Gostou do artigo? Compartilhe!

Estudo oferece uma indicação de quanto de peso é recuperado após parar de usar a tirzepatida

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie esta notícia

O medicamento para perda de peso Zepbound foi recentemente aprovado nos EUA e já está em análise pela Anvisa no Brasil. As pessoas que procuram o medicamento podem ter de continuar a tomá-lo no futuro previsível – potencialmente, para o resto das suas vidas – se quiserem manter o peso baixo, confirma uma nova pesquisa.

Um estudo publicado no periódico científico JAMA acompanhou 670 pessoas que tomaram tirzepatida, o composto do Zepbound e do medicamento para diabetes1 Mounjaro, durante 36 semanas. A Eli Lilly, empresa que fabrica os dois medicamentos, financiou o estudo. A tirzepatida regula os níveis de insulina2 e retarda o esvaziamento do estômago3. Também atua em áreas do cérebro4 que controlam a fome e o apetite. Como resultado, as pessoas podem perder peso significativo: em média, os participantes do estudo perderam cerca de 20% do peso corporal durante esse período.

Depois disso, metade dos participantes continuou a tomar uma dose elevada de tirzepatida durante um ano, enquanto a outra metade recebeu uma dose de placebo5. Os participantes do estudo também foram submetidos a aconselhamento sobre estilo de vida, garantindo que comiam menos calorias6 e praticavam exercícios regularmente.

As pessoas que continuaram a tomar tirzepatida por mais um ano perderam, em média, outros 5,5% do peso corporal. Aqueles que mudaram para o placebo5, no entanto, ganharam em média 14% do peso corporal. Aqueles que tomaram placebo5 também tenderam a ter colesterol7, açúcar8 no sangue9 e pressão arterial10 mais elevados do que enquanto tomavam tirzepatida, disse o Dr. Louis Aronne, principal autor do estudo e diretor do Centro Abrangente de Controle de Peso da Weill Cornell Medicine.

Leia sobre "Tratamento da obesidade11" e "Como funciona o controle do apetite".

Nada disso surpreende os médicos que prescrevem esses medicamentos.

“Não daríamos a alguém um remédio para pressão arterial10 e diríamos: Ótimo, sua pressão arterial10 está melhor, você deveria parar com isso’”, disse a Dra. Michelle Hauser, diretora de medicina para obesidade11 do Centro de Estilo de Vida e Controle de Peso de Stanford. “De alguma forma, as pessoas têm esse pensamento mágico em relação à obesidade11, como se você fosse tomar esse medicamento e ele causasse perda de peso e continuasse assim.”

Outra pesquisa mostrou resultados semelhantes para aqueles que tomam semaglutida, o composto do medicamento para diabetes1 Ozempic e do medicamento para perda de peso Wegovy.

As pessoas no grupo placebo5 não recuperaram todo o peso que perderam nas primeiras 36 semanas do estudo. Não está claro se eles mantiveram parte da perda de peso por causa de um efeito prolongado da tirzepatida, disse Aronne, ou se o aconselhamento sobre estilo de vida desempenhou um papel.

Ainda assim, o ganho de peso costuma ser uma realidade para muitos pacientes que desejam abandonar esses medicamentos, disse a Dra. Melanie Jay, diretora do Programa Abrangente sobre Obesidade11 da N.Y.U. Langone. Os efeitos colaterais12 podem ser desgastantes, especialmente quando as pessoas começam a tomar os medicamentos: 53 pessoas abandonaram o ensaio devido a efeitos colaterais12, como náuseas13, diarreia14 e constipação15.

O custo também é um fator – a cobertura dos planos de saúde16 pode ser irregular e o preço de tabela do Zepbound é superior a US$ 1.000 por mês nos EUA, embora alguns pacientes acabem pagando menos no balcão da farmácia. Muitas vezes, os pacientes têm dificuldade em encontrar os medicamentos – algumas doses de Wegovy e Ozempic estão em falta, e o Mounjaro também enfrentou desafios de abastecimento no último ano.

E alguns pacientes simplesmente não querem se injetar indefinidamente. “Ninguém quer tomar remédios para sempre”, disse a Dra. Jay. “Para qualquer coisa.”

A tirzepatida e medicamentos semelhantes são considerados medicamentos de longo prazo, mas ainda não existem dados robustos sobre o que acontece quando as pessoas os tomam durante décadas. Ozempic, Wegovy, Mounjaro e Zepbound pertencem todos a uma única classe de medicamentos que está no mercado há menos de 20 anos. “No grande esquema dos medicamentos, esse é um período de tempo muito curto”, disse a Dra. Hauser.

Por enquanto, os médicos disseram que tentam equilibrar os efeitos colaterais12 e possíveis riscos desses medicamentos com os problemas de saúde16 que acompanham a obesidade11 não tratada.

Mas, reconheceram, a única forma de manter os benefícios dos medicamentos para perda de peso pode ser continuar a tomá-los.

“Se um paciente quiser parar de tomar o remédio, vamos tentar. Mas também dizemos quais são os resultados – até agora, parece que a maioria das pessoas vai ganhar peso de volta”, disse a Dra. Jay. “E isso não é culpa sua. É porque a obesidade11 é uma doença e este medicamento está ajudando a combatê-la.”

No estudo publicado, os pesquisadores relatam que o efeito da continuação do tratamento com tirzepatida na manutenção da redução de peso inicial é desconhecido.

O objetivo do estudo, portanto, foi avaliar o efeito da tirzepatida, com dieta e atividade física, na manutenção da redução de peso.

Este ensaio clínico randomizado17, de fase 3, de retirada de medicamento, realizado em 70 locais em 4 países com um período de introdução de tirzepatida de rótulo aberto de 36 semanas seguido por um período de 52 semanas, duplo-cego e controlado por placebo5, incluiu adultos com índice de massa corporal18 maior ou igual a 30, ou maior ou igual a 27 e uma complicação relacionada ao peso, excluindo diabetes1.

Os participantes (n = 783) inscritos em um período de introdução de rótulo aberto receberam dose subcutânea19 máxima tolerada (10 ou 15 mg) de tirzepatida uma vez por semana durante 36 semanas. Na semana 36, um total de 670 participantes foram randomizados (1:1) para continuar recebendo tirzepatida (n = 335) ou mudar para placebo5 (n = 335) por 52 semanas.

O desfecho primário foi a variação percentual média no peso desde a semana 36 (randomização) até a semana 88. Os principais desfechos secundários incluíram a proporção de participantes na semana 88 que mantiveram pelo menos 80% da perda de peso alcançada durante o período de introdução.

Os participantes (n = 670; idade média, 48 anos; 473 [71%] mulheres; peso médio, 107,3 kg) que completaram o período de introdução de 36 semanas experimentaram uma redução média de peso de 20,9%.

A alteração percentual média do peso da semana 36 à semana 88 foi de -5,5% com tirzepatida vs 14,0% com placebo5 (diferença, -19,4% [IC 95%, -21,2% a -17,7%]; P <0,001).

No geral, na semana 88, 300 participantes (89,5%) que receberam tirzepatida mantiveram pelo menos 80% da perda de peso alcançada durante o período de introdução, em comparação com 16,6% daqueles que receberam placebo5 (P <0,001).

A redução média global do peso da semana 0 à 88 foi de 25,3% para a tirzepatida e de 9,9% para o placebo5.

Os eventos adversos mais comuns foram principalmente eventos gastrointestinais leves a moderados, que ocorreram mais comumente com tirzepatida versus placebo5.

O estudo concluiu que, em participantes com obesidade11 ou excesso de peso, a retirada da tirzepatida levou a uma recuperação substancial do peso perdido, enquanto a continuação do tratamento manteve e aumentou a redução de peso inicial.

Veja também sobre "Consequências do emagrecimento rápido" e "O perigo dos remédios para emagrecer".

 

Fontes:
JAMA, publicação em 11 de dezembro de 2023.
The New York Times, notícia publicada em 11 de dezembro de 2023.

 

NEWS.MED.BR, 2023. Estudo oferece uma indicação de quanto de peso é recuperado após parar de usar a tirzepatida. Disponível em: <https://www.news.med.br/p/medical-journal/1463137/estudo-oferece-uma-indicacao-de-quanto-de-peso-e-recuperado-apos-parar-de-usar-a-tirzepatida.htm>. Acesso em: 21 abr. 2024.

Complementos

1 Diabetes: Nome que designa um grupo de doenças caracterizadas por diurese excessiva. A mais frequente é o Diabetes mellitus, ainda que existam outras variantes (Diabetes insipidus) de doença nas quais o transtorno primário é a incapacidade dos rins de concentrar a urina.
2 Insulina: Hormônio que ajuda o organismo a usar glicose como energia. As células-beta do pâncreas produzem insulina. Quando o organismo não pode produzir insulna em quantidade suficiente, ela é usada por injeções ou bomba de insulina.
3 Estômago: Órgão da digestão, localizado no quadrante superior esquerdo do abdome, entre o final do ESÔFAGO e o início do DUODENO.
4 Cérebro: Derivado do TELENCÉFALO, o cérebro é composto dos hemisférios direito e esquerdo. Cada hemisfério contém um córtex cerebral exterior e gânglios basais subcorticais. O cérebro inclui todas as partes dentro do crânio exceto MEDULA OBLONGA, PONTE e CEREBELO. As funções cerebrais incluem as atividades sensório-motora, emocional e intelectual.
5 Placebo: Preparação neutra quanto a efeitos farmacológicos, ministrada em substituição a um medicamento, com a finalidade de suscitar ou controlar as reações, geralmente de natureza psicológica, que acompanham tal procedimento terapêutico.
6 Calorias: Dizemos que um alimento tem “x“ calorias, para nos referirmos à quantidade de energia que ele pode fornecer ao organismo, ou seja, à energia que será utilizada para o corpo realizar suas funções de respiração, digestão, prática de atividades físicas, etc.
7 Colesterol: Tipo de gordura produzida pelo fígado e encontrada no sangue, músculos, fígado e outros tecidos. O colesterol é usado pelo corpo para a produção de hormônios esteróides (testosterona, estrógeno, cortisol e progesterona). O excesso de colesterol pode causar depósito de gordura nos vasos sangüíneos. Seus componentes são: HDL-Colesterol: tem efeito protetor para as artérias, é considerado o bom colesterol. LDL-Colesterol: relacionado às doenças cardiovasculares, é o mau colesterol. VLDL-Colesterol: representa os triglicérides (um quinto destes).
8 Açúcar: 1. Classe de carboidratos com sabor adocicado, incluindo glicose, frutose e sacarose. 2. Termo usado para se referir à glicemia sangüínea.
9 Sangue: O sangue é uma substância líquida que circula pelas artérias e veias do organismo. Em um adulto sadio, cerca de 45% do volume de seu sangue é composto por células (a maioria glóbulos vermelhos, glóbulos brancos e plaquetas). O sangue é vermelho brilhante, quando oxigenado nos pulmões (nos alvéolos pulmonares). Ele adquire uma tonalidade mais azulada, quando perde seu oxigênio, através das veias e dos pequenos vasos denominados capilares.
10 Pressão arterial: A relação que define a pressão arterial é o produto do fluxo sanguíneo pela resistência. Considerando-se a circulação como um todo, o fluxo total é denominado débito cardíaco, enquanto a resistência é denominada de resistência vascular periférica total.
11 Obesidade: Condição em que há acúmulo de gorduras no organismo além do normal, mais severo que o sobrepeso. O índice de massa corporal é igual ou maior que 30.
12 Efeitos colaterais: 1. Ação não esperada de um medicamento. Ou seja, significa a ação sobre alguma parte do organismo diferente daquela que precisa ser tratada pelo medicamento. 2. Possível reação que pode ocorrer durante o uso do medicamento, podendo ser benéfica ou maléfica.
13 Náuseas: Vontade de vomitar. Forma parte do mecanismo complexo do vômito e pode ser acompanhada de sudorese, sialorréia (salivação excessiva), vertigem, etc .
14 Diarréia: Aumento do volume, freqüência ou quantidade de líquido nas evacuações.Deve ser a manifestação mais freqüente de alteração da absorção ou transporte intestinal de substâncias, alterações estas que em geral são devidas a uma infecção bacteriana ou viral, a toxinas alimentares, etc.
15 Constipação: Retardo ou dificuldade nas defecações, suficiente para causar desconforto significativo para a pessoa. Pode significar que as fezes são duras, difíceis de serem expelidas ou infreqüentes (evacuações inferiores a três vezes por semana), ou ainda a sensação de esvaziamento retal incompleto, após as defecações.
16 Saúde: 1. Estado de equilíbrio dinâmico entre o organismo e o seu ambiente, o qual mantém as características estruturais e funcionais do organismo dentro dos limites normais para sua forma de vida e para a sua fase do ciclo vital. 2. Estado de boa disposição física e psíquica; bem-estar. 3. Brinde, saudação que se faz bebendo à saúde de alguém. 4. Força física; robustez, vigor, energia.
17 Randomizado: Ensaios clínicos comparativos randomizados são considerados o melhor delineamento experimental para avaliar questões relacionadas a tratamento e prevenção. Classicamente, são definidos como experimentos médicos projetados para determinar qual de duas ou mais intervenções é a mais eficaz mediante a alocação aleatória, isto é, randomizada, dos pacientes aos diferentes grupos de estudo. Em geral, um dos grupos é considerado controle – o que algumas vezes pode ser ausência de tratamento, placebo, ou mais frequentemente, um tratamento de eficácia reconhecida. Recursos estatísticos são disponíveis para validar conclusões e maximizar a chance de identificar o melhor tratamento. Esses modelos são chamados de estudos de superioridade, cujo objetivo é determinar se um tratamento em investigação é superior ao agente comparativo.
18 Índice de massa corporal: Medida usada para avaliar se uma pessoa está abaixo do peso, com peso normal, com sobrepeso ou obesa. É a medida mais usada na prática para saber se você é considerado obeso ou não. Também conhecido como IMC. É calculado dividindo-se o peso corporal em quilogramas pelo quadrado da altura em metros. Existe uma tabela da Organização Mundial de Saúde que classifica as medidas de acordo com o resultado encontrado.
19 Subcutânea: Feita ou situada sob a pele; hipodérmica.
Gostou do artigo? Compartilhe!