news.med.br
Medical Journal - 19/10/21
Embora a doença cardíaca congênita1 (DCC) seja conhecida por estar associada ao comprometimento cognitivo2 em crianças, as formas mais graves da doença resultam em piores desfechos neurocognitivos, de acordo com um estudo publicado na revista Pediatrics. Crianças com Síndrome3 de Hipoplasia4 do Coração5 Esquerdo e coração5 univentricular tiveram escores médios de QI6 significativamente mais baixos, em 88,47 e 92,65, respectivamente, em comparação com aquelas com subtipos mais leves de DCC, como defeito do septo atrial ou defeito do septo ventricular, que tinham um QI6 médio de 98,51. Quando comparado com grupos de pares saudáveis, o déficit de QI6 em crianças com DCC foi mais pronunciado, com uma diferença média de -9,9 pontos. O estudo concluiu que deficiências intelectuais na doença cardíaca congênita1 são frequentes, com gravidade e trajetória dependendo do subtipo de DCC.
1 Congênita: 1. Em biologia, o que é característico do indivíduo desde o nascimento ou antes do nascimento; conato. 2. Que se manifesta espontaneamente; inato, natural, infuso. 3. Que combina bem com; apropriado, adequado. 4. Em termos jurídicos, é o que foi adquirido durante a vida fetal ou embrionária; nascido com o indivíduo. Por exemplo, um defeito congênito.
2 Cognitivo: 1. Relativo ao conhecimento, à cognição. 2. Relativo ao processo mental de percepção, memória, juízo e/ou raciocínio. 3. Diz-se de estados e processos relativos à identificação de um saber dedutível e à resolução de tarefas e problemas determinados. 4. Diz-se dos princípios classificatórios derivados de constatações, percepções e/ou ações que norteiam a passagem das representações simbólicas à experiência, e também da organização hierárquica e da utilização no pensamento e linguagem daqueles mesmos princípios.
3 Síndrome: Conjunto de sinais e sintomas que se encontram associados a uma entidade conhecida ou não.
4 Hipoplasia: Desenvolvimento defeituoso ou incompleto de tecido ou órgão, geralmente por diminuição do número de células, sendo menos grave que a aplasia.
5 Coração: Órgão muscular, oco, que mantém a circulação sangüínea.
6 QI: O QI é utilizado para dimensionar a inteligência humana em relação à faixa etária a que um sujeito pertence. Em 1905, os franceses Alfred Binet e Theodore Simon desenvolveram uma ferramenta para avaliar os potenciais cognitivos dos estudantes, tentando detectar entre eles aqueles que precisavam de um auxílio maior de seus mestres, criando a Escala de Binet-Simon. Outros estudiosos aperfeiçoaram esta metodologia. William Stern foi quem, em 1912, propôs o termo “QI“. O Quociente de Inteligência é a razão entre a Idade Mental e a Cronológica, multiplicada por 100 para se evitar a utilização dos decimais. Seguindo-se este indicador, é possível avaliar se um infante é precoce ou se apresenta algum retardamento no aprendizado. Os que apresentam o quociente em torno de 100 são considerados normais, os acima deste resultado revelam-se precoces e os que alcançam um valor mais inferior (cerca de 70) são classificados como retardados. Uma alta taxa de QI não indica que o indivíduo seja mentalmente são, ou mesmo feliz, e também não avalia outros potenciais e capacidades, tais como as artísticas e as de natureza espiritual. O QI mede bem os talentos linguísticos, os pensamentos lógicos, matemáticos e analíticos, a facilidade de abstração em construções teóricas, o desenvolvimento escolar, o saber acadêmico acumulado ao longo do tempo. Os grandes gênios do passado, avaliados dessa forma, apresentavam uma taxa de aproximadamente 180, o que caracteriza um superdotado.
   [Mais...]

Medical Journal - 18/10/21
Pessoas que param de tomar antidepressivos porque sentem que não precisam mais deles podem correr o risco de uma recaída na depressão, mostrou um estudo publicado no The New England Journal of Medicine. Analisou-se 478 pessoas no Reino Unido que tomavam um antidepressivo e que consideravam parar de tomar os comprimidos. Cerca de metade foi escolhida aleatoriamente para continuar, enquanto o restante recebeu comprimidos de placebo1 em vez de seus comprimidos habituais. Depois de um ano, 56% das pessoas que receberam placebo1 viram a depressão voltar, em comparação com 39% daquelas que continuaram tomando o medicamento. Dito de outra forma, para cada 10 pessoas que avaliam a decisão de parar de tomar antidepressivos, cerca de quatro recaem e pouco mais de quatro ficam livres da depressão, qualquer que seja o curso que decidam tomar.
1 Placebo: Preparação neutra quanto a efeitos farmacológicos, ministrada em substituição a um medicamento, com a finalidade de suscitar ou controlar as reações, geralmente de natureza psicológica, que acompanham tal procedimento terapêutico.
   [Mais...]

Medical Journal - 18/10/21
Um estudo de coorte1 holandês avaliou três medidas substitutas para resistência à insulina2 e mostrou uma ligação significativa delas com o desenvolvimento de um transtorno depressivo maior durante um período de acompanhamento de 9 anos. Conforme mostrado no estudo publicado no American Journal of Psychiatry, uma maior razão triglicerídeos / HDL3 foi associada a um risco 89% maior de desenvolver depressão maior incidente4. Além disso, os indivíduos com pré-diabetes5 tiveram um aumento de 37% no risco de depressão maior. E a adiposidade central foi associada a um risco aumentado de 11% para depressão. O desenvolvimento de pré-diabetes5 entre a inscrição e a consulta de 2 anos do estudo foi associado a um risco mais do que duas vezes maior de depressão maior. Esses achados podem ter utilidade para avaliar o risco de desenvolvimento de depressão maior entre pacientes com resistência à insulina2 ou patologia6 metabólica.
1 Estudo de coorte: Um estudo de coorte é realizado para verificar se indivíduos expostos a um determinado fator apresentam, em relação aos indivíduos não expostos, uma maior propensão a desenvolver uma determinada doença. Um estudo de coorte é constituído, em seu início, de um grupo de indivíduos, denominada coorte, em que todos estão livres da doença sob investigação. Os indivíduos dessa coorte são classificados em expostos e não-expostos ao fator de interesse, obtendo-se assim dois grupos (ou duas coortes de comparação). Essas coortes serão observadas por um período de tempo, verificando-se quais indivíduos desenvolvem a doença em questão. Os indivíduos expostos e não-expostos devem ser comparáveis, ou seja, semelhantes quanto aos demais fatores, que não o de interesse, para que as conclusões obtidas sejam confiáveis.
2 Resistência à insulina: Inabilidade do corpo para responder e usar a insulina produzida. A resistência à insulina pode estar relacionada à obesidade, hipertensão e altos níveis de colesterol no sangue.
3 HDL: Abreviatura utilizada para denominar um tipo de proteína encarregada de transportar o colesterol sanguíneo, que se relaciona com menor risco cardiovascular. Também é conhecido como “Bom Colesterol”. Seus valores normais são de 35-50mg/dl.
4 Incidente: 1. Que incide, que sobrevém ou que tem caráter secundário; incidental. 2. Acontecimento imprevisível que modifica o desenrolar normal de uma ação. 3. Dificuldade passageira que não modifica o desenrolar de uma operação, de uma linha de conduta.
5 Pré-diabetes: Condição em que um teste de glicose, feito após 8 a 12 horas de jejum, mostra um nível de glicose mais alto que o normal mas não tão alto para um diagnóstico de diabetes. A medida está entre 100 mg/dL e 125 mg/dL. A maioria das pessoas com pré-diabetes têm um risco aumentado de desenvolver diabetes tipo 2.
6 Patologia: 1. Especialidade médica que estuda as doenças e as alterações que estas provocam no organismo. 2. Qualquer desvio anatômico e/ou fisiológico, em relação à normalidade, que constitua uma doença ou caracterize determinada doença. 3. Por extensão de sentido, é o desvio em relação ao que é próprio ou adequado ou em relação ao que é considerado como o estado normal de uma coisa inanimada ou imaterial.
   [Mais...]

Medical Journal - 15/10/21
Encontrar um tratamento para a dengue1, a doença viral transmitida por mosquitos mais prevalente em humanos, tem sido difícil. Agora, um composto denominado JNJ-A07 apresentou atividade promissora contra o vírus2 da dengue1 em modelos de infecção3 em camundongos. O inibidor do vírus2 da dengue1 foi descrito em um estudo publicado na Nature, e interfere na replicação do vírus2 ao bloquear a interação de duas proteínas4 virais (NS3 e NS4B), revelando um mecanismo inteiramente novo de ação antiviral. O JNJ-A07 se mostrou altamente potente e exerce atividade nanomolar a picomolar contra um painel de 21 isolados clínicos que representam a diversidade genética natural de genótipos e sorotipos da dengue1 conhecidos. O composto tem um perfil de segurança favorável em camundongos e ratos, e mostrou reduzir a carga viral em modelos de infecção3 de camundongos quando administrado por via oral, tanto como prevenção quanto como tratamento.
1 Dengue: Infecção viral aguda transmitida para o ser humano através da picada do mosquito Aedes aegypti, freqüente em regiões de clima quente. Caracteriza-se por apresentar febre, cefaléia, dores musculares e articulares e uma erupção cutânea característica. Existe uma variedade de dengue que é potencialmente fatal, chamada dengue hemorrágica.
2 Vírus: Pequeno microorganismo capaz de infectar uma célula de um organismo superior e replicar-se utilizando os elementos celulares do hospedeiro. São capazes de causar múltiplas doenças, desde um resfriado comum até a AIDS.
3 Infecção: Doença produzida pela invasão de um germe (bactéria, vírus, fungo, etc.) em um organismo superior. Como conseqüência da mesma podem ser produzidas alterações na estrutura ou funcionamento dos tecidos comprometidos, ocasionando febre, queda do estado geral, e inúmeros sintomas que dependem do tipo de germe e da reação imunológica perante o mesmo.
4 Proteínas: Um dos três principais nutrientes dos alimentos. Alimentos que fornecem proteína incluem carne vermelha, frango, peixe, queijos, leite, derivados do leite, ovos.
   [Mais...]

Medical Journal - 15/10/21
Testes rápidos baratos para a malária ajudaram a diminuir a prevalência1 da doença em muitas partes da África. Mas apenas 15 anos ou mais após sua introdução, surgiram parasitas “furtivos” da malária que não podem mais ser detectados pelos testes rápidos padrão. Essas cepas2 de Plasmodium falciparum que escapam dos testes de diagnóstico3 rápido representam uma grande ameaça ao controle da malária e aos esforços de eliminação. Um estudo publicado na Nature Microbiology descobriu que até 80 por cento dos parasitas da malária na região da Eritreia, por exemplo, têm mutações que significam que eles não produzem mais as duas proteínas4 detectadas pelos testes rápidos – chamadas pfhrp2 e pfhrp3. Os pesquisadores estimaram que os testes rápidos baseados na pfhrp2 perderiam 9,7% dos casos de malária devido à deleção do gene que produz essa proteína.
1 Prevalência: Número de pessoas em determinado grupo ou população que são portadores de uma doença. Número de casos novos e antigos desta doença.
2 Cepas: Cepa ou estirpe é um termo da biologia e da genética que se refere a um grupo de descendentes com um ancestral comum que compartilham semelhanças morfológicas e/ou fisiológicas.
3 Diagnóstico: Determinação de uma doença a partir dos seus sinais e sintomas.
4 Proteínas: Um dos três principais nutrientes dos alimentos. Alimentos que fornecem proteína incluem carne vermelha, frango, peixe, queijos, leite, derivados do leite, ovos.
   [Mais...]

Medical Journal - 14/10/21
O uso de estatinas não aumentou o risco de desenvolvimento de artrite reumatoide1 após o ajuste para o importante fator de confusão da hiperlipidemia2, descobriu um grande estudo nacional dos EUA. Um risco aumentado modesto para artrite reumatoide1 foi observado entre os pacientes que tomam estatinas após o ajuste para idade, sexo, ano índice, região de residência e raça/etnia. No entanto, a associação não era mais significativa após ajuste adicional para hiperlipidemia2, conforme mostrado no estudo publicado na revista científica Arthritis Research & Therapy. Os pesquisadores afirmam que mais informações de estudos prospectivos seriam necessárias para entender melhor essa relação.
1 Artrite reumatóide: Doença auto-imune de etiologia desconhecida, caracterizada por poliartrite periférica, simétrica, que leva à deformidade e à destruição das articulações por erosão do osso e cartilagem. Afeta mulheres duas vezes mais do que os homens e sua incidência aumenta com a idade. Em geral, acomete grandes e pequenas articulações em associação com manifestações sistêmicas como rigidez matinal, fadiga e perda de peso. Quando envolve outros órgãos, a morbidade e a gravidade da doença são maiores, podendo diminuir a expectativa de vida em cinco a dez anos.
2 Hiperlipidemia: Condição em que os níveis de gorduras e colesterol estão mais altos que o normal.
   [Mais...]

Medical Journal - 13/10/21
Desfechos que fornecem uma identificação precoce dos efeitos do tratamento são necessários para implementar estudos de prevenção do diabetes tipo 11 com mais eficiência. Para este fim, em estudo publicado na revista Diabetes2, pesquisadores avaliaram se os desfechos metabólicos podem ser usados para detectar um efeito do teplizumabe no rápido declínio das células3 β dentro de 3 meses após o tratamento em indivíduos de alto risco. Uma abordagem analítica que combina evidências visuais com novos desfechos demonstrou que o Teplizumabe retarda o declínio metabólico rápido e melhora o estado metabólico dentro de 3 meses após o tratamento; este efeito se estende por pelo menos 6 meses.
1 Diabetes tipo 1: Condição caracterizada por altos níveis de glicose causada por deficiência na produção de insulina. Ocorre quando o próprio sistema imune do organismo produz anticorpos contra as células-beta produtoras de insulina, destruindo-as. O diabetes tipo 1 se desenvolve principalmente em crianças e jovens, mas pode ocorrer em adultos. Há tendência em apresentar cetoacidose diabética.
2 Diabetes: Nome que designa um grupo de doenças caracterizadas por diurese excessiva. A mais frequente é o Diabetes mellitus, ainda que existam outras variantes (Diabetes insipidus) de doença nas quais o transtorno primário é a incapacidade dos rins de concentrar a urina.
3 Células: Unidades (ou subunidades) funcionais e estruturais fundamentais dos organismos vivos. São compostas de CITOPLASMA (com várias ORGANELAS) e limitadas por uma MEMBRANA CELULAR.
   [Mais...]

Medical Journal - 13/10/21
A intervenção no estilo de vida pode prevenir o diabetes tipo 21, mas a resposta à intervenção varia dependendo dos subfenótipos de risco. Neste estudo, publicado pela revista Diabetes2, pesquisadores testaram se indivíduos pré-diabéticos com baixo risco se beneficiam de intervenção no estilo de vida convencional e se indivíduos com alto risco se beneficiam de uma intensificação da intervenção no estilo de vida. Foi demonstrado que é possível em indivíduos de alto risco com pré-diabetes3 melhorar os resultados glicêmicos e cardiometabólicos pela intensificação da intervenção no estilo de vida. Assim, a intervenção no estilo de vida individualizada, baseada em fenótipo4 de risco, pode ser benéfica para a prevenção do diabetes2.
1 Diabetes tipo 2: Condição caracterizada por altos níveis de glicose causada tanto por graus variáveis de resistência à insulina quanto por deficiência relativa na secreção de insulina. O tipo 2 se desenvolve predominantemente em pessoas na fase adulta, mas pode aparecer em jovens.
2 Diabetes: Nome que designa um grupo de doenças caracterizadas por diurese excessiva. A mais frequente é o Diabetes mellitus, ainda que existam outras variantes (Diabetes insipidus) de doença nas quais o transtorno primário é a incapacidade dos rins de concentrar a urina.
3 Pré-diabetes: Condição em que um teste de glicose, feito após 8 a 12 horas de jejum, mostra um nível de glicose mais alto que o normal mas não tão alto para um diagnóstico de diabetes. A medida está entre 100 mg/dL e 125 mg/dL. A maioria das pessoas com pré-diabetes têm um risco aumentado de desenvolver diabetes tipo 2.
4 Fenótipo: Características apresentadas por um indivíduo sejam elas morfológicas, fisiológicas ou comportamentais. Também fazem parte do fenótipo as características microscópicas e de natureza bioquímica, que necessitam de testes especiais para a sua identificação, como, por exemplo, o tipo sanguíneo do indivíduo.
   [Mais...]

Medical Journal - 11/10/21
Estudo publicado pelo The British Medical Journal buscou avaliar se a metformina1 de liberação prolongada pode ser usada para prolongar a gestação em mulheres com pré-eclâmpsia2 pré-termo sob observação vigilante. O tempo médio desde a randomização até o parto foi de 17,7 dias no braço da metformina1 e 10,1 dias no braço do placebo3, uma diferença média de 7,6 dias. Este estudo sugere que a metformina1 de liberação prolongada pode prolongar a gestação em mulheres com pré-eclâmpsia2 pré-termo, embora sejam necessários mais estudos. Ele fornece uma prova de conceito4 de que o tratamento da pré-eclâmpsia2 pré-termo é possível.
1 Metformina: Medicamento para uso oral no tratamento do diabetes tipo 2. Reduz a glicemia por reduzir a quantidade de glicose produzida pelo fígado e ajudando o corpo a responder melhor à insulina produzida pelo pâncreas. Pertence à classe das biguanidas.
2 Pré-eclâmpsia: É caracterizada por hipertensão, edema (retenção de líquidos) e proteinúria (presença de proteína na urina). Manifesta-se na segunda metade da gravidez (após a 20a semana de gestação) e pode evoluir para convulsão e coma, mas essas condições melhoram com a saída do feto e da placenta. No meio médico, o termo usado é Moléstia Hipertensiva Específica da Gravidez. É a principal causa de morte materna no Brasil atualmente.
3 Placebo: Preparação neutra quanto a efeitos farmacológicos, ministrada em substituição a um medicamento, com a finalidade de suscitar ou controlar as reações, geralmente de natureza psicológica, que acompanham tal procedimento terapêutico.
4 Prova de conceito: Prova de conceito (PoC ou Proof of Concept) é um termo utilizado para denominar um modelo prático que possa provar o conceito (teórico) estabelecido por uma pesquisa ou artigo técnico. Ela pode ser considerada uma implementação, em geral resumida ou incompleta, de um método ou de uma ideia, realizada com o propósito de verificar se o conceito ou a teoria em questão é susceptível de ser explorado de maneira útil.
   [Mais...]

Saúde - 11/10/21
O paracetamol (também conhecido como acetaminofeno) é o ingrediente ativo em mais de 600 medicamentos usados para aliviar a dor leve a moderada e reduzir a febre1. O paracetamol é amplamente usado por grávidas. No entanto, o aumento da pesquisa experimental e epidemiológica sugere que a exposição pré-natal ao paracetamol pode alterar o desenvolvimento fetal, o que pode aumentar os riscos de alguns distúrbios neurodesenvolvimentais, reprodutivos e urogenitais. Nesse contexto, em um consenso publicado na revista Nature Reviews Endocrinology, pesquisadores resumiram essas evidências e pediram ações de precaução por meio de um esforço de pesquisa direcionado e do aumento da conscientização entre profissionais de saúde2 e gestantes.
1 Febre: É a elevação da temperatura do corpo acima dos valores normais para o indivíduo. São aceitos como valores de referência indicativos de febre: temperatura axilar ou oral acima de 37,5°C e temperatura retal acima de 38°C. A febre é uma reação do corpo contra patógenos.
2 Saúde: 1. Estado de equilíbrio dinâmico entre o organismo e o seu ambiente, o qual mantém as características estruturais e funcionais do organismo dentro dos limites normais para sua forma de vida e para a sua fase do ciclo vital. 2. Estado de boa disposição física e psíquica; bem-estar. 3. Brinde, saudação que se faz bebendo à saúde de alguém. 4. Força física; robustez, vigor, energia.
   [Mais...]

Mostrar: 10
« Anteriores - 1 - 2 - 3 - 4 - 5 - 6 - Próximos » - >>
11 a 20 (Total: 2914)
  • Entrar
  • Receber conteúdos