Gostou do artigo? Compartilhe!

Fumantes que param de fumar e persistem observam maior redução no risco de câncer

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie esta notícia

A cessação do tabagismo foi associada a um risco reduzido de câncer1 a longo prazo, especialmente quando a cessação do tabagismo foi sustentada e ocorreu antes da meia-idade, concluiu um grande estudo de base populacional realizado na Coreia, com publicação no JAMA Network Open.

Durante um acompanhamento médio de 13 anos, os fumantes que pararam completamente tiveram um risco 17% menor de qualquer tipo de câncer1 em comparação com pessoas que fumaram continuamente, de acordo com descobertas de Jin-Kyoung Oh, PhD, do Centro Nacional do Câncer1 em Gyeonggi, Coreia, e colegas.

Aqueles que pararam completamente também apresentavam menor risco de câncer1 quando se tratava de vários tipos diferentes de tumores:

Embora em menor grau, algum benefício foi observado para pessoas que pararam de fumar e tiveram recaídas e que pararam transitoriamente, “reafirmando uma tendência linear decrescente na ordem de fumantes contínuos, pessoas que param de fumar e têm recaída, pessoas que param de fumar transitoriamente, pessoas que param de fumar por completo e que nunca fumaram”, escreveram os pesquisadores.

Notavelmente, os que deixaram de fumar tinham um risco de câncer1 ligeiramente superior ao dos fumantes contínuos durante os primeiros 10 anos após deixarem de fumar (HR 1,12, IC 95% 1,08-1,16), mas o risco diminuiu acentuadamente quando os indivíduos atingiram 15 anos de cessação ou mais (HR 0,41, IC 95% 0,38-0,44).

“O aumento observado no risco de câncer1 após a cessação do tabagismo pode ser atribuído à inclusão de indivíduos que já tinham acumulado danos substanciais causados pelo tabagismo, conhecidos como desistentes doentes”, explicou o grupo de Oh. “Essa tendência está alinhada com o fenômeno bem documentado do aumento do uso de medicamentos e das despesas associadas entre aqueles que acabaram de parar de fumar”.

Saiba mais sobre "Tabagismo", "Parar de fumar: como é" e "Fumante passivo - como evitar os danos".

Os autores relataram que, independentemente de quando uma pessoa parou de fumar durante a vida, o risco de câncer1 ainda foi significativamente reduzido. No entanto, quando os fumantes pararam de fumar antes dos 50 anos, o seu risco foi reduzido num grau maior do que se parassem depois de atingirem os 50 anos.

E. Neil Schachter, MD, do Mount Sinai Health System na cidade de Nova York, sugeriu que o lento desenvolvimento do próprio câncer1, que requer múltiplas mutações genéticas nas células5 afetadas, pode desempenhar um papel na divergência de longo prazo de taxas de incidência6 de câncer1.

“Alguém que para de fumar mais cedo provavelmente tem menos desses segmentos de DNA danificados e também está provavelmente um pouco melhor equipado para repará-los”, comentou ele.

Schachter enfatizou que, entre aqueles que pararam de fumar, a utilização de ferramentas de diagnóstico7, como tomografias computadorizadas, juntamente com estratégias preventivas, é fundamental para detectar o câncer1 em seus estágios iniciais.

“Mesmo nesse período de alto risco após os primeiros 10 anos, quando continua a haver um aumento no número de cânceres, particularmente câncer1 de pulmão2, há uma boa probabilidade de que, se tirarem partido destes programas preventivos, saiam com um bom resultado”, disse ele.

No artigo, os pesquisadores relatam que o tabagismo está associado ao aumento do risco de vários tipos de câncer1, e a cessação do tabagismo tem sido associada à redução dos riscos de câncer1, mas ainda não está claro quantos anos de cessação do tabagismo são necessários para reduzir significativamente o risco de câncer1. Portanto, investigar a associação da cessação do tabagismo com o câncer1 é essencial.

O objetivo deste estudo foi investigar a evolução temporal do risco de câncer1 de acordo com o tempo decorrido desde a cessação do tabagismo e os benefícios da cessação do tabagismo de acordo com a idade em que se parou de fumar.

Este estudo de coorte8 retrospectivo9 de base populacional incluiu participantes coreanos com 30 anos ou mais que foram submetidos a 2 ou mais exames de saúde10 consecutivos no âmbito do Serviço Nacional de Seguro de Saúde10 desde 2002 e foram acompanhados até 2019. A análise dos dados foi realizada de abril a setembro de 2023.

As exposições incluíram (1) status de tabagismo atualizado no tempo com base em mudanças bienais no status de tabagismo, definidos como desistentes completos, desistentes transitórios, desistentes com recaída, fumantes contínuos e nunca fumantes; (2) duração da cessação do tabagismo, definida como anos desde que parou; e (3) variável categórica para idade ao parar de fumar.

O câncer1 primário foi determinado usando os dados do registro de câncer1: câncer1 em todos os locais (códigos CID-10: C00-43, C45-96 ou D45-D47), câncer1 de pulmão2 (código CID-10: C34), câncer1 de fígado3 (código CID-10: C22), câncer1 de estômago4 (código CID-10: C16) e câncer1 colorretal (códigos CID-10: C18-20). As taxas de risco (HR) e os ICs de 95% foram estimados usando um modelo de regressão de riscos proporcionais de Cox com anos de acompanhamento como escala de tempo.

Dos 2.974.820 participantes, 1.727.340 (58,1%) eram homens (idade média [DP], 43,1 [10,0] anos) e 1.247.480 (41,9%) eram mulheres (idade média [DP], 48,5 [9,9] anos). Durante um acompanhamento médio (DP) de 13,4 (0,1) anos, foram confirmados 196.829 casos de câncer1.

Em comparação com fumantes contínuos, os que pararam de fumar tiveram um risco menor de câncer1, com HRs de 0,83 (IC 95%, 0,80-0,86) para câncer1 em todos os locais, 0,58 (IC 95%, 0,53-0,62) para pulmão2, 0,73 (IC 95%, 0,64-0,82) para fígado3, 0,86 (IC 95%, 0,79-0,93) para estômago4 e 0,80 (IC 95%, 0,72-0,89) para colorretal.

O risco de câncer1 apresentou um valor ligeiramente superior durante 10 anos após a cessação do tabagismo em comparação com a continuação do tabagismo e depois diminuiu ao longo do tempo, atingindo 50% do risco associado à continuação do tabagismo após 15 ou mais anos.

O risco de câncer1 de pulmão2 diminuiu 3 anos antes do que o de outros tipos de câncer1, com uma redução relativa maior.

Independentemente da idade de abandono, foi observada uma redução significativa no risco de câncer1. Parar de fumar antes dos 50 anos foi associado a uma maior redução no risco de câncer1 de pulmão2 (HR, 0,43; IC 95%, 0,35-0,53) em comparação com parar de fumar aos 50 anos ou mais (HR, 0,61; IC 95%, 0,56-0,66).

Neste estudo de coorte8 retrospectivo9 de base populacional, a cessação sustentada do tabagismo foi associada a uma redução significativa do risco de câncer1 após 10 anos desde o abandono. Parar de fumar em qualquer idade ajudou a reduzir o risco de câncer1 e, especialmente no caso do câncer1 de pulmão2, a cessação precoce antes da meia-idade apresentou uma redução substancial do risco.

Leia sobre "O que é o câncer1", "Prevenção do câncer1" e "Câncer1 de pulmão2".

 

Fontes:
JAMA Network Open, publicação em 06 de fevereiro de 2024.
MedPage Today, notícia publicada em 06 de fevereiro de 2024.

 

NEWS.MED.BR, 2024. Fumantes que param de fumar e persistem observam maior redução no risco de câncer. Disponível em: <https://www.news.med.br/p/medical-journal/1466312/fumantes-que-param-de-fumar-e-persistem-observam-maior-reducao-no-risco-de-cancer.htm>. Acesso em: 21 abr. 2024.

Complementos

1 Câncer: Crescimento anormal de um tecido celular capaz de invadir outros órgãos localmente ou à distância (metástases).
2 Pulmão: Cada um dos órgãos pareados que ocupam a cavidade torácica que tem como função a oxigenação do sangue.
3 Fígado: Órgão que transforma alimento em energia, remove álcool e toxinas do sangue e fabrica bile. A bile, produzida pelo fígado, é importante na digestão, especialmente das gorduras. Após secretada pelas células hepáticas ela é recolhida por canalículos progressivamente maiores que a levam para dois canais que se juntam na saída do fígado e a conduzem intermitentemente até o duodeno, que é a primeira porção do intestino delgado. Com esse canal biliar comum, chamado ducto hepático, comunica-se a vesícula biliar através de um canal sinuoso, chamado ducto cístico. Quando recebe esse canal de drenagem da vesícula biliar, o canal hepático comum muda de nome para colédoco. Este, ao entrar na parede do duodeno, tem um músculo circular, designado esfíncter de Oddi, que controla o seu esvaziamento para o intestino.
4 Estômago: Órgão da digestão, localizado no quadrante superior esquerdo do abdome, entre o final do ESÔFAGO e o início do DUODENO.
5 Células: Unidades (ou subunidades) funcionais e estruturais fundamentais dos organismos vivos. São compostas de CITOPLASMA (com várias ORGANELAS) e limitadas por uma MEMBRANA CELULAR.
6 Incidência: Medida da freqüência em que uma doença ocorre. Número de casos novos de uma doença em um certo grupo de pessoas por um certo período de tempo.
7 Diagnóstico: Determinação de uma doença a partir dos seus sinais e sintomas.
8 Estudo de coorte: Um estudo de coorte é realizado para verificar se indivíduos expostos a um determinado fator apresentam, em relação aos indivíduos não expostos, uma maior propensão a desenvolver uma determinada doença. Um estudo de coorte é constituído, em seu início, de um grupo de indivíduos, denominada coorte, em que todos estão livres da doença sob investigação. Os indivíduos dessa coorte são classificados em expostos e não-expostos ao fator de interesse, obtendo-se assim dois grupos (ou duas coortes de comparação). Essas coortes serão observadas por um período de tempo, verificando-se quais indivíduos desenvolvem a doença em questão. Os indivíduos expostos e não-expostos devem ser comparáveis, ou seja, semelhantes quanto aos demais fatores, que não o de interesse, para que as conclusões obtidas sejam confiáveis.
9 Retrospectivo: Relativo a fatos passados, que se volta para o passado.
10 Saúde: 1. Estado de equilíbrio dinâmico entre o organismo e o seu ambiente, o qual mantém as características estruturais e funcionais do organismo dentro dos limites normais para sua forma de vida e para a sua fase do ciclo vital. 2. Estado de boa disposição física e psíquica; bem-estar. 3. Brinde, saudação que se faz bebendo à saúde de alguém. 4. Força física; robustez, vigor, energia.

Artigos selecionados

Gostou do artigo? Compartilhe!