Gostou do artigo? Compartilhe!

Medicamentos para disfunção erétil mais nitratos ainda são uma combinação prejudicial, mostra estudo

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie esta notícia

Como esperado, os homens que tomavam nitratos para doença arterial coronariana (DAC) estável tiveram um desempenho ruim se acrescentassem certos medicamentos para disfunção erétil (DE) ao seu armário de remédios, descobriu um estudo sueco de base populacional publicado no Journal of the American College of Cardiology.

Em comparação com usuários de nitrato que não estavam em tratamento com inibidor da fosfodiesterase-5 (PDE5) para DE, aqueles que tinham ambos os tipos de medicamentos em seu histórico de medicação tendiam a ter maior risco de eventos durante um acompanhamento médio de 5,9 anos:

  • Mortalidade1: HR 1,39
  • Mortalidade1 cardiovascular: HR 1,34
  • Mortalidade1 não cardiovascular: HR 1,40
  • Infarto do miocárdio2 (IM): HR 1,72
  • Insuficiência cardíaca3: HR 1,67
  • Revascularização cardíaca: HR 1,95
  • Eventos cardiovasculares adversos maiores (ECAM): HR 1,70

Notavelmente, estes riscos não aumentaram nos 28 dias após a administração dos inibidores da PDE5, relataram Daniel Andersson, MD, PhD, do Karolinska Institutet e do Karolinska University Hospital Huddinge em Estocolmo, e colegas.

“O uso de um inibidor de PDE5 em combinação com medicação de nitrato em homens com DAC estável pode representar um risco aumentado de morbidade4 e mortalidade1 cardiovascular. É necessária uma consideração cuidadosa centrada no paciente antes de prescrever inibidores de PDE5 a pacientes com doença cardiovascular que usam medicação de nitrato”, sugeriram os autores, com base em seu estudo com mais de 60.000 indivíduos.

Saiba mais sobre "Impotência5 sexual ou disfunção erétil" e "Doença arterial coronariana".

Os inibidores da PDE5 no mercado incluem sildenafil (Viagra), tadalafil (Cialis), vardenafil (Levitra) e avanafil (Stendra).

Durante anos, a rotulagem da FDA e as diretrizes profissionais concordaram que esses medicamentos não deveriam ser prescritos com nitratos devido a preocupações sobre uma potencial queda significativa na pressão arterial6.

“Nitratos orgânicos, como aqueles usados como terapia antianginosa, aumentam a produção de GMPc (monofosfato de guanosina cíclico), resultando em vasodilatação sistêmica”, explicou Glenn Levine, MD, do Baylor College of Medicine em Houston, EUA, em um editorial que acompanhou a publicação do estudo.

“Como os inibidores da PDE5 reduzem a degradação do GMPc, a combinação desses dois medicamentos leva sinergicamente ao aumento da vasodilatação e a uma maior resposta hipotensora”, continuou ele. “Em comparação com a diminuição da pressão arterial sistólica7 apenas com a terapia com nitrato, a diminuição da pressão arterial sistólica7 com o tratamento combinado com nitrato mais inibidor de PDE5 em uma a várias horas após a exposição pode ser da ordem de 20 a 25 mmHg ou mais.”

Dada a evidência limitada de tal hipotensão8, no entanto, as pessoas estão cada vez mais a tomar ambos os medicamentos no mundo real, por isso Andersson e colegas tentaram testar se o uso concomitante de inibidores da PDE5 com nitratos é tão prejudicial quanto sugerido. Para eles, parecia plausível que os inibidores da PDE5 pudessem de fato ter efeitos cardioprotetores nesta população, semelhante ao que foi observado em outros estudos em pessoas com DAC estável sem terapia com nitratos, mas o estudo não apoiou essa hipótese.

Esses medicamentos para DE permanecem “razoavelmente seguros na maioria dos pacientes com DAC estável e apenas angina9 leve, se não estiverem em terapia crônica com nitrato”, escreveu Levine, embora sejam “na melhor das hipóteses, imprudentes e geralmente contraindicados” para pessoas em uso de terapia oral crônica com nitrato.

“Em alguns pacientes em terapia oral com nitrato que desejam usar um inibidor da PDE5, particularmente aqueles que foram submetidos a revascularização e têm angina9 mínima ou nenhuma, pode ser razoável iniciar um ensaio de várias semanas sem a terapia com nitrato (ou em uma classe diferente de terapia antianginosa) e avaliar se o paciente permanece relativamente livre de angina”, sugeriu.

No artigo publicado, os pesquisadores avaliaram o risco de morte em pacientes com doença arterial coronariana que tomam nitratos e inibidores da fosfodiesterase-5.

Eles relatam que o tratamento com inibidor da fosfodiesterase-5 (iPDE5) para disfunção erétil está associado a menor mortalidade1 em comparação com nenhum tratamento para disfunção erétil após infarto do miocárdio2 (IM). Existem resultados conflitantes quanto ao impacto do tratamento com iPDE5 na mortalidade1 em conjunto com medicação com nitrato.

O objetivo deste estudo foi investigar a associação entre o tratamento com iPDE5 e desfechos cardiovasculares em homens com doença arterial coronariana estável tratados com medicação de nitrato.

Usando o Registro Sueco de Pacientes e o Registro de Medicamentos Prescritos, foram incluídos homens com IM prévio ou revascularização em 2006-2013 que tiveram 2 prescrições de nitrato dispensadas em 6 meses. A exposição foi definida como pelo menos 2 prescrições utilizadas de qualquer iPDE5.

Realizou-se regressão de risco proporcional multivariável de Cox para estimar HRs com IC de 95% para mortalidade1 por todas as causas, cardiovascular e não cardiovascular, IM, insuficiência cardíaca3, revascularização cardíaca e eventos cardiovasculares adversos maiores (ECAM).

No total, 55.777 homens foram tratados com nitratos e 5.710 homens com nitratos e iPDE5. O uso combinado do tratamento com iPDE5 com nitratos foi associado a maior mortalidade1 (HR: 1,39; IC 95%: 1,28-1,51), mortalidade1 cardiovascular (HR: 1,34; IC 95%: 1,11-1,62), mortalidade1 não cardiovascular (HR: 1,40; IC 95%: 1,27-1,54), IM (HR: 1,72; IC 95%: 1,55-1,90), insuficiência cardíaca3 (HR: 1,67; IC 95%: 1,48-1,90), revascularização cardíaca (HR: 1,95; IC 95%: 1,78-2,13) e ECAM (HR: 1,70; IC 95%: 1,58-1,83).

O estudo concluiu que o uso de um inibidor da PDE5 em combinação com medicação de nitrato em homens com doença arterial coronariana estável pode representar um risco aumentado de morbidade4 e mortalidade1 cardiovascular. É necessária uma consideração cuidadosa centrada no paciente antes de prescrever inibidores da PDE5 para pacientes10 com doença cardiovascular em uso de medicação com nitrato.

Leia sobre "Doenças cardiovasculares11", "Viagra: prós e contras" e "Disfunções sexuais".

 

Fontes:
Journal of the American College of Cardiology, Vol. 83, Nº 3, em janeiro de 2024.
MedPage Today, notícia publicada em 16 de janeiro de 2024.

 

NEWS.MED.BR, 2024. Medicamentos para disfunção erétil mais nitratos ainda são uma combinação prejudicial, mostra estudo. Disponível em: <https://www.news.med.br/p/medical-journal/1464237/medicamentos-para-disfuncao-eretil-mais-nitratos-ainda-sao-uma-combinacao-prejudicial-mostra-estudo.htm>. Acesso em: 18 jul. 2024.

Complementos

1 Mortalidade: A taxa de mortalidade ou coeficiente de mortalidade é um dado demográfico do número de óbitos, geralmente para cada mil habitantes em uma dada região, em um determinado período de tempo.
2 Infarto do miocárdio: Interrupção do suprimento sangüíneo para o coração por estreitamento dos vasos ou bloqueio do fluxo. Também conhecido por ataque cardíaco.
3 Insuficiência Cardíaca: É uma condição na qual a quantidade de sangue bombeada pelo coração a cada minuto (débito cardíaco) é insuficiente para suprir as demandas normais de oxigênio e de nutrientes do organismo. Refere-se à diminuição da capacidade do coração suportar a carga de trabalho.
4 Morbidade: Morbidade ou morbilidade é a taxa de portadores de determinada doença em relação à população total estudada, em determinado local e em determinado momento.
5 Impotência: Incapacidade para ter ou manter a ereção para atividades sexuais. Também chamada de disfunção erétil.
6 Pressão arterial: A relação que define a pressão arterial é o produto do fluxo sanguíneo pela resistência. Considerando-se a circulação como um todo, o fluxo total é denominado débito cardíaco, enquanto a resistência é denominada de resistência vascular periférica total.
7 Pressão arterial sistólica: É a pressão mais elevada (pico) verificada nas artérias durante a fase de sístole do ciclo cardíaco, é também chamada de pressão máxima.
8 Hipotensão: Pressão sanguínea baixa ou queda repentina na pressão sanguínea. A hipotensão pode ocorrer quando uma pessoa muda rapidamente de uma posição sentada ou deitada para a posição de pé, causando vertigem ou desmaio.
9 Angina: Inflamação dos elementos linfáticos da garganta (amígdalas, úvula). Também é um termo utilizado para se referir à sensação opressiva que decorre da isquemia (falta de oxigênio) do músculo cardíaco (angina do peito).
10 Para pacientes: Você pode utilizar este texto livremente com seus pacientes, inclusive alterando-o, de acordo com a sua prática e experiência. Conheça todos os materiais Para Pacientes disponíveis para auxiliar, educar e esclarecer seus pacientes, colaborando para a melhoria da relação médico-paciente, reunidos no canal Para Pacientes . As informações contidas neste texto são baseadas em uma compilação feita pela equipe médica da Centralx. Você deve checar e confirmar as informações e divulgá-las para seus pacientes de acordo com seus conhecimentos médicos.
11 Doenças cardiovasculares: Doença do coração e vasos sangüíneos (artérias, veias e capilares).
Gostou do artigo? Compartilhe!