Gostou do artigo? Compartilhe!

Covid-19: o que sabemos até agora sobre uma vacina?

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie esta notícia

A Organização Mundial da Saúde1 (OMS) anunciou que estão sendo avaliadas 83 possíveis vacinas candidatas contra a covid-19 (em 23 de abril), incluindo sete que já foram aprovadas para testes em humanos por meio de ensaios clínicos2. O BMJ observa o que sabemos até agora.

O que sabemos sobre as sete candidatas aprovadas?

Das sete, três estão sendo testadas em Pequim. A empresa de vacinas CanSino Biological, em colaboração com o Instituto de Biotecnologia de Pequim, possui a única vacina3 em um estudo de fase II. A vacina3, que usa um vetor de adenovírus, deve ser testada em 375 adultos saudáveis, com 125 pessoas no grupo controle, e analisará as reações adversas em 14 dias e os níveis de anticorpos4 neutralizantes da covid-19 e de anticorpos4 contra a proteína spike do coronavírus no dia 28. Os participantes serão acompanhados por até seis meses. No entanto, embora a mudança para a fase II seja um bom sinal5, os resultados do estudo da fase I, que analisaram reações adversas sete dias após a injeção6, não foram divulgados.

A Sinovac, outra empresa com sede em Pequim, está atualmente testando sua vacina3 da covid-19 com vírus7 inativados (PiCoVacc) em um estudo randomizado8, duplo-cego, controlado por placebo9, fase I, envolvendo 144 adultos. A empresa planeja testar a vacina3 em outras 600 pessoas durante o estudo de fase II. Uma pré-impressão relativa à eficácia da vacina3 em camundongos, ratos e primatas não humanos descobriu que conferia "proteção completa" contra as cepas10 de SARS-CoV-2 que circulam no mundo inteiro.

Uma terceira candidata, do Instituto de Produtos Biológicos de Pequim e do Instituto Wuhan de Produtos Biológicos, também está sendo avaliada, mas pouca informação sobre esta vacina3 está disponível.

No Reino Unido, pesquisadores da Universidade de Oxford estão testando sua vacina3 ChAdOx1 nCoV-19, que usa um vetor de vacina3 adenovírus e a proteína spike do SARS-CoV-2, em 1102 voluntários saudáveis, com a vacina3 MenACWY (licenciada para os grupos meningococos A, C, W e Y) como controle. Eles escolheram a vacina3 MenACWY como controle, em vez de uma solução salina, porque esperam ter efeitos colaterais11 menores, como dor no braço, dor de cabeça12 e febre13, no grupo da vacina3 covid-19 que não se desenvolveria em um grupo salino, disseram eles.

Enquanto isso, nos EUA, a Inovio Pharmaceuticals, sediada na Pensilvânia, começou a testar sua vacina3 de plataforma de DNA em abril. O diretor executivo Joseph Kim disse à CNBC que acha que seria possível cumprir uma linha do tempo de 12 a 18 meses para uma vacina3 contra covid-19. “É possível, especialmente se você tiver uma plataforma que se mostre segura e se tiver testado abordagens semelhantes antes contra outros patógenos, como nós testamos”, disse Kim.

Outra empresa americana, Moderna, desenvolveu uma vacina3 chamada mRNA-1273 com o Instituto Nacional de Alergia14 e Doenças Infecciosas. Os primeiros pacientes foram injetados em março, e o estudo para examinar a segurança da vacina3 agora está sendo expandido para incluir 60 adultos. A vacina3, que utiliza uma plataforma de RNA, está sendo administrada em duas doses, com a segunda injeção6 28 dias após a primeira. Se o teste for bem-sucedido, a vacina3 passará para a fase II, onde sua eficácia contra a covid-19 será testada.

Um sétimo estudo foi aprovado, mas ainda está para começar. O BNT162 é um programa de vacinas desenvolvido pela empresa de biotecnologia alemã BioNTech e pela empresa farmacêutica Pfizer. Ele envolve quatro vacinas em potencial que serão testadas inicialmente na Alemanha em 200 participantes saudáveis, embora as empresas planejem incluir pessoas com maior risco de covid-19 grave na segunda etapa do teste. Cada uma das quatro candidatas à vacina3 representa diferentes formatos de mRNA e antígenos15 alvo. As empresas também estão colaborando com a farmacêutica chinesa Fosun Pharma para conduzir ensaios na China e planejando ensaios nos EUA (aguardando aprovação regulatória).

Veja: "Johnson & Johnson iniciará testes em humanos com a vacina3 Covid-19 até setembro de 2020".

Quão difícil é criar uma vacina3 contra a covid-19?

Robin Shattock, que lidera um ensaio de vacinas contra a covid-19 que deve começar em junho, no Imperial College de Londres, disse que o desenvolvimento de uma vacina3 deve ser relativamente fácil porque, diferentemente da gripe16 e do HIV17, o vírus7 da covid-19 parece relativamente estável.

Falando no programa de notícias Today da BBC em 22 de abril, ele disse: “Estamos muito confiantes de que algumas vacinas aparecerão e funcionarão. Existem tantas equipes trabalhando em abordagens diferentes, e esse vírus7 não é um alvo tão difícil quanto algumas das coisas que vimos antes. Então, acho que cientificamente há uma chance muito alta de sucesso em se obter uma vacina3.”

Quanto tempo geralmente leva para desenvolver uma vacina3?

O desenvolvimento da vacina3 é um processo demorado que normalmente leva mais de 10 anos e custa centenas de milhões de libras esterlinas. Os ensaios clínicos2 que exigem muitos anos de testes em milhares de pessoas normalmente começam após cerca de dois a cinco anos de pesquisa inicial sobre a resposta imune e depois outros dois anos de testes pré-clínicos envolvendo testes em animais. Se a vacina3 for considerada segura e eficaz, ela deve passar nos requisitos regulamentares e obter aprovação. Mesmo depois de concluído, o processo de fabricação e entrega de uma vacina3 é caro e complexo, exigindo instalações especializadas e altamente regulamentadas.

Na crise atual, foi proposto um novo período de 12 a 18 meses, com equipes de todo o mundo trabalhando com velocidade cada vez maior para encontrar uma candidata eficaz. São necessárias enormes somas de dinheiro para financiar uma ampla variedade de candidatas e abordagens.

O que acontece se uma vacina3 bem-sucedida for encontrada?

A Wellcome enfatizou que, para que uma vacina3 seja lançada em todo o mundo, exigindo bilhões de doses, é necessário aumentar a capacidade de fabricação global. Para fazer isso, a fundação disse que novos locais de fabricação precisavam ser construídos antes da conclusão dos testes clínicos para garantir que a produção pudesse começar assim que a vacina3 fosse aprovada. Os locais devem ser distribuídos ao redor do mundo para garantir uma distribuição equitativa.

Os países estão colaborando?

A OMS reuniu líderes mundiais e parceiros de saúde1, incluindo os do setor privado, em uma iniciativa que visa acelerar o desenvolvimento e a produção de novas vacinas, testes e tratamentos contra a covid-19, e possibilitar o acesso igual em todo o mundo.

Em um lançamento virtual em 24 de abril, os chefes de estado da França, África do Sul, Alemanha, Vietnã, Costa Rica, Itália, Ruanda, Noruega, Espanha, Malásia e Reino Unido (representado pelo primeiro secretário de Estado, Dominic Raab, por causa da doença do primeiro ministro britânico) juntaram-se ao presidente da Comissão Europeia, à Fundação Bill e Melinda Gates, à Coalizão de Inovações em Preparação para Epidemias (CEPI), à GAVI (Aliança de Vacinas) e a muitas outras organizações líderes.

Os EUA ficaram ausentes depois que o presidente Donald Trump anunciou que congelaria o financiamento à OMS enquanto se aguarda uma investigação sobre o manejo da pandemia18 de covid-19.

O diretor geral da OMS, Tedros Adhanom Ghebreyesus, disse: “Nosso compromisso compartilhado é garantir que todas as pessoas tenham acesso a todas as ferramentas para prevenir, detectar, tratar e derrotar a covid-19. Nenhum país e nenhuma organização podem fazer isso sozinhos.”

Uma vacina3 poderia acabar com a pandemia18?

A OMS alertou repetidamente os países contra a dependência de uma vacina3 para acabar com a situação atual. Em uma palestra em 16 de abril, Catherine Smallwood, oficial sênior19 de emergência20 da OMS Europa, disse: “Não sabemos quando uma vacina3 estará disponível para uso em nossas populações, e o que não queremos é tomar medidas agora com base na situação de agora. Precisamos pensar em nós mesmos em uma posição de um novo normal até o momento em que uma vacina3 possa se tornar disponível para nós.”

Ohid Yaqub, professor sênior19 da unidade de pesquisa de políticas científicas da Universidade de Sussex, também alertou que “há uma longa história de previsões de vacinas super otimistas" e que, mesmo que uma vacina3 se torne disponível, era "muito cedo para especular se tem alta eficácia ou baixa eficácia.”

Ele acrescentou: “Portanto, acho que a atenção das políticas públicas deve continuar focada nos testes e na capacidade do sistema de saúde1, e deve se concentrar no isolamento social e no gerenciamento dos custos sociais do isolamento (parcial) pelo maior tempo possível”.

Leia sobre "Coronavírus - como é?", "Características clínicas da Covid-19 em NY", "Testes da COVID-19" e "Tratamentos farmacológicos para a COVID-19".

 

Fonte: The BMJ, publicação em 27 de abril de 2020.

 

NEWS.MED.BR, 2020. Covid-19: o que sabemos até agora sobre uma vacina?. Disponível em: <https://www.news.med.br/p/saude/1366418/covid-19-o-que-sabemos-ate-agora-sobre-uma-vacina.htm>. Acesso em: 2 jun. 2020.

Complementos

1 Saúde: 1. Estado de equilíbrio dinâmico entre o organismo e o seu ambiente, o qual mantém as características estruturais e funcionais do organismo dentro dos limites normais para sua forma de vida e para a sua fase do ciclo vital. 2. Estado de boa disposição física e psíquica; bem-estar. 3. Brinde, saudação que se faz bebendo à saúde de alguém. 4. Força física; robustez, vigor, energia.
2 Ensaios clínicos: Há três fases diferentes em um ensaio clínico. A Fase 1 é o primeiro teste de um tratamento em seres humanos para determinar se ele é seguro. A Fase 2 concentra-se em saber se um tratamento é eficaz. E a Fase 3 é o teste final antes da aprovação para determinar se o tratamento tem vantagens sobre os tratamentos padrões disponíveis.
3 Vacina: Tratamento à base de bactérias, vírus vivos atenuados ou seus produtos celulares, que têm o objetivo de produzir uma imunização ativa no organismo para uma determinada infecção.
4 Anticorpos: Proteínas produzidas pelo organismo para se proteger de substâncias estranhas como bactérias ou vírus. As pessoas que têm diabetes tipo 1 produzem anticorpos que destroem as células beta produtoras de insulina do próprio organismo.
5 Sinal: 1. É uma alteração percebida ou medida por outra pessoa, geralmente um profissional de saúde, sem o relato ou comunicação do paciente. Por exemplo, uma ferida. 2. Som ou gesto que indica algo, indício. 3. Dinheiro que se dá para garantir um contrato.
6 Injeção: Infiltração de medicação ou nutrientes líquidos no corpo através de uma agulha e seringa.
7 Vírus: Pequeno microorganismo capaz de infectar uma célula de um organismo superior e replicar-se utilizando os elementos celulares do hospedeiro. São capazes de causar múltiplas doenças, desde um resfriado comum até a AIDS.
8 Estudo randomizado: Ensaios clínicos comparativos randomizados são considerados o melhor delineamento experimental para avaliar questões relacionadas a tratamento e prevenção. Classicamente, são definidos como experimentos médicos projetados para determinar qual de duas ou mais intervenções é a mais eficaz mediante a alocação aleatória, isto é, randomizada, dos pacientes aos diferentes grupos de estudo. Em geral, um dos grupos é considerado controle - o que algumas vezes pode ser ausência de tratamento, placebo, ou mais frequentemente, um tratamento de eficácia reconhecida. Recursos estatísticos são disponíveis para validar conclusões e maximizar a chance de identificar o melhor tratamento. Esses modelos são chamados de estudos de superioridade, cujo objetivo é determinar se um tratamento em investigação é superior ao agente comparativo.
9 Placebo: Preparação neutra quanto a efeitos farmacológicos, ministrada em substituição a um medicamento, com a finalidade de suscitar ou controlar as reações, geralmente de natureza psicológica, que acompanham tal procedimento terapêutico.
10 Cepas: Cepa ou estirpe é um termo da biologia e da genética que se refere a um grupo de descendentes com um ancestral comum que compartilham semelhanças morfológicas e/ou fisiológicas.
11 Efeitos colaterais: 1. Ação não esperada de um medicamento. Ou seja, significa a ação sobre alguma parte do organismo diferente daquela que precisa ser tratada pelo medicamento. 2. Possível reação que pode ocorrer durante o uso do medicamento, podendo ser benéfica ou maléfica.
12 Cabeça:
13 Febre: É a elevação da temperatura do corpo acima dos valores normais para o indivíduo. São aceitos como valores de referência indicativos de febre: temperatura axilar ou oral acima de 37,5°C e temperatura retal acima de 38°C. A febre é uma reação do corpo contra patógenos.
14 Alergia: Reação inflamatória anormal, perante substâncias (alérgenos) que habitualmente não deveriam produzi-la. Entre estas substâncias encontram-se poeiras ambientais, medicamentos, alimentos etc.
15 Antígenos: 1. Partículas ou moléculas capazes de deflagrar a produção de anticorpo específico. 2. Substâncias que, introduzidas no organismo, provocam a formação de anticorpo.
16 Gripe: Doença viral adquirida através do contágio interpessoal que se caracteriza por faringite, febre, dores musculares generalizadas, náuseas, etc. Sua duração é de aproximadamente cinco a sete dias e tem uma maior incidência nos meses frios. Em geral desaparece naturalmente sem tratamento, apenas com medidas de controle geral (repouso relativo, ingestão de líquidos, etc.). Os antibióticos não funcionam na gripe e não devem ser utilizados de rotina.
17 HIV: Abreviatura em inglês do vírus da imunodeficiência humana. É o agente causador da AIDS.
18 Pandemia: É uma epidemia de doença infecciosa que se espalha por um ou mais continentes ou por todo o mundo, causando inúmeras mortes. De acordo com a Organização Mundial da Saúde, a pandemia pode se iniciar com o aparecimento de uma nova doença na população, quando o agente infecta os humanos, causando doença séria ou quando o agente dissemina facilmente e sustentavelmente entre humanos. Epidemia global.
19 Sênior: 1. Que é o mais velho. 2. Diz-se de desportistas que já ganharam primeiros prêmios: um piloto sênior. 3. Diz-se de profissionais experientes que já exercem, há algum tempo, determinada atividade.
20 Emergência: 1. Ato ou efeito de emergir. 2. Situação grave, perigosa, momento crítico ou fortuito. 3. Setor de uma instituição hospitalar onde são atendidos pacientes que requerem tratamento imediato; pronto-socorro. 4. Eclosão. 5. Qualquer excrescência especializada ou parcial em um ramo ou outro órgão, formada por tecido epidérmico (ou da camada cortical) e um ou mais estratos de tecido subepidérmico, e que pode originar nectários, acúleos, etc. ou não se desenvolver em um órgão definido.
Gostou do artigo? Compartilhe!