Gostou do artigo? Compartilhe!

Estudo aponta alguns aditivos alimentares comuns que aumentam o risco cardiovascular

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie esta notícia

Os aditivos alimentares emulsionantes (ou emulsificantes) foram individualmente associados a aumentos modestos nas doenças cardiovasculares1 (DCV) numa grande coorte2 epidemiológica francesa, pesquisadores descobriram.

Vários tipos de emulsionantes – amplamente utilizados para manter óleos e água misturados e prolongar o prazo de validade dos alimentos processados3 – foram positivamente associados a riscos mais elevados de doença cardiovascular e doença arterial coronariana no estudo prospectivo4 NutriNet-Santé, relataram Bernard Srour, PhD, da Université Sorbonne Paris Nord e Université Paris Cité, e colegas em artigo publicado no The British Medical Journal.

Após correção para múltiplos testes, a carboximetilcelulose permaneceu associada a um risco aumentado de DCV e doença arterial coronariana ao longo de mais de 7 anos de acompanhamento, assim como os ésteres de ácido cítrico de monoglicerídeos e diglicerídeos de ácidos graxos.

Os ésteres láticos de monoglicerídeos e diglicerídeos de ácidos graxos também foram associados a um risco aumentado de DCV.

Leia sobre "Os cinco 'venenos' brancos" e "O que é uma alimentação saudável".

“Devido à natureza observacional do nosso estudo, não conseguimos confirmar que os emulsionantes estão causalmente relacionados com o risco de DCV. No entanto, isolamos tanto quanto possível o papel dos emulsionantes, ajustando a proporção de alimentos ultraprocessados na dieta, bem como ajustando para diversas características dietéticas que podem impactar causalmente o risco de DCV, incluindo ingestão de açúcar5, sódio, ácidos graxos saturados, energia, fibras e adoçantes artificiais”, escreveram Srour e equipe.

Embora os alimentos processados3 como um todo já tenham sido associados a riscos mais elevados de obesidade6, doenças cardiovasculares1, câncer7 e mortalidade8, os efeitos de aditivos alimentares específicos ainda não foram tão esclarecidos.

Os autores analisaram o papel dos emulsificantes, que são alguns dos aditivos alimentares mais consumidos e contam entre eles amidos modificados, lecitinas, goma xantana e pectinas. Estima-se que mais de metade dos alimentos e bebidas processados industrialmente em todo o mundo contenham pelo menos um emulsionante, observaram.

“Sabemos agora, através de estudos em animais e em laboratório, que alguns emulsionantes podem alterar o nosso microbioma9 e causar inflamação10 no intestino; no entanto, há muito pouca investigação realizada em humanos”, comentou Kevin Whelan, PhD, cientista nutricional do King's College London.

“A evidência ainda não é forte o suficiente para aconselhar que todos evitem consumir emulsificantes”, disse Whelan em comunicado.

“Para identificar causa e efeito, precisamos fazer ensaios clínicos11. Antes disso, é importante que as pessoas pensem em seguir uma dieta mais saudável que inclua muitas frutas e vegetais, e cozinhar do zero é uma boa maneira de fazer isso se você é capaz. Mais exercícios e evitar fumar também são cruciais”, acrescentou.

Srour e colegas sugeriram, no entanto, que as suas descobertas que ligam os emulsionantes e as doenças cardiovasculares1 apoiam novas leis alimentares para proteger os consumidores.

“Apesar da magnitude moderada das associações, estas descobertas podem ter implicações importantes para a saúde12 pública, uma vez que estes aditivos alimentares são utilizados de forma onipresente em milhares de produtos alimentares ultraprocessados amplamente consumidos”, escreveram. “Enquanto isso, várias autoridades de saúde12 pública recomendam limitar o consumo de alimentos ultraprocessados como forma de limitar a exposição a aditivos alimentares controversos não essenciais”.

O objetivo do estudo realizado foi avaliar as associações entre exposição a aditivos alimentares emulsificantes e risco de doenças cardiovasculares1 (DCV).

O estudo de coorte13 prospectivo4 francês NutriNet-Santé, realizado entre 2009 e 2021, incluiu como participantes 95.442 adultos (>18 anos) sem DCV prevalente que completaram pelo menos três registros dietéticos de 24 horas durante os primeiros dois anos de acompanhamento.

As principais medidas de desfecho foram associações entre a ingestão de aditivos alimentares emulsificantes (contínuos [mg/dia]) e risco de DCV, doença arterial coronariana e doença cerebrovascular14, caracterizadas pelo uso de modelos de risco proporcional de Cox multivariável para calcular taxas de risco para cada desvio padrão (DP) adicional da ingestão de emulsificante, juntamente com intervalos de confiança de 95%.

A média de idade foi de 43,1 (DP 14,5) anos e 79,0% (n = 75.390) dos participantes eram mulheres. Durante o acompanhamento (mediana de 7,4 anos), foram diagnosticados 1.995 casos de DCV incidentes15, 1.044 doenças arteriais coronarianas e 974 eventos de doenças cerebrovasculares.

Descobriu-se que a maior ingestão de celuloses (E460-E468) está positivamente associada a maiores riscos de DCV (taxa de risco para um aumento de 1 desvio padrão 1,05, intervalo de confiança de 95% 1,02 a 1,09, P = 0,003) e doença arterial coronariana (1,07, 1,02 a 1,12, P = 0,004).

Especificamente, a maior ingestão de celulose E460 foi associada a maiores riscos de DCV (1,05, 1,01 a 1,09, P = 0,007) e doença arterial coronariana (1,07, 1,02 a 1,12, P = 0,005), e maior ingestão de carboximetilcelulose (E466) foi associada com maiores riscos de DCV (1,03, 1,01 a 1,05, P = 0,004) e doença arterial coronariana (1,04, 1,02 a 1,06, P = 0,001).

Além disso, maiores ingestões de monoglicerídeos e diglicerídeos de ácidos graxos (E471 e E472) foram associadas a riscos mais elevados de todos os desfechos. Entre esses emulsificantes, o éster lático de monoglicerídeos e diglicerídeos de ácidos graxos (E472b) foi associado a maiores riscos de DCV (1,06, 1,02 a 1,10, P = 0,002) e doença cerebrovascular14 (1,11, 1,06 a 1,16, P <0,001), e o éster de ácido cítrico de monoglicerídeos e diglicerídeos de ácidos graxos (E472c) foi associado a maiores riscos de DCV (1,04, 1,02 a 1,07, P = 0,004) e doença arterial coronariana (1,06, 1,03 a 1,09, P <0,001).

A alta ingestão de fosfato trissódico (E339) foi associada a um risco aumentado de doença arterial coronariana (1,06, 1,00 a 1,12, P = 0,03).

As análises de sensibilidade mostraram associações consistentes.

Este estudo encontrou associações positivas entre o risco de doenças cardiovasculares1 e a ingestão de cinco aditivos alimentares emulsionantes individuais e dois grupos de aditivos alimentares emulsionantes amplamente utilizados em alimentos industriais.

Saiba mais sobre "Doenças cardiovasculares1" e "Doenças cerebrovasculares".

 

Fontes:
The British Medical Journal, publicação em 06 de setembro de 2023.
MedPage Today, notícia publicada em 06 de setembro de 2023.

 

NEWS.MED.BR, 2023. Estudo aponta alguns aditivos alimentares comuns que aumentam o risco cardiovascular. Disponível em: <https://www.news.med.br/p/medical-journal/1459485/estudo-aponta-alguns-aditivos-alimentares-comuns-que-aumentam-o-risco-cardiovascular.htm>. Acesso em: 28 mai. 2024.

Complementos

1 Doenças cardiovasculares: Doença do coração e vasos sangüíneos (artérias, veias e capilares).
2 Coorte: Grupo de indivíduos que têm algo em comum ao serem reunidos e que são observados por um determinado período de tempo para que se possa avaliar o que ocorre com eles. É importante que todos os indivíduos sejam observados por todo o período de seguimento, já que informações de uma coorte incompleta podem distorcer o verdadeiro estado das coisas. Por outro lado, o período de tempo em que os indivíduos serão observados deve ser significativo na história natural da doença em questão, para que haja tempo suficiente do risco se manifestar.
3 Alimentos processados: São aqueles que passam por processamento industrial (larga escala) ou doméstico, contendo elementos químicos. Este processo de transformação, mesmo que caseiro, é percebido como menos saudável que o natural. Geralmente estes produtos sofrem junção com outro tipo de produto, como conservantes, ou alterações em sua temperatura. Exemplo: qualquer produto enlatado, engarrafado ou embutidos.
4 Prospectivo: 1. Relativo ao futuro. 2. Suposto, possível; esperado. 3. Relativo à preparação e/ou à previsão do futuro quanto à economia, à tecnologia, ao plano social etc. 4. Em geologia, é relativo à prospecção.
5 Açúcar: 1. Classe de carboidratos com sabor adocicado, incluindo glicose, frutose e sacarose. 2. Termo usado para se referir à glicemia sangüínea.
6 Obesidade: Condição em que há acúmulo de gorduras no organismo além do normal, mais severo que o sobrepeso. O índice de massa corporal é igual ou maior que 30.
7 Câncer: Crescimento anormal de um tecido celular capaz de invadir outros órgãos localmente ou à distância (metástases).
8 Mortalidade: A taxa de mortalidade ou coeficiente de mortalidade é um dado demográfico do número de óbitos, geralmente para cada mil habitantes em uma dada região, em um determinado período de tempo.
9 Microbioma: Comunidade ecológica de microrganismos comensais, simbióticos e patogênicos que compartilham nosso espaço corporal. Microbioma humano é o conjunto de microrganismos que reside no corpo do Homo sapiens, mantendo uma relação simbiótica com o hospedeiro. O conceito vai além do termo microbiota, incluindo também a relação entre as células microbianas e as células e sistemas humanos, por meio de seus genomas, transcriptomas, proteomas e metabolomas.
10 Inflamação: Conjunto de processos que se desenvolvem em um tecido em resposta a uma agressão externa. Incluem fenômenos vasculares como vasodilatação, edema, desencadeamento da resposta imunológica, ativação do sistema de coagulação, etc.Quando se produz em um tecido superficial (pele, tecido celular subcutâneo) pode apresentar tumefação, aumento da temperatura local, coloração avermelhada e dor (tétrade de Celso, o cientista que primeiro descreveu as características clínicas da inflamação).
11 Ensaios clínicos: Há três fases diferentes em um ensaio clínico. A Fase 1 é o primeiro teste de um tratamento em seres humanos para determinar se ele é seguro. A Fase 2 concentra-se em saber se um tratamento é eficaz. E a Fase 3 é o teste final antes da aprovação para determinar se o tratamento tem vantagens sobre os tratamentos padrões disponíveis.
12 Saúde: 1. Estado de equilíbrio dinâmico entre o organismo e o seu ambiente, o qual mantém as características estruturais e funcionais do organismo dentro dos limites normais para sua forma de vida e para a sua fase do ciclo vital. 2. Estado de boa disposição física e psíquica; bem-estar. 3. Brinde, saudação que se faz bebendo à saúde de alguém. 4. Força física; robustez, vigor, energia.
13 Estudo de coorte: Um estudo de coorte é realizado para verificar se indivíduos expostos a um determinado fator apresentam, em relação aos indivíduos não expostos, uma maior propensão a desenvolver uma determinada doença. Um estudo de coorte é constituído, em seu início, de um grupo de indivíduos, denominada coorte, em que todos estão livres da doença sob investigação. Os indivíduos dessa coorte são classificados em expostos e não-expostos ao fator de interesse, obtendo-se assim dois grupos (ou duas coortes de comparação). Essas coortes serão observadas por um período de tempo, verificando-se quais indivíduos desenvolvem a doença em questão. Os indivíduos expostos e não-expostos devem ser comparáveis, ou seja, semelhantes quanto aos demais fatores, que não o de interesse, para que as conclusões obtidas sejam confiáveis.
14 Doença cerebrovascular: É um dano aos vasos sangüíneos do cérebro que resulta em derrame (acidente vascular cerebral). Os vasos tornam-se obstruídos por depósitos de gordura (aterosclerose) ou tornam-se espessados ou duros bloqueando o fluxo sangüíneo para o cérebro. Quando o fluxo é interrompido, as células nervosas sofrem dano ou morrem, resultando no derrame. Pacientes com diabetes descompensado têm maiores riscos de AVC.
15 Incidentes: 1. Que incide, que sobrevém ou que tem caráter secundário; incidental. 2. Acontecimento imprevisível que modifica o desenrolar normal de uma ação. 3. Dificuldade passageira que não modifica o desenrolar de uma operação, de uma linha de conduta.
Gostou do artigo? Compartilhe!