Gostou do artigo? Compartilhe!

Wegovy reduz a forte carga de sintomas da insuficiência cardíaca relacionada à obesidade

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie esta notícia

Um dos principais novos medicamentos contra a obesidade1, o Wegovy (semaglutida), aliviou os sintomas2 e melhorou a qualidade de vida dos pacientes com obesidade1 e um tipo comum de insuficiência cardíaca3, concluiu um estudo financiado pela fabricante do medicamento, acrescentando evidências de que esses medicamentos podem produzir benefícios para a saúde4 para além da perda de peso.

O estudo, publicado no The New England Journal of Medicine, avaliou o medicamento em pessoas com uma condição conhecida como fração de ejeção preservada, na qual o coração5 bombeia normalmente, mas perdeu a flexibilidade necessária para se encher de sangue6. A condição é responsável por cerca de metade de todos os casos de insuficiência cardíaca3.

Atualmente não existem tratamentos aprovados para o fenótipo7 específico da combinação de insuficiência cardíaca3 com fração de ejeção preservada e obesidade1, cuja prevalência8 é grande e cresce com o aumento da obesidade1, diabetes9 e idade avançada. O fenótipo7 apresenta uma carga particularmente elevada de limitações físicas e baixa qualidade de vida.

Os pacientes que receberam Wegovy no ensaio mostraram maiores melhorias na aptidão física e em sintomas2 como fadiga10 e falta de ar do que aqueles que receberam placebo11. O estudo, que incluiu 529 participantes e durou um ano, não foi concebido para avaliar emergências cardíacas, mas descobriu que 12 pacientes que receberam placebo11 e apenas um que recebeu Wegovy foram hospitalizados ou necessitaram de uma consulta médica urgente por insuficiência cardíaca3.

O medicamento mostrou alívio mais pronunciado dos sintomas2 de insuficiência cardíaca3 do que outros tratamentos, disse o estudo.

Saiba mais sobre "Tratamento da obesidade1" e "Insuficiência cardíaca congestiva12".

“Esta é uma enorme população de pacientes extremamente sintomática13, para a qual tivemos poucas ou nenhuma opção de tratamento e na qual a obesidade1 é altamente prevalente”, disse o Dr. Mikhail Kosiborod, cardiologista14 do Saint Luke's Mid America Heart Institute em Kansas City e o investigador principal do estudo, que também presta consultoria para a Novo Nordisk, fabricante do Wegovy. “Será uma verdadeira mudança de paradigma.”

Os cardiologistas costumavam ver a obesidade1 como uma condição que simplesmente coexistia com a insuficiência cardíaca3. Mas, o novo estudo reforçou a evidência de que a obesidade1 é a principal causa da doença.

“É uma prova de conceito15 que em muitos pacientes com este tipo de insuficiência cardíaca3, onde a obesidade1 é de fato causal, ela precisa ser tratada como uma causa raiz da insuficiência cardíaca3 e precisa ser direcionada como uma estratégia terapêutica”, disse o Dr.

Outro estudo que avalia o medicamento em pacientes com insuficiência cardíaca3, obesidade1 e diabetes9 deverá ser concluído este ano. Se esse estudo também produzir resultados promissores, a Novo Nordisk disse que poderia tentar que o medicamento fosse formalmente recomendado para o tratamento da insuficiência cardíaca3.

Cientistas que não trabalharam no ensaio afirmaram que seria importante estudar o medicamento durante períodos mais longos e em mais pacientes, permitindo aos investigadores determinar se realmente reduzia a probabilidade de hospitalizações ou mortes. Mas dada a gravidade das limitações físicas e dos sintomas2 em pacientes com este tipo de insuficiência cardíaca3, as melhorias apenas nessas medidas foram notáveis, disseram.

Numa medida de 100 pontos de qualidade de vida e capacidades físicas, os pacientes que receberam Wegovy experimentaram uma maior melhoria dos seus sintomas2, em cerca de oito pontos a mais do que os pacientes que receberam placebo11, de acordo com o estudo. As pessoas que tomaram Wegovy também mostraram maiores ganhos em um teste de caminhada de seis minutos. Além disso, o medicamento conferiu uma redução média de 13,3% no peso corporal, versus 2,6% com placebo11.

No artigo publicado, os pesquisadores relatam que a insuficiência cardíaca3 com fração de ejeção preservada está aumentando em prevalência8 e está associada a uma alta carga de sintomas2 e comprometimento funcional, especialmente em pessoas com obesidade1. Nenhuma terapia foi aprovada para combater a insuficiência cardíaca3 com fração de ejeção preservada relacionada à obesidade1.

Distribuiu-se aleatoriamente 529 pacientes com insuficiência cardíaca3 com fração de ejeção preservada e índice de massa corporal16 igual ou superior a 30 para receber semaglutida (2,4 mg) uma vez por semana ou placebo11 por 52 semanas.

Os desfechos primários duplos foram a mudança em relação ao valor basal na pontuação de resumo clínico do Kansas City Cardiomyopathy Questionnaire (KCCQ-CSS; as pontuações variam de 0 a 100, com pontuações mais altas indicando menos sintomas2 e limitações físicas) e a mudança no peso corporal. Os desfechos secundários confirmatórios incluíram a mudança na distância percorrida em 6 minutos; um desfecho composto hierárquico que incluiu morte, eventos de insuficiência cardíaca3 e diferenças na alteração no KCCQ-CSS e na distância percorrida em 6 minutos; e a alteração no nível de proteína C reativa (PCR17).

A alteração média no KCCQ-CSS foi de 16,6 pontos com semaglutida e 8,7 pontos com placebo11 (diferença estimada, 7,8 pontos; intervalo de confiança [IC] de 95%, 4,8 a 10,9; P <0,001), e a alteração percentual média no peso corporal foi de -13,3% com semaglutida e -2,6% com placebo11 (diferença estimada, -10,7 pontos percentuais; IC 95%, -11,9 a -9,4; P <0,001). A mudança média na distância percorrida em 6 minutos foi de 21,5 m com semaglutida e 1,2 m com placebo11 (diferença estimada, 20,3 m; IC 95%, 8,6 a 32,1; P <0,001).

Na análise do desfecho composto hierárquico, a semaglutida produziu mais vitórias que o placebo11 (proporção de vitórias, 1,72; IC 95%, 1,37 a 2,15; P <0,001). A alteração percentual média no nível de PCR17 foi de -43,5% com semaglutida e -7,3% com placebo11 (taxa de tratamento estimada, 0,61; IC 95%, 0,51 a 0,72; P <0,001).

Eventos adversos graves foram relatados em 35 participantes (13,3%) no grupo semaglutida e 71 (26,7%) no grupo placebo11.

O estudo concluiu que, em pacientes com insuficiência cardíaca3 com fração de ejeção preservada e obesidade1, o tratamento com semaglutida (2,4 mg) levou a maiores reduções nos sintomas2 e nas limitações físicas, maiores melhorias na função do exercício e maior perda de peso do que o placebo11.

Leia sobre "O perigo dos remédios para emagrecer" e "Doenças cardiovasculares18".

 

Fontes:
The New England Journal of Medicine, publicação em 25 de agosto de 2023.
The New York Times, notícia publicada em 25 de agosto de 2023.

 

NEWS.MED.BR, 2023. Wegovy reduz a forte carga de sintomas da insuficiência cardíaca relacionada à obesidade. Disponível em: <https://www.news.med.br/p/medical-journal/1444375/wegovy-reduz-a-forte-carga-de-sintomas-da-insuficiencia-cardiaca-relacionada-a-obesidade.htm>. Acesso em: 17 abr. 2024.

Complementos

1 Obesidade: Condição em que há acúmulo de gorduras no organismo além do normal, mais severo que o sobrepeso. O índice de massa corporal é igual ou maior que 30.
2 Sintomas: Alterações da percepção normal que uma pessoa tem de seu próprio corpo, do seu metabolismo, de suas sensações, podendo ou não ser um indício de doença. Os sintomas são as queixas relatadas pelo paciente mas que só ele consegue perceber. Sintomas são subjetivos, sujeitos à interpretação pessoal. A variabilidade descritiva dos sintomas varia em função da cultura do indivíduo, assim como da valorização que cada pessoa dá às suas próprias percepções.
3 Insuficiência Cardíaca: É uma condição na qual a quantidade de sangue bombeada pelo coração a cada minuto (débito cardíaco) é insuficiente para suprir as demandas normais de oxigênio e de nutrientes do organismo. Refere-se à diminuição da capacidade do coração suportar a carga de trabalho.
4 Saúde: 1. Estado de equilíbrio dinâmico entre o organismo e o seu ambiente, o qual mantém as características estruturais e funcionais do organismo dentro dos limites normais para sua forma de vida e para a sua fase do ciclo vital. 2. Estado de boa disposição física e psíquica; bem-estar. 3. Brinde, saudação que se faz bebendo à saúde de alguém. 4. Força física; robustez, vigor, energia.
5 Coração: Órgão muscular, oco, que mantém a circulação sangüínea.
6 Sangue: O sangue é uma substância líquida que circula pelas artérias e veias do organismo. Em um adulto sadio, cerca de 45% do volume de seu sangue é composto por células (a maioria glóbulos vermelhos, glóbulos brancos e plaquetas). O sangue é vermelho brilhante, quando oxigenado nos pulmões (nos alvéolos pulmonares). Ele adquire uma tonalidade mais azulada, quando perde seu oxigênio, através das veias e dos pequenos vasos denominados capilares.
7 Fenótipo: Características apresentadas por um indivíduo sejam elas morfológicas, fisiológicas ou comportamentais. Também fazem parte do fenótipo as características microscópicas e de natureza bioquímica, que necessitam de testes especiais para a sua identificação, como, por exemplo, o tipo sanguíneo do indivíduo.
8 Prevalência: Número de pessoas em determinado grupo ou população que são portadores de uma doença. Número de casos novos e antigos desta doença.
9 Diabetes: Nome que designa um grupo de doenças caracterizadas por diurese excessiva. A mais frequente é o Diabetes mellitus, ainda que existam outras variantes (Diabetes insipidus) de doença nas quais o transtorno primário é a incapacidade dos rins de concentrar a urina.
10 Fadiga: 1. Sensação de enfraquecimento resultante de esforço físico. 2. Trabalho cansativo. 3. Redução gradual da resistência de um material ou da sensibilidade de um equipamento devido ao uso continuado.
11 Placebo: Preparação neutra quanto a efeitos farmacológicos, ministrada em substituição a um medicamento, com a finalidade de suscitar ou controlar as reações, geralmente de natureza psicológica, que acompanham tal procedimento terapêutico.
12 Insuficiência Cardíaca Congestiva: É uma incapacidade do coração para efetuar as suas funções de forma adequada como conseqüência de enfermidades do próprio coração ou de outros órgãos. O músculo cardíaco vai diminuindo sua força para bombear o sangue para todo o organismo.
13 Sintomática: 1. Relativo a ou que constitui sintoma. 2. Que é efeito de alguma doença. 3. Por extensão de sentido, é o que indica um particular estado de coisas, de espírito; revelador, significativo.
14 Cardiologista: Médico especializado em tratar pessoas com problemas cardíacos.
15 Prova de conceito: Prova de conceito (PoC ou Proof of Concept) é um termo utilizado para denominar um modelo prático que possa provar o conceito (teórico) estabelecido por uma pesquisa ou artigo técnico. Ela pode ser considerada uma implementação, em geral resumida ou incompleta, de um método ou de uma ideia, realizada com o propósito de verificar se o conceito ou a teoria em questão é susceptível de ser explorado de maneira útil.
16 Índice de massa corporal: Medida usada para avaliar se uma pessoa está abaixo do peso, com peso normal, com sobrepeso ou obesa. É a medida mais usada na prática para saber se você é considerado obeso ou não. Também conhecido como IMC. É calculado dividindo-se o peso corporal em quilogramas pelo quadrado da altura em metros. Existe uma tabela da Organização Mundial de Saúde que classifica as medidas de acordo com o resultado encontrado.
17 PCR: Reação em cadeia da polimerase (em inglês Polymerase Chain Reaction - PCR) é um método de amplificação de DNA (ácido desoxirribonucleico).
18 Doenças cardiovasculares: Doença do coração e vasos sangüíneos (artérias, veias e capilares).
Gostou do artigo? Compartilhe!