Gostou do artigo? Compartilhe!

Uso prolongado de medicamentos para TDAH pode aumentar o risco cardíaco

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie esta notícia

O uso prolongado de medicamentos para transtorno de déficit de atenção e hiperatividade (TDAH) foi associado a um risco aumentado de doenças cardiovasculares1, particularmente hipertensão2 e doença arterial, mostrou um estudo de caso-controle aninhado na Suécia, publicado no JAMA Psychiatry.

O risco de doença cardiovascular aumentou com a exposição cumulativa mais longa aos medicamentos, atingindo o pico aos 3 a 5 anos de uso, relataram Le Zhang, PhD, do Instituto Karolinska em Estocolmo, e colegas.

Ao analisar o risco de doenças específicas, apenas duas foram consistentemente elevadas: hipertensão2 e doença arterial.

“Os médicos devem monitorar regular e consistentemente os sinais3 e sintomas4 cardiovasculares ao longo do tratamento com medicamentos para TDAH”, disse Zhang.

À medida que o uso de medicamentos para TDAH aumentou, também aumentaram as preocupações sobre seus efeitos colaterais5 cardiovasculares, já que metanálises de ensaios clínicos6 randomizados revelaram aumentos na frequência cardíaca e na pressão arterial7 tanto para medicamentos estimulantes quanto não estimulantes para TDAH.

Leia sobre "Transtorno de déficit de atenção e hiperatividade" e "Doenças cardiovasculares1".

As descobertas dos estudos observacionais longitudinais foram confusas, observaram os pesquisadores. Na verdade, uma metanálise de estudos observacionais realizada pelos próprios pesquisadores não mostrou nenhuma associação significativa entre medicamentos para TDAH e risco cardiovascular. No entanto, escreveram eles, “a possibilidade de um aumento modesto do risco não pode ser descartada devido a diversas limitações metodológicas nestes estudos”.

Então, eles recorreram aos registros de saúde8 nacionais da Suécia para avaliar dados de 258.835 pessoas com idades entre 6 e 64 anos com diagnóstico9 de TDAH ou dispensação de medicamentos para TDAH de 2007 a 2020.

No artigo, eles relatam que o uso de medicamentos para transtorno de déficit de atenção/hiperatividade (TDAH) aumentou substancialmente nas últimas décadas. No entanto, o risco potencial de doença cardiovascular (DCV) associado ao uso prolongado de medicamentos para TDAH permanece incerto.

O objetivo do estudo, portanto, foi avaliar a associação entre o uso prolongado de medicamentos para TDAH e o risco de DCV.

Neste estudo de caso-controle, dados sobre diagnósticos de TDAH e DCV e dispensação de medicamentos para TDAH foram obtidos do Swedish National Inpatient Register e do Swedish Prescribed Drug Register, respectivamente.

Os casos incluíram indivíduos com TDAH e diagnóstico9 incidente10 de DCV (doenças isquêmicas do coração11, doenças cerebrovasculares, hipertensão2, insuficiência cardíaca12, arritmias13, doença tromboembólica, doença arterial e outras formas de doença cardíaca). Amostragem por densidade de incidência14 foi usada para combinar casos com até 5 controles sem DCV com base em idade, sexo e tempo de calendário. Casos e controles tiveram a mesma duração de acompanhamento.

A exposição do estudo foi a duração cumulativa do uso de medicamentos para TDAH até 14 anos.

O desfecho primário foi DCV incidente10. A associação entre DCV e duração cumulativa do uso de medicamentos para TDAH foi medida usando odds ratios ajustados (AORs) com IC de 95%.

Dos 278.027 indivíduos com TDAH de 6 a 64 anos, 10.388 com DCV foram identificados (idade mediana [IQR], 34,6 [20,0-45,7] anos; 6.154 homens [59,2%]) e pareados com 51.672 participantes de controle sem DCV (idade mediana [IQR], 34,6 [19,8-45,6] anos; 30.601 homens [59,2%]). O tempo de acompanhamento mediano (IQR) em ambos os grupos foi de 4,1 (1,9-6,8) anos.

A duração cumulativa mais longa do uso de medicamentos para TDAH foi associada a um risco aumentado de DCV em comparação com o não uso (0 a ≤1 ano: AOR, 0,99 [IC 95%, 0,93-1,06]; 1 a ≤2 anos: AOR, 1,09 [95% CI, 0,93-1,06]; 1 a ≤2 anos: AOR, 1,09 [95% CI, IC, 1,01-1,18]; 2 a ≤3 anos: AOR, 1,15 [IC 95%, 1,05-1,25]; 3 a ≤5 anos: AOR, 1,27 [IC 95%, 1,17-1,39]; e >5 anos: AOR, 1,23 [IC 95%, 1,12-1,36]).

O uso cumulativo de medicação para TDAH por mais tempo foi associado a um risco aumentado de hipertensão2 (por exemplo, 3 a ≤5 anos: AOR, 1,72 [IC 95%, 1,51-1,97] e >5 anos: AOR, 1,80 [IC 95%, 1,55-2,08 ]) e doença arterial (por exemplo, 3 a ≤5 anos: AOR, 1,65 [IC 95%, 1,11-2,45] e >5 anos: AOR, 1,49 [IC 95%, 0,96-2,32]).

Ao longo do acompanhamento de 14 anos, cada aumento de 1 ano no uso de medicamentos para TDAH foi associado a um risco 4% aumentado de DCV (AOR, 1,04 [IC 95%, 1,03-1,05]), com um aumento maior no risco nos primeiros 3 anos de uso cumulativo (AOR, 1,08 [IC 95%, 1,04-1,11]) e risco estável durante o acompanhamento restante. Padrões semelhantes foram observados em crianças e jovens (com idade <25 anos) e adultos (com idade ≥25 anos).

Este estudo de caso-controle descobriu que a exposição prolongada a medicamentos para TDAH estava associada a um risco aumentado de doenças cardiovasculares1, especialmente hipertensão2 e doença arterial.

Essas descobertas destacam a importância de pesar cuidadosamente os benefícios e riscos potenciais ao tomar decisões de tratamento sobre o uso de medicamentos para TDAH em longo prazo. Os médicos devem monitorar regular e consistentemente os sinais3 e sintomas4 cardiovasculares ao longo do tratamento.

Veja também sobre "Concentração mental", "Distúrbios de aprendizagem escolar" e "Saúde8 mental".

 

Fontes:
JAMA Psychiatry, publicação em 22 de novembro de 2023.
MedPage Today, notícia publicada em 22 de novembro de 2023.

 

NEWS.MED.BR, 2023. Uso prolongado de medicamentos para TDAH pode aumentar o risco cardíaco. Disponível em: <https://www.news.med.br/p/medical-journal/1462302/uso-prolongado-de-medicamentos-para-tdah-pode-aumentar-o-risco-cardiaco.htm>. Acesso em: 13 jul. 2024.

Complementos

1 Doenças cardiovasculares: Doença do coração e vasos sangüíneos (artérias, veias e capilares).
2 Hipertensão: Condição presente quando o sangue flui através dos vasos com força maior que a normal. Também chamada de pressão alta. Hipertensão pode causar esforço cardíaco, dano aos vasos sangüíneos e aumento do risco de um ataque cardíaco, derrame ou acidente vascular cerebral, além de problemas renais e morte.
3 Sinais: São alterações percebidas ou medidas por outra pessoa, geralmente um profissional de saúde, sem o relato ou comunicação do paciente. Por exemplo, uma ferida.
4 Sintomas: Alterações da percepção normal que uma pessoa tem de seu próprio corpo, do seu metabolismo, de suas sensações, podendo ou não ser um indício de doença. Os sintomas são as queixas relatadas pelo paciente mas que só ele consegue perceber. Sintomas são subjetivos, sujeitos à interpretação pessoal. A variabilidade descritiva dos sintomas varia em função da cultura do indivíduo, assim como da valorização que cada pessoa dá às suas próprias percepções.
5 Efeitos colaterais: 1. Ação não esperada de um medicamento. Ou seja, significa a ação sobre alguma parte do organismo diferente daquela que precisa ser tratada pelo medicamento. 2. Possível reação que pode ocorrer durante o uso do medicamento, podendo ser benéfica ou maléfica.
6 Ensaios clínicos: Há três fases diferentes em um ensaio clínico. A Fase 1 é o primeiro teste de um tratamento em seres humanos para determinar se ele é seguro. A Fase 2 concentra-se em saber se um tratamento é eficaz. E a Fase 3 é o teste final antes da aprovação para determinar se o tratamento tem vantagens sobre os tratamentos padrões disponíveis.
7 Pressão arterial: A relação que define a pressão arterial é o produto do fluxo sanguíneo pela resistência. Considerando-se a circulação como um todo, o fluxo total é denominado débito cardíaco, enquanto a resistência é denominada de resistência vascular periférica total.
8 Saúde: 1. Estado de equilíbrio dinâmico entre o organismo e o seu ambiente, o qual mantém as características estruturais e funcionais do organismo dentro dos limites normais para sua forma de vida e para a sua fase do ciclo vital. 2. Estado de boa disposição física e psíquica; bem-estar. 3. Brinde, saudação que se faz bebendo à saúde de alguém. 4. Força física; robustez, vigor, energia.
9 Diagnóstico: Determinação de uma doença a partir dos seus sinais e sintomas.
10 Incidente: 1. Que incide, que sobrevém ou que tem caráter secundário; incidental. 2. Acontecimento imprevisível que modifica o desenrolar normal de uma ação. 3. Dificuldade passageira que não modifica o desenrolar de uma operação, de uma linha de conduta.
11 Coração: Órgão muscular, oco, que mantém a circulação sangüínea.
12 Insuficiência Cardíaca: É uma condição na qual a quantidade de sangue bombeada pelo coração a cada minuto (débito cardíaco) é insuficiente para suprir as demandas normais de oxigênio e de nutrientes do organismo. Refere-se à diminuição da capacidade do coração suportar a carga de trabalho.
13 Arritmias: Arritmia cardíaca é o nome dado a diversas perturbações que alteram a frequência ou o ritmo dos batimentos cardíacos.
14 Incidência: Medida da freqüência em que uma doença ocorre. Número de casos novos de uma doença em um certo grupo de pessoas por um certo período de tempo.
Gostou do artigo? Compartilhe!