Gostou do artigo? Compartilhe!

Preocupações e motivações sobre a vacinação contra a COVID-19

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie esta notícia

Mais de 200 vacinas contra COVID-19 estão em desenvolvimento em todo o mundo, com governos garantindo acordos para ter acesso a doses antecipadas. Mas o acesso é apenas um problema. A disposição de aceitar uma vacina1 contra COVID-19 quando estiver disponível variou consideravelmente entre os países durante o curso da pandemia2.

No The Lancet Infectious Diseases, foram apresentados dados coletados na Austrália em abril de 2020[1] que sugeriram que 86% das pessoas pesquisadas (3.741 de 4.362) estariam dispostas a vacinar contra COVID-19 se uma vacina1 fosse disponibilizada. Além disso, o grupo COCONEL[2] mostrou em março de 2020 que 74% dos cidadãos franceses vacinariam. Entre abril e julho de 2020, a disposição para vacinar variou de 58% nos EUA[3] a 64% no Reino Unido[4] e 74% na Nova Zelândia[5]. Os dados da Nova Zelândia mostraram que os motivos mais comumente relatados para ser vacinado foram para proteger a família e a si mesmo, sendo a segurança a principal preocupação com a vacina1.

É importante investigar as motivações e preocupações sobre uma futura vacina1 contra COVID-19 para ajudar a formar estratégias de comunicação.

Nas duas últimas pesquisas de um estudo longitudinal australiano[1], participantes em junho e julho de 2020 foram solicitados a responder em uma escala Likert de sete pontos à afirmação “Se uma vacina1 contra COVID-19 estiver disponível, eu a tomarei” (concordo totalmente, concordo, concordo parcialmente [sim], não concordo nem discordo (indiferente), e discordo parcialmente, discordo, discordo totalmente [não]). Em junho de 2020, 87% (1.195 de 1.371) da amostra disseram que receberiam a vacina1 contra COVID-19 se ela se tornasse disponível; em julho de 2020, esse percentual era de 90% (1.144 de 1.274), um ligeiro aumento de 1,91% (IC 95% 0,08-3,73; p = 0,030, teste de McNemar de proporções emparelhadas, n = 997).

Leia sobre "Vacinas - como funcionam e quais os prós e contras" e "Vacinas contra o coronavírus".

Os resultados de uma análise de conteúdo[6] mostrou os motivos mais comuns para a disposição ou relutância em obter uma vacina1 contra COVID-19, incluindo exemplos de respostas em texto livre. As três principais razões nas duas pesquisas para concordar em vacinar foram “para proteger a si e aos outros” (29% [817 de 2.859]), “crença na vacinação e na ciência” (16% [448 de 2.859]) e “para ajudar a impedir a propagação do vírus3” (15% [419 de 2.859]).

A vontade de vacinar diferiu tanto por idade (junho, p <0,001; julho, p = 0,0012) quanto por escolaridade (junho, p <0,001; julho, p = 0,003). Para aqueles que eram indiferentes (junho, 7% [102 de 1.371]; julho, 5% [59 de 1.274]) ou disseram que não iriam tomar a vacina1 (junho, 5% [74 de 1.371]; julho, 6% [71 de 1.274]), as principais razões entre as duas pesquisas foram “preocupação com a segurança da vacina1 em seu desenvolvimento” (36% [139 de 388]) e “efeitos colaterais potenciais” (10% [38 de 388]). É importante ressaltar que entre as pessoas que se dispuseram a vacinar, alguma hesitação foi observada em relação à segurança da vacina1 (11% [311 de 2.859]).

Essas descobertas são importantes porque destacam alguns dos determinantes da disposição de aceitar uma vacina1 contra COVID-19, se houver uma disponível. As preocupações não são surpreendentes, pois o desenvolvimento de uma vacina1 pode levar de 10 a 15 anos[7]. O processo de desenvolvimento da vacina1 deve ser transparente para aumentar a confiança do público na segurança e eficácia, mesmo para aqueles que já estão dispostos a vacinar. Envolver especialistas em comunicação sobre vacinas e o público no desenvolvimento de mensagens e estratégias de longo prazo sobre vacinas é crucial, e os governos em todo o mundo devem começar a preparar essas estratégias iminentemente[8]. Uma estrutura de priorização proposta por economistas da saúde4 pode ajudar no desenvolvimento dessas estratégias[9].

Com o governo australiano visando 95% de adoção da vacina1 contra COVID-19, os formatos de comunicação usados ​​para informar o público sobre uma vacina1 devem ser adequados para pessoas com baixa escolaridade e pouca educação em saúde4 e apropriados para grupos cultural e linguisticamente diversos e populações indígenas[1].

Os médicos de atenção primária provavelmente estarão na vanguarda da educação e da administração de uma vacina1 contra COVID-19[10]. Visto que esses médicos são uma fonte confiável, é importante que eles recebam apoio para fornecer recomendações sobre a vacina1 contra COVID-19 enquanto aliviando as preocupações dos pacientes, para que seja possível atingir a meta de adoção da vacina1, tanto na Austrália, quanto nos demais países.

Não se deve esquecer o sucesso de novas vacinas anteriores e deve-se garantir o aproveitamento das lições aprendidas na implementação dessas vacinas, incluindo capitalizar sobre o entusiasmo público demonstrado durante uma pandemia2[8].

É necessário entender e atender às preocupações dos cidadãos que podem impedir a adoção ideal, construir motivações nas mensagens e priorizar a confiança do público informando e envolvendo a comunidade no processo. Apoiar os profissionais de saúde4 em seu papel de educadores garantirá que as pessoas tenham informações adequadas e acessíveis de uma fonte confiável, para otimizar a adoção da vacina1 e, em última instância, reduzir a transmissão comunitária de COVID-19.

Veja também sobre "Por que vacinar", "Quão eficazes serão as vacinas contra COVID-19" e "Atualizações e recomendações sobre a COVID-19".

 

Fonte: The Lancet Infectious Diseases, comentário publicado em 15 de dezembro de 2020.

 

Referências

[1] Willingness to vaccinate against COVID-19 in Australia. | Link
[2] A future vaccination campaign against COVID-19 at risk of vaccine hesitancy and politicisation. | Link
[3] Attitudes toward a potential SARS-CoV-2 vaccine: a survey of US adults. | Link
[4] COVID-19 vaccination intention in the UK: results from the COVID-19 Vaccination Acceptability Study (CoVAccS), a nationally representative cross-sectional survey. | Link
[5] Aotearoa-New Zealand public attitudes to COVID-19 vaccine. | Link
[6] Content analysis. | Link
[7] Developing Covid-19 vaccines at pandemic speed. | Link
[8] Planning for a COVID-19 vaccination program. | Link
[9] How should a safe and effective COVID-19 vaccine be allocated? Health economists need to be ready to take the baton. | Link
[10] Preparing the public for COVID-19 vaccines. | Link

 

NEWS.MED.BR, 2021. Preocupações e motivações sobre a vacinação contra a COVID-19. Disponível em: <https://www.news.med.br/p/saude/1384854/preocupacoes-e-motivacoes-sobre-a-vacinacao-contra-a-covid-19.htm>. Acesso em: 26 fev. 2021.

Complementos

1 Vacina: Tratamento à base de bactérias, vírus vivos atenuados ou seus produtos celulares, que têm o objetivo de produzir uma imunização ativa no organismo para uma determinada infecção.
2 Pandemia: É uma epidemia de doença infecciosa que se espalha por um ou mais continentes ou por todo o mundo, causando inúmeras mortes. De acordo com a Organização Mundial da Saúde, a pandemia pode se iniciar com o aparecimento de uma nova doença na população, quando o agente infecta os humanos, causando doença séria ou quando o agente dissemina facilmente e sustentavelmente entre humanos. Epidemia global.
3 Vírus: Pequeno microorganismo capaz de infectar uma célula de um organismo superior e replicar-se utilizando os elementos celulares do hospedeiro. São capazes de causar múltiplas doenças, desde um resfriado comum até a AIDS.
4 Saúde: 1. Estado de equilíbrio dinâmico entre o organismo e o seu ambiente, o qual mantém as características estruturais e funcionais do organismo dentro dos limites normais para sua forma de vida e para a sua fase do ciclo vital. 2. Estado de boa disposição física e psíquica; bem-estar. 3. Brinde, saudação que se faz bebendo à saúde de alguém. 4. Força física; robustez, vigor, energia.
Gostou do artigo? Compartilhe!