Gostou do artigo? Compartilhe!

Desenvolvimento e validação de um escore de risco clínico para predizer a ocorrência de doença crítica em pacientes hospitalizados com COVID-19

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie esta notícia

Quais características epidemiológicas e clínicas estão associadas ao desenvolvimento de doença crítica em pacientes com a nova doença do coronavírus (COVID-19)? Essas características podem ser usadas para prever quais pacientes internados no hospital com COVID-19 precisarão de internação em uma unidade de terapia intensiva1, ventilação2 mecânica ou morrerão?

A identificação precoce de pacientes com COVID-19 que podem desenvolver doença crítica é de grande importância e pode auxiliar no fornecimento de tratamento adequado e na otimização de uso dos recursos.

O objetivo desse estudo, publicado no JAMA Internal Medicine, foi desenvolver e validar um escore clínico no momento da admissão hospitalar para prever quais pacientes com COVID-19 desenvolverão doença crítica, com base em uma coorte3 nacional na China.

Saiba mais sobre "Como é a COVID-19" e "Características clínicas da COVID-19".

Em colaboração com a Comissão Nacional de Saúde4 da China, foi estabelecida uma coorte3 retrospectiva de pacientes com COVID-19 de 575 hospitais em 31 regiões administrativas provinciais em 31 de janeiro de 2020. As variáveis ​​epidemiológicas, clínicas, laboratoriais e de imagem verificadas na admissão hospitalar foram examinadas usando o operador menos absoluto de retração e seleção (LASSO) e regressão logística para construir um escore de risco preditivo (COVID-GRAM).

O escore fornece uma estimativa do risco de um paciente hospitalizado com COVID-19 desenvolver doença grave. A precisão do escore foi medida pela área sob a curva característica de operação do receptor (AUC). Dados de quatro coortes adicionais na China hospitalizados com COVID-19 foram utilizados para validar a pontuação. Os dados foram analisados ​​entre 20 de fevereiro de 2020 e 17 de março de 2020.

Entre os pacientes com COVID-19 internados no hospital, a doença crítica foi definida como a medida composta de admissão na unidade de terapia intensiva1, ventilação2 invasiva ou morte.

A coorte3 de desenvolvimento incluiu 1590 pacientes. A idade média (DP) dos pacientes da coorte3 foi de 48,9 (15,7) anos; 904 (57,3%) eram homens e 399 (25,1%) tinham pelo menos uma condição coexistente, incluindo hipertensão5 (269 [16,9%]), diabetes6 (130 [8,2%]) e doença cardiovascular (59 [3,7%]) como as três principais comorbidades7.

 A coorte3 de validação incluiu 710 pacientes com idade média (DP) de 48,2 (15,2) anos; 382 (53,8%) eram homens e 172 (24,2%) tinham pelo menos uma condição coexistente.

Dos 72 preditores em potencial, 10 variáveis ​​foram fatores preditivos independentes e foram incluídos no escore de risco:

  • anormalidade radiográfica do tórax8 (OR, 3,39; IC 95%, 2,14-5,38)
  • idade (OR, 1,03; IC 95%, 1,01-1,05)
  • hemoptise9 (OR, 4,53; IC 95%, 1,36-15,15)
  • dispneia10 (OR, 1,88; IC 95%, 1,18-3,01)
  • inconsciência11 (OR, 4,71; IC 95%, 1,39-15,98)
  • número de comorbidades7 (OR, 1,60; IC 95%, 1,27-2,00)
  • história de câncer12 (OR 4,07; IC 95%, 1,23-13,43)
  • razão neutrófilos13/linfócitos (OR 1,06; IC 95% 1,02-1,10)
  • lactato14 desidrogenase (OR, 1,002; IC 95%, 1,001-1,004)
  • bilirrubina15 direta (OR, 1,15; IC 95%, 1,06-1,24)

A AUC média na coorte3 de desenvolvimento foi de 0,88 (IC 95%, 0,85-0,91) e a AUC na coorte3 de validação foi de 0,88 (IC 95%, 0,84-0,93). O escore foi traduzido em uma calculadora de risco online disponível gratuitamente ao público (http://118.126.104.170)

Neste estudo, foi desenvolvido um escore de risco com base nas características dos pacientes com COVID-19 no momento da admissão no hospital que pode ajudar a prever o risco de um paciente desenvolver doença crítica.

Leia sobre "Remdesivir em adultos com COVID-19 grave" e "COVID-19 - o que se sabe sobre uma vacina16".

 

Fonte: JAMA Internal Medicine, publicação em 12 de maio de 2020.

 

NEWS.MED.BR, 2020. Desenvolvimento e validação de um escore de risco clínico para predizer a ocorrência de doença crítica em pacientes hospitalizados com COVID-19. Disponível em: <https://www.news.med.br/p/medical-journal/1367228/desenvolvimento-e-validacao-de-um-escore-de-risco-clinico-para-predizer-a-ocorrencia-de-doenca-critica-em-pacientes-hospitalizados-com-covid-19.htm>. Acesso em: 18 set. 2020.

Complementos

1 Terapia intensiva: Tratamento para diabetes no qual os níveis de glicose são mantidos o mais próximo do normal possível através de injeções freqüentes ou uso de bomba de insulina, planejamento das refeições, ajuste em medicamentos hipoglicemiantes e exercícios baseados nos resultados de testes de glicose além de contatos freqüentes entre o diabético e o profissional de saúde.
2 Ventilação: 1. Ação ou efeito de ventilar, passagem contínua de ar fresco e renovado, num espaço ou recinto. 2. Agitação ou movimentação do ar, natural ou provocada para estabelecer sua circulação dentro de um ambiente. 3. Em fisiologia, é o movimento de ar nos pulmões. Perfusão Em medicina, é a introdução de substância líquida nos tecidos por meio de injeção em vasos sanguíneos.
3 Coorte: Grupo de indivíduos que têm algo em comum ao serem reunidos e que são observados por um determinado período de tempo para que se possa avaliar o que ocorre com eles. É importante que todos os indivíduos sejam observados por todo o período de seguimento, já que informações de uma coorte incompleta podem distorcer o verdadeiro estado das coisas. Por outro lado, o período de tempo em que os indivíduos serão observados deve ser significativo na história natural da doença em questão, para que haja tempo suficiente do risco se manifestar.
4 Saúde: 1. Estado de equilíbrio dinâmico entre o organismo e o seu ambiente, o qual mantém as características estruturais e funcionais do organismo dentro dos limites normais para sua forma de vida e para a sua fase do ciclo vital. 2. Estado de boa disposição física e psíquica; bem-estar. 3. Brinde, saudação que se faz bebendo à saúde de alguém. 4. Força física; robustez, vigor, energia.
5 Hipertensão: Condição presente quando o sangue flui através dos vasos com força maior que a normal. Também chamada de pressão alta. Hipertensão pode causar esforço cardíaco, dano aos vasos sangüíneos e aumento do risco de um ataque cardíaco, derrame ou acidente vascular cerebral, além de problemas renais e morte.
6 Diabetes: Nome que designa um grupo de doenças caracterizadas por diurese excessiva. A mais frequente é o Diabetes mellitus, ainda que existam outras variantes (Diabetes insipidus) de doença nas quais o transtorno primário é a incapacidade dos rins de concentrar a urina.
7 Comorbidades: Coexistência de transtornos ou doenças.
8 Tórax: Parte superior do tronco entre o PESCOÇO e o ABDOME; contém os principais órgãos dos sistemas circulatório e respiratório. (Tradução livre do original Sinônimos: Peito; Caixa Torácica
9 Hemoptise: Eliminação de sangue vivo, vermelho rutilante, procedente das vias aéreas juntamente com a tosse. Pode ser manifestação de um tumor de pulmão, bronquite necrotizante ou tuberculose pulmonar.
10 Dispnéia: Falta de ar ou dificuldade para respirar caracterizada por respiração rápida e curta, geralmente está associada a alguma doença cardíaca ou pulmonar.
11 Inconsciência: Distúrbio no estado de alerta, no qual existe uma incapacidade de reconhecer e reagir perante estímulos externos. Pode apresentar-se em tumores, infecções e infartos do sistema nervoso central, assim como também em intoxicações por substâncias endógenas ou exógenas.
12 Câncer: Crescimento anormal de um tecido celular capaz de invadir outros órgãos localmente ou à distância (metástases).
13 Neutrófilos: Leucócitos granulares que apresentam um núcleo composto de três a cinco lóbulos conectados por filamenos delgados de cromatina. O citoplasma contém grânulos finos e inconspícuos que coram-se com corantes neutros.
14 Lactato: Sal ou éster do ácido láctico ou ânion dele derivado.
15 Bilirrubina: Pigmento amarelo que é produto da degradação da hemoglobina. Quando aumenta no sangue, acima de seus valores normais, pode produzir uma coloração amarelada da pele e mucosas, denominada icterícia. Pode estar aumentado no sangue devido a aumento da produção do mesmo (excesso de degradação de hemoglobina) ou por dificuldade de escoamento normal (por exemplo, cálculos biliares, hepatite).
16 Vacina: Tratamento à base de bactérias, vírus vivos atenuados ou seus produtos celulares, que têm o objetivo de produzir uma imunização ativa no organismo para uma determinada infecção.
Gostou do artigo? Compartilhe!