Gostou do artigo? Compartilhe!

Dieta rica em açúcar foi associada ao desenvolvimento de pedras nos rins

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie esta notícia

Uma dieta rica em açúcares adicionados pode predispor as pessoas ao desenvolvimento de pedras nos rins1, sugeriu um estudo nacionalmente representativo dos Estados Unidos e publicado na revista Frontiers in Nutrition.

Em uma análise de mais de 28.000 adultos nos EUA, aqueles que consumiram mais energia proveniente de açúcares adicionados tiveram chances 39% maiores de desenvolver cálculos renais em comparação com aqueles que consumiram menos quantidade de açúcares adicionados, descobriram Shan Yin, MD, do Hospital Afiliado do North Sichuan Medical College em Nanchong, China, e colegas.

Aqueles que se enquadram no quartil mais alto de ingestão de açúcar2 adicionado consumiram em média 542,11 kcal por dia, contra 58,25 kcal entre aqueles no quartil mais baixo.

Aqueles que consumiram 25% ou mais de suas calorias3 diárias provenientes de açúcares adicionados tiveram uma chance 88% maior de desenvolver cálculos renais em comparação com aqueles que mantiveram a ingestão de açúcar2 adicionado em menos de 5% de suas calorias3 diárias.

Leia sobre "O que é uma alimentação saudável", "Frutose4: o que é e como evitar" e "Cálculo5 renal6".

“O nosso é o primeiro estudo a relatar uma associação entre o consumo de açúcar2 adicionado e pedras nos rins”, disse Yin em comunicado. “Isso sugere que limitar a ingestão de açúcar2 adicionado pode ajudar a prevenir a formação de cálculos renais”.

David S. Goldfarb, MD, co-diretor do Programa de Prevenção de Pedras nos Rins1 da NYU Langone Health na cidade de Nova York, observou que “há muito tempo há evidências de que o açúcar2 aumenta a quantidade de cálcio na urina7, e há vários motivos pelos quais evitar o açúcar2 faria parte de uma dieta que encorajasse a prevenção de cálculos renais”.

“Este estudo serve como um grande conjunto de dados com boa credibilidade e inclui um grupo relativamente representativo de pessoas nos Estados Unidos”, acrescentou Goldfarb, que não fez parte do estudo. “Desse ponto de vista, o estudo é importante porque documenta o que temos dito aos pacientes – para evitar este tipo de açúcar2 adicionado”.

“Os açúcares adicionados também podem causar aumento do ganho de peso, que está associado a hipertensão8, resistência à insulina9, síndrome metabólica10 e diabetes11 – todos considerados fatores de risco para aumento das taxas de cálculos renais”, disse ele. “Em geral, as mudanças na dieta que apoiam a saúde12 renal6 também estão associadas à diminuição das taxas de cálculos renais”.

No artigo, os pesquisadores relatam que o açúcar2 adicionado está associado a uma variedade de resultados adversos à saúde12, mas sua associação com cálculos renais não é clara. O objetivo, portanto, foi determinar se o açúcar2 adicionado está associado a pedras nos rins1.

Este estudo representativo a nível nacional utilizou conjuntos de dados do National Health and Nutrition Examination Survey (NHANES) de 2007 a 2018 para análise. Foram incluídas pessoas com idade ≥20 anos que relataram histórico de cálculos renais e forneceram dados de recordatório alimentar sobre açúcares adicionados. Proporções ponderadas, análise de regressão logística multivariada e regressão logística estratificada foram utilizadas para avaliar as associações entre açúcares adicionados e cálculos renais, ajustando potenciais fatores de confusão.

Foram incluídos 28.303 adultos, com idade média ponderada (intervalo de confiança [IC] de 95%) de 48,03 (47,56; 48,51) anos, sendo 47,74% (47,09; 48,40%) homens e 52,26% (51,60; 52,91%) mulheres.

A média geral (IC 95%) da ingestão energética proveniente de açúcares adicionados foi de 272,10 (266,59; 277,60) quilocalorias. No modelo multivariável totalmente ajustado, a percentagem de ingestão de energia proveniente de açúcares adicionados foi positivamente correlacionada com cálculos renais.

Em comparação com o primeiro quartil do percentual de consumo energético vindo de açúcar2 adicionado, a população do quarto quartil apresentou maior prevalência13 de cálculos renais (OR = 1,39; IC 95% 1,17 a 1,65). Em comparação com a população com menos de 5% de calorias3 provenientes de açúcar2 adicionado, a população com mais ou igual a 25% de calorias3 provenientes de açúcar2 adicionado apresentou maior prevalência13 de cálculos renais (OR = 1,88; IC 95% 1,52 a 2,32).

O estudo concluiu que uma maior percentagem de ingestão de energia proveniente de açúcares adicionados está significativamente associada a uma maior prevalência13 de cálculos renais. Este estudo fornece evidências transversais para a relação entre açúcares adicionados e resultados de saúde12.

Veja também sobre "Os cinco 'venenos' brancos" e "Avaliação da função renal6".

 

Fontes:
Frontiers in Nutrition, publicação em 04 de agosto de 2023.
MedPage Today, notícia publicada em 04 de agosto de 2023.

 

NEWS.MED.BR, 2023. Dieta rica em açúcar foi associada ao desenvolvimento de pedras nos rins. Disponível em: <https://www.news.med.br/p/medical-journal/1443265/dieta-rica-em-acucar-foi-associada-ao-desenvolvimento-de-pedras-nos-rins.htm>. Acesso em: 27 mai. 2024.

Complementos

1 Rins: Órgãos em forma de feijão que filtram o sangue e formam a urina. Os rins são localizados na região posterior do abdômen, um de cada lado da coluna vertebral.
2 Açúcar: 1. Classe de carboidratos com sabor adocicado, incluindo glicose, frutose e sacarose. 2. Termo usado para se referir à glicemia sangüínea.
3 Calorias: Dizemos que um alimento tem “x“ calorias, para nos referirmos à quantidade de energia que ele pode fornecer ao organismo, ou seja, à energia que será utilizada para o corpo realizar suas funções de respiração, digestão, prática de atividades físicas, etc.
4 Frutose: Açúcar encontrado naturalmente em frutas e mel. A frutose encontrada em alimentos processados é derivada do milho. Contém quatro calorias por grama.
5 Cálculo: Formação sólida, produto da precipitação de diferentes substâncias dissolvidas nos líquidos corporais, podendo variar em sua composição segundo diferentes condições biológicas. Podem ser produzidos no sistema biliar (cálculos biliares) e nos rins (cálculos renais) e serem formados de colesterol, ácido úrico, oxalato de cálcio, pigmentos biliares, etc.
6 Renal: Relacionado aos rins. Uma doença renal é uma doença dos rins. Insuficiência renal significa que os rins pararam de funcionar.
7 Urina: Resíduo líquido produzido pela filtração renal no organismo, estocado na bexiga e expelido pelo ato de urinar.
8 Hipertensão: Condição presente quando o sangue flui através dos vasos com força maior que a normal. Também chamada de pressão alta. Hipertensão pode causar esforço cardíaco, dano aos vasos sangüíneos e aumento do risco de um ataque cardíaco, derrame ou acidente vascular cerebral, além de problemas renais e morte.
9 Resistência à insulina: Inabilidade do corpo para responder e usar a insulina produzida. A resistência à insulina pode estar relacionada à obesidade, hipertensão e altos níveis de colesterol no sangue.
10 Síndrome metabólica: Tendência de várias doenças ocorrerem ao mesmo tempo. Incluindo obesidade, resistência insulínica, diabetes ou pré-diabetes, hipertensão e hiperlipidemia.
11 Diabetes: Nome que designa um grupo de doenças caracterizadas por diurese excessiva. A mais frequente é o Diabetes mellitus, ainda que existam outras variantes (Diabetes insipidus) de doença nas quais o transtorno primário é a incapacidade dos rins de concentrar a urina.
12 Saúde: 1. Estado de equilíbrio dinâmico entre o organismo e o seu ambiente, o qual mantém as características estruturais e funcionais do organismo dentro dos limites normais para sua forma de vida e para a sua fase do ciclo vital. 2. Estado de boa disposição física e psíquica; bem-estar. 3. Brinde, saudação que se faz bebendo à saúde de alguém. 4. Força física; robustez, vigor, energia.
13 Prevalência: Número de pessoas em determinado grupo ou população que são portadores de uma doença. Número de casos novos e antigos desta doença.
Gostou do artigo? Compartilhe!