Gostou do artigo? Compartilhe!

Hidrocefalia infantil tratada com shunt foi associada à puberdade precoce em meninas

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie esta notícia

As meninas que receberam uma derivação (shunt1) ventriculoperitoneal para hidrocefalia2 infantil tiveram um risco aumentado de puberdade precoce, particularmente aquelas com mielomeningocele3 e revisões repetidas da derivação, mostrou um estudo de coorte4 de base populacional publicado na revista científica Acta Paediatrica.

Entre 82 meninas com hidrocefalia2 infantil, 21% tiveram puberdade precoce antes dos 8 anos de idade e outras 29% tiveram puberdade precoce com sinais5 aparecendo antes dos 8 anos e 9 meses, descobriram pesquisadores liderados por Margareta Dahl, MD, PhD, da Universidade de Uppsala, na Suécia.

A puberdade precoce foi mais comum entre as meninas que passaram por três ou mais revisões de shunt1 (33% vs 8% entre aquelas com menos revisões).

O número de revisões de shunt1 foi negativamente correlacionado com a idade no início da puberdade nas 39 meninas com mielomeningocele3, enquanto nenhum fator de risco6 foi associado à puberdade precoce ou nas crianças sem mielomeningocele3.

“Uma vez que os pacientes com hidrocefalia2 já são afetados pela sua doença, a maturação puberal precoce pode representar um fardo adicional”, tanto em termos práticos como psicológicos, observaram os pesquisadores. “As meninas com hidrocefalia2 derivada devem, portanto, ser monitoradas rotineiramente quanto ao crescimento linear e ao desenvolvimento físico, a fim de identificar sinais5 de puberdade precoce.”

A detecção precoce, ao encontrar um botão mamário palpável sob a aréola (estágio 2B de Tanner) ou uma idade jovem na interseção do crescimento linear pré-puberal e puberal, é importante e acionável, explicaram.

“Quando houver indicação, esta condição pode ser aliviada pelo adiamento do desenvolvimento puberal, pelo tratamento com análogos de hormônio7 liberador de gonadotrofinas”, que interrompem a maturação física e esquelética e adiam a menarca8, escreveu o grupo de Dahl.

Leia sobre "Puberdade precoce", "O que é hidrocefalia2" e "Meningocele e meningomielocele".

No artigo, os pesquisadores relatam que o objetivo do estudo foi avaliar a ocorrência e os fatores de risco para puberdade precoce e adiantada em um estudo de coorte4 retrospectivo9 de meninas com hidrocefalia2 infantil derivada.

A população do estudo foi composta por 82 meninas com hidrocefalia2 infantil, nascidas entre 1980 e 2002, tratadas com derivação ventriculoperitoneal. Os dados estavam disponíveis para 39 meninas com mielomeningocele3 e 34 sem. Os prontuários médicos foram analisados quanto aos dados clínicos e ao momento da puberdade. Puberdade precoce e adiantada foram definidas como o aparecimento de sinais5 puberais antes dos 8 anos e 0 meses e dos 8 anos e 9 meses, respectivamente.

A idade mediana na última admissão foi de 15,8 anos (faixa de 10,0 a 18,0). No total, 15 meninas (21%) tiveram puberdade precoce e outras 21 (29%) tiveram puberdade adiantada. Três ou mais revisões de shunt1 foram realizadas em 26/36 meninas com puberdade precoce ou adiantada e em 3/37 meninas sem (p = 0,01). O número de revisões de shunt1 correlacionou-se negativamente com a idade no início da puberdade nas meninas com mielomeningocele3 (coeficiente de correlação de Spearman = -0,512, p = 0,001).

O estudo concluiu que meninas com hidrocefalia2 infantil derivada apresentam alto risco de puberdade precoce ou adiantada. As revisões repetidas de shunt1 pareciam estar associadas à puberdade precoce.

 

Fontes:
Acta Paediatrica, publicação em 17 de janeiro de 2024.
MedPage Today, notícia publicada em 29 de janeiro de 2024.

 

NEWS.MED.BR, 2024. Hidrocefalia infantil tratada com shunt foi associada à puberdade precoce em meninas. Disponível em: <https://www.news.med.br/p/medical-journal/1466107/hidrocefalia-infantil-tratada-com-shunt-foi-associada-a-puberdade-precoce-em-meninas.htm>. Acesso em: 21 abr. 2024.

Complementos

1 Shunt: 1. Em cirurgia, é o desvio de depósitos de líquido para uma estrutura que o absorva ou o excrete. O shunt é feito por meio da criação de uma fístula ou de um dispositivo mecânico. 2. Em patologia, é a passagem anormal de sangue de uma cavidade para outra. 3. Em eletricidade, é o condutor que liga dois pontos num circuito elétrico e forma um caminho paralelo ou alternativo através do qual parte da corrente pode passar.
2 Hidrocefalia: Doença produzida pelo aumento do conteúdo de Líquido Cefalorraquidiano. Nas crianças pequenas, manifesta-se pelo aumento da cabeça, e nos adultos, pelo aumento da pressão interna do cérebro, causando dores de cabeça e outros sintomas neurológicos, a depender da gravidade. Pode ser devido a um defeito de escoamento natural do líquido ou por um aumento primário na sua produção.
3 Mielomeningocele: Também conhecida como espinha bífida, trata-se de um problema congênito. Ela é caracterizada pela má formação no tubo neural do feto, a qual ocorre nas três primeiras semanas de gravidez, quando a mulher ainda não sabe que está grávida. Esta malformação pode comprometer as funções de locomoção, controle urinário e intestinal, dentre outras.
4 Estudo de coorte: Um estudo de coorte é realizado para verificar se indivíduos expostos a um determinado fator apresentam, em relação aos indivíduos não expostos, uma maior propensão a desenvolver uma determinada doença. Um estudo de coorte é constituído, em seu início, de um grupo de indivíduos, denominada coorte, em que todos estão livres da doença sob investigação. Os indivíduos dessa coorte são classificados em expostos e não-expostos ao fator de interesse, obtendo-se assim dois grupos (ou duas coortes de comparação). Essas coortes serão observadas por um período de tempo, verificando-se quais indivíduos desenvolvem a doença em questão. Os indivíduos expostos e não-expostos devem ser comparáveis, ou seja, semelhantes quanto aos demais fatores, que não o de interesse, para que as conclusões obtidas sejam confiáveis.
5 Sinais: São alterações percebidas ou medidas por outra pessoa, geralmente um profissional de saúde, sem o relato ou comunicação do paciente. Por exemplo, uma ferida.
6 Fator de risco: Qualquer coisa que aumente a chance de uma pessoa desenvolver uma doença.
7 Hormônio: Substância química produzida por uma parte do corpo e liberada no sangue para desencadear ou regular funções particulares do organismo. Por exemplo, a insulina é um hormônio produzido pelo pâncreas que diz a outras células quando usar a glicose para energia. Hormônios sintéticos, usados como medicamentos, podem ser semelhantes ou diferentes daqueles produzidos pelo organismo.
8 Menarca: Refere-se à ocorrência da primeira menstruação.
9 Retrospectivo: Relativo a fatos passados, que se volta para o passado.
Gostou do artigo? Compartilhe!