Gostou do artigo? Compartilhe!

SARS-CoV-2 pediátrico: apresentação clínica, infecciosidade e respostas imunológicas

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie esta notícia

Conforme as escolas planejam a reabertura, é fundamental compreender o papel potencial que as crianças desempenham na pandemia1 de doença infecciosa por coronavírus 2019 (COVID-19) e os fatores que levam à doença grave em crianças.

Nesse estudo, publicado pelo The Journal of Pediatrics, crianças com idades entre 0-22 anos com suspeita de infecção2 por coronavírus 2 da síndrome3 respiratória aguda grave (SARS-CoV-2) apresentando-se a clínicas de atendimento de urgência4 ou sendo hospitalizadas por infecção2 confirmada / suspeita de SARS-CoV-2 ou síndrome3 inflamatória multissistêmica em crianças (MIS-C) no Massachusetts General Hospital (MGH) foram oferecidas para inscrição no MGH Pediatric COVID-19 Biorepository. As crianças inscritas forneceram amostras de nasofaringe5, orofaringe6 e/ou sangue7. A carga viral do SARS-CoV-2, os níveis de RNA da ACE2 e a sorologia para o SARS-CoV-2 foram quantificados.

Um total de 192 crianças (idade média de 10,2 +/- 7 anos) foram inscritas. Quarenta e nove crianças (26%) foram diagnosticadas com infecção2 aguda por SARS-CoV-2; outras 18 crianças (9%) preencheram os critérios para MIS-C.

Apenas 25 (51%) das crianças com infecção2 aguda por SARS-CoV-2 apresentaram febre8; os sintomas9 da infecção2 por SARS-CoV-2, se presentes, eram inespecíficos. A carga viral nasofaríngea foi maior em crianças nos primeiros 2 dias de sintomas9, significativamente maior do que em adultos hospitalizados com doença grave (P = 0,002).

A idade não afetou a carga viral, mas as crianças mais novas apresentaram menor expressão da ACE2 (P = 0,004). IgM e IgG para o domínio de ligação ao receptor (RBD) da proteína spike do SARS-CoV-2 foram aumentados na MIS-C grave (P <0,001), com respostas humorais desreguladas observadas.

Este estudo revela que as crianças podem ser uma fonte potencial de contágio10 na pandemia1 de SARS-CoV-2, apesar da doença mais branda ou da falta de sintomas9, e a desregulação imunológica está implicada na síndrome3 inflamatória multissistêmica pós-infecciosa grave.

Leia sobre "Síndrome3 multissistêmica inflamatória pediátrica associada temporalmente ao SARS-CoV-2" e "Infecção2 por SARS-CoV-2 em crianças e adolescentes".

 

Fonte: The Journal of Pediatrics, publicação em 19 de agosto de 2020.

 

NEWS.MED.BR, 2020. SARS-CoV-2 pediátrico: apresentação clínica, infecciosidade e respostas imunológicas. Disponível em: <https://www.news.med.br/p/medical-journal/1377543/sars-cov-2-pediatrico-apresentacao-clinica-infecciosidade-e-respostas-imunologicas.htm>. Acesso em: 28 nov. 2020.

Complementos

1 Pandemia: É uma epidemia de doença infecciosa que se espalha por um ou mais continentes ou por todo o mundo, causando inúmeras mortes. De acordo com a Organização Mundial da Saúde, a pandemia pode se iniciar com o aparecimento de uma nova doença na população, quando o agente infecta os humanos, causando doença séria ou quando o agente dissemina facilmente e sustentavelmente entre humanos. Epidemia global.
2 Infecção: Doença produzida pela invasão de um germe (bactéria, vírus, fungo, etc.) em um organismo superior. Como conseqüência da mesma podem ser produzidas alterações na estrutura ou funcionamento dos tecidos comprometidos, ocasionando febre, queda do estado geral, e inúmeros sintomas que dependem do tipo de germe e da reação imunológica perante o mesmo.
3 Síndrome: Conjunto de sinais e sintomas que se encontram associados a uma entidade conhecida ou não.
4 Urgência: 1. Necessidade que requer solução imediata; pressa. 2. Situação crítica ou muito grave que tem prioridade sobre outras; emergência.
5 Nasofaringe: Nasofaringe ou cavum é a parte superior da faringe, localizada logo atrás do nariz e acima do palato mole. Nesta área, drenam as trompas de Eustáquio, comunicação entre o ouvido médio e a faringe, com a função de ventilar adequadamente as orelhas.
6 Orofaringe: Parte mediana da faringe, entre a boca e a rinofaringe.
7 Sangue: O sangue é uma substância líquida que circula pelas artérias e veias do organismo. Em um adulto sadio, cerca de 45% do volume de seu sangue é composto por células (a maioria glóbulos vermelhos, glóbulos brancos e plaquetas). O sangue é vermelho brilhante, quando oxigenado nos pulmões (nos alvéolos pulmonares). Ele adquire uma tonalidade mais azulada, quando perde seu oxigênio, através das veias e dos pequenos vasos denominados capilares.
8 Febre: É a elevação da temperatura do corpo acima dos valores normais para o indivíduo. São aceitos como valores de referência indicativos de febre: temperatura axilar ou oral acima de 37,5°C e temperatura retal acima de 38°C. A febre é uma reação do corpo contra patógenos.
9 Sintomas: Alterações da percepção normal que uma pessoa tem de seu próprio corpo, do seu metabolismo, de suas sensações, podendo ou não ser um indício de doença. Os sintomas são as queixas relatadas pelo paciente mas que só ele consegue perceber. Sintomas são subjetivos, sujeitos à interpretação pessoal. A variabilidade descritiva dos sintomas varia em função da cultura do indivíduo, assim como da valorização que cada pessoa dá às suas próprias percepções.
10 Contágio: 1. Em infectologia, é a transmissão de doença de uma pessoa a outra, por contato direto ou indireto. 2. Na história da medicina, aplica-se a qualquer doença contagiosa. 3. No sentido figurado, é a transmissão de características negativas, de vícios, etc. ou então a reprodução involuntária de reação alheia.
Gostou do artigo? Compartilhe!