Gostou do artigo? Compartilhe!

Dieta cetogênica ajuda as pessoas a manter a perda de peso após interromper o uso de Ozempic

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie esta notícia

Pessoas com diabetes tipo 21 que param de usar medicamentos como Ozempic ou Wegovy, que desencadeiam a perda de peso, podem evitar recuperar os quilos perdidos se adotarem uma dieta cetogênica, que é pobre em carboidratos. A descoberta, proveniente de um pequeno estudo, desafia a noção de que as pessoas devem tomar esses medicamentos indefinidamente para evitar ganho de peso indesejado.

No estudo, publicado no jornal científico Diabetes2 Therapy, pessoas com diabetes tipo 21 mantiveram a perda de peso com dieta cetogênica por um ano depois de pararem de usar Ozempic ou medicamentos similares.

Ozempic e Wegovy pertencem a uma classe de medicamentos chamados agonistas do GLP-1, que reduzem o apetite e aumentam a liberação de insulina3. Eles são comumente prescritos para ajudar pessoas com diabetes tipo 21 a regular o açúcar4 no sangue5 e a perder peso. No entanto, muitos especialistas presumiram que as pessoas devem permanecer tomando os medicamentos por um longo prazo, caso contrário, recuperarão o peso perdido.

Leia sobre "Dieta cetogênica", "Dieta 'Low Carb'" e "Dieta de Atkins".

Shaminie Athinarayanan, da Virta Health – uma empresa de telessaúde dos EUA que trata diabetes tipo 21 – e seus colegas decidiram testar essa suposição. A inspiração6 para fazer isso veio de pesquisas anteriores que mostraram que dietas com baixo teor de carboidratos, como a dieta cetogênica, ou keto, ajudam a controlar os níveis de açúcar4 no sangue5 e o peso em pessoas com diabetes tipo 21.

Os pesquisadores monitoraram o peso e os níveis de açúcar4 no sangue5 de 308 adultos que viviam nos EUA com diabetes tipo 21 e que receberam terapia nutricional na Virta Health. Todos eles estavam usando agonistas do GLP-1 quando se inscreveram. Os participantes foram aconselhados a seguir a dieta cetogênica – o que significa que foram instruídos a comer menos de 30 gramas de carboidratos por dia, ou menos de 50 gramas se fossem veganos, e cerca de 1,5 gramas de proteína por quilograma de peso corporal. Eles foram incentivados a comer até se sentirem saciados, independentemente das calorias7. Instrutores de saúde8 e profissionais médicos licenciados comunicaram-se virtualmente com os participantes conforme necessário.

Entre três e nove meses depois, metade dos participantes interrompeu o uso de agonistas do GLP-1. Todos os participantes continuaram a seguir a dieta cetogênica por mais um ano. Neste ponto, os pesquisadores não encontraram diferenças significativas no peso ou nos níveis de açúcar4 no sangue5 entre os dois grupos. Em média, os participantes que pararam de tomar agonistas do GLP-1 ganharam apenas cerca de um quilograma de peso. Em comparação, aqueles que continuaram tomando os medicamentos ganharam cerca de 2 quilos. A maioria dos participantes de ambos os grupos também apresentava níveis de açúcar4 no sangue5 abaixo do limite para o diagnóstico9 de diabetes2.

“Este estudo sugere que o uso contínuo de agonistas do GLP-1 não é necessário para muitas pessoas se elas receberem a intervenção correta”, diz Athinarayanan. “Você pode interromper estes medicamentos com segurança e eficácia e manter o peso e os resultados de açúcar4 no sangue5.”

Isso pode ser útil para pessoas que não podem tomar os medicamentos devido à escassez ou aos efeitos colaterais10, diz Priya Jaisinghani, da NYU Langone Health, em Nova York. No entanto, as pessoas devem falar com o seu médico antes de iniciar uma dieta pobre em carboidratos, uma vez que pode trazer riscos, especialmente para aqueles com condições subjacentes, como doença renal11 ou distúrbio alimentar, diz ela. Ela ressalta ainda que o estudo foi patrocinado pela Virta Health e incluiu apenas um pequeno número de participantes. Portanto, “não é o fim de tudo”, diz Jaisinghani. “Mas mostra a diferença que a dieta pode fazer.”

No artigo publicado, os pesquisadores relatam que os agonistas dos receptores de peptídeo 1 semelhante ao glucagon12 (GLP-1) provocam reduções substanciais na glicemia13 e no peso corporal em pessoas com diabetes tipo 21 (DM2) e obesidade14, mas os dados existentes sugerem que a terapia deve ser continuada indefinidamente para manter as melhorias clínicas.

Dado o alto custo e a baixa persistência do GLP-1 no mundo real, seria benéfica uma terapia eficaz que permitisse a prescrição com melhorias clínicas sustentadas. Assim, o objetivo deste estudo do mundo real foi avaliar o efeito da desprescrição de GLP-1 na glicemia13 e no peso corporal após co-terapia com terapia nutricional com restrição de carboidratos (TNRC) apoiada via telemedicina em um modelo de atendimento remoto contínuo.

Foi realizado um estudo de coorte15 retrospectivo16, pareado por escore de propensão entre pacientes com DM2 em uma clínica de telemedicina. Os pacientes nos quais o GLP-1 foi desprescrito (DeRx; n = 154) foram pareados 1:1 com os pacientes nos quais o GLP-1 foi continuado (Rx). HbA1c17 e peso corporal no momento da inscrição na clínica (pré-TNRC), na data da desprescrição ou data índice (derx/DI) e aos 6 e 12 meses (m) pós-derx/DI foram utilizados neste estudo.

Nenhuma regressão no peso foi observada após a desprescrição, com >70% mantendo ≥5% da perda de peso 12 m pós-derx/DI. A HbA1c17 aumentou em 6 m e 12 m pós-derx/DI em ambas as coortes DeRx e Rx, mas a maioria dos pacientes manteve HbA1c < 6,5%.

A HbA1c17 e o peso corporal medidos 6 m e 12 m após derx/DI não diferiram significativamente entre as coortes e melhoraram na derx/DI e nos intervalos de acompanhamento em comparação com pré-TNRC.

Estes resultados demonstram o potencial de uma terapia alternativa, como a terapia nutricional com restrição de carboidratos apoiada via telemedicina, para permitir a manutenção da perda de peso e da glicemia13 abaixo dos alvos terapêuticos após a descontinuação da terapia com GLP-1.

Veja também sobre "Tratamento da obesidade14", "Comportamento da glicose18 no sangue5" e "O perigo dos remédios para emagrecer".

 

Fontes:
Diabetes2 Therapy, Vol. 15, em 29 de fevereiro de 2024.
New Scientist, notícia publicada em 29 de fevereiro de 2024.

 

NEWS.MED.BR, 2024. Dieta cetogênica ajuda as pessoas a manter a perda de peso após interromper o uso de Ozempic. Disponível em: <https://www.news.med.br/p/medical-journal/1467832/dieta-cetogenica-ajuda-as-pessoas-a-manter-a-perda-de-peso-apos-interromper-o-uso-de-ozempic.htm>. Acesso em: 21 abr. 2024.

Complementos

1 Diabetes tipo 2: Condição caracterizada por altos níveis de glicose causada tanto por graus variáveis de resistência à insulina quanto por deficiência relativa na secreção de insulina. O tipo 2 se desenvolve predominantemente em pessoas na fase adulta, mas pode aparecer em jovens.
2 Diabetes: Nome que designa um grupo de doenças caracterizadas por diurese excessiva. A mais frequente é o Diabetes mellitus, ainda que existam outras variantes (Diabetes insipidus) de doença nas quais o transtorno primário é a incapacidade dos rins de concentrar a urina.
3 Insulina: Hormônio que ajuda o organismo a usar glicose como energia. As células-beta do pâncreas produzem insulina. Quando o organismo não pode produzir insulna em quantidade suficiente, ela é usada por injeções ou bomba de insulina.
4 Açúcar: 1. Classe de carboidratos com sabor adocicado, incluindo glicose, frutose e sacarose. 2. Termo usado para se referir à glicemia sangüínea.
5 Sangue: O sangue é uma substância líquida que circula pelas artérias e veias do organismo. Em um adulto sadio, cerca de 45% do volume de seu sangue é composto por células (a maioria glóbulos vermelhos, glóbulos brancos e plaquetas). O sangue é vermelho brilhante, quando oxigenado nos pulmões (nos alvéolos pulmonares). Ele adquire uma tonalidade mais azulada, quando perde seu oxigênio, através das veias e dos pequenos vasos denominados capilares.
6 Inspiração: 1. Ato ou efeito de inspirar(-se). 2. Entrada de ar nos pulmões através das vias respiratórias. 3. Conselho, sugestão, influência. 4. No sentido figurado, significa criatividade, entusiasmo. Pessoa ou coisa que inspira, estimula a capacidade criativa. 5. Ideia súbita e espontânea, geralmente brilhante e/ou oportuna.
7 Calorias: Dizemos que um alimento tem “x“ calorias, para nos referirmos à quantidade de energia que ele pode fornecer ao organismo, ou seja, à energia que será utilizada para o corpo realizar suas funções de respiração, digestão, prática de atividades físicas, etc.
8 Saúde: 1. Estado de equilíbrio dinâmico entre o organismo e o seu ambiente, o qual mantém as características estruturais e funcionais do organismo dentro dos limites normais para sua forma de vida e para a sua fase do ciclo vital. 2. Estado de boa disposição física e psíquica; bem-estar. 3. Brinde, saudação que se faz bebendo à saúde de alguém. 4. Força física; robustez, vigor, energia.
9 Diagnóstico: Determinação de uma doença a partir dos seus sinais e sintomas.
10 Efeitos colaterais: 1. Ação não esperada de um medicamento. Ou seja, significa a ação sobre alguma parte do organismo diferente daquela que precisa ser tratada pelo medicamento. 2. Possível reação que pode ocorrer durante o uso do medicamento, podendo ser benéfica ou maléfica.
11 Renal: Relacionado aos rins. Uma doença renal é uma doença dos rins. Insuficiência renal significa que os rins pararam de funcionar.
12 Glucagon: Hormônio produzido pelas células-alfa do pâncreas. Ele aumenta a glicose sangüínea. Uma forma injetável de glucagon, disponível por prescrição médica, pode ser usada no tratamento da hipoglicemia severa.
13 Glicemia: Valor de concentração da glicose do sangue. Seus valores normais oscilam entre 70 e 110 miligramas por decilitro de sangue (mg/dl).
14 Obesidade: Condição em que há acúmulo de gorduras no organismo além do normal, mais severo que o sobrepeso. O índice de massa corporal é igual ou maior que 30.
15 Estudo de coorte: Um estudo de coorte é realizado para verificar se indivíduos expostos a um determinado fator apresentam, em relação aos indivíduos não expostos, uma maior propensão a desenvolver uma determinada doença. Um estudo de coorte é constituído, em seu início, de um grupo de indivíduos, denominada coorte, em que todos estão livres da doença sob investigação. Os indivíduos dessa coorte são classificados em expostos e não-expostos ao fator de interesse, obtendo-se assim dois grupos (ou duas coortes de comparação). Essas coortes serão observadas por um período de tempo, verificando-se quais indivíduos desenvolvem a doença em questão. Os indivíduos expostos e não-expostos devem ser comparáveis, ou seja, semelhantes quanto aos demais fatores, que não o de interesse, para que as conclusões obtidas sejam confiáveis.
16 Retrospectivo: Relativo a fatos passados, que se volta para o passado.
17 HbA1C: Hemoglobina glicada, hemoglobina glicosilada, glico-hemoglobina ou HbA1C e, mais recentemente, apenas como A1C é uma ferramenta de diagnóstico na avaliação do controle glicêmico em pacientes diabéticos. Atualmente, a manutenção do nível de A1C abaixo de 7% é considerada um dos principais objetivos do controle glicêmico de pacientes diabéticos. Algumas sociedades médicas adotam metas terapêuticas mais rígidas de 6,5% para os valores de A1C.
18 Glicose: Uma das formas mais simples de açúcar.
Gostou do artigo? Compartilhe!