Gostou do artigo? Compartilhe!

Comer mais tarde à noite está associado a maior risco de doenças cardiovasculares

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie esta notícia

Um estudo recente publicado na Nature Communications explorou como as flutuações na alimentação e no jejum afetam a incidência1 de doenças cardiovasculares2 (DCV).

Os corpos humanos têm ciclos fisiológicos que duram aproximadamente 24 horas, denominados ciclos circadianos.

Eles incluem ciclos de jejum/alimentação que ajustam relógios periféricos em vários tecidos, e estes, por sua vez, ajudam a regular o funcionamento do coração3 e dos vasos sanguíneos4. Um novo estudo procura esclarecer este tópico5, explorando como as alterações no horário da alimentação e do jejum afetam a incidência1 de DCV.

A DCV é a principal causa de doença e morte em todo o mundo. Os padrões alimentares contribuem significativamente para o risco cardiovascular, com quase 8 milhões de mortes por DCV ligadas a uma dieta inadequada. Nos últimos anos, muitas partes da sociedade tornaram-se menos focadas nos horários tradicionais das refeições e as dietas tornaram-se comuns, o que significa que os horários das refeições são frequentemente irregulares.

No entanto, a ligação entre a saúde6 cardiovascular e o ciclo alimentação/jejum faz parte do importante novo campo da crononutrição, que procura elucidar a rede de ligações entre os horários das refeições e a saúde6.

Leia sobre "O que é uma alimentação saudável", "Dieta do jejum" e "Crononutrição - o relógio biológico influenciando a alimentação".

Pesquisas já mostraram que o café da manhã é essencial para manter o metabolismo7 normal e a saúde6 cardiovascular, enquanto as refeições noturnas promovem arteriosclerose8, obesidade9 e perfis lipídicos anormais. Nas mulheres, também levam à síndrome metabólica10. No entanto, há uma confusão considerável sobre o horário que identifica cada refeição e o que define a alimentação tardia à noite.

A alimentação com restrição de tempo (ART) pode ser um método para melhorar a saúde6 cardiometabólica. Refere-se à extensão do jejum noturno para mais de 12 horas e, em humanos, mostrou reduções correspondentes no peso corporal, na pressão arterial11 e na inflamação12.

A relativa escassez de dados sobre como o risco de DCV é impactado diretamente pela duração do jejum noturno e horários específicos das refeições motivou o presente estudo, que utilizou dados do estudo NutriNet-Sante envolvendo mais de 100.000 adultos. Seus registros dietéticos foram usados para construir um banco de dados sobre a frequência e o horário das refeições.

O estudo mostrou que, geralmente, os participantes mais jovens, estudantes ou desempregados, solteiros, sem antecedentes familiares de DCV, fumantes regulares atuais, com níveis de atividade física mais elevados, níveis de escolaridade mais elevados e rendimentos mensais mais baixos, tinham uma tendência a realizar tanto a primeira quanto a última refeição mais tarde.

Além disso, em comparação com os participantes que faziam refeições mais cedo, os participantes que faziam refeições mais tarde apresentavam um maior consumo de álcool, mais episódios de consumo excessivo de álcool, relataram dormir mais tarde e eram mais propensos a ter uma maior variabilidade nos horários das refeições ao longo da semana

O período médio de acompanhamento foi de 7 anos. Isto cobriu quase 700.000 pessoas-ano. Durante este período, ocorreram pouco mais de 2.000 novos casos de DCV, distribuídos quase igualmente entre doenças cerebrovasculares, incluindo acidentes vasculares13 cerebrais e ataques isquêmicos transitórios, e doenças coronarianas, incluindo ataques cardíacos, angioplastia14, síndrome15 coronária aguda e angina16.

Quanto mais tarde a primeira refeição, maior o risco de DCV: o risco cresce 6% a cada hora de atraso para a ingestão da primeira refeição do dia.

Essa tendência não foi observada com o horário da última refeição. Porém, quando consumida depois das 21h, houve um aumento de 13% no risco de DCV em geral em comparação com antes das 20h. O risco de doença cerebrovascular17 aumentava 8% a cada hora de atraso da última refeição e, no ponto de inflexão (depois das 21h vs. antes das 20h), era 28% maior.

O aumento do jejum noturno foi associado a uma redução do risco de doença cerebrovascular17 em 7%, mas nenhuma diminuição semelhante foi observada para DCV em geral ou doença coronariana18.

Assim, se a primeira refeição foi feita depois das 9h em comparação com antes das 8h, e se a última refeição foi feita depois das 21h vs. antes das 20h, o risco de desfechos cardiovasculares aumentou, mais entre as mulheres do que entre os homens. Os benefícios do aumento do intervalo de jejum noturno também foram mais proeminentes entre as mulheres.

Os benefícios máximos parecem ocorrer quando os períodos de jejum noturno são prolongados, adiantando o horário da refeição noturna, em vez de adiar ou pular a primeira refeição do dia. Isso provavelmente ocorre porque as pessoas são mais sensíveis à insulina19 e aos níveis mais elevados de glicose20 no início da manhã, diminuindo à medida que o dia avança.

Na verdade, estudos em animais demonstram ocorrência de ganho de peso, aumento da massa gorda21, deposição de gordura22 no fígado23 e um atraso na expressão rítmica dos genes do metabolismo7 lipídico quando o café da manhã era rotineiramente adiado por quatro horas.

Estudos em humanos indicam que aberrações na regulação da glicose20 e na sensibilidade à insulina19, dislipidemia e ganho de peso além dos limites normais ocorrem quando as refeições noturnas são atrasadas.

Isso pode estar ligado à ingestão de alimentos durante a fase de repouso do corpo, quando a secreção de melatonina está no auge, causando elevações prolongadas de glicose20 no sangue24 após a refeição.

Veja também sobre "Doenças cardiovasculares2", "Doenças cerebrovasculares" e "Sete passos para um coração3 saudável".

Confira a seguir o resumo do estudo publicado.

Ritmos circadianos da dieta e risco de doenças cardiovasculares2 na coorte25 prospectiva NutriNet-Santé

Os ciclos diários de alimentação/jejum sincronizam os relógios periféricos circadianos, envolvidos na regulação do sistema cardiovascular26. No entanto, as associações entre as refeições diárias e o horário de jejum com a incidência1 de doenças cardiovasculares2 (DCV) permanecem obscuras.

Utilizou-se dados de 103.389 adultos no estudo NutriNet-Santé. O horário das refeições e o número de ocasiões de alimentação foram estimados a partir de registros dietéticos repetidos de 24 horas. Os pesquisadores construíram modelos multivariáveis de riscos proporcionais de Cox para examinar a associação com o risco de DCV, doença coronariana18 e doença cerebrovascular17.

Neste estudo, fazer a primeira refeição do dia mais tarde (depois das 9h em comparação com antes das 8h) e a última refeição do dia mais tarde (depois das 21h em comparação com antes das 20h) foi associado a um maior risco de desfechos cardiovasculares, especialmente entre as mulheres.

Os resultados sugerem um benefício potencial de adotar padrões de horários de alimentação mais precoces e combinar um período de jejum noturno mais longo com uma última refeição mais cedo, em vez de pular o café da manhã, na prevenção de DCV.

 

Fontes:
Nature Communications, publicação em 14 de dezembro de 2023.
News Medical, notícia publicada em 17 de dezembro de 2023.

 

NEWS.MED.BR, 2023. Comer mais tarde à noite está associado a maior risco de doenças cardiovasculares. Disponível em: <https://www.news.med.br/p/medical-journal/1463147/comer-mais-tarde-a-noite-esta-associado-a-maior-risco-de-doencas-cardiovasculares.htm>. Acesso em: 21 abr. 2024.

Complementos

1 Incidência: Medida da freqüência em que uma doença ocorre. Número de casos novos de uma doença em um certo grupo de pessoas por um certo período de tempo.
2 Doenças cardiovasculares: Doença do coração e vasos sangüíneos (artérias, veias e capilares).
3 Coração: Órgão muscular, oco, que mantém a circulação sangüínea.
4 Vasos Sanguíneos: Qualquer vaso tubular que transporta o sangue (artérias, arteríolas, capilares, vênulas e veias).
5 Tópico: Referente a uma área delimitada. De ação limitada à mesma. Diz-se dos medicamentos de uso local, como pomadas, loções, pós, soluções, etc.
6 Saúde: 1. Estado de equilíbrio dinâmico entre o organismo e o seu ambiente, o qual mantém as características estruturais e funcionais do organismo dentro dos limites normais para sua forma de vida e para a sua fase do ciclo vital. 2. Estado de boa disposição física e psíquica; bem-estar. 3. Brinde, saudação que se faz bebendo à saúde de alguém. 4. Força física; robustez, vigor, energia.
7 Metabolismo: É o conjunto de transformações que as substâncias químicas sofrem no interior dos organismos vivos. São essas reações que permitem a uma célula ou um sistema transformar os alimentos em energia, que será ultilizada pelas células para que as mesmas se multipliquem, cresçam e movimentem-se. O metabolismo divide-se em duas etapas: catabolismo e anabolismo.
8 Arteriosclerose: Doença degenerativa da artéria devido à destruição das fibras musculares lisas e das fibras elásticas que a constituem, levando a um endurecimento da parede arterial, geralmente produzido por hipertensão arterial de longa duração ou pelo envelhecimento.
9 Obesidade: Condição em que há acúmulo de gorduras no organismo além do normal, mais severo que o sobrepeso. O índice de massa corporal é igual ou maior que 30.
10 Síndrome metabólica: Tendência de várias doenças ocorrerem ao mesmo tempo. Incluindo obesidade, resistência insulínica, diabetes ou pré-diabetes, hipertensão e hiperlipidemia.
11 Pressão arterial: A relação que define a pressão arterial é o produto do fluxo sanguíneo pela resistência. Considerando-se a circulação como um todo, o fluxo total é denominado débito cardíaco, enquanto a resistência é denominada de resistência vascular periférica total.
12 Inflamação: Conjunto de processos que se desenvolvem em um tecido em resposta a uma agressão externa. Incluem fenômenos vasculares como vasodilatação, edema, desencadeamento da resposta imunológica, ativação do sistema de coagulação, etc.Quando se produz em um tecido superficial (pele, tecido celular subcutâneo) pode apresentar tumefação, aumento da temperatura local, coloração avermelhada e dor (tétrade de Celso, o cientista que primeiro descreveu as características clínicas da inflamação).
13 Vasculares: Relativo aos vasos sanguíneos do organismo.
14 Angioplastia: Método invasivo mediante o qual se produz a dilatação dos vasos sangüíneos arteriais afetados por um processo aterosclerótico ou trombótico.
15 Síndrome: Conjunto de sinais e sintomas que se encontram associados a uma entidade conhecida ou não.
16 Angina: Inflamação dos elementos linfáticos da garganta (amígdalas, úvula). Também é um termo utilizado para se referir à sensação opressiva que decorre da isquemia (falta de oxigênio) do músculo cardíaco (angina do peito).
17 Doença cerebrovascular: É um dano aos vasos sangüíneos do cérebro que resulta em derrame (acidente vascular cerebral). Os vasos tornam-se obstruídos por depósitos de gordura (aterosclerose) ou tornam-se espessados ou duros bloqueando o fluxo sangüíneo para o cérebro. Quando o fluxo é interrompido, as células nervosas sofrem dano ou morrem, resultando no derrame. Pacientes com diabetes descompensado têm maiores riscos de AVC.
18 Doença coronariana: Doença do coração causada por estreitamento das artérias que fornecem sangue ao coração. Se o fluxo é cortado, o resultado é um ataque cardíaco.
19 Insulina: Hormônio que ajuda o organismo a usar glicose como energia. As células-beta do pâncreas produzem insulina. Quando o organismo não pode produzir insulna em quantidade suficiente, ela é usada por injeções ou bomba de insulina.
20 Glicose: Uma das formas mais simples de açúcar.
21 Massa gorda: É a porção de massa do organismo constituída de gordura armazenada (encontrada no tecido subcutâneo) e gordura essencial (encontrada nas vísceras, responsável pelo funcionamento fisiológico normal). A massa gorda é o resultado em quilos do percentual de gordura existente no organismo. Por exemplo, um indivíduo de 100 quilos e com percentual de gordura de 38%, pode ter o valor da massa gorda calculado em 38 quilos.
22 Gordura: Um dos três principais nutrientes dos alimentos. Os alimentos que fornecem gordura são: manteiga, margarina, óleos, nozes, carnes vermelhas, peixes, frango e alguns derivados do leite. O excesso de calorias é estocado no organismo na forma de gordura, fornecendo uma reserva de energia ao organismo.
23 Fígado: Órgão que transforma alimento em energia, remove álcool e toxinas do sangue e fabrica bile. A bile, produzida pelo fígado, é importante na digestão, especialmente das gorduras. Após secretada pelas células hepáticas ela é recolhida por canalículos progressivamente maiores que a levam para dois canais que se juntam na saída do fígado e a conduzem intermitentemente até o duodeno, que é a primeira porção do intestino delgado. Com esse canal biliar comum, chamado ducto hepático, comunica-se a vesícula biliar através de um canal sinuoso, chamado ducto cístico. Quando recebe esse canal de drenagem da vesícula biliar, o canal hepático comum muda de nome para colédoco. Este, ao entrar na parede do duodeno, tem um músculo circular, designado esfíncter de Oddi, que controla o seu esvaziamento para o intestino.
24 Sangue: O sangue é uma substância líquida que circula pelas artérias e veias do organismo. Em um adulto sadio, cerca de 45% do volume de seu sangue é composto por células (a maioria glóbulos vermelhos, glóbulos brancos e plaquetas). O sangue é vermelho brilhante, quando oxigenado nos pulmões (nos alvéolos pulmonares). Ele adquire uma tonalidade mais azulada, quando perde seu oxigênio, através das veias e dos pequenos vasos denominados capilares.
25 Coorte: Grupo de indivíduos que têm algo em comum ao serem reunidos e que são observados por um determinado período de tempo para que se possa avaliar o que ocorre com eles. É importante que todos os indivíduos sejam observados por todo o período de seguimento, já que informações de uma coorte incompleta podem distorcer o verdadeiro estado das coisas. Por outro lado, o período de tempo em que os indivíduos serão observados deve ser significativo na história natural da doença em questão, para que haja tempo suficiente do risco se manifestar.
26 Sistema cardiovascular: O sistema cardiovascular ou sistema circulatório sanguíneo é formado por um circuito fechado de tubos (artérias, veias e capilares) dentro dos quais circula o sangue e por um órgão central, o coração, que atua como bomba. Ele move o sangue através dos vasos sanguíneos e distribui substâncias por todo o organismo.
Gostou do artigo? Compartilhe!