Gostou do artigo? Compartilhe!

Os impactos e riscos dos cigarros eletrônicos de acordo com órgãos de saúde pública e associações médicas

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie esta notícia

Os cigarros eletrônicos ou sistemas eletrônicos de administração de nicotina (SEAN) têm vários nomes – o nome mais comum é “cigarro eletrônico”, mas outros termos incluem e-cigarro, vapes, “pendrive” e dispositivo eletrônico para fumar. Aqui nos referimos a toda a categoria como “cigarros eletrônicos”.

O uso de cigarros eletrônicos entre os jovens disparou nos últimos anos e permanece em níveis epidêmicos: nos Estados Unidos, por exemplo, cerca de um em cada cinco estudantes do ensino médio usava cigarros eletrônicos em 2020, muitos dos quais não eram fumantes inicialmente.

Os cigarros eletrônicos são dispositivos que funcionam aquecendo uma solução líquida a uma temperatura alta o suficiente para produzir um aerossol que é inalado.

As soluções, às vezes chamadas de e-líquidos, quase sempre incluem nicotina, aromatizante e um umectante, como o propilenoglicol, para reter a umidade e criar o aerossol quando aquecido.

Embora muitos dos aromatizantes e umectantes usados em e-líquidos tenham sido aprovados pela Food and Drug Administration dos EUA e outros órgãos reguladores ao redor do mundo para consumo oral, eles não foram aprovados para inalação. Assim, suas consequências para a saúde1 não são bem conhecidas quando consumidas dessa forma.

Até hoje, não se conhece os efeitos a longo prazo do uso do cigarro eletrônico, embora pesquisadores continuem a investigar algumas das evidências rapidamente emergentes de efeitos adversos na saúde1 pulmonar e cardiovascular.

Neste texto reunimos consensos e estudos publicados sobre os impactos e riscos dos cigarros eletrônicos para a saúde1. Navegue pelos tópicos para conferir cada um:

Confira também o documento da truth initiative: "E-cigarettes: Facts, stats and regulations"

European Comission – Parecer final sobre cigarros eletrônicos

Na sequência de um pedido da Comissão Europeia, o Comitê Científico sobre Riscos para a Saúde1, o Ambiente e Riscos Emergentes (SCHEER) reviu as informações científicas e técnicas mais recentes sobre os cigarros eletrônicos. Foi solicitado ao SCHEER que se concentrasse apenas nos impactos na saúde1 em comparação com não-fumantes.

O SCHEER concluiu sobre os efeitos na saúde1:

a) Para usuários de cigarros eletrônicos

  1. O peso geral da evidência é moderado para os riscos de danos irritativos locais no trato respiratório de usuários de cigarros eletrônicos devido à exposição cumulativa a polióis, aldeídos e nicotina. No entanto, a incidência4 global relatada é baixa.
  2. O peso global da evidência dos riscos de efeitos sistêmicos5 a longo prazo no sistema cardiovascular6 é moderado.
  3. O peso global da evidência sobre os riscos de carcinogenicidade do trato respiratório devido à exposição cumulativa a longo prazo às nitrosaminas e à exposição ao acetaldeído e ao formaldeído é fraco a moderado. O peso da evidência sobre os riscos de efeitos adversos, especificamente carcinogenicidade, devido aos metais presentes nos aerossóis é fraco.
  4. O peso global das evidências relativas aos riscos de outros efeitos adversos para a saúde1 a longo prazo, tais como doenças pulmonares do sistema nervoso central7 e efeitos tóxicos para a reprodução8, com base na identificação dos perigos e nas evidências humanas, é fraco, sendo necessários mais dados consistentes.
  5. Até à data, não existem dados específicos de que aromas específicos utilizados na União Europeia representem riscos para a saúde1 dos utilizadores de cigarros eletrônicos após exposição repetida.
  6. O peso global das evidências relativas aos riscos de envenenamento e lesões9 devido a queimaduras e explosões é forte. No entanto, a incidência4 é baixa.

b) Para pessoas expostas ao fumo passivo

  1. O peso global da evidência é moderado para os riscos de danos irritativos locais no trato respiratório, principalmente devido à exposição a glicóis.
  2. O peso global da evidência sobre os riscos de efeitos cardiovasculares sistêmicos5 em pessoas expostas ao fumo passivo devido à exposição à nicotina é fraco a moderado.
  3. O peso global da evidência do risco carcinogênico devido à exposição cumulativa às nitrosaminas é fraco a moderado.

Os cigarros eletrônicos são relativamente novos em termos de exposição aos seres humanos. É necessária mais pesquisa, em especial sobre os efeitos na saúde1 a longo prazo.

No que diz respeito ao papel dos cigarros eletrônicos como porta de entrada para fumar/iniciação do tabagismo, especialmente para os jovens, o SCHEER concluiu que existem evidências moderadas de que os cigarros eletrônicos são uma porta de entrada para fumar para os jovens. Há fortes evidências de que a nicotina nos e-líquidos está implicada no desenvolvimento da dependência e que os sabores têm uma contribuição relevante para a atratividade do uso do cigarro eletrônico e para a iniciação.

No que diz respeito ao papel dos cigarros eletrônicos na cessação do tabagismo tradicional, o SCHEER concluiu que existem evidências fracas que apoiam a eficácia dos cigarros eletrônicos em ajudar os fumantes a deixar de fumar, enquanto as evidências sobre a redução do tabagismo são avaliadas como fracas a moderadas.

» Fonte: European Comission - Public Health, publicação em 16 de abril de 2021.


American Lung Association – A inalação de produtos químicos nocivos pode causar danos pulmonares irreversíveis e doenças pulmonares

Os cigarros eletrônicos são um produto de tabaco relativamente novo, vendido nos EUA há cerca de uma década. Os cigarros eletrônicos atualmente no mercado dos EUA não foram revisados sistematicamente pela Food and Drug Administration para determinar seu impacto na saúde1 pulmonar. Embora ainda haja muito a ser determinado sobre as consequências duradouras desses produtos para a saúde1, a American Lung Association está muito preocupada com a evolução das evidências sobre o impacto dos cigarros eletrônicos nos pulmões10.

Em Janeiro de 2018, as Academias Nacionais de Ciência, Engenharia e Medicina divulgaram um relatório de estudo de consenso que analisou mais de 800 estudos diferentes.

Esse relatório deixou claro: o uso de cigarros eletrônicos causa riscos à saúde1. Concluiu-se que os cigarros eletrônicos contêm e emitem uma série de substâncias potencialmente tóxicas. O relatório das Academias também afirma que há evidências moderadas de que os jovens que usam cigarros eletrônicos correm maior risco de tosse e respiração ofegante e de aumento nas exacerbações da asma11.

  • Um estudo da Universidade da Carolina do Norte descobriu que os dois principais ingredientes encontrados nos cigarros eletrônicos – propilenoglicol e glicerina vegetal – são tóxicos para as células12 e que quanto mais ingredientes houver em um e-líquido, maior será a toxicidade13.
  • Os cigarros eletrônicos produzem uma série de produtos químicos perigosos, incluindo acetaldeído, acroleína e formaldeído. Esses aldeídos podem causar doenças pulmonares, bem como doenças cardiovasculares14.
  • Os cigarros eletrônicos também contêm acroleína, um herbicida usado principalmente para matar ervas daninhas. Pode causar lesão15 pulmonar aguda e DPOC e pode causar asma11 e câncer16 de pulmão17.
  • Tanto o U.S. Surgeon General como as Academias Nacionais de Ciência, Engenharia e Medicina alertaram sobre os riscos da inalação de emissões de cigarros eletrônicos de segunda mão18, que são criadas quando um utilizador de cigarros eletrônicos exala o cocktail químico criado pelos cigarros eletrônicos.
  • Em 2016, o U.S. Surgeon General concluiu que as emissões de segunda mão18 contêm “nicotina; partículas ultrafinas; aromatizantes como o diacetil, um produto químico ligado a doenças pulmonares graves; compostos orgânicos voláteis como o benzeno, que é encontrado no escapamento dos carros; e metais pesados, como níquel, estanho e chumbo.”
  • A Food and Drug Administration não considerou nenhum cigarro eletrônico seguro e eficaz para ajudar os fumantes a parar de fumar. Se os fumantes estiverem prontos para parar de fumar para sempre, eles devem conversar com seu médico sobre como encontrar a melhor maneira de parar de fumar usando métodos comprovados e tratamentos e aconselhamento aprovados pela FDA.

» Fonte: American Lung Association, publicação em 31 de maio de 2023.

Leia sobre "Cigarro eletrônico - o que é", "Tabagismo" e "Substâncias cancerígenas".

American Heart Association – Impacto cardiopulmonar de cigarros eletrônicos e produtos vaping2

A nova declaração científica da American Heart Association descreve a ciência atual sobre os efeitos do uso de cigarros eletrônicos na saúde1 e pede mais pesquisas sobre o impacto a longo prazo.

Destaques da declaração:

  • O número de pessoas que utilizam sistemas eletrônicos de administração de nicotina, normalmente designados por cigarros eletrônicos, cresceu exponencialmente, especialmente entre jovens e adultos jovens. O uso de cigarros eletrônicos mais que dobrou entre 2017 e 2019 entre estudantes do ensino fundamental e médio.
  • O surto de lesões9 pulmonares associadas ao uso de cigarros eletrônicos nos Estados Unidos em 2019, que levou a mais de 2.800 hospitalizações, destacou os riscos dos cigarros eletrônicos e dos produtos de vaporização. Atualmente, todos os cigarros eletrônicos são regulamentados como produtos de tabaco e, portanto, não são submetidos aos estudos de segurança pré-comercialização em animais e humanos exigidos para um medicamento ou dispositivo médico.
  • Os ingredientes dos cigarros eletrônicos, incluindo nicotina, agentes aromatizantes, adoçantes e propilenoglicol e glicerol vegetal, podem, cada um, representar independentemente riscos perigosos para a saúde1.
  • São necessários mais estudos clínicos sobre o impacto a longo prazo dos cigarros eletrônicos no coração19, nos vasos sanguíneos3 e nos pulmões10, e os especialistas sublinham que são necessárias pesquisas moleculares e laboratoriais adicionais para ajudar a determinar as implicações biológicas do uso de cigarros eletrônicos.

» Fonte: Circulation, Vol. 148, Nº 8, em agosto de 2023.


European Association of Preventive Cardiology – Cigarros eletrônicos e saúde1 com foco especial nos efeitos cardiovasculares

O consumo de tabaco é o maior fator de risco20 evitável de morte prematura por doenças não transmissíveis e a segunda principal causa de doenças cardiovasculares14. Em resposta aos efeitos nocivos do tabagismo, o uso de cigarros eletrônicos surgiu e ganhou popularidade significativa nos últimos 15 anos. Os cigarros eletrônicos são promovidos como alternativas seguras ao consumo tradicional de tabaco e são frequentemente sugeridos como uma forma de reduzir ou deixar de fumar. No entanto, as evidências sugerem que eles não são inofensivos.

A rápida evolução do mercado de cigarros eletrônicos ultrapassou a capacidade regulamentar do legislador, conduzindo a regulamentações mistas. O uso crescente de cigarros eletrônicos em adolescentes e jovens é preocupante. Embora os efeitos cardiovasculares diretos a longo prazo dos cigarros eletrônicos permaneçam em grande parte desconhecidos, as evidências existentes sugerem que o cigarro eletrônico não deve ser considerado um produto seguro para a saúde1 cardiovascular. A contribuição do uso de cigarros eletrônicos para a redução do uso de cigarros convencionais e a cessação do tabagismo é complexa, e o impacto do uso de cigarros eletrônicos na cessação a longo prazo carece de evidências suficientes.

Este documento de posicionamento descreve as evidências relativas à prevalência21 do consumo de cigarros eletrônicos, à utilização de cigarros eletrônicos entre os jovens, às legislações relacionadas, aos efeitos cardiovasculares dos cigarros eletrônicos e ao impacto dos cigarros eletrônicos na cessação do tabagismo. As lacunas de conhecimento na área também são destacadas. São apresentadas as recomendações da seção de ciência populacional e saúde1 pública da Associação Europeia de Cardiologia Preventiva.

O documento concluiu que a prevalência21 do consumo de cigarros eletrônicos está aumentando, especialmente entre os jovens, e as evidências sugerem que isso aumentará a probabilidade de fumar convencionalmente. Alguns estudos descobriram que os cigarros eletrônicos têm efeitos cardiovasculares prejudiciais, mas são necessários mais estudos, em particular sobre os efeitos a longo prazo dos cigarros eletrônicos nos resultados cardiovasculares. Atualmente, faltam dados longitudinais robustos sobre o impacto dos cigarros eletrônicos na cessação do tabagismo e são necessárias mais pesquisas. No entanto, os profissionais de saúde1 devem informar os seus pacientes e o público em geral sobre os possíveis riscos cardiovasculares e outros riscos do consumo de cigarros eletrônicos. O monitoramento contínuo e a legislação para limitar o uso são importantes.

» Fonte: European Journal of Preventive Cardiology, Vol. 28, Nº 14, em novembro de 2021.


National Institutes of Health – Efeitos prejudiciais da vaporização e do fumo nos vasos sanguíneos3

O uso a longo prazo de cigarros eletrônicos ou produtos de vaporização pode prejudicar significativamente a função dos vasos sanguíneos3 do corpo, aumentando o risco de doenças cardiovasculares14. Além disso, o uso combinado de cigarros eletrônicos e de cigarros normais pode causar um risco ainda maior do que o uso de qualquer um desses produtos isoladamente. Estas descobertas provêm de dois estudos apoiados pelo National Heart, Lung, and Blood Institute (NHLBI), parte do National Institutes of Health (NIH), dos Estados Unidos.

As descobertas, publicadas na revista Arteriosclerosis, Thrombosis, and Vascular22 Biology, somam-se às evidências crescentes de que o uso a longo prazo de cigarros eletrônicos pode prejudicar a saúde1 de uma pessoa. Os pesquisadores sabem há anos que fumar tabaco pode causar danos aos vasos sanguíneos3. No entanto, os efeitos dos cigarros eletrônicos na saúde1 cardiovascular têm sido pouco compreendidos. Os dois novos estudos – um em humanos e outro em ratos – buscaram mudar isso.


O uso crônico23 de cigarros eletrônicos prejudica a função endotelial nos níveis fisiológico24 e celular

Os efeitos vasculares25 nocivos do tabagismo estão bem estabelecidos, mas os efeitos do uso crônico23 de cigarros eletrônicos na função endotelial são menos compreendidos. A hipótese é que o uso de cigarros eletrônicos causa alterações no meio sanguíneo que prejudicam a função endotelial.

Neste estudo, a função endotelial foi medida em usuários crônicos de cigarros eletrônicos, fumantes crônicos e não usuários. Mediu-se os efeitos dos soros, ou condensado de aerossol de cigarro eletrônico, dos participantes na liberação de NO e H2O2 e na permeabilidade26 celular em células12 endoteliais (CEs) cultivadas.

Usuários de cigarros eletrônicos e fumantes tiveram menor dilatação mediada por fluxo (DMF) do que não usuários. Os soros de usuários de cigarros eletrônicos e fumantes reduziram a secreção de NO induzida por VEGF (fator de crescimento endotelial vascular22) pelas CEs em relação aos soros de não usuários, sem redução significativa no RNAm da NO sintase endotelial ou nos níveis de proteína. Os soros de usuários de cigarros eletrônicos causaram aumento na liberação endotelial de H2O2 e mais permeabilidade26 do que os soros de não usuários.

Usuários de cigarros eletrônicos e fumantes exibiram alterações nos biomarcadores circulantes de inflamação27, trombose28 e adesão celular em relação aos não usuários, mas com perfis distintos. Os soros de usuários de cigarros eletrônicos apresentaram concentrações mais altas do receptor para produtos finais de glicação29 avançada (RAGE) dos ligantes S100A8 e HMGB1 do que os soros de fumantes e não usuários, e a inibição do receptor para produtos finais de glicação29 avançada reduziu a permeabilidade26 induzida pelos soros de usuários de cigarro eletrônico, mas não afetou a produção de NO.

O estudo concluiu que o uso crônico23 de cigarros eletrônicos e o tabagismo prejudicam a DMF e causam alterações no sangue30 que inibem a liberação endotelial de NO. O uso de cigarro eletrônico, mas não o fumo, causa alterações no sangue30 que aumentam a permeabilidade26 endotelial microvascular e pode ter um efeito específico do cigarro eletrônico no estado oxidativo intracelular. Esses resultados sugerem um papel do RAGE nas alterações induzidas pelo cigarro eletrônico na função endotelial.


O comprometimento da função endotelial pela fumaça do cigarro não é causado por um constituinte específico da fumaça, mas pela entrada vagal a partir das vias aéreas

A exposição à fumaça de tabaco ou maconha, ou aerossóis de cigarros eletrônicos, causa disfunção endotelial vascular22 em humanos e ratos. O objetivo deste estudo foi determinar qual constituinte, ou classe de constituintes, da fumaça é responsável pelo comprometimento funcional endotelial.

Investigou-se vários constituintes da fumaça que se supunha mediar esse efeito, expondo ratos e medindo a dilatação mediada pelo fluxo (DMF) arterial pré e pós-exposição. Mediu-se a DMF antes e depois da inalação de fumaça lateral de cigarros de pesquisa contendo níveis normais e reduzidos de nicotina com e sem mentol, bem como dois dos principais gases aldeídos encontrados na fumaça e no aerossol de cigarros eletrônicos (acroleína e acetaldeído) e nanopartículas de carbono inertes.

A DMF foi reduzida por todos os quatro tipos de cigarros pesquisados, com extensão de redução variando de 20% a 46% dependendo do tipo de cigarro. Embora a nicotina não fosse necessária para a deficiência, níveis mais elevados de nicotina na fumaça foram associados a uma maior redução percentual da DMF (41,1 ± 4,5% de redução versus 19,2 ± 9,5%; P = 0,047). Níveis mais baixos de mentol também foram associados a uma maior redução percentual da DMF (18,5 ± 9,8% versus 40,5 ± 4,8%; P = 0,048).

A inalação de gases acroleína ou acetaldeído em concentrações relevantes para a fumaça prejudicou a DMF em cerca de 50% (P = 0,001). No entanto, a inalação de nanopartículas de carbono inertes em concentrações relevantes para a fumaça, sem fase gasosa, também prejudicou a DMF em uma quantidade comparável (P <0,001). A vagotomia cervical bilateral bloqueou o comprometimento da DMF pela fumaça do tabaco.

O estudo concluiu que não existe um único constituinte ou classe de constituintes responsável pelo comprometimento agudo31 da função endotelial pela fumaça; em vez disso, propõe-se que a disfunção endotelial aguda por produtos inalados díspares é causada pela sinalização do nervo vago iniciada pela irritação das vias aéreas.

» Fontes:
Estudo 1 - Arteriosclerosis, Thrombosis, and Vascular22 Biology, Vol. 42, Nº 11, em novembro de 2022.
Estudo 2 - Arteriosclerosis, Thrombosis, and Vascular22 Biology, Vol. 42, Nº 11, em novembro de 2022.

Veja também sobre "Doenças cardiovasculares14", "Disfunção endotelial" e "Parar de fumar: como é".

 

NEWS.MED.BR, 2024. Os impactos e riscos dos cigarros eletrônicos de acordo com órgãos de saúde pública e associações médicas. Disponível em: <https://www.news.med.br/p/saude/1466202/os-impactos-e-riscos-dos-cigarros-eletronicos-de-acordo-com-orgaos-de-saude-publica-e-associacoes-medicas.htm>. Acesso em: 21 abr. 2024.

Complementos

1 Saúde: 1. Estado de equilíbrio dinâmico entre o organismo e o seu ambiente, o qual mantém as características estruturais e funcionais do organismo dentro dos limites normais para sua forma de vida e para a sua fase do ciclo vital. 2. Estado de boa disposição física e psíquica; bem-estar. 3. Brinde, saudação que se faz bebendo à saúde de alguém. 4. Força física; robustez, vigor, energia.
2 Vaping: Ato de inalar o vapor que sai dos vapes ou vaporizadores, ato de utilizar cigarros eletrônicos ou vaporizadores.
3 Vasos Sanguíneos: Qualquer vaso tubular que transporta o sangue (artérias, arteríolas, capilares, vênulas e veias).
4 Incidência: Medida da freqüência em que uma doença ocorre. Número de casos novos de uma doença em um certo grupo de pessoas por um certo período de tempo.
5 Sistêmicos: 1. Relativo a sistema ou a sistemática. 2. Relativo à visão conspectiva, estrutural de um sistema; que se refere ou segue um sistema em seu conjunto. 3. Disposto de modo ordenado, metódico, coerente. 4. Em medicina, é o que envolve o organismo como um todo ou em grande parte.
6 Sistema cardiovascular: O sistema cardiovascular ou sistema circulatório sanguíneo é formado por um circuito fechado de tubos (artérias, veias e capilares) dentro dos quais circula o sangue e por um órgão central, o coração, que atua como bomba. Ele move o sangue através dos vasos sanguíneos e distribui substâncias por todo o organismo.
7 Sistema Nervoso Central: Principais órgãos processadores de informação do sistema nervoso, compreendendo cérebro, medula espinhal e meninges.
8 Reprodução: 1. Função pela qual se perpetua a espécie dos seres vivos. 2. Ato ou efeito de reproduzir (-se). 3. Imitação de quadro, fotografia, gravura, etc.
9 Lesões: 1. Ato ou efeito de lesar (-se). 2. Em medicina, ferimento ou traumatismo. 3. Em patologia, qualquer alteração patológica ou traumática de um tecido, especialmente quando acarreta perda de função de uma parte do corpo. Ou também, um dos pontos de manifestação de uma doença sistêmica. 4. Em termos jurídicos, prejuízo sofrido por uma das partes contratantes que dá mais do que recebe, em virtude de erros de apreciação ou devido a elementos circunstanciais. Ou também, em direito penal, ofensa, dano à integridade física de alguém.
10 Pulmões: Órgãos do sistema respiratório situados na cavidade torácica e responsáveis pelas trocas gasosas entre o ambiente e o sangue. São em número de dois, possuem forma piramidal, têm consistência esponjosa e medem cerca de 25 cm de comprimento. Os pulmões humanos são divididos em segmentos denominados lobos. O pulmão esquerdo possui dois lobos e o direito possui três. Os pulmões são compostos de brônquios que se dividem em bronquíolos e alvéolos pulmonares. Nos alvéolos se dão as trocas gasosas ou hematose pulmonar entre o meio ambiente e o corpo, com a entrada de oxigênio na hemoglobina do sangue (formando a oxiemoglobina) e saída do gás carbônico ou dióxido de carbono (que vem da célula como carboemoglobina) dos capilares para o alvéolo.
11 Asma: Doença das vias aéreas inferiores (brônquios), caracterizada por uma diminuição aguda do calibre bronquial em resposta a um estímulo ambiental. Isto produz obstrução e dificuldade respiratória que pode ser revertida de forma espontânea ou com tratamento médico.
12 Células: Unidades (ou subunidades) funcionais e estruturais fundamentais dos organismos vivos. São compostas de CITOPLASMA (com várias ORGANELAS) e limitadas por uma MEMBRANA CELULAR.
13 Toxicidade: Capacidade de uma substância produzir efeitos prejudiciais ao organismo vivo.
14 Doenças cardiovasculares: Doença do coração e vasos sangüíneos (artérias, veias e capilares).
15 Lesão: 1. Ato ou efeito de lesar (-se). 2. Em medicina, ferimento ou traumatismo. 3. Em patologia, qualquer alteração patológica ou traumática de um tecido, especialmente quando acarreta perda de função de uma parte do corpo. Ou também, um dos pontos de manifestação de uma doença sistêmica. 4. Em termos jurídicos, prejuízo sofrido por uma das partes contratantes que dá mais do que recebe, em virtude de erros de apreciação ou devido a elementos circunstanciais. Ou também, em direito penal, ofensa, dano à integridade física de alguém.
16 Câncer: Crescimento anormal de um tecido celular capaz de invadir outros órgãos localmente ou à distância (metástases).
17 Pulmão: Cada um dos órgãos pareados que ocupam a cavidade torácica que tem como função a oxigenação do sangue.
18 Mão: Articulação entre os ossos do metacarpo e as falanges.
19 Coração: Órgão muscular, oco, que mantém a circulação sangüínea.
20 Fator de risco: Qualquer coisa que aumente a chance de uma pessoa desenvolver uma doença.
21 Prevalência: Número de pessoas em determinado grupo ou população que são portadores de uma doença. Número de casos novos e antigos desta doença.
22 Vascular: Relativo aos vasos sanguíneos do organismo.
23 Crônico: Descreve algo que existe por longo período de tempo. O oposto de agudo.
24 Fisiológico: Relativo à fisiologia. A fisiologia é estudo das funções e do funcionamento normal dos seres vivos, especialmente dos processos físico-químicos que ocorrem nas células, tecidos, órgãos e sistemas dos seres vivos sadios.
25 Vasculares: Relativo aos vasos sanguíneos do organismo.
26 Permeabilidade: Qualidade dos corpos que deixam passar através de seus poros outros corpos (fluidos, líquidos, gases, etc.).
27 Inflamação: Conjunto de processos que se desenvolvem em um tecido em resposta a uma agressão externa. Incluem fenômenos vasculares como vasodilatação, edema, desencadeamento da resposta imunológica, ativação do sistema de coagulação, etc.Quando se produz em um tecido superficial (pele, tecido celular subcutâneo) pode apresentar tumefação, aumento da temperatura local, coloração avermelhada e dor (tétrade de Celso, o cientista que primeiro descreveu as características clínicas da inflamação).
28 Trombose: Formação de trombos no interior de um vaso sanguíneo. Pode ser venosa ou arterial e produz diferentes sintomas segundo os territórios afetados. A trombose de uma artéria coronariana pode produzir um infarto do miocárdio.
29 Glicação: Reação química na qual pequenos carboidratos, como frutose e glicose, ligam-se covalentemente a um grupo proteico ou a um lipídeo sem a atuação de uma enzima. Ela é um processo aleatório que prejudica o funcionamento das biomoléculas refletindo o processo de envelhecimento, pois afeta ácidos nucleicos e proteínas, como o colágeno, os quais, quando modificados, podem gerar erros funcionais ou estruturais no organismo.
30 Sangue: O sangue é uma substância líquida que circula pelas artérias e veias do organismo. Em um adulto sadio, cerca de 45% do volume de seu sangue é composto por células (a maioria glóbulos vermelhos, glóbulos brancos e plaquetas). O sangue é vermelho brilhante, quando oxigenado nos pulmões (nos alvéolos pulmonares). Ele adquire uma tonalidade mais azulada, quando perde seu oxigênio, através das veias e dos pequenos vasos denominados capilares.
31 Agudo: Descreve algo que acontece repentinamente e por curto período de tempo. O oposto de crônico.
Gostou do artigo? Compartilhe!