news.med.br
Saúde - 13/05/22
Mulheres com histórico de enxaqueca1 apresentaram maiores riscos de complicações na gravidez2, mostraram dados do grande estudo prospectivo3 Nurses' Health Study II. Em modelos ajustados para idade, adiposidade e fatores comportamentais e de saúde4, as mulheres com enxaqueca1 pré-gravidez2 tiveram maiores riscos de parto prematuro, hipertensão5 gestacional e pré-eclâmpsia6 em comparação com mulheres que não tiveram enxaqueca1 pré-gravidez2, relataram os pesquisadores em uma apresentação na reunião anual de 2022 da American Academy of Neurology. Em comparação com mulheres sem enxaqueca1 antes da gestação, o risco de pré-eclâmpsia6 foi maior entre aquelas que tiveram enxaqueca1 com aura versus enxaqueca1 sem aura. Essas descobertas sugerem que o histórico de enxaqueca1 antes da gravidez2 pressagia um risco aumentado de pré-eclâmpsia6 e outras complicações e pode ser um fator clinicamente importante para os médicos considerarem ao avaliar e gerenciar os riscos obstétricos.
1 Enxaqueca: Sinônimo de migrânea. É a cefaléia cuja prevalência varia de 10 a 20% da população. Ocorre principalmente em mulheres com uma proporção homem:mulher de 1:2-3. As razões para esta preponderância feminina ainda não estão bem entendidas, mas suspeita-se de alguma relação com o hormônio feminino. Resulta da pressão exercida por vasos sangüíneos dilatados no tecido nervoso cerebral subjacente. O tratamento da enxaqueca envolve normalmente drogas vaso-constritoras para aliviar esta pressão. No entanto, esta medicamentação pode causar efeitos secundários no sistema circulatório e é desaconselhada a pessoas com problemas cardiológicos.
2 Gravidez: Condição de ter um embrião ou feto em desenvolvimento no trato reprodutivo feminino após a união de ovo e espermatozóide.
3 Prospectivo: 1. Relativo ao futuro. 2. Suposto, possível; esperado. 3. Relativo à preparação e/ou à previsão do futuro quanto à economia, à tecnologia, ao plano social etc. 4. Em geologia, é relativo à prospecção.
4 Saúde: 1. Estado de equilíbrio dinâmico entre o organismo e o seu ambiente, o qual mantém as características estruturais e funcionais do organismo dentro dos limites normais para sua forma de vida e para a sua fase do ciclo vital. 2. Estado de boa disposição física e psíquica; bem-estar. 3. Brinde, saudação que se faz bebendo à saúde de alguém. 4. Força física; robustez, vigor, energia.
5 Hipertensão: Condição presente quando o sangue flui através dos vasos com força maior que a normal. Também chamada de pressão alta. Hipertensão pode causar esforço cardíaco, dano aos vasos sangüíneos e aumento do risco de um ataque cardíaco, derrame ou acidente vascular cerebral, além de problemas renais e morte.
6 Pré-eclâmpsia: É caracterizada por hipertensão, edema (retenção de líquidos) e proteinúria (presença de proteína na urina). Manifesta-se na segunda metade da gravidez (após a 20a semana de gestação) e pode evoluir para convulsão e coma, mas essas condições melhoram com a saída do feto e da placenta. No meio médico, o termo usado é Moléstia Hipertensiva Específica da Gravidez. É a principal causa de morte materna no Brasil atualmente.
   [Mais...]

Medical Journal - 25/04/22
O impacto da exposição a corticosteroides no útero1 no risco de comprometimento neurológico a longo prazo variou de acordo com o momento do nascimento, de acordo com uma revisão sistemática e metanálise publicada no JAMA Pediatrics. Crianças com parto prematuro extremo que foram expostas a um único ciclo de corticosteroides antenatais tiveram um risco significativamente reduzido de desenvolver resultados adversos de longo prazo no desenvolvimento neurológico. Mas para crianças com parto prematuro tardio, a exposição a corticosteroides antenatais foi associada a um risco modestamente aumentado de investigação para distúrbios neurocognitivos. Já os bebês2 nascidos a termo que foram expostos a corticosteroides no útero1 tiveram um risco significativamente aumentado de desenvolver transtornos mentais ou comportamentais e distúrbios neurocognitivos comprovados ou suspeitos. Os resultados sugerem uma necessidade de cautela na administração de corticosteroides antenatais.
1 Útero: Orgão muscular oco (de paredes espessas), na pelve feminina. Constituído pelo fundo (corpo), local de IMPLANTAÇÃO DO EMBRIÃO e DESENVOLVIMENTO FETAL. Além do istmo (na extremidade perineal do fundo), encontra-se o COLO DO ÚTERO (pescoço), que se abre para a VAGINA. Além dos istmos (na extremidade abdominal superior do fundo), encontram-se as TUBAS UTERINAS.
2 Bebês: Lactentes. Inclui o período neonatal e se estende até 1 ano de idade (12 meses).
   [Mais...]

Medical Journal - 16/05/22
Uma análise recente de pacientes com diabetes tipo 21 descobriu que aqueles com comprometimento cognitivo2 estavam em maior risco de desfechos cardiovasculares adversos. Os resultados do estudo, publicados no The Journal of Clinical Endocrinology & Metabolism, sugerem que a presença de comprometimento cognitivo2 entre pacientes com diabetes3 foi associada a um risco 1,6 vezes maior de eventos cardiovasculares adversos maiores e um risco 1,8 vezes maior de acidente vascular cerebral4 ou mortalidade5 em comparação com os seus homólogos sem comprometimento cognitivo2. O estudo avaliou se a relação entre escores cognitivos6 baixos e maior risco de desfechos cardiovasculares é mais forte com o uso de novos índices cognitivos6. Foi demonstrado que a média geométrica do comprometimento cognitivo2 substantivo padronizada pelo país foi um forte preditor independente de eventos cardiovasculares em pessoas com diabetes tipo 21 no estudo REWIND.
1 Diabetes tipo 2: Condição caracterizada por altos níveis de glicose causada tanto por graus variáveis de resistência à insulina quanto por deficiência relativa na secreção de insulina. O tipo 2 se desenvolve predominantemente em pessoas na fase adulta, mas pode aparecer em jovens.
2 Cognitivo: 1. Relativo ao conhecimento, à cognição. 2. Relativo ao processo mental de percepção, memória, juízo e/ou raciocínio. 3. Diz-se de estados e processos relativos à identificação de um saber dedutível e à resolução de tarefas e problemas determinados. 4. Diz-se dos princípios classificatórios derivados de constatações, percepções e/ou ações que norteiam a passagem das representações simbólicas à experiência, e também da organização hierárquica e da utilização no pensamento e linguagem daqueles mesmos princípios.
3 Diabetes: Nome que designa um grupo de doenças caracterizadas por diurese excessiva. A mais frequente é o Diabetes mellitus, ainda que existam outras variantes (Diabetes insipidus) de doença nas quais o transtorno primário é a incapacidade dos rins de concentrar a urina.
4 Acidente vascular cerebral: Conhecido popularmente como derrame cerebral, o acidente vascular cerebral (AVC) ou encefálico é uma doença que consiste na interrupção súbita do suprimento de sangue com oxigênio e nutrientes para o cérebro, lesando células nervosas, o que pode resultar em graves conseqüências, como inabilidade para falar ou mover partes do corpo. Há dois tipos de derrame, o isquêmico e o hemorrágico.
5 Mortalidade: A taxa de mortalidade ou coeficiente de mortalidade é um dado demográfico do número de óbitos, geralmente para cada mil habitantes em uma dada região, em um determinado período de tempo.
6 Cognitivos: 1. Relativo ao conhecimento, à cognição. 2. Relativo ao processo mental de percepção, memória, juízo e/ou raciocínio. 3. Diz-se de estados e processos relativos à identificação de um saber dedutível e à resolução de tarefas e problemas determinados. 4. Diz-se dos princípios classificatórios derivados de constatações, percepções e/ou ações que norteiam a passagem das representações simbólicas à experiência, e também da organização hierárquica e da utilização no pensamento e linguagem daqueles mesmos princípios.
   [Mais...]

Medical Journal - 21/03/22
Em uma ampla metanálise de dados de mais de 175 estudos, incluindo mais de 4 milhões de pacientes, publicada no European Heart Journal, os resultados sugerem que a prevalência1 de intolerância às estatinas pode ser menor do que se pensava anteriormente. Aproveitando os dados de mais de 100 ensaios clínicos2 randomizados e 60 estudos de coorte3, a metanálise sugere que a prevalência1 geral de intolerância às estatinas foi de 9,1%, mas esse número foi ainda menor quando avaliado usando uma série de critérios diagnósticos internacionais. Isso demonstra que, na maioria dos casos, a intolerância às estatinas é superestimada e superdiagnosticada, e significa que cerca de 93% dos pacientes em terapia com estatina podem ser tratados de forma eficaz, com muito boa tolerabilidade e sem problemas de segurança.
1 Prevalência: Número de pessoas em determinado grupo ou população que são portadores de uma doença. Número de casos novos e antigos desta doença.
2 Ensaios clínicos: Há três fases diferentes em um ensaio clínico. A Fase 1 é o primeiro teste de um tratamento em seres humanos para determinar se ele é seguro. A Fase 2 concentra-se em saber se um tratamento é eficaz. E a Fase 3 é o teste final antes da aprovação para determinar se o tratamento tem vantagens sobre os tratamentos padrões disponíveis.
3 Estudos de coorte: Um estudo de coorte é realizado para verificar se indivíduos expostos a um determinado fator apresentam, em relação aos indivíduos não expostos, uma maior propensão a desenvolver uma determinada doença. Um estudo de coorte é constituído, em seu início, de um grupo de indivíduos, denominada coorte, em que todos estão livres da doença sob investigação. Os indivíduos dessa coorte são classificados em expostos e não-expostos ao fator de interesse, obtendo-se assim dois grupos (ou duas coortes de comparação). Essas coortes serão observadas por um período de tempo, verificando-se quais indivíduos desenvolvem a doença em questão. Os indivíduos expostos e não-expostos devem ser comparáveis, ou seja, semelhantes quanto aos demais fatores, que não o de interesse, para que as conclusões obtidas sejam confiáveis.
   [Mais...]

Pharma News - 04/05/16
A Food and Drug Administration (FDA) alerta que impulsos compulsivos ou incontroláveis como jogar, comer, fazer compras e ter relações sexuais de maneira excessiva e fora do controle foram relatados com o uso do antipsicótico aripiprazol (Abilify, Abilify Maintena, Aristada e genéricos). Estes impulsos incontroláveis cessam quando o medicamento é interrompido ou a dose é reduzida.   [Mais...]
Medical Journal - 24/06/22
A incidência1 de diabetes mellitus2 tipo 2 está aumentando entre os jovens. O tratamento uma vez por semana com dulaglutida, um agonista3 do receptor do peptídeo-1 semelhante ao glucagon4 (GLP-1), pode ter eficácia no controle glicêmico em jovens com diabetes tipo 25. Neste estudo, publicado no The New England Journal of Medicine, designou-se aleatoriamente participantes de 10 a menos de 18 anos para receber injeções subcutâneas de placebo6 uma vez por semana, dulaglutida na dose de 0,75 mg ou dulaglutida na dose de 1,5 mg. Em 26 semanas, o nível médio de hemoglobina glicada7 aumentou no grupo placebo6 (0,6 pontos percentuais) e diminuiu nos grupos dulaglutida (-0,6 pontos percentuais no grupo de 0,75 mg e -0,9 pontos percentuais no grupo de 1,5 mg). Além disso, uma porcentagem maior de participantes nos grupos de dulaglutida agrupados do que no grupo placebo6 tinha um nível de hemoglobina glicada7 inferior a 7,0% (51% vs. 14%). O estudo concluiu que o tratamento com dulaglutida foi superior ao placebo6 na melhora do controle glicêmico entre os jovens com diabetes tipo 25.
1 Incidência: Medida da freqüência em que uma doença ocorre. Número de casos novos de uma doença em um certo grupo de pessoas por um certo período de tempo.
2 Diabetes mellitus: Distúrbio metabólico originado da incapacidade das células de incorporar glicose. De forma secundária, podem estar afetados o metabolismo de gorduras e proteínas.Este distúrbio é produzido por um déficit absoluto ou relativo de insulina. Suas principais características são aumento da glicose sangüínea (glicemia), poliúria, polidipsia (aumento da ingestão de líquidos) e polifagia (aumento da fome).
3 Agonista: 1. Em farmacologia, agonista refere-se às ações ou aos estímulos provocados por uma resposta, referente ao aumento (ativação) ou diminuição (inibição) da atividade celular. Sendo uma droga receptiva. 2. Lutador. Na Grécia antiga, pessoa que se dedicava à ginástica para fortalecer o físico ou como preparação para o serviço militar.
4 Glucagon: Hormônio produzido pelas células-alfa do pâncreas. Ele aumenta a glicose sangüínea. Uma forma injetável de glucagon, disponível por prescrição médica, pode ser usada no tratamento da hipoglicemia severa.
5 Diabetes tipo 2: Condição caracterizada por altos níveis de glicose causada tanto por graus variáveis de resistência à insulina quanto por deficiência relativa na secreção de insulina. O tipo 2 se desenvolve predominantemente em pessoas na fase adulta, mas pode aparecer em jovens.
6 Placebo: Preparação neutra quanto a efeitos farmacológicos, ministrada em substituição a um medicamento, com a finalidade de suscitar ou controlar as reações, geralmente de natureza psicológica, que acompanham tal procedimento terapêutico.
7 Hemoglobina glicada: Hemoglobina glicada, hemoglobina glicosilada, glico-hemoglobina ou HbA1C e, mais recentemente, apenas como A1C é uma ferramenta de diagnóstico na avaliação do controle glicêmico em pacientes diabéticos. Atualmente, a manutenção do nível de A1C abaixo de 7% é considerada um dos principais objetivos do controle glicêmico de pacientes diabéticos. Algumas sociedades médicas adotam metas terapêuticas mais rígidas de 6,5% para os valores de A1C.
   [Mais...]

Medical Journal - 10/06/22
O dupilumabe (de nome comercial Dupixent) tornou-se o primeiro medicamento aprovado para tratar esofagite1 eosinofílica em adultos e pacientes pediátricos com 12 anos ou mais, pesando pelo menos 40 kg, anunciou a Food and Drug Administration (FDA) dos Estados Unidos. A esofagite1 eosinofílica é uma doença inflamatória crônica e progressiva na qual o esôfago2 fica inflamado devido ao acúmulo de eosinófilos3, um tipo de glóbulo branco, criando dificuldade para engolir, dificuldade para comer e comida presa no esôfago2. O dupilumabe é um anticorpo4 monoclonal que atua inibindo parte da via inflamatória, bloqueando os receptores de interleucina-4 e interleucina-13. A aprovação da FDA expande a indicação do dupilumabe, que também é aprovado para outras condições. No estudo avaliando a eficácia e segurança de dupilumabe, na Parte A, 60% dos 42 pacientes que receberam Dupixent atingiram o nível predeterminado de eosinófilos3 reduzidos no esôfago2 em comparação com 5% dos 39 pacientes que receberam placebo5.
1 Esofagite: Inflamação da mucosa esofágica. Pode ser produzida pelo refluxo do conteúdo ácido estomacal (esofagite de refluxo), por ingestão acidental ou intencional de uma substância tóxica (esofagite cáustica), etc.
2 Esôfago: Segmento muscular membranoso (entre a FARINGE e o ESTÔMAGO), no TRATO GASTRINTESTINAL SUPERIOR.
3 Eosinófilos: Eosinófilos ou granulócitos eosinófilos são células sanguíneas responsáveis pela defesa do organismo contra parasitas e agentes infecciosos. Também participam de processos inflamatórios em doenças alérgicas e asma.
4 Anticorpo: Proteína circulante liberada pelos linfócitos em reação à presença no organismo de uma substância estranha (antígeno).
5 Placebo: Preparação neutra quanto a efeitos farmacológicos, ministrada em substituição a um medicamento, com a finalidade de suscitar ou controlar as reações, geralmente de natureza psicológica, que acompanham tal procedimento terapêutico.
   [Mais...]

Medical Journal - 09/06/22
Indivíduos que tomam medicação para transtorno por uso de álcool (TUA) eram menos propensos a desenvolver ou apresentar progressão de doença hepática1 relacionada ao álcool, segundo um estudo retrospectivo2 publicado no JAMA Network Open. A terapia médica para dependência foi definida como o uso documentado de dissulfiram, acamprosato, naltrexona, gabapentina, topiramato ou baclofeno. Entre mais de 9.500 pacientes com TUA, a análise multivariada mostrou que aqueles em terapia médica para dependência tinham uma probabilidade 63% menor de diagnóstico3 de doença hepática1 relacionada ao álcool. E os pacientes com TUA e com cirrose4 em medicação para dependência tiveram uma chance 65% menor de descompensação hepática1, uma associação que persistiu mesmo que a terapia fosse iniciada após o diagnóstico3 de cirrose4. As associações da farmacoterapia individual com os resultados da doença hepática1 relacionada ao álcool e descompensação hepática1 variaram amplamente.
1 Hepática: Relativa a ou que forma, constitui ou faz parte do fígado.
2 Retrospectivo: Relativo a fatos passados, que se volta para o passado.
3 Diagnóstico: Determinação de uma doença a partir dos seus sinais e sintomas.
4 Cirrose: Substituição do tecido normal de um órgão (freqüentemente do fígado) por um tecido cicatricial fibroso. Deve-se a uma agressão persistente, infecciosa, tóxica ou metabólica, que produz perda progressiva das células funcionalmente ativas. Leva progressivamente à perda funcional do órgão.
   [Mais...]

Medical Journal - 08/06/22
Crianças e adultos passam grande parte de seu tempo de lazer usando mídias em tela, o que pode afetar sua saúde1 e comportamento. O objetivo deste estudo, publicado no JAMA Pediatrics, foi investigar o efeito da redução do uso recreativo doméstico de mídias em tela na atividade física e no sono em crianças e adultos. A mudança média na atividade de lazer não sedentária no grupo de intervenção foi de 44,8 minutos por dia e no grupo controle foi de 1,0 minuto por dia. Não foram observadas diferenças médias significativas entre os grupos entre intervenção e controle para os resultados do sono baseados em eletroencefalografia2. O estudo concluiu que uma intervenção de redução do uso recreativo de mídias em tela resultou em um aumento substancial no envolvimento das crianças em atividade física. Dessa forma, equilibrar o uso recreativo de mídias em tela para crianças deve ser uma prioridade de saúde1 pública, pois aumenta substancialmente sua atividade física.
1 Saúde: 1. Estado de equilíbrio dinâmico entre o organismo e o seu ambiente, o qual mantém as características estruturais e funcionais do organismo dentro dos limites normais para sua forma de vida e para a sua fase do ciclo vital. 2. Estado de boa disposição física e psíquica; bem-estar. 3. Brinde, saudação que se faz bebendo à saúde de alguém. 4. Força física; robustez, vigor, energia.
2 Eletroencefalografia: Registro da atividade elétrica cerebral mediante a utilização de eletrodos cutâneos que recebem e amplificam os potenciais gerados em cada região encefálica.
   [Mais...]

Medical Journal - 22/01/16
Uma revisão sistemática da toxicidade1 do uso de corticosteroides orais em crianças, mesmo em terapias de cursos rápidos, mostrou que eles podem causar vômitos2, alterações comportamentais e distúrbios do sono (reações mais frequentes), além de aumentar a susceptibilidade3 a infecções4 (reação mais grave).
1 Toxicidade: Capacidade de uma substância produzir efeitos prejudiciais ao organismo vivo.
2 Vômitos: São a expulsão ativa do conteúdo gástrico pela boca. Podem ser classificados em: alimentar, fecalóide, biliar, em jato, pós-prandial. Sinônimo de êmese. Os medicamentos que agem neste sintoma são chamados de antieméticos.
3 Susceptibilidade: 1. Ato, característica ou condição do que é suscetível. 2. Capacidade de receber as impressões que põem em exercício as ações orgânicas; sensibilidade. 3. Disposição ou tendência para se ofender e se ressentir com (algo, geralmente sem importância); delicadeza, melindre. 4. Em física, é o coeficiente de proporcionalidade entre o campo magnético aplicado a um material e a sua magnetização.
4 Infecções: Doença produzida pela invasão de um germe (bactéria, vírus, fungo, etc.) em um organismo superior. Como conseqüência da mesma podem ser produzidas alterações na estrutura ou funcionamento dos tecidos comprometidos, ocasionando febre, queda do estado geral, e inúmeros sintomas que dependem do tipo de germe e da reação imunológica perante o mesmo.
   [Mais...]

Mostrar: 10
« Anteriores - 1 - 2 - 3 - 4 - 5 - 6 - Próximos » - >>
21 a 30 (Total: 1192)
  • Entrar
  • Receber conteúdos