Gostou do artigo? Compartilhe!

Mudanças na dieta aliviam a síndrome do intestino irritável melhor do que remédios

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie esta notícia

Dois tipos de dieta parecem funcionar melhor do que tomar medicamentos no tratamento da síndrome1 do intestino irritável (SII), descobriu um estudo publicado no The Lancet Gastroenterology & Hepatology.

Uma dieta foi concebida para ser pobre em “FODMAPs”, um grupo de açúcares e carboidratos semelhantes encontrados em lacticínios, trigo e certas frutas e vegetais. A segunda foi uma abordagem menos comum utilizada para a SII: uma dieta adaptada com baixo teor de carboidratos, rica em fibras, mas pobre em todos os outros tipos de carboidratos, nomeadamente açúcar2 e amido.

Em um ensaio randomizado3, ambas as dietas levaram a maiores melhorias nos sintomas4 do que o tratamento padrão com medicamentos após quatro semanas.

A SII pode causar uma gama intrigante de sintomas4, incluindo diarreia5, prisão de ventre, distensão abdominal e dor abdominal, que podem aumentar e diminuir com o tempo. A causa raiz da condição não é clara.

O conselho habitual é evitar gatilhos comuns, como cafeína, álcool ou alimentos picantes. As pessoas também podem tomar tratamentos sintomáticos, como laxantes6 para prisão de ventre ou medicamentos para diarreia5.

Se essas medidas não funcionarem, as pessoas também podem tentar reduzir os alimentos ricos em FODMAPs, que se pensa contribuírem para o inchaço7 e a diarreia5 porque tendem a não ser digeridos até chegarem ao cólon8. Isso estimula a retenção de água pelo cólon8 e produz gases à medida que as moléculas são consumidas pelas bactérias, o que contribui para o inchaço7.

Saiba mais sobre "Síndrome1 do intestino irritável", "FODMAP: o que é isso" e "Dieta Low Carb".

Sanna Nybacka, da Universidade de Gothenburg, na Suécia, e seus colegas queriam ver como a dieta usual com baixo teor de FODMAP se comparava à abordagem diferente de baixo teor de carboidratos enquanto ainda comendo muita fibra. Na prática, isso significava comer alimentos ricos em gordura9 e proteínas10, como carne e laticínios, enquanto as fontes de fibras incluíam nozes, sementes, feijões e vegetais, como repolho.

A equipe pediu a cerca de 300 pessoas com SII que usassem uma das três abordagens: tomar medicamentos conforme necessário para os sintomas4 ou adotar uma das duas dietas. Para as abordagens dietéticas, as pessoas receberam entregas gratuitas de mantimentos, bem como planos detalhados de refeições e receitas.

Após um mês, 76% das pessoas no grupo de baixo FODMAP relataram uma redução significativa nos seus sintomas4, em comparação com 71% das pessoas na dieta baixa em carboidratos e 58% no grupo de tratamento médico.

A grande surpresa foi que uma dieta pobre em carboidratos e rica em fibras, que não excluía alimentos contendo FODMAP, era tão eficaz quanto uma abordagem pobre em FODMAP, diz Nybacka. “Não podemos fornecer nenhuma resposta sobre o porquê disso. Parece que modificar o conteúdo de carboidratos e reduzir a ingestão de FODMAP pode ser benéfico.”

Mas Hazel Everitt, da Universidade de Southampton, no Reino Unido, diz que o ensaio teria sido mais útil se tivesse durado mais tempo. “O problema com muitas dietas propostas para SII é que elas são muito difíceis de manter a longo prazo”, diz ela.

Os participantes foram acompanhados por até seis meses, mas nos últimos cinco meses, aqueles que inicialmente receberam a abordagem medicamentosa também receberam aconselhamento dietético.

Nybacka diz que um problema potencial com a dieta pobre em carboidratos e rica em fibras é que as pessoas deste grupo observaram um pequeno aumento nos níveis de colesterol11 no sangue12. As pessoas devem, portanto, consultar o seu médico antes de adotar esta dieta, diz ela.

No artigo publicado, os pesquisadores relatam que aconselhamento dietético e tratamentos médicos são recomendados para pacientes13 com síndrome1 do intestino irritável (SII). Os estudos ainda não compararam a eficácia do tratamento dietético com o tratamento farmacológico direcionado ao sintoma14 predominante da SII. O objetivo do estudo, portanto, foi comparar os efeitos de duas opções de tratamento dietético restritivo versus tratamento médico otimizado em pessoas com SII.

Este ensaio clínico randomizado3, simples-cego, unicêntrico e controlado foi conduzido em um ambulatório especializado no Hospital Universitário Sahlgrenska, Gotemburgo, Suécia. Participantes (idade ≥18 anos) com SII moderada a grave (Roma IV; Sistema de Pontuação de Gravidade da SII [IBS-SSS] ≥175) e nenhuma outra doença grave ou alergia15 alimentar foram distribuídos aleatoriamente (1:1:1) por randomização baseada na web para receber:

  • uma dieta pobre em oligossacarídeos, dissacarídeos16, monossacarídeos e polióis fermentáveis (FODMAPs), além de aconselhamento dietético tradicional para SII recomendado pelo Instituto Nacional de Excelência em Saúde17 e Cuidados do Reino Unido (doravante denominada dieta LFTD);
  • uma dieta otimizada em fibras, pobre em carboidratos totais e rica em proteínas10 e gorduras (doravante denominada dieta pobre em carboidratos);
  • ou tratamento médico otimizado com base no sintoma14 predominante da SII.

Os participantes ficaram mascarados quanto aos nomes das dietas, mas o tratamento farmacológico foi aberto. A intervenção durou 4 semanas, após as quais os participantes das intervenções dietéticas foram desmascarados às suas dietas e encorajados a continuar durante 6 meses de acompanhamento. Os participantes do grupo LFTD foram instruídos sobre como reintroduzir os FODMAPs, e os participantes que receberam tratamento farmacológico foram oferecidos aconselhamento dietético e continuaram com a medicação.

O desfecho primário foi a proporção de participantes que responderam à intervenção de 4 semanas, definida como uma redução de 50 ou mais no IBS-SSS em relação à linha de base, e o desfecho foi analisado por intenção de tratar modificada (ou seja, todos os participantes que iniciaram a intervenção). A segurança foi analisada na população com intenção de tratar modificada.

Entre 24 de janeiro de 2017 e 2 de setembro de 2021, 1.104 participantes foram avaliados quanto à elegibilidade e 304 foram designados aleatoriamente. Dez participantes não receberam a sua intervenção após a aleatorização e, portanto, 294 participantes foram incluídos na população com intenção de tratar modificada (96 atribuídos à dieta LFTD, 97 à dieta pobre em carboidratos e 101 ao tratamento médico otimizado). 241 (82%) dos 294 participantes eram mulheres e 53 (18%) eram homens, e a idade média era 38 anos (DP 13).

Após 4 semanas, 73 (76%) dos 96 participantes do grupo de dieta LFTD, 69 (71%) dos 97 participantes do grupo de dieta pobre em carboidratos e 59 (58%) dos 101 participantes do grupo de tratamento médico otimizado tiveram uma redução de 50 ou mais no IBS-SSS em comparação com o valor basal, com diferença significativa entre os grupos (p = 0,023).

91 (95%) dos 96 participantes completaram 4 semanas no grupo LFTD, 92 (95%) dos 97 completaram 4 semanas no grupo de baixo teor de carboidratos e 91 (90%) dos 101 completaram 4 semanas no grupo de tratamento médico otimizado.

Dois indivíduos em cada um dos grupos de intervenção afirmaram que os eventos adversos foram a razão para a interrupção da intervenção de 4 semanas. Cinco (5%) dos 91 participantes do grupo de tratamento médico otimizado interromperam o tratamento prematuramente devido a efeitos colaterais18. Não ocorreram eventos adversos graves ou mortes relacionadas ao tratamento.

O estudo concluiu que duas intervenções dietéticas de 4 semanas e tratamento médico otimizado reduziram a gravidade dos sintomas4 da SII, com um efeito maior nos grupos de dieta. As intervenções dietéticas podem ser consideradas como um tratamento inicial para pacientes13 com SII. São necessárias pesquisas para permitir estratégias de tratamento personalizadas.

Leia sobre "Alimentos ricos em fibras", "Macronutrientes19 - quais são eles" e "Síndromes disabsortivas e seus sintomas4".

 

Fontes:
The Lancet Gastroenterology & Hepatology, publicação em 18 de abril de 2024.
New Scientist, notícia publicada em 18 de abril de 2024.

 

NEWS.MED.BR, 2024. Mudanças na dieta aliviam a síndrome do intestino irritável melhor do que remédios. Disponível em: <https://www.news.med.br/p/medical-journal/1469232/mudancas-na-dieta-aliviam-a-sindrome-do-intestino-irritavel-melhor-do-que-remedios.htm>. Acesso em: 28 mai. 2024.

Complementos

1 Síndrome: Conjunto de sinais e sintomas que se encontram associados a uma entidade conhecida ou não.
2 Açúcar: 1. Classe de carboidratos com sabor adocicado, incluindo glicose, frutose e sacarose. 2. Termo usado para se referir à glicemia sangüínea.
3 Randomizado: Ensaios clínicos comparativos randomizados são considerados o melhor delineamento experimental para avaliar questões relacionadas a tratamento e prevenção. Classicamente, são definidos como experimentos médicos projetados para determinar qual de duas ou mais intervenções é a mais eficaz mediante a alocação aleatória, isto é, randomizada, dos pacientes aos diferentes grupos de estudo. Em geral, um dos grupos é considerado controle – o que algumas vezes pode ser ausência de tratamento, placebo, ou mais frequentemente, um tratamento de eficácia reconhecida. Recursos estatísticos são disponíveis para validar conclusões e maximizar a chance de identificar o melhor tratamento. Esses modelos são chamados de estudos de superioridade, cujo objetivo é determinar se um tratamento em investigação é superior ao agente comparativo.
4 Sintomas: Alterações da percepção normal que uma pessoa tem de seu próprio corpo, do seu metabolismo, de suas sensações, podendo ou não ser um indício de doença. Os sintomas são as queixas relatadas pelo paciente mas que só ele consegue perceber. Sintomas são subjetivos, sujeitos à interpretação pessoal. A variabilidade descritiva dos sintomas varia em função da cultura do indivíduo, assim como da valorização que cada pessoa dá às suas próprias percepções.
5 Diarréia: Aumento do volume, freqüência ou quantidade de líquido nas evacuações.Deve ser a manifestação mais freqüente de alteração da absorção ou transporte intestinal de substâncias, alterações estas que em geral são devidas a uma infecção bacteriana ou viral, a toxinas alimentares, etc.
6 Laxantes: Medicamentos que tratam da constipação intestinal; purgantes, purgativos, solutivos.
7 Inchaço: Inchação, edema.
8 Cólon:
9 Gordura: Um dos três principais nutrientes dos alimentos. Os alimentos que fornecem gordura são: manteiga, margarina, óleos, nozes, carnes vermelhas, peixes, frango e alguns derivados do leite. O excesso de calorias é estocado no organismo na forma de gordura, fornecendo uma reserva de energia ao organismo.
10 Proteínas: Um dos três principais nutrientes dos alimentos. Alimentos que fornecem proteína incluem carne vermelha, frango, peixe, queijos, leite, derivados do leite, ovos.
11 Colesterol: Tipo de gordura produzida pelo fígado e encontrada no sangue, músculos, fígado e outros tecidos. O colesterol é usado pelo corpo para a produção de hormônios esteróides (testosterona, estrógeno, cortisol e progesterona). O excesso de colesterol pode causar depósito de gordura nos vasos sangüíneos. Seus componentes são: HDL-Colesterol: tem efeito protetor para as artérias, é considerado o bom colesterol. LDL-Colesterol: relacionado às doenças cardiovasculares, é o mau colesterol. VLDL-Colesterol: representa os triglicérides (um quinto destes).
12 Sangue: O sangue é uma substância líquida que circula pelas artérias e veias do organismo. Em um adulto sadio, cerca de 45% do volume de seu sangue é composto por células (a maioria glóbulos vermelhos, glóbulos brancos e plaquetas). O sangue é vermelho brilhante, quando oxigenado nos pulmões (nos alvéolos pulmonares). Ele adquire uma tonalidade mais azulada, quando perde seu oxigênio, através das veias e dos pequenos vasos denominados capilares.
13 Para pacientes: Você pode utilizar este texto livremente com seus pacientes, inclusive alterando-o, de acordo com a sua prática e experiência. Conheça todos os materiais Para Pacientes disponíveis para auxiliar, educar e esclarecer seus pacientes, colaborando para a melhoria da relação médico-paciente, reunidos no canal Para Pacientes . As informações contidas neste texto são baseadas em uma compilação feita pela equipe médica da Centralx. Você deve checar e confirmar as informações e divulgá-las para seus pacientes de acordo com seus conhecimentos médicos.
14 Sintoma: Qualquer alteração da percepção normal que uma pessoa tem de seu próprio corpo, do seu metabolismo, de suas sensações, podendo ou não ser um indício de doença. O sintoma é a queixa relatada pelo paciente mas que só ele consegue perceber. Sintomas são subjetivos, sujeitos à interpretação pessoal. A variabilidade descritiva dos sintomas varia em função da cultura do indivíduo, assim como da valorização que cada pessoa dá às suas próprias percepções.
15 Alergia: Reação inflamatória anormal, perante substâncias (alérgenos) que habitualmente não deveriam produzi-la. Entre estas substâncias encontram-se poeiras ambientais, medicamentos, alimentos etc.
16 Dissacarídeos: Molécula formada pela união covalente de dois monossacarídeos.
17 Saúde: 1. Estado de equilíbrio dinâmico entre o organismo e o seu ambiente, o qual mantém as características estruturais e funcionais do organismo dentro dos limites normais para sua forma de vida e para a sua fase do ciclo vital. 2. Estado de boa disposição física e psíquica; bem-estar. 3. Brinde, saudação que se faz bebendo à saúde de alguém. 4. Força física; robustez, vigor, energia.
18 Efeitos colaterais: 1. Ação não esperada de um medicamento. Ou seja, significa a ação sobre alguma parte do organismo diferente daquela que precisa ser tratada pelo medicamento. 2. Possível reação que pode ocorrer durante o uso do medicamento, podendo ser benéfica ou maléfica.
19 Macronutrientes: Os macronutrientes fornecem as calorias aos alimentos. São eles: carboidratos, proteínas e lipídeos.
Gostou do artigo? Compartilhe!