Gostou do artigo? Compartilhe!

Estudo aponta associação direta entre o consumo de alimentos ultraprocessados e 32 condições de saúde

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie esta notícia

Uma revisão de pesquisas envolvendo quase 10 milhões de pessoas encontrou uma associação direta entre o consumo excessivo de alimentos ultraprocessados e 32 problemas de saúde1, incluindo mortalidade2 precoce, câncer3 e doenças cardiovasculares4, mentais, respiratórias, gastrointestinais e metabólicas.

Os achados, publicados no The British Medical Journal, confirmam que alimentos ultraprocessados prejudicam a saúde1 e encurtam a vida.

Os pesquisadores encontraram “evidências convincentes” de que uma maior ingestão de alimentos ultraprocessados estava associada a um risco cerca de 50% maior de morte relacionada a doenças cardiovasculares4, um risco 48 a 53% maior de ansiedade e transtornos mentais comuns, e um risco 12% maior de diabetes tipo 25. Eles também descobriram que dietas ricas em alimentos ultraprocessados estavam associadas a um risco 21% maior de morte por qualquer causa, bem como a taxas mais altas de depressão.

No geral, os autores descobriram que dietas ricas em alimentos ultraprocessados podem ser prejudiciais para a maioria – talvez todos – os sistemas do corpo.

Nada disso significa que não se pode saborear as ocasionais batatas chips, pizza congelada ou comida pronta de vez em quando. Mas uma dieta regular de alimentos ultraprocessados – que a maioria dos norte-americanos consome – não é boa para a saúde1 a longo prazo. Especialistas dizem que fazer comida em casa é a resposta. Você ainda pode saborear as comidas que adora – hambúrgueres, tacos, batatas fritas e doces – mas as versões caseiras serão muito melhores.

Leia sobre "O que é uma alimentação saudável", "Transtorno de ansiedade generalizada" e "Depressões".

E ao comprar alimentos embalados, há uma maneira simples de distinguir entre alimentos embalados normais e alimentos ultraprocessados. A dica é observar os ingredientes e se perguntar: posso usar esses mesmos ingredientes e prepará-los na cozinha da minha casa?

Alimentos ultraprocessados contêm aditivos que normalmente não são usados em cozinhas domésticas. Muitas vezes são transformados em texturas e formas não encontradas na natureza – coisas como cereais congelados, donuts, salsichas e nuggets de frango.

O processamento de alimentos acontece em um espectro. Alimentos minimamente processados provêm de plantas ou animais com alterações mínimas. Pense em grãos integrais, vegetais, ovos, leite e carne. Ingredientes culinários processados são usados para cozinhar e temperar alimentos em residências e restaurantes. Eles incluem manteiga, açúcar6, especiarias, sal e azeite.

Os alimentos processados7 incluem itens como vegetais enlatados, bacon, queijos, peixe defumado, atum enlatado e pães frescos. A maioria dos alimentos processados7 são coisas que você pode preparar em sua própria cozinha. Eles normalmente contêm dois ou três ingredientes, mas ainda são reconhecíveis como versões de coisas encontradas na natureza. Alguns exemplos seriam um pote de geléia sem açúcar6, tofu, homus, molho de tomate e frutas e vegetais congelados.

A partir do momento que você começar a ver ingredientes irreconhecíveis, você sabe que entrou no reino do ultraprocessamento.

No artigo publicado, os pesquisadores relatam que o objetivo foi avaliar as evidências metanalíticas existentes de associações entre a exposição a alimentos ultraprocessados, conforme definido pelo sistema de classificação alimentar Nova, e resultados adversos à saúde1.

Foi realizada um revisão sistemática abrangente das metanálises existentes. As fontes de dados foram MEDLINE, PsycINFO, Embase e Cochrane Database of Systematic Reviews, bem como pesquisas manuais de listas de preferências de 2009 a junho de 2023.

Os critérios de elegibilidade para seleção de estudos foram revisões sistemáticas e metanálises de desenhos de estudos de coorte8, caso-controle e/ou transversais. Para avaliar a credibilidade das evidências, foram aplicados critérios de classificação de evidências pré-especificados, classificando-as em convincentes (“classe I”), altamente sugestivas (“classe II”), sugestivas (“classe III”), fracas (“classe IV”), ou sem evidência (“classe V”). A qualidade da evidência foi avaliada utilizando a estrutura GRADE (Grading of Recommendations, Assessment, Development, and Evaluations), categorizando como qualidade “alta”, “moderada”, “baixa” ou “muito baixa”.

A pesquisa identificou 45 análises agrupadas únicas, incluindo 13 associações dose-resposta e 32 associações não dose-resposta (n = 9.888.373). No geral, foram encontradas associações diretas entre a exposição a alimentos ultraprocessados e 32 (71%) parâmetros de saúde1 que abrangem mortalidade2, câncer3 e resultados de saúde1 mental, respiratória, cardiovascular, gastrointestinal e metabólica.

Com base nos critérios de classificação de evidências pré-especificados, evidências convincentes (classe I) apoiaram associações diretas entre maior exposição a alimentos ultraprocessados e riscos mais elevados de mortalidade2 incidente9 relacionada a doenças cardiovasculares4 (taxa de risco 1,50, intervalo de confiança de 95% 1,37 a 1,63; GRADE = muito baixa) e diabetes tipo 25 (taxa de risco dose-resposta 1,12, 1,11 a 1,13; moderada), bem como riscos mais elevados de desfechos prevalentes de ansiedade (razão de chances 1,48, 1,37 a 1,59; baixa) e desfechos combinados de transtornos mentais comuns (razão de chances 1,53, 1,43 a 1,63; baixa).

Evidências altamente sugestivas (classe II) indicaram que uma maior exposição a alimentos ultraprocessados estava diretamente associada a maiores riscos de mortalidade2 incidente9 por todas as causas (taxa de risco 1,21, 1,15 a 1,27; baixa), mortalidade2 relacionada a doenças cardíacas (razão de risco 1,66, 1,51 a 1,51 a 1,84; baixa), diabetes tipo 25 (razão de chances 1,40, 1,23 a 1,59; muito baixa) e desfechos depressivos (razão de chances 1,22, 1,16 a 1,28; baixa), juntamente com riscos mais elevados de desfechos adversos prevalentes relacionados ao sono (razão de chances 1,41, 1,24 a 1,61; baixa), sibilância (taxa de risco 1,40, 1,27 a 1,55; baixa) e obesidade10 (razão de chances 1,55, 1,36 a 1,77; baixa).

Das 34 análises agrupadas restantes, 21 foram classificadas como sugestivas ou de força fraca (classes III-IV) e 13 foram classificadas como sem evidência (classe V). No geral, utilizando a estrutura GRADE, 22 análises agrupadas foram classificadas como de baixa qualidade, 19 classificadas como de qualidade muito baixa e quatro classificadas como de qualidade moderada.

O estudo concluiu que a maior exposição a alimentos ultraprocessados foi associada a um maior risco de resultados adversos de saúde1, especialmente cardiometabólicos, transtornos mentais comuns e mortalidade2.

Essas descobertas fornecem uma justificativa para desenvolver e avaliar a eficácia do uso de medidas populacionais e de saúde1 pública para direcionar e reduzir a exposição alimentar a alimentos ultraprocessados para melhorar a saúde1 humana. Elas também informam e fornecem apoio para pesquisas mecanicistas urgentes.

Veja também sobre "Obesidade10", "Diabetes tipo 25" e "Medicina do estilo de vida".

 

Fontes:
The British Medical Journal, publicação em 28 de fevereiro de 2024.
The Washington Post, notícia publicada em 29 de fevereiro de 2024.

 

NEWS.MED.BR, 2024. Estudo aponta associação direta entre o consumo de alimentos ultraprocessados e 32 condições de saúde. Disponível em: <https://www.news.med.br/p/medical-journal/1467792/estudo-aponta-associacao-direta-entre-o-consumo-de-alimentos-ultraprocessados-e-32-condicoes-de-saude.htm>. Acesso em: 21 abr. 2024.

Complementos

1 Saúde: 1. Estado de equilíbrio dinâmico entre o organismo e o seu ambiente, o qual mantém as características estruturais e funcionais do organismo dentro dos limites normais para sua forma de vida e para a sua fase do ciclo vital. 2. Estado de boa disposição física e psíquica; bem-estar. 3. Brinde, saudação que se faz bebendo à saúde de alguém. 4. Força física; robustez, vigor, energia.
2 Mortalidade: A taxa de mortalidade ou coeficiente de mortalidade é um dado demográfico do número de óbitos, geralmente para cada mil habitantes em uma dada região, em um determinado período de tempo.
3 Câncer: Crescimento anormal de um tecido celular capaz de invadir outros órgãos localmente ou à distância (metástases).
4 Doenças cardiovasculares: Doença do coração e vasos sangüíneos (artérias, veias e capilares).
5 Diabetes tipo 2: Condição caracterizada por altos níveis de glicose causada tanto por graus variáveis de resistência à insulina quanto por deficiência relativa na secreção de insulina. O tipo 2 se desenvolve predominantemente em pessoas na fase adulta, mas pode aparecer em jovens.
6 Açúcar: 1. Classe de carboidratos com sabor adocicado, incluindo glicose, frutose e sacarose. 2. Termo usado para se referir à glicemia sangüínea.
7 Alimentos processados: São aqueles que passam por processamento industrial (larga escala) ou doméstico, contendo elementos químicos. Este processo de transformação, mesmo que caseiro, é percebido como menos saudável que o natural. Geralmente estes produtos sofrem junção com outro tipo de produto, como conservantes, ou alterações em sua temperatura. Exemplo: qualquer produto enlatado, engarrafado ou embutidos.
8 Estudos de coorte: Um estudo de coorte é realizado para verificar se indivíduos expostos a um determinado fator apresentam, em relação aos indivíduos não expostos, uma maior propensão a desenvolver uma determinada doença. Um estudo de coorte é constituído, em seu início, de um grupo de indivíduos, denominada coorte, em que todos estão livres da doença sob investigação. Os indivíduos dessa coorte são classificados em expostos e não-expostos ao fator de interesse, obtendo-se assim dois grupos (ou duas coortes de comparação). Essas coortes serão observadas por um período de tempo, verificando-se quais indivíduos desenvolvem a doença em questão. Os indivíduos expostos e não-expostos devem ser comparáveis, ou seja, semelhantes quanto aos demais fatores, que não o de interesse, para que as conclusões obtidas sejam confiáveis.
9 Incidente: 1. Que incide, que sobrevém ou que tem caráter secundário; incidental. 2. Acontecimento imprevisível que modifica o desenrolar normal de uma ação. 3. Dificuldade passageira que não modifica o desenrolar de uma operação, de uma linha de conduta.
10 Obesidade: Condição em que há acúmulo de gorduras no organismo além do normal, mais severo que o sobrepeso. O índice de massa corporal é igual ou maior que 30.
Gostou do artigo? Compartilhe!