Gostou do artigo? Compartilhe!

Tratamento precoce com metformina reduz o risco de COVID longa

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie esta notícia

Já passaram três anos desde o início da pandemia1 de COVID-19, com milhões de pessoas em todo o mundo sofrendo de complicações de longo prazo do vírus2, mas ainda não há uma maneira comprovada de tratar ou prevenir a COVID longa – além de não ser infectado em primeiro lugar.

Recentemente, no entanto, houve motivos para um otimismo cauteloso. Pesquisadores descobriram sinais3 promissores (embora preliminares) de que certos medicamentos podem reduzir o risco de desenvolver COVID longa, ou síndrome4 pós-covid, e possivelmente até aliviar os sintomas5 entre pessoas que já estão doentes.

Um estudo em fase preprint para o The Lancet, publicado na plataforma SSRN, mostrou que o tratamento precoce com metformina6 reduziu o risco de COVID longa entre pacientes ambulatoriais, de acordo com resultados secundários de um estudo negativo de fase III.

No estudo COVID-OUT com mais de 1.100 participantes randomizados, a incidência7 cumulativa de COVID longa foi de 6,3% no grupo metformina6 versus 10,6% no grupo placebo8 ao longo de 10 meses de acompanhamento, relataram Carolyn Bramante, MD, da Universidade de Minnesota em Minneapolis, e colegas.

“A COVID longa é uma emergência9 de saúde10 pública significativa que pode ter sequelas11 duradouras de saúde10, saúde10 mental e econômicas, especialmente em grupos socioeconomicamente marginalizados, e a metformina6 é segura, de baixo custo e amplamente disponível”, escreveram os pesquisadores.

Leia sobre "Os sintomas5 da Covid-19" e "Síndrome4 pós-Covid".

Bramante e colegas também testaram ivermectina e fluvoxamina, mas não encontraram redução no risco de COVID prolongada com qualquer medicamento versus placebo8.

Os resultados são relevantes para o estado atual da pandemia1, uma vez que os participantes foram inscritos durante a onda Ômicron e a amostra do estudo foi aproximadamente 50% vacinada, segundo os autores.

O status da vacinação se correlacionou com o benefício da metformina6, no entanto, de modo que os participantes não vacinados pareceram experimentar a maior parte da redução no risco cumulativo de COVID longa:

  • Não vacinados: 6,3% vs 14,1% com placebo8
  • Vacinados: 6,1% vs 7,2% com placebo8

Bramante disse que a metformina6 também pode ser particularmente eficaz em pessoas com sobrepeso12 ou obesidade13 (a mediana do índice de massa corporal14 [IMC15] neste estudo foi de 30), pois o subgrupo com IMC15 de 30 ou mais teve uma redução substancial no risco de COVID longa (5,6% vs 12,8%).

“Existem algumas razões pelas quais pode funcionar melhor em pessoas com sobrepeso12 ou obesidade13. Sabemos, por dados experimentais e pré-clínicos, que a metformina6 inibe o SARS-CoV-2 e o tecido adiposo16 pode ser um reservatório para o SARS-CoV-2”, disse ela. “A metformina6 também tem ações anti-inflamatórias que envolvem a redução de adipocinas. Isso significa que pode haver uma oportunidade maior de ver um benefício em relação ao placebo8 se houver uma quantidade maior de tecido17 adiposo”.

“No entanto”, acrescentou ela, “não há dados que sugiram que também não funcionaria em alguém com um IMC15 normal”.

A metformina6 também demonstrou melhorar a imunidade18 das células19 T, disse Bramante, “portanto, pode ser benéfica em alguém imunocomprometido. Além disso, qualquer coisa que iniba a replicação viral seria importante em alguém imunocomprometido. Adicionalmente, a metformina6 não interagiria com outros medicamentos que alguém com um histórico médico complexo estaria tomando.”

As sequelas11 pós-agudas de COVID, denominadas “COVID longa” ou “Síndrome4 pós-covid”, são uma doença crônica emergente que pode afetar cerca de 10% das pessoas com COVID-19. No estudo, os pesquisadores procuraram determinar se o tratamento ambulatorial com metformina6, ivermectina ou fluvoxamina poderia prevenir a COVID longa.

O COVID-OUT foi um estudo descentralizado em vários locais nos Estados Unidos que testou três medicamentos (metformina6, ivermectina, fluvoxamina) usando uma atribuição randomizada fatorial de tratamento paralelo 2x3 para compartilhar com eficiência os controles placebo8. Participantes, investigadores, prestadores de cuidados e avaliadores de resultados foram mascarados para atribuição de tratamento randomizado20.

Os critérios de inclusão incluíram: idade de 30 a 85 anos com sobrepeso12 ou obesidade13, sintomas5 por <7 dias, inscritos dentro de ≤3 dias desde a infecção21 documentada por SARS-CoV-2. O diagnóstico22 de COVID longa por um médico foi um resultado secundário pré-especificado avaliado por pesquisas mensais até 300 dias após a randomização e confirmado em registros médicos.

Dos 1.323 participantes do estudo randomizado23, 1.125 consentiram no acompanhamento de longo prazo e 95,1% completaram >9 meses de acompanhamento. A idade mediana foi de 45 anos (IQR, 37 a 54), e 56% eram do sexo feminino (7% grávidas). A mediana do IMC15 foi de 30 kg/m² (IQR, 27 a 34).

No geral, 8,4% dos participantes relataram que um médico os diagnosticou com COVID longa; incidência7 cumulativa: 6,3% com metformina6 e 10,6% com placebo8 correspondente. A taxa de risco (HR) para metformina6 prevenindo a COVID longa foi de 0,58 (IC 95%, 0,38 a 0,88; P = 0,009) versus placebo8.

O efeito da metformina6 foi consistente entre os subgrupos, incluindo variantes virais. Quando a metformina6 foi iniciada dentro de <4 dias após o início dos sintomas5, a HR para COVID longa foi de 0,37 (IC 95%, 0,15 a 0,95).

Nenhuma diferença estatística na COVID longa ocorreu naqueles randomizados para ivermectina (HR = 0,99; IC 95%, 0,59 a 1,64) ou fluvoxamina (HR = 1,36; IC 95%, 0,78 a 2,34).

O estudo concluiu que ocorreu uma diminuição relativa de 42% e uma diminuição absoluta de 4,3% na incidência7 de COVID longa em participantes que receberam tratamento ambulatorial precoce para COVID-19 com metformina6 em comparação com placebo8 de correspondência exata.

Veja também sobre "Eficácia das vacinas em uso contra a COVID-19".

 

Fontes:
SSRN - Preprints with The Lancet, publicação em 06 de março de 2023.
MedPage Today, notícia publicada em 08 de março de 2023.

 

NEWS.MED.BR, 2023. Tratamento precoce com metformina reduz o risco de COVID longa. Disponível em: <https://www.news.med.br/p/pharma-news/1434710/tratamento-precoce-com-metformina-reduz-o-risco-de-covid-longa.htm>. Acesso em: 17 abr. 2024.

Complementos

1 Pandemia: É uma epidemia de doença infecciosa que se espalha por um ou mais continentes ou por todo o mundo, causando inúmeras mortes. De acordo com a Organização Mundial da Saúde, a pandemia pode se iniciar com o aparecimento de uma nova doença na população, quando o agente infecta os humanos, causando doença séria ou quando o agente dissemina facilmente e sustentavelmente entre humanos. Epidemia global.
2 Vírus: Pequeno microorganismo capaz de infectar uma célula de um organismo superior e replicar-se utilizando os elementos celulares do hospedeiro. São capazes de causar múltiplas doenças, desde um resfriado comum até a AIDS.
3 Sinais: São alterações percebidas ou medidas por outra pessoa, geralmente um profissional de saúde, sem o relato ou comunicação do paciente. Por exemplo, uma ferida.
4 Síndrome: Conjunto de sinais e sintomas que se encontram associados a uma entidade conhecida ou não.
5 Sintomas: Alterações da percepção normal que uma pessoa tem de seu próprio corpo, do seu metabolismo, de suas sensações, podendo ou não ser um indício de doença. Os sintomas são as queixas relatadas pelo paciente mas que só ele consegue perceber. Sintomas são subjetivos, sujeitos à interpretação pessoal. A variabilidade descritiva dos sintomas varia em função da cultura do indivíduo, assim como da valorização que cada pessoa dá às suas próprias percepções.
6 Metformina: Medicamento para uso oral no tratamento do diabetes tipo 2. Reduz a glicemia por reduzir a quantidade de glicose produzida pelo fígado e ajudando o corpo a responder melhor à insulina produzida pelo pâncreas. Pertence à classe das biguanidas.
7 Incidência: Medida da freqüência em que uma doença ocorre. Número de casos novos de uma doença em um certo grupo de pessoas por um certo período de tempo.
8 Placebo: Preparação neutra quanto a efeitos farmacológicos, ministrada em substituição a um medicamento, com a finalidade de suscitar ou controlar as reações, geralmente de natureza psicológica, que acompanham tal procedimento terapêutico.
9 Emergência: 1. Ato ou efeito de emergir. 2. Situação grave, perigosa, momento crítico ou fortuito. 3. Setor de uma instituição hospitalar onde são atendidos pacientes que requerem tratamento imediato; pronto-socorro. 4. Eclosão. 5. Qualquer excrescência especializada ou parcial em um ramo ou outro órgão, formada por tecido epidérmico (ou da camada cortical) e um ou mais estratos de tecido subepidérmico, e que pode originar nectários, acúleos, etc. ou não se desenvolver em um órgão definido.
10 Saúde: 1. Estado de equilíbrio dinâmico entre o organismo e o seu ambiente, o qual mantém as características estruturais e funcionais do organismo dentro dos limites normais para sua forma de vida e para a sua fase do ciclo vital. 2. Estado de boa disposição física e psíquica; bem-estar. 3. Brinde, saudação que se faz bebendo à saúde de alguém. 4. Força física; robustez, vigor, energia.
11 Sequelas: 1. Na medicina, é a anomalia consequente a uma moléstia, da qual deriva direta ou indiretamente. 2. Ato ou efeito de seguir. 3. Grupo de pessoas que seguem o interesse de alguém; bando. 4. Efeito de uma causa; consequência, resultado. 5. Ato ou efeito de dar seguimento a algo que foi iniciado; sequência, continuação. 6. Sequência ou cadeia de fatos, coisas, objetos; série, sucessão. 7. Possibilidade de acompanhar a coisa onerada nas mãos de qualquer detentor e exercer sobre ela as prerrogativas de seu direito.
12 Sobrepeso: Peso acima do normal, índice de massa corporal entre 25 e 29,9.
13 Obesidade: Condição em que há acúmulo de gorduras no organismo além do normal, mais severo que o sobrepeso. O índice de massa corporal é igual ou maior que 30.
14 Índice de massa corporal: Medida usada para avaliar se uma pessoa está abaixo do peso, com peso normal, com sobrepeso ou obesa. É a medida mais usada na prática para saber se você é considerado obeso ou não. Também conhecido como IMC. É calculado dividindo-se o peso corporal em quilogramas pelo quadrado da altura em metros. Existe uma tabela da Organização Mundial de Saúde que classifica as medidas de acordo com o resultado encontrado.
15 IMC: Medida usada para avaliar se uma pessoa está abaixo do peso, com peso normal, com sobrepeso ou obesa. É a medida mais usada na prática para saber se você é considerado obeso ou não. Também conhecido como IMC. É calculado dividindo-se o peso corporal em quilogramas pelo quadrado da altura em metros. Existe uma tabela da Organização Mundial de Saúde que classifica as medidas de acordo com o resultado encontrado.
16 Tecido Adiposo: Tecido conjuntivo especializado composto por células gordurosas (ADIPÓCITOS). É o local de armazenamento de GORDURAS, geralmente na forma de TRIGLICERÍDEOS. Em mamíferos, existem dois tipos de tecido adiposo, a GORDURA BRANCA e a GORDURA MARROM. Suas distribuições relativas variam em diferentes espécies sendo que a maioria do tecido adiposo compreende o do tipo branco.
17 Tecido: Conjunto de células de características semelhantes, organizadas em estruturas complexas para cumprir uma determinada função. Exemplo de tecido: o tecido ósseo encontra-se formado por osteócitos dispostos em uma matriz mineral para cumprir funções de sustentação.
18 Imunidade: Capacidade que um indivíduo tem de defender-se perante uma agressão bacteriana, viral ou perante qualquer tecido anormal (tumores, enxertos, etc.).
19 Células: Unidades (ou subunidades) funcionais e estruturais fundamentais dos organismos vivos. São compostas de CITOPLASMA (com várias ORGANELAS) e limitadas por uma MEMBRANA CELULAR.
20 Randomizado: Ensaios clínicos comparativos randomizados são considerados o melhor delineamento experimental para avaliar questões relacionadas a tratamento e prevenção. Classicamente, são definidos como experimentos médicos projetados para determinar qual de duas ou mais intervenções é a mais eficaz mediante a alocação aleatória, isto é, randomizada, dos pacientes aos diferentes grupos de estudo. Em geral, um dos grupos é considerado controle – o que algumas vezes pode ser ausência de tratamento, placebo, ou mais frequentemente, um tratamento de eficácia reconhecida. Recursos estatísticos são disponíveis para validar conclusões e maximizar a chance de identificar o melhor tratamento. Esses modelos são chamados de estudos de superioridade, cujo objetivo é determinar se um tratamento em investigação é superior ao agente comparativo.
21 Infecção: Doença produzida pela invasão de um germe (bactéria, vírus, fungo, etc.) em um organismo superior. Como conseqüência da mesma podem ser produzidas alterações na estrutura ou funcionamento dos tecidos comprometidos, ocasionando febre, queda do estado geral, e inúmeros sintomas que dependem do tipo de germe e da reação imunológica perante o mesmo.
22 Diagnóstico: Determinação de uma doença a partir dos seus sinais e sintomas.
23 Estudo randomizado: Ensaios clínicos comparativos randomizados são considerados o melhor delineamento experimental para avaliar questões relacionadas a tratamento e prevenção. Classicamente, são definidos como experimentos médicos projetados para determinar qual de duas ou mais intervenções é a mais eficaz mediante a alocação aleatória, isto é, randomizada, dos pacientes aos diferentes grupos de estudo. Em geral, um dos grupos é considerado controle - o que algumas vezes pode ser ausência de tratamento, placebo, ou mais frequentemente, um tratamento de eficácia reconhecida. Recursos estatísticos são disponíveis para validar conclusões e maximizar a chance de identificar o melhor tratamento. Esses modelos são chamados de estudos de superioridade, cujo objetivo é determinar se um tratamento em investigação é superior ao agente comparativo.
Gostou do artigo? Compartilhe!