro trimestre da gestação foi realizado um estudo de coorte3 publicado pelo Annals of Internal Medicine.
1 Malformações: 1. Defeito na forma ou na formação; anomalia, aberração, deformação. 2. Em patologia, é vício de conformação de uma parte do corpo, de origem congênita ou hereditária, geralmente curável por cirurgia. Ela é diferente da deformação (que é adquirida) e da monstruosidade (que é incurável).
2 Congênitas: 1. Em biologia, o que é característico do indivíduo desde o nascimento ou antes do nascimento; conato. 2. Que se manifesta espontaneamente; inato, natural, infuso. 3. Que combina bem com; apropriado, adequado. 4. Em termos jurídicos, é o que foi adquirido durante a vida fetal ou embrionária; nascido com o indivíduo. Por exemplo, um defeito congênito.
3 Estudo de coorte: Um estudo de coorte é realizado para verificar se indivíduos expostos a um determinado fator apresentam, em relação aos indivíduos não expostos, uma maior propensão a desenvolver uma determinada doença. Um estudo de coorte é constituído, em seu início, de um grupo de indivíduos, denominada coorte, em que todos estão livres da doença sob investigação. Os indivíduos dessa coorte são classificados em expostos e não-expostos ao fator de interesse, obtendo-se assim dois grupos (ou duas coortes de comparação). Essas coortes serão observadas por um período de tempo, verificando-se quais indivíduos desenvolvem a doença em questão. Os indivíduos expostos e não-expostos devem ser comparáveis, ou seja, semelhantes quanto aos demais fatores, que não o de interesse, para que as conclusões obtidas sejam confiáveis.
   [Mais...]

Mostrar: 10
1 - 2 - 3 - 4 - 5 - 6 - > - >>
1 a 10 (Total: 2076)
  • Entrar
  • Assinar