Gostou do artigo? Compartilhe!

Os momentos em que a fertilidade feminina começa e termina parecem importantes para o desenvolvimento de artrite reumatoide

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie esta notícia

As mulheres britânicas cuja capacidade de gerar filhos começou tarde ou terminou cedo – naturalmente ou não – corriam maior risco de desenvolver artrite reumatoide1 (AR), em comparação com mulheres com menarca2 precoce ou menopausa3 tardia, descobriram pesquisadores em um estudo publicado no RMD Open Rheumatic & Musculoskeletal Diseases.

Em uma análise de mais de 220.000 participantes do sexo feminino no projeto UK Biobank, aquelas com menarca2 após os 14 anos tinham 13% mais probabilidade do que aquelas com menarca2 aos 13 anos de receber um diagnóstico4 de AR, de acordo com Hai-Feng Pan, MD, da Universidade Médica de Anhui, na China, e colegas.

E aquelas que iniciaram a menopausa3 antes dos 45 anos tinham 46% mais probabilidade de desenvolver AR em comparação com as mulheres que a experimentavam aos 50-51 anos.

A idade de 13 anos para menarca2 e 50-51 anos para menopausa3 foram escolhidas para servir como respectivas referências porque eram as medianas na amostra do UK Biobank. Não houve associações significativas com o risco de AR para outras idades de menarca2/menopausa3 além daquelas fornecidas acima, quando as estatísticas foram ajustadas para 12 co-variáveis, incluindo idade, riqueza, certas comorbidades5, tabagismo e consumo de álcool, índice de massa corporal6 e atividade física.

Pan e colegas descobriram que a menopausa3 precoce devido à ooforectomia7 ou histerectomia8 também pareceu aumentar o risco de AR (em 21% e 40%, respectivamente), assim como a terapia de reposição hormonal peri ou pós-menopausa3 (em 46%). Mas o uso de contraceptivos orais hormonais não teve efeito nas taxas de AR.

No geral, as mulheres com menos de 33 anos reprodutivos tinham 39% mais probabilidade de desenvolver AR do que aquelas com 38-39 anos (também a mediana do UK Biobank). Esse foi o único grupo estratificado desta forma a mostrar pelo menos um indício de associação com o risco de AR.

Leia sobre "Menarca2", "Menopausa3 precoce e menopausa3 tardia" e "Artrite reumatoide1".

Como as mulheres representam cerca de três quartos de todos os casos de AR, há muito se supõe que a biologia feminina e, especificamente, os hormônios reprodutivos desempenham um papel proeminente. O grupo de Pan disse que seu estudo apoia essa visão9, mas infelizmente lança pouca luz sobre os mecanismos exatos.

O seu melhor palpite era que o estrogênio – particularmente a sua falta antes da menarca2 e após a menopausa3 – é um dos principais impulsionadores da AR. Pan e colegas observaram outras pesquisas sugerindo que o estrogênio “parece apoiar as células10 T reguladoras e a produção de citocinas11 associadas às células10 TH2”, enquanto níveis baixos após a menopausa3 “levam à ativação crônica do sistema imunológico12, alterando as citocinas11 e os perfis das células10 imunológicas, direta ou indiretamente afetando o fenótipo13 de sinoviócitos, osteoblastos ou osteoclastos14 semelhantes a fibroblastos15 e, assim, danificando o sistema esquelético16.” (Essa mesma via é frequentemente citada como base para a osteoporose17 relacionada à idade.)

Esta não é a primeira vez que pesquisadores analisam a menarca2 e/ou a menopausa3 em relação ao desenvolvimento da AR. No entanto, estudos anteriores chegaram a conclusões diferentes, particularmente no que diz respeito à menarca2: Pan e colegas citaram dois estudos de caso-controle que sugeriam que “a menarca2 precoce é um fator de proteção”, enquanto uma análise do Nurses' Health Study concluiu o oposto.

Além disso, pesquisas anteriores produziram resultados conflitantes sobre o grau em que a gravidez18 pode aumentar ou diminuir o risco de AR. O grupo de Pan sentiu que esse cenário um tanto confuso significava que uma exploração mais aprofundada em um grupo prospectivo19 grande e bem gerenciado poderia ser frutífera.

No artigo publicado, os pesquisadores relatam que o novo estudo teve como objetivo examinar o risco de artrite reumatoide1 (AR) associado a fatores hormonais e reprodutivos em mulheres da grande coorte20 do UK Biobank.

Os dados sobre fatores hormonais e reprodutivos em mulheres foram coletados de uma coorte20 prospectiva de 223.526 participantes do UK Biobank. A relação potencial entre fatores reprodutivos e risco de AR foi avaliada usando spline cúbico restrito. As taxas de risco (HR) foram estimadas usando regressões de risco proporcional de Cox.

Durante um acompanhamento médio de 12,39 anos, foram identificadas 3.313 mulheres com AR. A idade da menarca2 >14 anos foi associada a um maior risco de AR (HR 1,13, IC 95% 1,02 a 1,26) em comparação com a menarca2 aos 13 anos. A HR múltiplo ajustada para AR em mulheres com menopausa3 <45 anos foi de 1,46. Anos reprodutivos <33 aumentaram o risco de AR (HR 1,39, IC 95% 1,21 a 1,59).

Em comparação com aquelas com 2 filhos, as mulheres com ≥4 filhos foram associadas a um risco mais elevado de AR (HR 1,18, IC 95% 1,04 a 1,34). Mulheres que fizeram histerectomia8 (HR 1,40, IC 95% 1,25 a 1,56) ou ooforectomia7 (HR 1,21, IC 95% 1,08 a 1,35) tiveram um risco maior de AR do que aquelas sem histerectomia8 ou ooforectomia7.

Tanto o uso de terapia de reposição hormonal (TRH) (HR 1,46, IC 95% 1,35 a 1,57) quanto a duração da TRH (HR 1,02, IC 95% 1,01 a 1,03) foram associados a um maior risco de AR.

O estudo concluiu que alguns fatores hormonais e reprodutivos foram associados a um maior risco de artrite reumatoide1. Fatores hormonais e reprodutivos devem ser considerados na avaliação de risco e na formulação de planos de manejo em pacientes do sexo feminino com AR.

O projeto UK Biobank inscreveu mais de meio milhão de homens e mulheres entre 2006 e 2010, reunindo extensos dados de saúde21 e socioeconômicos na linha de base. Os resultados médicos subsequentes dos participantes foram rastreados através de registros no National Health Service (NHS) da Grã-Bretanha. Este fator foi uma potencial limitação do novo estudo, na medida em que os britânicos podem receber cuidados fora do NHS, quer através de planos de saúde21 privados, quer pagando do próprio bolso. Os diagnósticos de AR feitos em clínicas particulares podem, portanto, não ser vistos nos registros do NHS. Além disso, os participantes do UK Biobank tendiam a ser mais ricos, com uma percentagem mais elevada de brancos, do que a população britânica em geral, e provavelmente também não eram representativos das populações de outros países. Permanece, também, a possibilidade de fatores de confusão não medidos.

Veja também sobre "Alguns conceitos ligados à reprodução22 humana", "Pílulas anticoncepcionais" e "Artrite23: por que acontece".

 

Fontes:
RMD Open Rheumatic & Musculoskeletal Diseases, publicação em 09 de janeiro de 2024.
MedPage Today, notícia publicada em 09 de janeiro de 2024.

 

NEWS.MED.BR, 2024. Os momentos em que a fertilidade feminina começa e termina parecem importantes para o desenvolvimento de artrite reumatoide. Disponível em: <https://www.news.med.br/p/medical-journal/1464292/os-momentos-em-que-a-fertilidade-feminina-comeca-e-termina-parecem-importantes-para-o-desenvolvimento-de-artrite-reumatoide.htm>. Acesso em: 28 mai. 2024.

Complementos

1 Artrite reumatóide: Doença auto-imune de etiologia desconhecida, caracterizada por poliartrite periférica, simétrica, que leva à deformidade e à destruição das articulações por erosão do osso e cartilagem. Afeta mulheres duas vezes mais do que os homens e sua incidência aumenta com a idade. Em geral, acomete grandes e pequenas articulações em associação com manifestações sistêmicas como rigidez matinal, fadiga e perda de peso. Quando envolve outros órgãos, a morbidade e a gravidade da doença são maiores, podendo diminuir a expectativa de vida em cinco a dez anos.
2 Menarca: Refere-se à ocorrência da primeira menstruação.
3 Menopausa: Estado fisiológico caracterizado pela interrupção dos ciclos menstruais normais, acompanhada de alterações hormonais em mulheres após os 45 anos.
4 Diagnóstico: Determinação de uma doença a partir dos seus sinais e sintomas.
5 Comorbidades: Coexistência de transtornos ou doenças.
6 Índice de massa corporal: Medida usada para avaliar se uma pessoa está abaixo do peso, com peso normal, com sobrepeso ou obesa. É a medida mais usada na prática para saber se você é considerado obeso ou não. Também conhecido como IMC. É calculado dividindo-se o peso corporal em quilogramas pelo quadrado da altura em metros. Existe uma tabela da Organização Mundial de Saúde que classifica as medidas de acordo com o resultado encontrado.
7 Ooforectomia: Ablação ou retirada de um ou dos dois ovários.
8 Histerectomia: Cirurgia através da qual se extrai o útero. Pode ser realizada mediante a presença de tumores ou hemorragias incontroláveis por outras formas. Quando se acrescenta à retirada dos ovários e trompas de Falópio (tubas uterinas) a esta cirurgia, denomina-se anexo-histerectomia.
9 Visão: 1. Ato ou efeito de ver. 2. Percepção do mundo exterior pelos órgãos da vista; sentido da vista. 3. Algo visto, percebido. 4. Imagem ou representação que aparece aos olhos ou ao espírito, causada por delírio, ilusão, sonho; fantasma, visagem. 5. No sentido figurado, concepção ou representação, em espírito, de situações, questões etc.; interpretação, ponto de vista. 6. Percepção de fatos futuros ou distantes, como profecia ou advertência divina.
10 Células: Unidades (ou subunidades) funcionais e estruturais fundamentais dos organismos vivos. São compostas de CITOPLASMA (com várias ORGANELAS) e limitadas por uma MEMBRANA CELULAR.
11 Citocinas: Citoquina ou citocina é a designação genérica de certas substâncias segregadas por células do sistema imunitário que controlam as reações imunes do organismo.
12 Sistema imunológico: Sistema de defesa do organismo contra infecções e outros ataques de micro-organismos que enfraquecem o nosso corpo.
13 Fenótipo: Características apresentadas por um indivíduo sejam elas morfológicas, fisiológicas ou comportamentais. Também fazem parte do fenótipo as características microscópicas e de natureza bioquímica, que necessitam de testes especiais para a sua identificação, como, por exemplo, o tipo sanguíneo do indivíduo.
14 Osteoclastos: Célula que garante a destruição do tecido ósseo.
15 Fibroblastos: Células do tecido conjuntivo que secretam uma matriz extracelular rica em colágeno e outras macromoléculas.
16 Sistema esquelético: Sistema esquelético O sistema esquelético ou esqueleto humano é um conjunto de ossos, cartilagens e ligamentos que se interligam para formar o arcabouço do corpo e desempenhar funções como sustentação e proteção para os órgãos, armazenamento de sais inorgânicos, formação de alavancas que movimentadas pelos músculos permitem o deslocamento do corpo e é local de produção de várias células sanguíneas.
17 Osteoporose: Doença óssea caracterizada pela diminuição da formação de matriz óssea que predispõe a pessoa a sofrer fraturas com traumatismos mínimos ou mesmo na ausência deles. É influenciada por hormônios, sendo comum nas mulheres pós-menopausa. A terapia de reposição hormonal, que administra estrógenos a mulheres que não mais o produzem, tem como um dos seus objetivos minimizar esta doença.
18 Gravidez: Condição de ter um embrião ou feto em desenvolvimento no trato reprodutivo feminino após a união de ovo e espermatozóide.
19 Prospectivo: 1. Relativo ao futuro. 2. Suposto, possível; esperado. 3. Relativo à preparação e/ou à previsão do futuro quanto à economia, à tecnologia, ao plano social etc. 4. Em geologia, é relativo à prospecção.
20 Coorte: Grupo de indivíduos que têm algo em comum ao serem reunidos e que são observados por um determinado período de tempo para que se possa avaliar o que ocorre com eles. É importante que todos os indivíduos sejam observados por todo o período de seguimento, já que informações de uma coorte incompleta podem distorcer o verdadeiro estado das coisas. Por outro lado, o período de tempo em que os indivíduos serão observados deve ser significativo na história natural da doença em questão, para que haja tempo suficiente do risco se manifestar.
21 Saúde: 1. Estado de equilíbrio dinâmico entre o organismo e o seu ambiente, o qual mantém as características estruturais e funcionais do organismo dentro dos limites normais para sua forma de vida e para a sua fase do ciclo vital. 2. Estado de boa disposição física e psíquica; bem-estar. 3. Brinde, saudação que se faz bebendo à saúde de alguém. 4. Força física; robustez, vigor, energia.
22 Reprodução: 1. Função pela qual se perpetua a espécie dos seres vivos. 2. Ato ou efeito de reproduzir (-se). 3. Imitação de quadro, fotografia, gravura, etc.
23 Artrite: Inflamação de uma articulação, caracterizada por dor, aumento da temperatura, dificuldade de movimentação, inchaço e vermelhidão da área afetada.
Gostou do artigo? Compartilhe!