news.med.br
Medical Journal - 22/10/21
A disponibilidade de L-arginina em tumores é um determinante chave de uma resposta antitumoral de células1 T eficiente. Neste estudo, publicado na revista Nature, pesquisadores usaram uma abordagem de biologia sintética para desenvolver uma cepa2 probiótica projetada de Escherichia coli Nissle 1917 que coloniza tumores e converte continuamente amônia, um produto residual metabólico que se acumula em tumores, em L-arginina. A colonização de tumores com essas bactérias aumentou as concentrações intratumorais de L-arginina, aumentou o número de células1 T que se infiltram no tumor3 e teve efeitos sinérgicos marcados com anticorpos4 bloqueadores de PD-L1 na eliminação de tumores. Estes resultados mostram que as terapias microbianas projetadas permitem a modulação metabólica do microambiente tumoral, levando a uma maior eficácia das imunoterapias.
1 Células: Unidades (ou subunidades) funcionais e estruturais fundamentais dos organismos vivos. São compostas de CITOPLASMA (com várias ORGANELAS) e limitadas por uma MEMBRANA CELULAR.
2 Cepa: Cepa ou estirpe é um termo da biologia e da genética que se refere a um grupo de descendentes com um ancestral comum que compartilham semelhanças morfológicas e/ou fisiológicas.
3 Tumor: Termo que literalmente significa massa ou formação de tecido. É utilizado em geral para referir-se a uma formação neoplásica.
4 Anticorpos: Proteínas produzidas pelo organismo para se proteger de substâncias estranhas como bactérias ou vírus. As pessoas que têm diabetes tipo 1 produzem anticorpos que destroem as células beta produtoras de insulina do próprio organismo.
   [Mais...]

Medical Journal - 22/10/21
O primeiro mapa de como as proteínas1 interagem no câncer2 destaca mutações anteriormente negligenciadas que poderiam ser direcionadas para terapia. Em um estudo publicado na revista Science, pesquisadores desenvolveram um mapa que examinou como várias dezenas de proteínas1 comuns do câncer2 interagem no câncer2 de mama3 e de cabeça4 e pescoço5. Para o câncer2 de cabeça4 e pescoço5, a equipe encontrou 771 interações de proteínas1 envolvendo cerca de 650 proteínas1 – e 84% das interações nunca haviam sido relatadas antes. Esse mapa da rede de proteínas1 do câncer2 de cabeça4 e pescoço5 revelou sensibilidade da mutação6 do gene PIK3CA a medicamentos. Os pesquisadores delinearam assim uma estrutura para elucidar a complexidade genética do tumor7 por meio de mapas de interação proteína-proteína multidimensionais. Essas interações podem revelar novos mecanismos de patogênese8 do câncer2, instruir a seleção de alvos terapêuticos e informar quais mutações pontuais no tumor7 são mais prováveis de responder ao tratamento.
1 Proteínas: Um dos três principais nutrientes dos alimentos. Alimentos que fornecem proteína incluem carne vermelha, frango, peixe, queijos, leite, derivados do leite, ovos.
2 Câncer: Crescimento anormal de um tecido celular capaz de invadir outros órgãos localmente ou à distância (metástases).
3 Mama: Em humanos, uma das regiões pareadas na porção anterior do TÓRAX. As mamas consistem das GLÂNDULAS MAMÁRIAS, PELE, MÚSCULOS, TECIDO ADIPOSO e os TECIDOS CONJUNTIVOS.
4 Cabeça:
5 Pescoço:
6 Mutação: 1. Ato ou efeito de mudar ou mudar-se. Alteração, modificação, inconstância. Tendência, facilidade para mudar de ideia, atitude etc. 2. Em genética, é uma alteração súbita no genótipo de um indivíduo, sem relação com os ascendentes, mas passível de ser herdada pelos descendentes.
7 Tumor: Termo que literalmente significa massa ou formação de tecido. É utilizado em geral para referir-se a uma formação neoplásica.
8 Patogênese: Modo de origem ou de evolução de qualquer processo mórbido; nosogenia, patogênese, patogenesia.
   [Mais...]

Saúde - 21/10/21
Trinta anos atrás, o MRC Vitamin Study Research Group, liderado pelo professor Sir Nicholas Wald, relatou que a suplementação1 de ácido fólico para mulheres na época da concepção2 reduziu o risco de graves defeitos do tubo neural3 (como anencefalia, espinha bífida4 e encefalocele5) em seus bebês6. Esse estudo levou à introdução da fortificação obrigatória com ácido fólico de alimentos básicos como a farinha em mais de 80 países, em um esforço para reduzir a incidência7 de defeitos do tubo neural3. Agora, o governo do Reino Unido anunciou que introduzirá a fortificação obrigatória da farinha de trigo não integral com ácido fólico. Adicionar ácido fólico significará que alimentos feitos com farinha, como pão, ajudarão ativamente a evitar cerca de 200 defeitos do tubo neural3 a cada ano – cerca de 20% do total anual do Reino Unido.
1 Suplementação: Que serve de suplemento para suprir o que falta, que completa ou amplia.
2 Concepção: O início da gravidez.
3 Tubo neural: Estrutura embrionária que dará origem ao cérebro e à medula espinhal. Durante a gestação humana, o tubo neural dá origem a três vesículas: romboencéfalo, mesencéfalo e prosencéfalo.
4 Espinha bífida: Também conhecida como mielomeningocele, a espinha bífida trata-se de um problema congênito. Ela é caracterizada pela má formação no tubo neural do feto, a qual ocorre nas três primeiras semanas de gravidez, quando a mulher ainda não sabe que está grávida. Esta malformação pode comprometer as funções de locomoção, controle urinário e intestinal, dentre outras.
5 Encefalocele: Defeito de fechamento do tubo neural, o qual pode ocorrer em qualquer local da região dorsal do embrião em gestação. Quando ocorre na região da cabeça recebe o nome de encefalocele. Há um herniação do tecido cerebral devido a um defeito congênito ou adquirido.
6 Bebês: Lactentes. Inclui o período neonatal e se estende até 1 ano de idade (12 meses).
7 Incidência: Medida da freqüência em que uma doença ocorre. Número de casos novos de uma doença em um certo grupo de pessoas por um certo período de tempo.
   [Mais...]

Medical Journal - 20/10/21
A dor crônica nas costas1 é uma das principais causas de incapacidade e o tratamento costuma ser ineficaz. O objetivo deste estudo, publicado no JAMA Psychiatry, foi testar se um tratamento psicológico baseado em terapia de reprocessamento da dor fornece alívio substancial e durável da dor crônica nas costas1 primária. Foi demonstrado que o tratamento psicológico centrado na mudança das crenças dos pacientes sobre as causas e o valor da ameaça da dor pode fornecer alívio substancial e durável da dor para pessoas com dor crônica nas costas1. Os efeitos do tratamento na dor foram mediados por crenças reduzidas de que a dor indica dano ao tecido2, e a ressonância magnética3 funcional longitudinal mostrou respostas pré-frontais reduzidas à dor nas costas1 evocada e aumento da conectividade pré-frontal-somatossensorial em repouso em pacientes randomizados para tratamento em relação a pacientes randomizados para placebo4 ou tratamento usual.
1 Costas:
2 Tecido: Conjunto de células de características semelhantes, organizadas em estruturas complexas para cumprir uma determinada função. Exemplo de tecido: o tecido ósseo encontra-se formado por osteócitos dispostos em uma matriz mineral para cumprir funções de sustentação.
3 Ressonância magnética: Exame que fornece imagens em alta definição dos órgãos internos do corpo através da utilização de um campo magnético.
4 Placebo: Preparação neutra quanto a efeitos farmacológicos, ministrada em substituição a um medicamento, com a finalidade de suscitar ou controlar as reações, geralmente de natureza psicológica, que acompanham tal procedimento terapêutico.
   [Mais...]

Novos medicamentos - 20/10/21
O atogepant (Qulipta) se tornou o primeiro antagonista1 do receptor do peptídeo relacionado ao gene da calcitonina2 (CGRP) (gepant) oral desenvolvido especificamente para a prevenção da enxaqueca3 a obter a aprovação da Food and Drug Administration (FDA) dos Estados Unidos, anunciou a empresa biofarmacêutica AbbVie, que desenvolveu o medicamento. O atogepant ganhou aprovação para a prevenção da enxaqueca3 episódica em adultos. A aprovação é apoiada por dados de um programa clínico robusto que avalia a eficácia, segurança e tolerabilidade de Qulipta em cerca de 2.000 doentes com 4 a 14 dias de enxaqueca3 por mês. O ensaio clínico demonstrou que os pacientes tratados com 60 mg de Qulipta ao longo de 12 semanas tiveram uma redução de 4,2 dias em relação ao valor basal de 7,8. O Qulipta fornece uma opção de tratamento oral simples desenvolvida especificamente para prevenir ataques de enxaqueca3 e direcionar o CGRP, que se acredita estar crucialmente envolvido na enxaqueca3 em muitos pacientes.
1 Antagonista: 1. Opositor. 2. Adversário. 3. Em anatomia geral, que ou o que, numa mesma região anatômica ou função fisiológica, trabalha em sentido contrário (diz-se de músculo). 4. Em medicina, que realiza movimento contrário ou oposto a outro (diz-se de músculo). 5. Em farmácia, que ou o que tende a anular a ação de outro agente (diz-se de agente, medicamento etc.). Agem como bloqueadores de receptores. 6. Em odontologia, que se articula em oposição (diz-se de ou qualquer dente em relação ao da maxila oposta).
2 Calcitonina: Hormônio secretado pela glândula tireoide que inibe a perda de cálcio dos ossos.
3 Enxaqueca: Sinônimo de migrânea. É a cefaléia cuja prevalência varia de 10 a 20% da população. Ocorre principalmente em mulheres com uma proporção homem:mulher de 1:2-3. As razões para esta preponderância feminina ainda não estão bem entendidas, mas suspeita-se de alguma relação com o hormônio feminino. Resulta da pressão exercida por vasos sangüíneos dilatados no tecido nervoso cerebral subjacente. O tratamento da enxaqueca envolve normalmente drogas vaso-constritoras para aliviar esta pressão. No entanto, esta medicamentação pode causar efeitos secundários no sistema circulatório e é desaconselhada a pessoas com problemas cardiológicos.
   [Mais...]

Medical Journal - 19/10/21
A resistência aos antibióticos é uma ameaça global à saúde1 pública. Os antibióticos são muito comumente prescritos para crianças que apresentam infecções2 do trato respiratório inferior (ITRIs) não complicadas, mas há pouca evidência de ensaios clínicos3 randomizados sobre a eficácia dos antibióticos nestes casos. Neste estudo, publicado no The Lancet, as durações medianas dos sintomas4 moderadamente ruins ou piores em crianças que receberam amoxicilina ou placebo5 para uma ITRI foram semelhantes (5 dias no grupo de antibióticos vs 6 dias no grupo de placebo5). É improvável que a amoxicilina para infecções2 torácicas não complicadas em crianças seja clinicamente eficaz, tanto em geral quanto para subgrupos-chave para os quais os antibióticos são comumente prescritos. A menos que haja suspeita de pneumonia6, os médicos devem fornecer conselhos sobre proteção, mas não prescrever antibióticos para a maioria das crianças que apresentam infecções2 torácicas.
1 Saúde: 1. Estado de equilíbrio dinâmico entre o organismo e o seu ambiente, o qual mantém as características estruturais e funcionais do organismo dentro dos limites normais para sua forma de vida e para a sua fase do ciclo vital. 2. Estado de boa disposição física e psíquica; bem-estar. 3. Brinde, saudação que se faz bebendo à saúde de alguém. 4. Força física; robustez, vigor, energia.
2 Infecções: Doença produzida pela invasão de um germe (bactéria, vírus, fungo, etc.) em um organismo superior. Como conseqüência da mesma podem ser produzidas alterações na estrutura ou funcionamento dos tecidos comprometidos, ocasionando febre, queda do estado geral, e inúmeros sintomas que dependem do tipo de germe e da reação imunológica perante o mesmo.
3 Ensaios clínicos: Há três fases diferentes em um ensaio clínico. A Fase 1 é o primeiro teste de um tratamento em seres humanos para determinar se ele é seguro. A Fase 2 concentra-se em saber se um tratamento é eficaz. E a Fase 3 é o teste final antes da aprovação para determinar se o tratamento tem vantagens sobre os tratamentos padrões disponíveis.
4 Sintomas: Alterações da percepção normal que uma pessoa tem de seu próprio corpo, do seu metabolismo, de suas sensações, podendo ou não ser um indício de doença. Os sintomas são as queixas relatadas pelo paciente mas que só ele consegue perceber. Sintomas são subjetivos, sujeitos à interpretação pessoal. A variabilidade descritiva dos sintomas varia em função da cultura do indivíduo, assim como da valorização que cada pessoa dá às suas próprias percepções.
5 Placebo: Preparação neutra quanto a efeitos farmacológicos, ministrada em substituição a um medicamento, com a finalidade de suscitar ou controlar as reações, geralmente de natureza psicológica, que acompanham tal procedimento terapêutico.
6 Pneumonia: Inflamação do parênquima pulmonar. Sua causa mais freqüente é a infecção bacteriana, apesar de que pode ser produzida por outros microorganismos. Manifesta-se por febre, tosse, expectoração e dor torácica. Em pacientes idosos ou imunodeprimidos pode ser uma doença fatal.
   [Mais...]

Medical Journal - 19/10/21
Embora a doença cardíaca congênita1 (DCC) seja conhecida por estar associada ao comprometimento cognitivo2 em crianças, as formas mais graves da doença resultam em piores desfechos neurocognitivos, de acordo com um estudo publicado na revista Pediatrics. Crianças com Síndrome3 de Hipoplasia4 do Coração5 Esquerdo e coração5 univentricular tiveram escores médios de QI6 significativamente mais baixos, em 88,47 e 92,65, respectivamente, em comparação com aquelas com subtipos mais leves de DCC, como defeito do septo atrial ou defeito do septo ventricular, que tinham um QI6 médio de 98,51. Quando comparado com grupos de pares saudáveis, o déficit de QI6 em crianças com DCC foi mais pronunciado, com uma diferença média de -9,9 pontos. O estudo concluiu que deficiências intelectuais na doença cardíaca congênita1 são frequentes, com gravidade e trajetória dependendo do subtipo de DCC.
1 Congênita: 1. Em biologia, o que é característico do indivíduo desde o nascimento ou antes do nascimento; conato. 2. Que se manifesta espontaneamente; inato, natural, infuso. 3. Que combina bem com; apropriado, adequado. 4. Em termos jurídicos, é o que foi adquirido durante a vida fetal ou embrionária; nascido com o indivíduo. Por exemplo, um defeito congênito.
2 Cognitivo: 1. Relativo ao conhecimento, à cognição. 2. Relativo ao processo mental de percepção, memória, juízo e/ou raciocínio. 3. Diz-se de estados e processos relativos à identificação de um saber dedutível e à resolução de tarefas e problemas determinados. 4. Diz-se dos princípios classificatórios derivados de constatações, percepções e/ou ações que norteiam a passagem das representações simbólicas à experiência, e também da organização hierárquica e da utilização no pensamento e linguagem daqueles mesmos princípios.
3 Síndrome: Conjunto de sinais e sintomas que se encontram associados a uma entidade conhecida ou não.
4 Hipoplasia: Desenvolvimento defeituoso ou incompleto de tecido ou órgão, geralmente por diminuição do número de células, sendo menos grave que a aplasia.
5 Coração: Órgão muscular, oco, que mantém a circulação sangüínea.
6 QI: O QI é utilizado para dimensionar a inteligência humana em relação à faixa etária a que um sujeito pertence. Em 1905, os franceses Alfred Binet e Theodore Simon desenvolveram uma ferramenta para avaliar os potenciais cognitivos dos estudantes, tentando detectar entre eles aqueles que precisavam de um auxílio maior de seus mestres, criando a Escala de Binet-Simon. Outros estudiosos aperfeiçoaram esta metodologia. William Stern foi quem, em 1912, propôs o termo “QI“. O Quociente de Inteligência é a razão entre a Idade Mental e a Cronológica, multiplicada por 100 para se evitar a utilização dos decimais. Seguindo-se este indicador, é possível avaliar se um infante é precoce ou se apresenta algum retardamento no aprendizado. Os que apresentam o quociente em torno de 100 são considerados normais, os acima deste resultado revelam-se precoces e os que alcançam um valor mais inferior (cerca de 70) são classificados como retardados. Uma alta taxa de QI não indica que o indivíduo seja mentalmente são, ou mesmo feliz, e também não avalia outros potenciais e capacidades, tais como as artísticas e as de natureza espiritual. O QI mede bem os talentos linguísticos, os pensamentos lógicos, matemáticos e analíticos, a facilidade de abstração em construções teóricas, o desenvolvimento escolar, o saber acadêmico acumulado ao longo do tempo. Os grandes gênios do passado, avaliados dessa forma, apresentavam uma taxa de aproximadamente 180, o que caracteriza um superdotado.
   [Mais...]

Medical Journal - 18/10/21
Pessoas que param de tomar antidepressivos porque sentem que não precisam mais deles podem correr o risco de uma recaída na depressão, mostrou um estudo publicado no The New England Journal of Medicine. Analisou-se 478 pessoas no Reino Unido que tomavam um antidepressivo e que consideravam parar de tomar os comprimidos. Cerca de metade foi escolhida aleatoriamente para continuar, enquanto o restante recebeu comprimidos de placebo1 em vez de seus comprimidos habituais. Depois de um ano, 56% das pessoas que receberam placebo1 viram a depressão voltar, em comparação com 39% daquelas que continuaram tomando o medicamento. Dito de outra forma, para cada 10 pessoas que avaliam a decisão de parar de tomar antidepressivos, cerca de quatro recaem e pouco mais de quatro ficam livres da depressão, qualquer que seja o curso que decidam tomar.
1 Placebo: Preparação neutra quanto a efeitos farmacológicos, ministrada em substituição a um medicamento, com a finalidade de suscitar ou controlar as reações, geralmente de natureza psicológica, que acompanham tal procedimento terapêutico.
   [Mais...]

Medical Journal - 18/10/21
Um estudo de coorte1 holandês avaliou três medidas substitutas para resistência à insulina2 e mostrou uma ligação significativa delas com o desenvolvimento de um transtorno depressivo maior durante um período de acompanhamento de 9 anos. Conforme mostrado no estudo publicado no American Journal of Psychiatry, uma maior razão triglicerídeos / HDL3 foi associada a um risco 89% maior de desenvolver depressão maior incidente4. Além disso, os indivíduos com pré-diabetes5 tiveram um aumento de 37% no risco de depressão maior. E a adiposidade central foi associada a um risco aumentado de 11% para depressão. O desenvolvimento de pré-diabetes5 entre a inscrição e a consulta de 2 anos do estudo foi associado a um risco mais do que duas vezes maior de depressão maior. Esses achados podem ter utilidade para avaliar o risco de desenvolvimento de depressão maior entre pacientes com resistência à insulina2 ou patologia6 metabólica.
1 Estudo de coorte: Um estudo de coorte é realizado para verificar se indivíduos expostos a um determinado fator apresentam, em relação aos indivíduos não expostos, uma maior propensão a desenvolver uma determinada doença. Um estudo de coorte é constituído, em seu início, de um grupo de indivíduos, denominada coorte, em que todos estão livres da doença sob investigação. Os indivíduos dessa coorte são classificados em expostos e não-expostos ao fator de interesse, obtendo-se assim dois grupos (ou duas coortes de comparação). Essas coortes serão observadas por um período de tempo, verificando-se quais indivíduos desenvolvem a doença em questão. Os indivíduos expostos e não-expostos devem ser comparáveis, ou seja, semelhantes quanto aos demais fatores, que não o de interesse, para que as conclusões obtidas sejam confiáveis.
2 Resistência à insulina: Inabilidade do corpo para responder e usar a insulina produzida. A resistência à insulina pode estar relacionada à obesidade, hipertensão e altos níveis de colesterol no sangue.
3 HDL: Abreviatura utilizada para denominar um tipo de proteína encarregada de transportar o colesterol sanguíneo, que se relaciona com menor risco cardiovascular. Também é conhecido como “Bom Colesterol”. Seus valores normais são de 35-50mg/dl.
4 Incidente: 1. Que incide, que sobrevém ou que tem caráter secundário; incidental. 2. Acontecimento imprevisível que modifica o desenrolar normal de uma ação. 3. Dificuldade passageira que não modifica o desenrolar de uma operação, de uma linha de conduta.
5 Pré-diabetes: Condição em que um teste de glicose, feito após 8 a 12 horas de jejum, mostra um nível de glicose mais alto que o normal mas não tão alto para um diagnóstico de diabetes. A medida está entre 100 mg/dL e 125 mg/dL. A maioria das pessoas com pré-diabetes têm um risco aumentado de desenvolver diabetes tipo 2.
6 Patologia: 1. Especialidade médica que estuda as doenças e as alterações que estas provocam no organismo. 2. Qualquer desvio anatômico e/ou fisiológico, em relação à normalidade, que constitua uma doença ou caracterize determinada doença. 3. Por extensão de sentido, é o desvio em relação ao que é próprio ou adequado ou em relação ao que é considerado como o estado normal de uma coisa inanimada ou imaterial.
   [Mais...]

Medical Journal - 15/10/21
Encontrar um tratamento para a dengue1, a doença viral transmitida por mosquitos mais prevalente em humanos, tem sido difícil. Agora, um composto denominado JNJ-A07 apresentou atividade promissora contra o vírus2 da dengue1 em modelos de infecção3 em camundongos. O inibidor do vírus2 da dengue1 foi descrito em um estudo publicado na Nature, e interfere na replicação do vírus2 ao bloquear a interação de duas proteínas4 virais (NS3 e NS4B), revelando um mecanismo inteiramente novo de ação antiviral. O JNJ-A07 se mostrou altamente potente e exerce atividade nanomolar a picomolar contra um painel de 21 isolados clínicos que representam a diversidade genética natural de genótipos e sorotipos da dengue1 conhecidos. O composto tem um perfil de segurança favorável em camundongos e ratos, e mostrou reduzir a carga viral em modelos de infecção3 de camundongos quando administrado por via oral, tanto como prevenção quanto como tratamento.
1 Dengue: Infecção viral aguda transmitida para o ser humano através da picada do mosquito Aedes aegypti, freqüente em regiões de clima quente. Caracteriza-se por apresentar febre, cefaléia, dores musculares e articulares e uma erupção cutânea característica. Existe uma variedade de dengue que é potencialmente fatal, chamada dengue hemorrágica.
2 Vírus: Pequeno microorganismo capaz de infectar uma célula de um organismo superior e replicar-se utilizando os elementos celulares do hospedeiro. São capazes de causar múltiplas doenças, desde um resfriado comum até a AIDS.
3 Infecção: Doença produzida pela invasão de um germe (bactéria, vírus, fungo, etc.) em um organismo superior. Como conseqüência da mesma podem ser produzidas alterações na estrutura ou funcionamento dos tecidos comprometidos, ocasionando febre, queda do estado geral, e inúmeros sintomas que dependem do tipo de germe e da reação imunológica perante o mesmo.
4 Proteínas: Um dos três principais nutrientes dos alimentos. Alimentos que fornecem proteína incluem carne vermelha, frango, peixe, queijos, leite, derivados do leite, ovos.
   [Mais...]

Mostrar: 10
1 - 2 - 3 - 4 - 5 - 6 - Próximos » - >>
1 a 10 (Total: 2910)
  • Entrar
  • Receber conteúdos