news.med.br
Pharma News - 11/07/05
O medicamento Rebif, aprovado pelo FDA para uso em pacientes com esclerose múltipla1, tem agora uma novidade: um dispositivo auto-aplicador com o nome de Rebiject II que aumenta a adesão ao tratamento, beneficiando pacientes com seu aplicador ergonômico2 e seguro.
1 Esclerose múltipla: Doença degenerativa que afeta o sistema nervoso, produzida pela alteração na camada de mielina. Caracteriza-se por alterações sensitivas e de motilidade que evoluem através do tempo produzindo dano neurológico progressivo.
2 Ergonômico: Referente à ergonomia. A ergonomia é o estudo científico das relações entre homem e máquina, visando a uma segurança e eficiência ideais no modo como um e outra interagem.
   [Mais...]

Medical Journal - 11/09/20
Estudo publicado pelo NEJM demonstrou que o fenilbutirato de sódio – taurursodiol resultou em declínio funcional mais lento do que o placebo1 em pacientes com esclerose2 lateral amiotrófica (ELA), conforme medido pelo escore ALSFRS-R durante um período de 24 semanas.
1 Placebo: Preparação neutra quanto a efeitos farmacológicos, ministrada em substituição a um medicamento, com a finalidade de suscitar ou controlar as reações, geralmente de natureza psicológica, que acompanham tal procedimento terapêutico.
2 Esclerose: 1. Em geriatria e reumatologia, é o aumento patológico de tecido conjuntivo em um órgão, que ocorre em várias estruturas como nervos, pulmões etc., devido à inflamação crônica ou por razões desconhecidas. 2. Em anatomia botânica, é o enrijecimento das paredes celulares das plantas, por espessamento e/ou pela deposição de lignina. 3. Em fitopatologia, é o endurecimento anormal de um tecido vegetal, especialemnte da polpa dos frutos.
   [Mais...]

Medical Journal - 29/09/15
Ensaio randomizado1 e controlado, com publicação online pelo periódico Pediatrics, diz que a suplementação2 materna de vitamina3 D pode ser uma alternativa à suplementação2 do bebê com a obtenção de resultados que satisfazem as exigências nutricionais do bebê.
1 Randomizado: Ensaios clínicos comparativos randomizados são considerados o melhor delineamento experimental para avaliar questões relacionadas a tratamento e prevenção. Classicamente, são definidos como experimentos médicos projetados para determinar qual de duas ou mais intervenções é a mais eficaz mediante a alocação aleatória, isto é, randomizada, dos pacientes aos diferentes grupos de estudo. Em geral, um dos grupos é considerado controle – o que algumas vezes pode ser ausência de tratamento, placebo, ou mais frequentemente, um tratamento de eficácia reconhecida. Recursos estatísticos são disponíveis para validar conclusões e maximizar a chance de identificar o melhor tratamento. Esses modelos são chamados de estudos de superioridade, cujo objetivo é determinar se um tratamento em investigação é superior ao agente comparativo.
2 Suplementação: Que serve de suplemento para suprir o que falta, que completa ou amplia.
3 Vitamina: Compostos presentes em pequenas quantidades nos diversos alimentos e nutrientes e que são indispensáveis para o desenvolvimento dos processos biológicos normais.
   [Mais...]

Medical Journal - 19/07/21
Em novo estudo, publicado no periódico Hypertension, os pesquisadores avaliaram a relação entre o uso de drogas voltadas para o sistema renina-angiotensina que atravessam a barreira hematoencefálica e a cognição1 em idosos. Os resultados da metanálise de 14 estudos sugerem que o uso de agentes anti-hipertensivos conhecidos por cruzarem a barreira hematoencefálica foi associado a uma melhora na recordação da memória ao longo do tempo em comparação com agentes não penetrantes em idosos com hipertensão2, apesar de apresentarem uma carga de risco vascular3 mais elevada. Essas descobertas representam a evidência mais poderosa até o momento ligando os inibidores da ECA penetrantes no cérebro4 e os bloqueadores do receptor da angiotensina a um menor declínio da memória.
1 Cognição: É o conjunto dos processos mentais usados no pensamento, percepção, classificação, reconhecimento e compreensão para o julgamento através do raciocínio para o aprendizado de determinados sistemas e soluções de problemas.
2 Hipertensão: Condição presente quando o sangue flui através dos vasos com força maior que a normal. Também chamada de pressão alta. Hipertensão pode causar esforço cardíaco, dano aos vasos sangüíneos e aumento do risco de um ataque cardíaco, derrame ou acidente vascular cerebral, além de problemas renais e morte.
3 Vascular: Relativo aos vasos sanguíneos do organismo.
4 Cérebro: Derivado do TELENCÉFALO, o cérebro é composto dos hemisférios direito e esquerdo. Cada hemisfério contém um córtex cerebral exterior e gânglios basais subcorticais. O cérebro inclui todas as partes dentro do crânio exceto MEDULA OBLONGA, PONTE e CEREBELO. As funções cerebrais incluem as atividades sensório-motora, emocional e intelectual.
   [Mais...]

Medical Journal - 14/07/21
Novo estudo, publicado pelo The Lancet Neurology, buscou estabelecer se a estimulação do nervo occipital poderia servir como um tratamento eficaz para pacientes1 com cefaleia2 em salvas crônica intratável com medicamentos. Foi demonstrado que a intensidade de estimulação do nervo occipital de 100% e a intensidade de estimulação do nervo occipital de 30% reduziram substancialmente a frequência de ataques e foram seguros e bem tolerados. A mediana das frequências médias de ataques semanais na população total diminuiu desde o início para 7,38 nas semanas 21-24, uma alteração mediana de -5,21 ataques por semana. Pesquisas futuras devem se concentrar na otimização dos protocolos de estimulação e no desemaranhamento do mecanismo de ação subjacente.
1 Para pacientes: Você pode utilizar este texto livremente com seus pacientes, inclusive alterando-o, de acordo com a sua prática e experiência. Conheça todos os materiais Para Pacientes disponíveis para auxiliar, educar e esclarecer seus pacientes, colaborando para a melhoria da relação médico-paciente, reunidos no canal Para Pacientes . As informações contidas neste texto são baseadas em uma compilação feita pela equipe médica da Centralx. Você deve checar e confirmar as informações e divulgá-las para seus pacientes de acordo com seus conhecimentos médicos.
2 Cefaleia: Sinônimo de dor de cabeça. Este termo engloba todas as dores de cabeça existentes, ou seja, enxaqueca ou migrânea, cefaleia ou dor de cabeça tensional, cefaleia cervicogênica, cefaleia em pontada, cefaleia secundária a sinusite, etc... são tipos dentro do grupo das cefaleias ou dores de cabeça. A cefaleia tipo tensional é a mais comum (acomete 78% da população), seguida da enxaqueca ou migrânea (16% da população).
   [Mais...]

Medical Journal - 14/07/21
Transtornos de ansiedade, obsessivo-compulsivo e relacionados ao estresse frequentemente co-ocorrem, e os pacientes frequentemente apresentam sintomas1 em vários domínios. O tratamento envolve o uso de inibidores seletivos da recaptação da serotonina (ISRSs) e inibidores seletivos da recaptação da serotonina e norepinefrina (ISRSNs), mas faltam dados sobre eficácia comparativa e aceitabilidade. Neste estudo, publicado na revista PLOS Medicine, observou-se que todos os ISRSs e ISRSNs foram eficazes para múltiplos domínios de sintomas1 e em pacientes de todas as categorias diagnósticas incluídas. Foram encontradas diferenças mínimas entre os medicamentos em relação à eficácia e aceitabilidade. Essa metanálise de rede de três níveis contribui para uma discussão em andamento sobre o verdadeiro benefício dos antidepressivos com evidências robustas.
1 Sintomas: Alterações da percepção normal que uma pessoa tem de seu próprio corpo, do seu metabolismo, de suas sensações, podendo ou não ser um indício de doença. Os sintomas são as queixas relatadas pelo paciente mas que só ele consegue perceber. Sintomas são subjetivos, sujeitos à interpretação pessoal. A variabilidade descritiva dos sintomas varia em função da cultura do indivíduo, assim como da valorização que cada pessoa dá às suas próprias percepções.
   [Mais...]

Medical Journal - 12/07/21
Uma revisão e metanálise aguardada do uso da ivermectina na COVID-19 foi publicada. A ivermectina é um medicamento antiparasitário que está sendo investigado para reaproveitamento contra o SARS-CoV-2. Esta metanálise, publicada no Open Forum Infectious Diseases, investigou a ivermectina em 24 ensaios clínicos1 randomizados, dos quais 8 eram artigos publicados, 9 estavam disponíveis como pré-impressão, 6 eram resultados não publicados compartilhados para esta análise e 1 relatou os resultados por meio de um site de registro de ensaios. Em 11 ensaios clínicos1 de infecção2 moderada / grave, houve uma redução de 56% na mortalidade3 com recuperação clínica favorável e hospitalização reduzida, mas os pesquisadores notaram que o número total de mortes foi pequeno e não houve diferença entre a ivermectina e os controles no subgrupo com doença grave. Os resultados precisam ser validados em estudos confirmatórios maiores.
1 Ensaios clínicos: Há três fases diferentes em um ensaio clínico. A Fase 1 é o primeiro teste de um tratamento em seres humanos para determinar se ele é seguro. A Fase 2 concentra-se em saber se um tratamento é eficaz. E a Fase 3 é o teste final antes da aprovação para determinar se o tratamento tem vantagens sobre os tratamentos padrões disponíveis.
2 Infecção: Doença produzida pela invasão de um germe (bactéria, vírus, fungo, etc.) em um organismo superior. Como conseqüência da mesma podem ser produzidas alterações na estrutura ou funcionamento dos tecidos comprometidos, ocasionando febre, queda do estado geral, e inúmeros sintomas que dependem do tipo de germe e da reação imunológica perante o mesmo.
3 Mortalidade: A taxa de mortalidade ou coeficiente de mortalidade é um dado demográfico do número de óbitos, geralmente para cada mil habitantes em uma dada região, em um determinado período de tempo.
   [Mais...]

Pharma News - 22/03/16
Os homens não devem usar medicamentos para a disfunção erétil, tais como Viagra e Cialis, por pelo menos por 24 horas antes de procedimentos cirúrgicos, segundo especialistas da American Association of Nurse Anesthetists.   [Mais...]
Medical Journal - 19/03/21
Os vermes intestinais infectam cerca de dois bilhões de pessoas em todo o mundo. Algumas regiões onde esses vermes são endêmicos também apresentam taxas excepcionalmente altas de doenças infecciosas, como a malária. Agora, um estudo publicado pelo periódico Cell descobriu que, com seu efeito no revestimento do intestino, um parasita1 auxilia outro agente infeccioso. Foi demonstrado, especificamente, que a coinfecção por helmintos2 aumenta a suscetibilidade de vários flavivírus neurotrópicos.
1 Parasita: Organismo uni ou multicelular que vive às custas de outro, denominado hospedeiro. A presença de parasitos em um hospedeiro pode produzir diferentes doenças dependendo do tipo de afecção produzida, do estado geral de saúde do hospedeiro, de mecanismos imunológicos envolvidos, etc. São exemplos de parasitas: a sarna, os piolhos, os áscaris (lombrigas), as tênias (solitárias), etc.
2 Helmintos: Designação comum a diversas espécies de vermes endoparasitas, pertencentes aos filos dos platelmintos, asquelmintos e outros de afinidade taxonômica incerta; verme.
   [Mais...]

Medical Journal - 19/04/18
Pacientes com transtornos mentais graves têm maior probabilidade de ter função tireoidiana alterada, o que pode estar relacionado, em parte, ao uso de agentes antipsicóticos comumente prescritos, sugere pesquisa da Universidade de Oslo.   [Mais...]
Mostrar: 10
< - 1 - 2 - 3 - 4 - 5 - 6 - > - >>
31 a 40 (Total: 914)
  • Entrar
  • Receber conteúdos