Gostou do artigo? Compartilhe!

Sete atividades de estilo de vida saudável podem reduzir enormemente o risco de depressão

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie esta notícia

Uma análise de mais de 200.000 pessoas descobriu que aquelas que vivem um estilo de vida saudável, que inclui coisas como dormir o suficiente, fazer exercício regularmente e seguir uma dieta saudável, têm cerca de metade da probabilidade de desenvolver depressão do que aquelas que não o fazem. Os achados, publicados na revista Nature Mental Health, sugerem que mudanças no estilo de vida podem reduzir o risco de depressão.

Barbara Sahakian, da Universidade de Cambridge, e seus colegas analisaram dados sobre uso de álcool e nicotina, atividade física, dieta, sono e relacionamentos entre mais de 280 mil adultos que vivem no Reino Unido. Os participantes preencheram um questionário sobre estilo de vida entre 2006 e 2010 e concederam aos pesquisadores acesso aos seus registros de saúde1.

Leia sobre "Depressões - o que são" e "Saúde1 mental".

Durante o período de acompanhamento de 13 anos, 12.916 participantes foram diagnosticados com depressão. Sete fatores de estilo de vida foram associados a um menor risco de desenvolver depressão após os pesquisadores ajustarem para idade, sexo, índice de massa corporal2, status socioeconômico e educação. Os fatores foram:

  • a ingestão moderada de álcool;
  • nunca fumar;
  • dormir o suficiente;
  • praticar exercício físico regularmente;
  • seguir uma dieta saudável;
  • socializar frequentemente;
  • e minimizar o comportamento sedentário.

Os pesquisadores então classificaram os participantes com base em seus estilos de vida. As pessoas que praticavam cinco a sete destes hábitos tinham, em média, um risco 57% menor de desenvolver depressão do que aquelas que aderiam a menos de dois dos hábitos. Dormir o suficiente, fazer exercícios e socializar tiveram a maior influência. Cada um desses fatores foi associado a um risco cerca de 20% menor de depressão.

Exames cerebrais de um subconjunto de participantes também encontraram uma associação entre um maior número de hábitos de vida saudáveis e um maior volume cerebral em regiões conhecidas por influenciarem o humor, como o hipocampo3 e o córtex pré-frontal. Sahakian diz que isto sugere que o estilo de vida tem um impacto na biologia do cérebro4, explicando potencialmente a ligação entre um estilo de vida saudável e uma menor probabilidade de depressão.

No entanto, Maura Boldrini, da Universidade Columbia, em Nova York, diz que a depressão torna mais difícil para as pessoas encontrarem motivação para fazer exercícios e comer refeições saudáveis. “Não tenho certeza de que esse efeito de causalidade seja uma via de mão5 única”, diz ela.

No artigo, os pesquisadores analisaram os mecanismos da estrutura cerebral, imunometabólicos e genéticos subjacentes à associação entre estilo de vida e depressão.

Eles relatam que os fatores de estilo de vida têm sido reconhecidos como alvos modificáveis que podem ser usados para combater a crescente prevalência6 da depressão. Este estudo teve como objetivo investigar a combinação de uma extensa gama de fatores de estilo de vida, incluindo consumo de álcool, dieta, atividade física, sono, tabagismo, comportamento sedentário e conexão social, que contribuem para a depressão, e examinar os mecanismos neurobiológicos subjacentes.

Ao longo de nove anos de acompanhamento, um modelo multivariado de Cox foi utilizado em 287.282 participantes do UK Biobank para demonstrar os papéis protetores de sete fatores de estilo de vida e pontuação combinada de estilo de vida na depressão.

Combinando o risco genético e a categoria de estilo de vida em 197.344 participantes, descobriu-se que um estilo de vida saudável diminuiu o risco de depressão numa população com risco genético variado. A randomização mendeliana confirmou a relação causal entre estilo de vida e depressão.

Uma ampla gama de regiões cerebrais e biomarcadores periféricos foram relacionados ao estilo de vida, incluindo o pallidum, o córtex pré-central, os triglicerídeos e a proteína C reativa.

A modelagem de equações estruturais em 18.244 participantes revelou mecanismos neurobiológicos subjacentes envolvendo estilo de vida, estrutura cerebral, função imunometabólica, genética e depressão.

Juntas, essas descobertas sugerem que a adesão a um estilo de vida saudável pode ajudar na prevenção da depressão.

Veja também sobre "O que é uma alimentação saudável", "Atividade física" e "Sono - como ele é".

 

Fontes:
Nature Mental Health, publicação em 11 de setembro de 2023.
New Scientist, notícia publicada em 11 de setembro de 2023.

 

NEWS.MED.BR, 2023. Sete atividades de estilo de vida saudável podem reduzir enormemente o risco de depressão. Disponível em: <https://www.news.med.br/p/medical-journal/1459630/sete-atividades-de-estilo-de-vida-saudavel-podem-reduzir-enormemente-o-risco-de-depressao.htm>. Acesso em: 30 mai. 2024.

Complementos

1 Saúde: 1. Estado de equilíbrio dinâmico entre o organismo e o seu ambiente, o qual mantém as características estruturais e funcionais do organismo dentro dos limites normais para sua forma de vida e para a sua fase do ciclo vital. 2. Estado de boa disposição física e psíquica; bem-estar. 3. Brinde, saudação que se faz bebendo à saúde de alguém. 4. Força física; robustez, vigor, energia.
2 Índice de massa corporal: Medida usada para avaliar se uma pessoa está abaixo do peso, com peso normal, com sobrepeso ou obesa. É a medida mais usada na prática para saber se você é considerado obeso ou não. Também conhecido como IMC. É calculado dividindo-se o peso corporal em quilogramas pelo quadrado da altura em metros. Existe uma tabela da Organização Mundial de Saúde que classifica as medidas de acordo com o resultado encontrado.
3 Hipocampo: Elevação curva da substância cinzenta, que se estende ao longo de todo o assoalho no corno temporal do ventrículo lateral (Tradução livre de Córtex Entorrinal; Via Perfurante;
4 Cérebro: Derivado do TELENCÉFALO, o cérebro é composto dos hemisférios direito e esquerdo. Cada hemisfério contém um córtex cerebral exterior e gânglios basais subcorticais. O cérebro inclui todas as partes dentro do crânio exceto MEDULA OBLONGA, PONTE e CEREBELO. As funções cerebrais incluem as atividades sensório-motora, emocional e intelectual.
5 Mão: Articulação entre os ossos do metacarpo e as falanges.
6 Prevalência: Número de pessoas em determinado grupo ou população que são portadores de uma doença. Número de casos novos e antigos desta doença.
Gostou do artigo? Compartilhe!