Gostou do artigo? Compartilhe!

OMS aconselha não usar adoçantes sem açúcar para controle de peso em diretriz recém-lançada

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie esta notícia

A Organização Mundial da Saúde1 (OMS) lançou uma nova diretriz sobre adoçantes sem açúcar2 (ASA), que recomenda contra o uso de ASA para controlar o peso corporal ou reduzir o risco de doenças não transmissíveis.

A recomendação é baseada nos resultados de uma revisão sistemática das evidências disponíveis que sugerem que o uso de ASA não confere nenhum benefício a longo prazo na redução da gordura3 corporal em adultos ou crianças. Os resultados da revisão também sugerem que pode haver efeitos indesejáveis potenciais do uso prolongado de ASA, como um risco aumentado de diabetes tipo 24, doenças cardiovasculares5 e mortalidade6 em adultos.

“Substituir açúcares livres por ASA não ajuda no controle de peso a longo prazo. As pessoas precisam considerar outras maneiras de reduzir a ingestão de açúcares livres, como consumir alimentos com açúcares naturais, como frutas, ou alimentos e bebidas sem açúcar”, diz Francesco Branca, Diretor de Nutrição7 e Segurança Alimentar da OMS. “ASA não são fatores dietéticos essenciais e não têm valor nutricional. As pessoas devem reduzir completamente o doce da dieta, começando cedo na vida, para melhorar sua saúde1.”

A recomendação se aplica a todas as pessoas, exceto indivíduos com diabetes8 preexistente, e inclui todos os adoçantes não nutritivos sintéticos e naturais ou modificados que não são classificados como açúcares encontrados em alimentos e bebidas industrializados ou vendidos sozinhos para serem adicionados a alimentos e bebidas pelos consumidores. ASA comuns incluem acesulfame K, aspartame9, advantame, ciclamatos, neotame, sacarina10, sucralose, estévia e derivados de estévia.

A recomendação não se aplica a produtos de higiene cuidados pessoal que contenham ASA, como creme dental, creme para a pele11 e medicamentos, ou a açúcares de baixa caloria12 e álcoois de açúcar2 (polióis), que são açúcares ou derivados de açúcares que contêm calorias13 e, portanto, não são considerados ASA.

Como a ligação observada nas evidências entre ASA e resultados de doenças pode ser confundida pelas características basais dos participantes do estudo e padrões complicados de uso de ASA, a recomendação foi avaliada como condicional, seguindo os processos da OMS para o desenvolvimento de diretrizes. Isso indica que decisões políticas baseadas nessa recomendação podem exigir discussões substanciais em contextos específicos de países, vinculadas, por exemplo, à extensão do consumo em diferentes faixas etárias.

A diretriz da OMS sobre ASA faz parte de um conjunto de diretrizes existentes e futuras sobre dietas saudáveis que visam estabelecer hábitos alimentares saudáveis ao longo da vida, melhorar a qualidade da dieta e diminuir o risco de doenças não transmissíveis em todo o mundo.

Leia sobre "Adoçantes: prós e contras", "Os cinco 'venenos' brancos" e "Os perigos dos sucos em caixinhas".

Visão14 geral da revisão sistemática “Efeitos na saúde1 do uso de adoçantes sem açúcar”

Os adoçantes sem açúcar2 foram desenvolvidos como uma alternativa aos açúcares e são amplamente utilizados como ingrediente em alimentos e bebidas pré-embalados e adicionados a alimentos e bebidas diretamente pelo consumidor.

Adoçantes sem açúcar2 individuais passam por avaliação toxicológica pelo Comitê Conjunto de Especialistas em Aditivos Alimentares da FAO/OMS (JECFA) e outros órgãos competentes para estabelecer níveis seguros de ingestão (ou seja, ingestão diária aceitável ou IDA).

Embora os resultados de ensaios controlados randomizados geralmente sugiram que os adoçantes sem açúcar2 podem ter pouco impacto no metabolismo15 da glicose16 e resultar em menor peso corporal quando associados à restrição de energia no curto prazo, não há um consenso claro sobre se os adoçantes sem açúcar2 são eficazes para perda ou manutenção de peso a longo prazo, ou se estão ligados a outros efeitos de saúde1 a longo prazo nas ingestões dentro da IDA.

Esta revisão sistemática reúne as evidências científicas mais atuais sobre os efeitos do uso de adoçantes sem açúcar2 na saúde1.

» Leia a revisão na íntegra

Visão14 geral da diretriz “Uso de adoçantes sem açúcar”

Esta diretriz fornece orientação baseada em evidências sobre o uso de adoçantes sem açúcar2 para reduzir o risco de ganho de peso não saudável e doenças não transmissíveis relacionadas à dieta em adultos e crianças.

A orientação nesta diretriz não se baseia em avaliações toxicológicas da segurança de adoçantes sem açúcar2 e, portanto, não se destina a atualizar ou substituir a orientação sobre níveis seguros ou máximos de ingestão estabelecidos pela Organização Conjunta para Alimentação e Agricultura das Nações Unidas (FAO) / Comitê de Especialistas em Aditivos Alimentares da OMS (JECFA) ou outros órgãos competentes.

Esta diretriz destina-se a um amplo público envolvido no desenvolvimento, desenho e implementação de políticas e programas de nutrição7 e saúde1 pública. Esta diretriz inclui uma recomendação sobre o uso de adoçantes sem açúcar2 que pode ser usado por formuladores de políticas e gerentes de programas para abordar o uso de adoçantes sem açúcar2 em suas populações por meio de uma série de ações políticas e intervenções de saúde1 pública.

A orientação nesta diretriz deve ser considerada no contexto de outras diretrizes da OMS sobre dietas saudáveis.

» Confira a diretriz na íntegra

 

Fonte: Organização Mundial da Saúde1, publicação em 15 de maio de 2023.

 

NEWS.MED.BR, 2023. OMS aconselha não usar adoçantes sem açúcar para controle de peso em diretriz recém-lançada. Disponível em: <https://www.news.med.br/p/saude/1437590/oms-aconselha-nao-usar-adocantes-sem-acucar-para-controle-de-peso-em-diretriz-recem-lancada.htm>. Acesso em: 17 abr. 2024.

Complementos

1 Saúde: 1. Estado de equilíbrio dinâmico entre o organismo e o seu ambiente, o qual mantém as características estruturais e funcionais do organismo dentro dos limites normais para sua forma de vida e para a sua fase do ciclo vital. 2. Estado de boa disposição física e psíquica; bem-estar. 3. Brinde, saudação que se faz bebendo à saúde de alguém. 4. Força física; robustez, vigor, energia.
2 Açúcar: 1. Classe de carboidratos com sabor adocicado, incluindo glicose, frutose e sacarose. 2. Termo usado para se referir à glicemia sangüínea.
3 Gordura: Um dos três principais nutrientes dos alimentos. Os alimentos que fornecem gordura são: manteiga, margarina, óleos, nozes, carnes vermelhas, peixes, frango e alguns derivados do leite. O excesso de calorias é estocado no organismo na forma de gordura, fornecendo uma reserva de energia ao organismo.
4 Diabetes tipo 2: Condição caracterizada por altos níveis de glicose causada tanto por graus variáveis de resistência à insulina quanto por deficiência relativa na secreção de insulina. O tipo 2 se desenvolve predominantemente em pessoas na fase adulta, mas pode aparecer em jovens.
5 Doenças cardiovasculares: Doença do coração e vasos sangüíneos (artérias, veias e capilares).
6 Mortalidade: A taxa de mortalidade ou coeficiente de mortalidade é um dado demográfico do número de óbitos, geralmente para cada mil habitantes em uma dada região, em um determinado período de tempo.
7 Nutrição: Incorporação de vitaminas, minerais, proteínas, lipídios, carboidratos, oligoelementos, etc. indispensáveis para o desenvolvimento e manutenção de um indivíduo normal.
8 Diabetes: Nome que designa um grupo de doenças caracterizadas por diurese excessiva. A mais frequente é o Diabetes mellitus, ainda que existam outras variantes (Diabetes insipidus) de doença nas quais o transtorno primário é a incapacidade dos rins de concentrar a urina.
9 Aspartame: Adoçante com quase nenhuma caloria e sem valor nutricional.
10 Sacarina: Adoçante sem calorias e sem valor nutricional.
11 Pele: Camada externa do corpo, que o protege do meio ambiente. Composta por DERME e EPIDERME.
12 Caloria: Dizemos que um alimento tem “x“ calorias, para nos referirmos à quantidade de energia que ele pode fornecer ao organismo, ou seja, à energia que será utilizada para o corpo realizar suas funções de respiração, digestão, prática de atividades físicas, etc. Carboidratos, proteínas, gorduras e álcool fornecem calorias na dieta. Carboidratos e proteínas têm 4 calorias em cada grama, gorduras têm 9 calorias por grama e álcool têm 7 calorias por grama.
13 Calorias: Dizemos que um alimento tem “x“ calorias, para nos referirmos à quantidade de energia que ele pode fornecer ao organismo, ou seja, à energia que será utilizada para o corpo realizar suas funções de respiração, digestão, prática de atividades físicas, etc.
14 Visão: 1. Ato ou efeito de ver. 2. Percepção do mundo exterior pelos órgãos da vista; sentido da vista. 3. Algo visto, percebido. 4. Imagem ou representação que aparece aos olhos ou ao espírito, causada por delírio, ilusão, sonho; fantasma, visagem. 5. No sentido figurado, concepção ou representação, em espírito, de situações, questões etc.; interpretação, ponto de vista. 6. Percepção de fatos futuros ou distantes, como profecia ou advertência divina.
15 Metabolismo: É o conjunto de transformações que as substâncias químicas sofrem no interior dos organismos vivos. São essas reações que permitem a uma célula ou um sistema transformar os alimentos em energia, que será ultilizada pelas células para que as mesmas se multipliquem, cresçam e movimentem-se. O metabolismo divide-se em duas etapas: catabolismo e anabolismo.
16 Glicose: Uma das formas mais simples de açúcar.
Gostou do artigo? Compartilhe!