Gostou do artigo? Compartilhe!

Expressão gênica nasal da enzima conversora de angiotensina 2 em crianças e adultos e sua implicação na infecção pelo SARS-CoV-2

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie esta notícia

As crianças representam menos de 2% dos casos identificados de doença por coronavírus 2019 (COVID-19). É hipotético que o menor risco entre as crianças seja devido à expressão diferencial da enzima1 conversora de angiotensina 2 (ECA2), o receptor que o coronavírus 2 da síndrome2 respiratória aguda grave (SARS-CoV-2) utiliza para entrada do hospedeiro.

Este estudo publicado no periódico JAMA investigou a expressão gênica da ECA2 no epitélio3 nasal de crianças e adultos.

Foi realizado um exame retrospectivo4 do epitélio3 nasal de indivíduos de 4 a 60 anos encontrados no Sistema de Saúde5 Monte Sinai, Nova York, NY, durante 2015-2018. Foram coletadas amostras de indivíduos com e sem asma6 para pesquisa de biomarcadores nasais de asma6. O estudo foi aprovado pelo conselho de revisão institucional do Monte Sinai. O consentimento informado por escrito foi obtido dos participantes (ou de seus pais para menores).

Saiba mais sobre "Infecção7 por SARS-CoV-2 em crianças e adolescentes" e "Como o coronavírus entra no tecido8 respiratório e explora as defesas".

O epitélio3 nasal foi coletado usando uma escova de citologia que foi imediatamente colocada no fluido de estabilização do RNA e armazenada a -80 °C. O RNA foi isolado dentro de 6 meses. As amostras de RNA foram verificadas quanto à qualidade e sequenciadas como um único lote em 2018. O processamento dos dados da sequência incluiu o alinhamento e a normalização da contagem de expressão gênica entre genes e amostras.

Dado o papel da ECA2 na entrada do SARS-CoV-2 no hospedeiro, a expressão gênica da ECA2 foi o foco deste estudo. Modelos de regressão linear com e sem ajuste para covariáveis ​​(sexo e asma6) foram construídos com a expressão gênica da ECA2 em contagens log2 por milhão como variável dependente e faixa etária como variável independente utilizando o software R, versão 3.6.0 (R Foundations).

A idade foi categorizada nos seguintes grupos, refletindo os estágios de vida no desenvolvimento: crianças mais novas (idade <10 anos), crianças mais velhas (idade entre 10 e 17 anos), adultos jovens (idade entre 18 e 24 anos) e adultos (idade ≥25 anos). Testes bilaterais e um limiar de significância de P≤0,05 foram utilizados. O padrão de tendência foi avaliado usando contrastes ortogonais polinomiais.

A coorte9 de 305 indivíduos de 4 a 60 anos foi equilibrada em relação ao sexo (48,9% do sexo masculino). Como a coorte9 foi recrutada para estudar biomarcadores de asma6, 49,8% tinham asma6.

Encontrou-se expressão gênica da ECA2 no epitélio3 nasal dependente da idade. A expressão gênica da ECA2 foi menor (contagem média de log2 por milhão, 2,40; IC 95%, 2,07-2,72) em crianças mais novas (n = 45) e aumentou com a idade, com contagem média de log2 por milhão de 2,77 (IC 95%, 2,64- 2,90) para crianças mais velhas (n = 185), 3,02 (IC 95%, 2,78-3,26) para adultos jovens (n ​​= 46) e 3,09 (IC 95%, 2,83-3,35) para adultos (n = 29).

A regressão linear com a expressão gênica da ECA2 como variável dependente e a faixa etária como variável independente mostraram que, em comparação com crianças mais jovens, a expressão gênica da ECA2 foi significativamente maior em crianças mais velhas (P = 0,01), adultos jovens (P <0,001) e adultos (P = 0,001).

Como as distribuições de sexo e asma6 variaram entre as faixas etárias, foi construído um modelo de regressão linear ajustado para sexo e asma6 que também mostrou associações ajustadas significativas (P ≤ 0,05) entre a expressão da ECA2 e a faixa etária. Os coeficientes de regressão (β) para faixas etárias dos modelos não ajustados e ajustados indicam a diferença na expressão da ECA2 (em contagens log2 por milhão) entre uma determinada faixa etária e o grupo de crianças menores de 10 anos. Os testes de tendência usando contrastes ortogonais polinomiais indicaram uma tendência linear significativa para alteração na expressão da ECA2 com o avanço da faixa etária (P ≤0,05).

Os resultados deste estudo mostram expressão da ECA2 dependente da idade no epitélio3 nasal, o primeiro ponto de contato do SARS-CoV-2 com o corpo humano10. Modelos ajustados por covariáveis ​​mostraram que a associação positiva entre a expressão gênica da ECA2 e a idade era independente do sexo e da asma6. Uma menor expressão da ECA2 em crianças em relação aos adultos pode ajudar a explicar por que a COVID-19 é menos prevalente em crianças. Uma limitação deste estudo é que a amostra não incluiu indivíduos com mais de 60 anos.

Poucos estudos examinaram a relação entre a ECA2 nas vias aéreas e a idade. Um estudo do líquido de lavagem broncoalveolar de 92 pacientes com síndrome2 do desconforto respiratório agudo11 não relatou associação entre a atividade da proteína ECA2 e a idade, mas a expressão do gene epitelial não foi examinada e a proteína ECA2 pode ser espalhada de forma variável no líquido de lavagem broncoalveolar. Além disso, os ambientes pulmonar e nasal são distintos, com diferenças conhecidas na expressão gênica. Este estudo fornece novos resultados sobre a expressão gênica da ECA2 no epitélio3 nasal e sua relação com a idade.

Leia sobre "Quem é mais provável de ser infectado com o SARS-CoV-2" e "Características de crianças com infecção7 por COVID-19 admitidas em UTI pediátrica".

 

Fonte: JAMA, publicação em 20 de maio de 2020.

 

NEWS.MED.BR, 2020. Expressão gênica nasal da enzima conversora de angiotensina 2 em crianças e adultos e sua implicação na infecção pelo SARS-CoV-2. Disponível em: <https://www.news.med.br/p/medical-journal/1368228/expressao-genica-nasal-da-enzima-conversora-de-angiotensina-2-em-criancas-e-adultos-e-sua-implicacao-na-infeccao-pelo-sars-cov-2.htm>. Acesso em: 30 nov. 2020.

Complementos

1 Enzima: Proteína produzida pelo organismo que gera uma reação química. Por exemplo, as enzimas produzidas pelo intestino que ajudam no processo digestivo.
2 Síndrome: Conjunto de sinais e sintomas que se encontram associados a uma entidade conhecida ou não.
3 Epitélio: Uma ou mais camadas de CÉLULAS EPITELIAIS, sustentadas pela lâmina basal, que recobrem as superfícies internas e externas do corpo.
4 Retrospectivo: Relativo a fatos passados, que se volta para o passado.
5 Saúde: 1. Estado de equilíbrio dinâmico entre o organismo e o seu ambiente, o qual mantém as características estruturais e funcionais do organismo dentro dos limites normais para sua forma de vida e para a sua fase do ciclo vital. 2. Estado de boa disposição física e psíquica; bem-estar. 3. Brinde, saudação que se faz bebendo à saúde de alguém. 4. Força física; robustez, vigor, energia.
6 Asma: Doença das vias aéreas inferiores (brônquios), caracterizada por uma diminuição aguda do calibre bronquial em resposta a um estímulo ambiental. Isto produz obstrução e dificuldade respiratória que pode ser revertida de forma espontânea ou com tratamento médico.
7 Infecção: Doença produzida pela invasão de um germe (bactéria, vírus, fungo, etc.) em um organismo superior. Como conseqüência da mesma podem ser produzidas alterações na estrutura ou funcionamento dos tecidos comprometidos, ocasionando febre, queda do estado geral, e inúmeros sintomas que dependem do tipo de germe e da reação imunológica perante o mesmo.
8 Tecido: Conjunto de células de características semelhantes, organizadas em estruturas complexas para cumprir uma determinada função. Exemplo de tecido: o tecido ósseo encontra-se formado por osteócitos dispostos em uma matriz mineral para cumprir funções de sustentação.
9 Coorte: Grupo de indivíduos que têm algo em comum ao serem reunidos e que são observados por um determinado período de tempo para que se possa avaliar o que ocorre com eles. É importante que todos os indivíduos sejam observados por todo o período de seguimento, já que informações de uma coorte incompleta podem distorcer o verdadeiro estado das coisas. Por outro lado, o período de tempo em que os indivíduos serão observados deve ser significativo na história natural da doença em questão, para que haja tempo suficiente do risco se manifestar.
10 Corpo humano: O corpo humano é a substância física ou estrutura total e material de cada homem. Ele divide-se em cabeça, pescoço, tronco e membros. A anatomia humana estuda as grandes estruturas e sistemas do corpo humano.
11 Agudo: Descreve algo que acontece repentinamente e por curto período de tempo. O oposto de crônico.
Gostou do artigo? Compartilhe!