Gostou do artigo? Compartilhe!

Polifarmácia: estudos apontam que mais jovens tomam múltiplos medicamentos psiquiátricos

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie esta notícia

Um número crescente de crianças e adolescentes estão recebendo prescrição de vários medicamentos psiquiátricos para serem tomados simultaneamente, de acordo com um novo estudo realizado por pesquisadores da Universidade de Maryland, nos Estados Unidos. O fenômeno está aumentando apesar dos avisos de que as combinações de drogas psicotrópicas em jovens não foram testadas quanto à segurança ou estudadas quanto ao seu impacto no cérebro1 em desenvolvimento.

O estudo, publicado no JAMA Open Network, analisou os padrões de prescrição entre pacientes com 17 anos ou menos inscritos no Medicaid de 2015 a 2020 em um único estado dos EUA que os pesquisadores não informaram o nome. Neste grupo, houve um aumento de 9,5% na prevalência2 de “polifarmácia”, que o estudo definiu como tomar três ou mais classes diferentes de medicamentos psiquiátricos, incluindo antipsicóticos, antidepressivos, anticonvulsivantes estabilizadores do humor, sedativos e medicamentos para TDAH e para ansiedade.

O estudo analisou apenas um estado, mas dados estaduais já foram utilizados no passado para explorar esta questão, em parte devido à relativa facilidade de recolher dados do Medicaid, o programa de seguro de saúde3 administrado pelos estados.

Ao mesmo tempo, algumas pesquisas utilizando amostras ponderadas nacionalmente revelaram a crescente prevalência2 da polifarmácia entre os jovens. Um artigo de 2020, publicado na revista Pediatrics, extraiu dados da Pesquisa Nacional de Assistência Médica Ambulatorial e descobriu que, em 2015, 40,7% das pessoas com idades entre 2 e 24 anos nos Estados Unidos que tomavam um medicamento para TDAH também tomavam um segundo medicamento psiquiátrico. Em 2006, esse número era de 26%.

Os dados mais recentes dos pesquisadores da Universidade de Maryland mostram que, pelo menos num estado, a prática continua a crescer e “era significativamente mais provável entre jovens com deficiência ou em lares de acolhimento”, observou o novo estudo.

Especialistas em saúde3 mental afirmam que os medicamentos psicotrópicos4 podem ser muito úteis e que os médicos têm liberdade para prescrever o que acharem adequado. Uma preocupação entre alguns especialistas é que muitos medicamentos usados em coquetéis frequentemente prescritos não foram aprovados para uso em jovens. E não está claro como o uso simultâneo de múltiplos medicamentos psicotrópicos4 afeta o desenvolvimento do cérebro1 a longo prazo.

Saiba mais sobre "Polifarmácia", "Principais transtornos mentais" e "Saúde3 mental".

Confira a seguir os resumos dos estudos.

Polifarmácia psicotrópica entre jovens inscritos no Medicaid

O uso concomitante de medicamentos para transtorno de déficit de atenção/hiperatividade (TDAH), antipsicóticos, anticonvulsivantes estabilizadores do humor e antidepressivos é denominado polifarmácia psicotrópica. Nas últimas duas décadas, a polifarmácia psicotrópica em jovens aumentou, levantando preocupações de segurança. O objetivo deste estudo foi examinar as tendências de 2015 a 2020 na polifarmácia psicotrópica entre jovens de 17 anos ou menos inscritos no Medicaid para identificar alterações temporais e características associadas à polifarmácia psicotrópica.

Este é um estudo sequencial, anual e transversal que utiliza arquivos de elegibilidade do Medicaid e reivindicações de taxas por serviço e de atendimento médico gerenciado de 2015 a 2020 de um único estado dos EUA. Para cada coorte5 anual, foram incluídos jovens com 17 anos ou menos, que receberam pelo menos uma reivindicação farmacêutica de medicação psicotrópica e que tinham 90 dias ou mais de inscrição contínua no Medicaid.

Foram criados 4 grupos de elegibilidade para o Medicaid mutuamente exclusivos em cada coorte5 anual: (1) jovens com baixa renda, (2) jovens matriculados no Programa de Saúde3 Infantil (CHP), (3) jovens em lares de acolhimento e (4) jovens com deficiência.

Usando o Sistema de Classificação Terapêutica6 Farmacológica do American Hospital Formulary Service, classificou-se os medicamentos psicotrópicos4 em 6 classes terapêuticas: antipsicóticos, medicamentos para TDAH, anticonvulsivantes estabilizadores do humor, antidepressivos, ansiolíticos e sedativos. O uso de 3 ou mais classes psicotrópicas diferentes que se sobrepuseram por 90 dias consecutivos ou mais em cada ano de estudo definiu polifarmácia psicotrópica. Não permitiu-se um intervalo superior a 15 dias entre a dispensação de prescrições dentro do período de 90 dias.

A prevalência2 anual de polifarmácia psicotrópica foi definida como a proporção de jovens que tiveram pelo menos 1 episódio de polifarmácia por 100 jovens com qualquer uso de psicotrópicos4. Um modelo de regressão logística multivariável, utilizando todos os anos de estudo, estimou as chances de polifarmácia psicotrópica (variável dependente) entre usuários de psicotrópicos4. As variáveis independentes incluíram ano de estudo (contínuo), idade, sexo, raça, região, grupo de elegibilidade para o Medicaid, COVID-19 e transtornos de saúde3 mental. As categorias de raça e etnia incluídas neste estudo foram índios americanos, asiáticos, negros, hispânicos, havaianos nativos, brancos e todas as outras raças não listadas em uma das categorias predefinidas. As informações sobre raça e etnia foram extraídas do arquivo de resumo demográfico do Medicaid.

Usou-se equações de estimativa generalizadas para estimadores robustos de variância para explicar a não independência das observações, uma vez que um jovem pode estar em vários anos de estudo. Uma análise suplementar modelou o ano categórico (ano de referência,  2015) para identificar quais anos contribuíram para mudanças significativas na polifarmácia psicotrópica.

Os níveis de significância foram estabelecidos em P <0,05 para testes bicaudais. Todas as análises foram realizadas no programa SAS Studio versão 9.4 (SAS Institute). Os dados foram analisados de janeiro a dezembro de 2023.

Leia sobre "Transtorno de déficit de atenção e hiperatividade" e "Depressão em crianças".

Ao longo de todos os anos, 126.972 jovens únicos preencheram os critérios de inclusão. A prevalência2 de polifarmácia psicotrópica entre jovens que usaram psicotrópicos4 aumentou de 2.259 de 53.569 jovens (4,2%) em 2015 para 2.334 de 50.806 jovens (4,6%) em 2020.

O aumento de 2015 a 2020 na prevalência2 de polifarmácia psicotrópica foi observado para aqueles com elegibilidade para o Medicaid por estarem em lares de acolhimento (414 de 3.824 [10,8%] e 387 de 3.420 [11,3%]), por estarem matriculados no CHP (225 de 10.354 [2,2%] e 222 de 7.974 [2,8%]) e por serem de uma família de baixa renda (648 de 30.222 [2,1%] e 883 de 31.172 [2,8%]).

A razão de chances ajustada (AOR) de polifarmácia psicotrópica para o ano foi de 1,04 (IC 95%, 1,02-1,06), um aumento de 4% nas chances de polifarmácia psicotrópica por ano. A análise suplementar revelou um aumento significativo em 2019 e 2020 em relação a 2015.

A polifarmácia psicotrópica era significativamente mais provável entre jovens com deficiência (AOR, 3,68; IC 95%, 3,34-4,05) ou em lares de acolhimento (AOR, 3,31; IC 95%, 2,93-3,74) em relação aos jovens do grupo de baixa renda.

Indivíduos de 10 a 14 anos (AOR, 1,94; IC 95%, 1,80-2,10) e de 15 a 17 anos (AOR, 2,41; IC 95%, 2,22-2,61) tiveram chances significativamente maiores de polifarmácia psicotrópica do que aqueles com menos de 10 anos.

Indivíduos negros (AOR, 0,47; IC 95%, 0,43-0,51) ou indivíduos que se identificaram como outras raças (incluindo indivíduos identificados como índios americanos, asiáticos, hispânicos ou das ilhas do Pacífico, ou outras raças) (AOR, 0,54; IC 95% , 0,50-0,59) tiveram chances significativamente menores de polifarmácia psicotrópica do que indivíduos brancos.

Neste estudo transversal, observou-se um aumento de 4% nas chances de polifarmácia psicotrópica por ano de 2015 a 2020, indicando crescente uso concomitante de múltiplas classes de psicotrópicos4. Entre os jovens inscritos no Medicaid com qualquer uso de psicotrópicos4, os indivíduos com deficiência ou em lares de acolhimento tinham significativamente mais probabilidade do que os indivíduos de baixa renda de receber 3 ou mais classes de psicotrópicos4 sobrepostas por 90 dias ou mais.

Fatores como condições médicas complexas, traumas precoces e cuidados fragmentados podem ter contribuído para estes resultados.

Este estudo foi limitado pelo foco em jovens inscritos no Medicaid num único estado dos EUA, o que limita a generalização dos resultados para outros estados, populações ou sistemas de saúde3.

As conclusões sublinham a importância de monitorar o uso de combinações psicotrópicas, especialmente entre as populações vulneráveis, como os jovens inscritos no Medicaid que têm uma deficiência ou estão em lares de acolhimento.

Tendências de prescrição de polifarmácia psicotrópica e para transtorno de déficit de atenção/hiperatividade

O uso de medicamentos para transtorno de déficit de atenção/hiperatividade (TDAH) e a polifarmácia psicoterapêutica estão aumentando. Este estudo foi desenhado para avaliar as taxas anuais de prescrição de medicamentos para TDAH e polifarmácia psicoterapêutica entre pacientes de 2 a 24 anos de idade nos Estados Unidos, identificar medicamentos comumente prescritos para TDAH e agentes psicotrópicos4 concomitantes e avaliar se características específicas estão associadas à polifarmácia.

Neste estudo transversal, usou-se conjuntos de dados ambulatoriais de saúde3 disponíveis publicamente para avaliar o uso de polifarmácia psicotrópica e para o TDAH em pacientes de 2 a 24 anos de 2006 a 2015. As taxas nacionais foram estimadas usando pesos amostrais e foram identificados medicamentos para TDAH e psicotrópicos4 comuns prescritos. Modelos de regressão logística multivariada foram desenvolvidos para avaliar a força da associação entre polifarmácia e características do paciente ou profissional de saúde3.

Entre 2006 e 2015, a prescrição de medicamentos para TDAH aumentou de 4,8% para 8,4%. A polifarmácia para TDAH aumentou de 16,8% para 20,5%, enquanto a polifarmácia psicotrópica aumentou de 26,0% para 40,7%.

As combinações mais comuns para TDAH foram estimulantes e agonistas α-2 (67,1%), enquanto os agentes psicotrópicos4 concomitantes mais comuns foram inibidores seletivos da recaptação de serotonina (14,4%) e antipsicóticos de segunda geração (11,8%).

Os fatores associados à polifarmácia foram idade, sexo feminino (psicotrópicos4), plano de saúde3 não privado, regiões Nordeste e Sul (TDAH), recebimento de aconselhamento em saúde3 mental ou psicoterapia e ano civil.

O estudo concluiu que a polifarmácia no TDAH e psicotrópica está aumentando e está associada a características específicas dos pacientes. Estes padrões deverão suscitar mais pesquisas sobre a adequação, eficácia e segurança da polifarmácia psicoterapêutica em crianças e adultos jovens, particularmente em subgrupos em que a utilização é elevada.

Veja também sobre "Antipsicóticos", "Antidepressivos" e "Benzodiazepínicos".

 

Fontes:
JAMA Network Open, publicação em 16 de fevereiro de 2024.
Pediatrics, Vol. 146, Nº 1, em julho de 2020.
The New York Times, notícia publicada em 16 de fevereiro de 2024.

 

NEWS.MED.BR, 2024. Polifarmácia: estudos apontam que mais jovens tomam múltiplos medicamentos psiquiátricos. Disponível em: <https://www.news.med.br/p/medical-journal/1467332/polifarmacia-estudos-apontam-que-mais-jovens-tomam-multiplos-medicamentos-psiquiatricos.htm>. Acesso em: 28 mai. 2024.

Complementos

1 Cérebro: Derivado do TELENCÉFALO, o cérebro é composto dos hemisférios direito e esquerdo. Cada hemisfério contém um córtex cerebral exterior e gânglios basais subcorticais. O cérebro inclui todas as partes dentro do crânio exceto MEDULA OBLONGA, PONTE e CEREBELO. As funções cerebrais incluem as atividades sensório-motora, emocional e intelectual.
2 Prevalência: Número de pessoas em determinado grupo ou população que são portadores de uma doença. Número de casos novos e antigos desta doença.
3 Saúde: 1. Estado de equilíbrio dinâmico entre o organismo e o seu ambiente, o qual mantém as características estruturais e funcionais do organismo dentro dos limites normais para sua forma de vida e para a sua fase do ciclo vital. 2. Estado de boa disposição física e psíquica; bem-estar. 3. Brinde, saudação que se faz bebendo à saúde de alguém. 4. Força física; robustez, vigor, energia.
4 Psicotrópicos: Que ou o que atua quimicamente sobre o psiquismo, a atividade mental, o comportamento, a percepção, etc. (diz-se de medicamento, droga, substância, etc.). Alguns psicotrópicos têm efeito sedativo, calmante ou antidepressivo; outros, especialmente se usados indevidamente, podem causar perturbações psíquicas.
5 Coorte: Grupo de indivíduos que têm algo em comum ao serem reunidos e que são observados por um determinado período de tempo para que se possa avaliar o que ocorre com eles. É importante que todos os indivíduos sejam observados por todo o período de seguimento, já que informações de uma coorte incompleta podem distorcer o verdadeiro estado das coisas. Por outro lado, o período de tempo em que os indivíduos serão observados deve ser significativo na história natural da doença em questão, para que haja tempo suficiente do risco se manifestar.
6 Terapêutica: Terapia, tratamento de doentes.
Gostou do artigo? Compartilhe!