Gostou do artigo? Compartilhe!

TDAH foi associado a sinais cerebrais interrompidos envolvidos em focar a atenção

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie esta notícia

O transtorno de déficit de atenção e hiperatividade (TDAH) pode ser causado pela interrupção dos sinais1 cerebrais envolvidos no controle cognitivo2. Uma ligação entre esta perturbação e o TDAH foi anteriormente estabelecida em crianças e agora foi demonstrada em adultos jovens, melhorando a compreensão dos pesquisadores sobre o que poderá estar por trás desta condição.

Em estudo publicado na revista Biological Psychiatry, pesquisadores investigaram a sobreposição genética entre sinais1 teta frontais médios e transtorno de déficit de atenção/hiperatividade e transtorno do espectro autista em uma coorte3 longitudinal de gêmeos.

Eles relatam que o controle cognitivo2 tem sido fortemente ligado à atividade cerebral teta médio-frontal (4-8 Hz). Sabe-se que tais processos de controle são prejudicados em indivíduos com condições psiquiátricas e diagnósticos de neurodesenvolvimento, incluindo transtorno de déficit de atenção/hiperatividade (TDAH) e transtorno do espectro autista (TEA). A variabilidade temporal em teta, em particular, tem sido associada ao TDAH, com variância genética compartilhada subjacente à relação.

No estudo, investigou-se as relações fenotípicas4 e genéticas entre a variabilidade da fase teta, os sinais1 relacionados a teta (o N2, a negatividade relacionada ao erro e a positividade do erro), o tempo de reação e o TDAH e o TEA longitudinalmente em um grande estudo de gêmeos adultos jovens para investigar a estabilidade das relações genéticas entre essas medidas ao longo do tempo.

Modelos de limiar de responsabilidade genética multivariada foram executados em uma amostra longitudinal de 566 participantes (283 pares de gêmeos). As características do TDAH e do TEA foram medidas na infância e na idade adulta jovem, enquanto um eletroencefalograma5 foi registrado na idade adulta jovem durante um teste de Flanker com setas.

A variabilidade da fase teta em ensaios cruzados na idade adulta mostrou grandes relações fenotípicas4 e genéticas positivas com a variabilidade do tempo de reação e características de TDAH na infância e na idade adulta. A amplitude de positividade do erro foi negativamente relacionada fenotipicamente e geneticamente com TDAH e TEA em ambos os momentos.

Mostrou-se assim associações genéticas significativas entre variabilidade na sinalização teta e TDAH. Uma nova descoberta do presente estudo é que essas relações permaneceram estáveis ao longo do tempo, indicando uma desregulação central da coordenação temporal dos processos de controle no TDAH que persiste em indivíduos com sintomas6 na infância. O processamento do erro, indexado pela positividade do erro, foi alterado tanto no TDAH quanto no TEA, com forte contribuição genética.

Leia sobre "TDAH: o que é", "Transtornos do espectro autista" e "Concentração mental - o que pode melhorar a concentração".

 

Fontes:
Biological Psychiatry, publicação em 13 de maio de 2023.
New Scientist, notícia publicada em 02 de agosto de 2023.

 

NEWS.MED.BR, 2023. TDAH foi associado a sinais cerebrais interrompidos envolvidos em focar a atenção. Disponível em: <https://www.news.med.br/p/medical-journal/1443275/tdah-foi-associado-a-sinais-cerebrais-interrompidos-envolvidos-em-focar-a-atencao.htm>. Acesso em: 29 mai. 2024.

Complementos

1 Sinais: São alterações percebidas ou medidas por outra pessoa, geralmente um profissional de saúde, sem o relato ou comunicação do paciente. Por exemplo, uma ferida.
2 Cognitivo: 1. Relativo ao conhecimento, à cognição. 2. Relativo ao processo mental de percepção, memória, juízo e/ou raciocínio. 3. Diz-se de estados e processos relativos à identificação de um saber dedutível e à resolução de tarefas e problemas determinados. 4. Diz-se dos princípios classificatórios derivados de constatações, percepções e/ou ações que norteiam a passagem das representações simbólicas à experiência, e também da organização hierárquica e da utilização no pensamento e linguagem daqueles mesmos princípios.
3 Coorte: Grupo de indivíduos que têm algo em comum ao serem reunidos e que são observados por um determinado período de tempo para que se possa avaliar o que ocorre com eles. É importante que todos os indivíduos sejam observados por todo o período de seguimento, já que informações de uma coorte incompleta podem distorcer o verdadeiro estado das coisas. Por outro lado, o período de tempo em que os indivíduos serão observados deve ser significativo na história natural da doença em questão, para que haja tempo suficiente do risco se manifestar.
4 Fenotípicas: Referente a fenótipo, ou seja, à manifestação visível ou detectável de um genótipo. Características físicas, morfológicas e fisiológicas do organismo.
5 Eletroencefalograma: Registro da atividade elétrica cerebral mediante a utilização de eletrodos cutâneos que recebem e amplificam os potenciais gerados em cada região encefálica.
6 Sintomas: Alterações da percepção normal que uma pessoa tem de seu próprio corpo, do seu metabolismo, de suas sensações, podendo ou não ser um indício de doença. Os sintomas são as queixas relatadas pelo paciente mas que só ele consegue perceber. Sintomas são subjetivos, sujeitos à interpretação pessoal. A variabilidade descritiva dos sintomas varia em função da cultura do indivíduo, assim como da valorização que cada pessoa dá às suas próprias percepções.
Gostou do artigo? Compartilhe!