Gostou do artigo? Compartilhe!

Quem é mais provável de ser infectado com o SARS-CoV-2?

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie esta notícia

Apesar das atualizações diárias sobre o número de casos, internações e mortes em todo o mundo e o número crescente de séries de casos hospitalares, ainda estão faltando algumas das informações fundamentais sobre como o coronavírus 2 da síndrome1 respiratória aguda grave (SARS-CoV-2) se espalha na população e quem está realmente em risco de infecção2 e consequências graves.

No The Lancet Infectious Diseases, Simon de Lusignan e colaboradores relatam as características das primeiras 3.802 pessoas testadas para SARS-CoV-2 dentro da rede de vigilância de cuidados primários do Royal College of General Practitioners (RCGP). Diferentemente da maioria dos estudos anteriores que examinaram fatores de risco para prognóstico3 ruim, De Lusignan e colegas relatam características associadas à suscetibilidade à infecção2 por SARS-CoV-2.

O sistema de vigilância do RCGP, criado em 1957, monitora as consultas para doenças transmissíveis usando uma rede de 500 clínicas de clínica geral em toda a Inglaterra, que são amplamente representativas da população. O download automático de dados duas vezes por semana fornece um aviso em tempo real de epidemias iminentes. Em janeiro de 2020, a rede foi expandida para incluir o teste de SARS-CoV-2 entre indivíduos que apresentavam sintomas4 de influenza5 ou infecção2 respiratória. Os dados de vigilância da COVID-19, complementados com dados de rastreamento de contatos ou de instalações de rotina do Serviço Nacional de Saúde6, foram vinculados a registros eletrônicos de saúde6.

Leia sobre "Características da COVID-19 em NY" e "Mapeando o SARS-CoV-2".

Dos 3.802 testes, 587 (15,4%) foram positivos para SARS-CoV-2. A prevalência7 de infecção2 foi inferior a 5% em pacientes com menos de 18 anos (23 pacientes foram positivos [4,6%] em 499 testados), mas quase quatro vezes maior em pessoas com 40 anos ou mais (480 [18,2%] de 2.637).

Após o ajuste para outros fatores, o risco de infecção2 foi maior em homens do que em mulheres (odds ratio [OR] 1,55 [IC 95% 1,27–1,89]), em pessoas negras do que em brancas (OR 4,75 [2,65–8,51]) e em pessoas com obesidade8 do que em pessoas com peso normal (1,41 [1,04–1,91]).

O risco de infecção2 também foi maior naqueles que vivem em locais mais carentes ou em áreas urbanas e rurais. Surpreendentemente, o tamanho da família não afetou significativamente o risco de infecção2. Entre as comorbidades9 crônicas examinadas, apenas aqueles com doença renal10 crônica tiveram um risco aumentado de infecção2, enquanto o risco em fumantes ativos era cerca da metade do observado em nunca fumantes.

Dois artigos de pré-impressão examinaram os riscos em nível populacional. Um usou os dados do UK Biobank e corroborou os resultados sobre idade, sexo, raça negra e obesidade8 como fatores de risco para infecção2 grave; o outro, um estudo com 17 milhões de pacientes da atenção primária do Reino Unido, mostrou riscos aumentados de mortalidade11 hospitalar por COVID-19 com idade avançada, sexo masculino, obesidade8, maior privação e por pertencer a uma minoria étnica.

Comorbidades9 e tabagismo pareciam desempenhar um papel mais importante no mau prognóstico3 nesses estudos do que no desenvolvimento de infecção2 no estudo de De Lusignan e colaboradores.

Como ainda existem poucos estudos em nível populacional, o artigo de De Lusignan e colaboradores é uma importante nova contribuição com métodos estatísticos de alta qualidade que permitem quantificar riscos independentes. No entanto, os dados não são totalmente representativos da população em geral, excluindo aqueles com sintomas4 leves ou inexistentes e, em vez disso, refletindo os padrões de consulta, com super-representação de mulheres e idosos, mas menos fumantes.

Limiares mais baixos para apresentação (por exemplo, entre mulheres) pode diluir a positividade do teste em comparação com os grupos que podem apresentar apenas se estiverem mais gravemente doentes. Também é possível que haja fatores de confusão não medidos – por exemplo, exposições, interações e comportamentos sociais e no local de trabalho, o que pode explicar o aumento do risco em alguns grupos.

Diferentemente de outros relatos, este estudo sugere que as diferenças entre os sexos nos maus resultados do COVID-19 estão pelo menos em parte relacionadas à suscetibilidade diferencial à infecção2. O papel da etnia na maior suscetibilidade e pior prognóstico3 é uma preocupação crescente e merece mais estudos. Parece que a maioria das comorbidades9 (exceto doença renal10 crônica), embora importante para a previsão do prognóstico3, não tem um papel importante na suscetibilidade à infecção2.

Em relação aos resultados do tabagismo, é provável que eles reflitam padrões de consultas e taxas mais altas de tosse não infecciosa entre fumantes do que não fumantes. O tabagismo parece importante como fator de risco12 para prognóstico3 ruim, mas os estudos são conflitantes e a associação merece uma investigação mais aprofundada.

O principal fator de risco12 modificável é a obesidade8, que apresenta um duplo problema de aumentar a suscetibilidade à infecção2, bem como o risco de graves consequências.

No entanto, o que é fundamentalmente claro é que, quaisquer que sejam os fatores de risco específicos, a pandemia13 da COVID-19 exacerba as desigualdades socioeconômicas existentes, e isso precisa de exploração e mitigação nos próximos meses e anos. Enquanto o Reino Unido se prepara para afrouxar as medidas de lockdown, saber quem tem maior risco de infecção2 é vital.

Este estudo destaca os subgrupos mais suscetíveis entre aqueles com sintomas4 relevantes, embora não se tenha certeza de por que eles são mais suscetíveis. Estudos de nível populacional com testes entre amostras aleatórias da população em geral (independentemente dos sintomas4), bem como testes precisos de anticorpos14 de infecções15 passadas, são urgentemente necessários.

Veja também sobre "Escore de risco clínico para COVID-19 grave", "Dinâmica da excreção viral e transmissibilidade da COVID-19" e "Infecção2 por SARS-CoV-2 em crianças e adolescentes".

 

Fonte: The Lancet Infectious Diseases, comentário publicado em 15 de maio de 2020.

 

NEWS.MED.BR, 2020. Quem é mais provável de ser infectado com o SARS-CoV-2?. Disponível em: <https://www.news.med.br/p/medical-journal/1367598/quem-e-mais-provavel-de-ser-infectado-com-o-sars-cov-2.htm>. Acesso em: 11 ago. 2020.

Complementos

1 Síndrome: Conjunto de sinais e sintomas que se encontram associados a uma entidade conhecida ou não.
2 Infecção: Doença produzida pela invasão de um germe (bactéria, vírus, fungo, etc.) em um organismo superior. Como conseqüência da mesma podem ser produzidas alterações na estrutura ou funcionamento dos tecidos comprometidos, ocasionando febre, queda do estado geral, e inúmeros sintomas que dependem do tipo de germe e da reação imunológica perante o mesmo.
3 Prognóstico: 1. Juízo médico, baseado no diagnóstico e nas possibilidades terapêuticas, em relação à duração, à evolução e ao termo de uma doença. Em medicina, predição do curso ou do resultado provável de uma doença; prognose. 2. Predição, presságio, profecia relativos a qualquer assunto. 3. Relativo a prognose. 4. Que traça o provável desenvolvimento futuro ou o resultado de um processo. 5. Que pode indicar acontecimentos futuros (diz-se de sinal, sintoma, indício, etc.). 6. No uso pejorativo, pernóstico, doutoral, professoral; prognóstico.
4 Sintomas: Alterações da percepção normal que uma pessoa tem de seu próprio corpo, do seu metabolismo, de suas sensações, podendo ou não ser um indício de doença. Os sintomas são as queixas relatadas pelo paciente mas que só ele consegue perceber. Sintomas são subjetivos, sujeitos à interpretação pessoal. A variabilidade descritiva dos sintomas varia em função da cultura do indivíduo, assim como da valorização que cada pessoa dá às suas próprias percepções.
5 Influenza: Doença infecciosa, aguda, de origem viral que acomete o trato respiratório, ocorrendo em epidemias ou pandemias e frequentemente se complicando pela associação com outras infecções bacterianas.
6 Saúde: 1. Estado de equilíbrio dinâmico entre o organismo e o seu ambiente, o qual mantém as características estruturais e funcionais do organismo dentro dos limites normais para sua forma de vida e para a sua fase do ciclo vital. 2. Estado de boa disposição física e psíquica; bem-estar. 3. Brinde, saudação que se faz bebendo à saúde de alguém. 4. Força física; robustez, vigor, energia.
7 Prevalência: Número de pessoas em determinado grupo ou população que são portadores de uma doença. Número de casos novos e antigos desta doença.
8 Obesidade: Condição em que há acúmulo de gorduras no organismo além do normal, mais severo que o sobrepeso. O índice de massa corporal é igual ou maior que 30.
9 Comorbidades: Coexistência de transtornos ou doenças.
10 Renal: Relacionado aos rins. Uma doença renal é uma doença dos rins. Insuficiência renal significa que os rins pararam de funcionar.
11 Mortalidade: A taxa de mortalidade ou coeficiente de mortalidade é um dado demográfico do número de óbitos, geralmente para cada mil habitantes em uma dada região, em um determinado período de tempo.
12 Fator de risco: Qualquer coisa que aumente a chance de uma pessoa desenvolver uma doença.
13 Pandemia: É uma epidemia de doença infecciosa que se espalha por um ou mais continentes ou por todo o mundo, causando inúmeras mortes. De acordo com a Organização Mundial da Saúde, a pandemia pode se iniciar com o aparecimento de uma nova doença na população, quando o agente infecta os humanos, causando doença séria ou quando o agente dissemina facilmente e sustentavelmente entre humanos. Epidemia global.
14 Anticorpos: Proteínas produzidas pelo organismo para se proteger de substâncias estranhas como bactérias ou vírus. As pessoas que têm diabetes tipo 1 produzem anticorpos que destroem as células beta produtoras de insulina do próprio organismo.
15 Infecções: Doença produzida pela invasão de um germe (bactéria, vírus, fungo, etc.) em um organismo superior. Como conseqüência da mesma podem ser produzidas alterações na estrutura ou funcionamento dos tecidos comprometidos, ocasionando febre, queda do estado geral, e inúmeros sintomas que dependem do tipo de germe e da reação imunológica perante o mesmo.
Gostou do artigo? Compartilhe!