Gostou do artigo? Compartilhe!

Tratamento intensivo para reduzir a pressão arterial versus tratamento padrão não resultou em diferença clinicamente relevante na função cognitiva de domínios específicos

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie esta notícia

Os resultados do Systolic Blood Pressure Intervention Trial (SPRINT) mostraram que o controle intensivo da pressão arterial1 sistólica reduziu significativamente a ocorrência de comprometimento cognitivo2 leve, mas não de demência3 provável.

Pesquisadores investigaram os efeitos da redução intensiva da pressão arterial sistólica4 em funções cognitivas específicas em um subestudo pré-planejado de participantes do SPRINT, publicado pelo The Lancet.

O SPRINT foi um ensaio clínico aberto, multicêntrico, randomizado5 e controlado, realizado em 102 locais, incluindo centros médicos acadêmicos, centros médicos do Veterans Affairs, hospitais e clínicas independentes, nos EUA e em Porto Rico.

Saiba mais sobre "O que é pressão arterial1", "Demência3", "Distúrbio neurocognitivo" e "Hipertensão arterial6".

Os participantes eram adultos com 50 anos ou mais com pressão arterial sistólica4 superior a 130 mmHg, mas sem diabetes7, história de acidente vascular cerebral8 ou demência3. Os participantes foram designados aleatoriamente (1:1) para uma meta de pressão arterial sistólica4 de menos de 120 mmHg (tratamento intensivo) versus menos de 140 mmHg (tratamento padrão). Todas as principais classes de agentes anti-hipertensivos foram incluídas.

Um subgrupo de participantes designados aleatoriamente incluindo, mas não se limitando a, participantes inscritos em um subestudo de ressonância magnética9, foi então selecionado para um subestudo simultâneo de função cognitiva10 (objetivo de 2.800 participantes). Cada indivíduo foi avaliado com uma bateria de testes cognitivos11 de triagem e uma bateria de testes cognitivos11 estendidos no início e a cada dois anos durante o acompanhamento planejado de 4 anos.

Os resultados primários para este subestudo foram pontuações compostas padronizadas para memória (Memória Lógica I e II, Figura Complexa de Rey-Osterrieth Modificada [memória imediata] e Teste de Aprendizagem Verbal de Hopkins Revisado [memória atrasada]) e velocidade de processamento (Teste de Trilha e Codificação de Símbolo de Dígito).

De 23 de novembro de 2010 a 28 de dezembro de 2012, 2.921 participantes (idade média de 68,4 anos [DP 8,6], 1080 [37%] mulheres) que foram designados aleatoriamente no SPRINT foram inscritos no subestudo (1.448 receberam tratamento intensivo e 1.473 receberam tratamento padrão). O SPRINT foi encerrado precocemente devido ao benefício observado no desfecho primário (composto de eventos cardiovasculares).

Após um acompanhamento médio de 4,1 anos (IQR 3,7–5,8), não houve diferença entre os grupos na memória, com um declínio anual na pontuação média padronizada do domínio de −0,005 (IC 95% −0,010 a 0,001) no grupo de tratamento intensivo e −0,001 (−0,006 a 0,005) no grupo de tratamento padrão (diferença entre os grupos −0,004, IC 95% −0,012 a 0,004; p = 0,33).

Os escores médios do domínio de velocidade de processamento padronizado diminuíram mais no grupo de tratamento intensivo (diferença entre os grupos −0,010, IC 95% −0,017 a −0,002; p = 0,02), com um declínio anual de −0,025 (–0,030 a −0,019) para o grupo de tratamento intensivo e −0,015 (–0,021 a 0,009) para o grupo de tratamento padrão.

O tratamento intensivo para reduzir a pressão arterial1 sistólica não resultou em uma diferença clinicamente relevante em comparação com o tratamento padrão na memória ou na velocidade de processamento em um subgrupo de participantes do SPRINT. O efeito da redução da pressão arterial1 pode não ser evidente em domínios específicos da função cognitiva10, mas sim distribuído em vários domínios.

Leia sobre "Redução da pressão arterial1 pode reduzir risco de demência3 incidente12 ou comprometimento cognitivo2".

 

Fonte: The Lancet, Vol. 19, Nº 11, em 01 de novembro de 2020.

 

NEWS.MED.BR, 2020. Tratamento intensivo para reduzir a pressão arterial versus tratamento padrão não resultou em diferença clinicamente relevante na função cognitiva de domínios específicos. Disponível em: <https://www.news.med.br/p/medical-journal/1381608/tratamento-intensivo-para-reduzir-a-pressao-arterial-versus-tratamento-padrao-nao-resultou-em-diferenca-clinicamente-relevante-na-funcao-cognitiva-de-dominios-especificos.htm>. Acesso em: 5 dez. 2020.

Complementos

1 Pressão arterial: A relação que define a pressão arterial é o produto do fluxo sanguíneo pela resistência. Considerando-se a circulação como um todo, o fluxo total é denominado débito cardíaco, enquanto a resistência é denominada de resistência vascular periférica total.
2 Cognitivo: 1. Relativo ao conhecimento, à cognição. 2. Relativo ao processo mental de percepção, memória, juízo e/ou raciocínio. 3. Diz-se de estados e processos relativos à identificação de um saber dedutível e à resolução de tarefas e problemas determinados. 4. Diz-se dos princípios classificatórios derivados de constatações, percepções e/ou ações que norteiam a passagem das representações simbólicas à experiência, e também da organização hierárquica e da utilização no pensamento e linguagem daqueles mesmos princípios.
3 Demência: Deterioração irreversível e crônica das funções intelectuais de uma pessoa.
4 Pressão arterial sistólica: É a pressão mais elevada (pico) verificada nas artérias durante a fase de sístole do ciclo cardíaco, é também chamada de pressão máxima.
5 Randomizado: Ensaios clínicos comparativos randomizados são considerados o melhor delineamento experimental para avaliar questões relacionadas a tratamento e prevenção. Classicamente, são definidos como experimentos médicos projetados para determinar qual de duas ou mais intervenções é a mais eficaz mediante a alocação aleatória, isto é, randomizada, dos pacientes aos diferentes grupos de estudo. Em geral, um dos grupos é considerado controle – o que algumas vezes pode ser ausência de tratamento, placebo, ou mais frequentemente, um tratamento de eficácia reconhecida. Recursos estatísticos são disponíveis para validar conclusões e maximizar a chance de identificar o melhor tratamento. Esses modelos são chamados de estudos de superioridade, cujo objetivo é determinar se um tratamento em investigação é superior ao agente comparativo.
6 Hipertensão arterial: Aumento dos valores de pressão arterial acima dos valores considerados normais, que no adulto são de 140 milímetros de mercúrio de pressão sistólica e 85 milímetros de pressão diastólica.
7 Diabetes: Nome que designa um grupo de doenças caracterizadas por diurese excessiva. A mais frequente é o Diabetes mellitus, ainda que existam outras variantes (Diabetes insipidus) de doença nas quais o transtorno primário é a incapacidade dos rins de concentrar a urina.
8 Acidente vascular cerebral: Conhecido popularmente como derrame cerebral, o acidente vascular cerebral (AVC) ou encefálico é uma doença que consiste na interrupção súbita do suprimento de sangue com oxigênio e nutrientes para o cérebro, lesando células nervosas, o que pode resultar em graves conseqüências, como inabilidade para falar ou mover partes do corpo. Há dois tipos de derrame, o isquêmico e o hemorrágico.
9 Ressonância magnética: Exame que fornece imagens em alta definição dos órgãos internos do corpo através da utilização de um campo magnético.
10 Cognitiva: 1. Relativa ao conhecimento, à cognição. 2. Relativa ao processo mental de percepção, memória, juízo e/ou raciocínio. 3. Diz-se de estados e processos relativos à identificação de um saber dedutível e à resolução de tarefas e problemas determinados. 4. Diz-se dos princípios classificatórios derivados de constatações, percepções e/ou ações que norteiam a passagem das representações simbólicas à experiência, e também da organização hierárquica e da utilização no pensamento e linguagem daqueles mesmos princípios.
11 Cognitivos: 1. Relativo ao conhecimento, à cognição. 2. Relativo ao processo mental de percepção, memória, juízo e/ou raciocínio. 3. Diz-se de estados e processos relativos à identificação de um saber dedutível e à resolução de tarefas e problemas determinados. 4. Diz-se dos princípios classificatórios derivados de constatações, percepções e/ou ações que norteiam a passagem das representações simbólicas à experiência, e também da organização hierárquica e da utilização no pensamento e linguagem daqueles mesmos princípios.
12 Incidente: 1. Que incide, que sobrevém ou que tem caráter secundário; incidental. 2. Acontecimento imprevisível que modifica o desenrolar normal de uma ação. 3. Dificuldade passageira que não modifica o desenrolar de uma operação, de uma linha de conduta.
Gostou do artigo? Compartilhe!