Gostou do artigo? Compartilhe!

O jejum intermitente pode melhorar a imunidade, além da perda de peso

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie esta notícia

O jejum intermitente1 tornou-se a moda nos últimos anos porque promove a perda de peso ao privar o corpo de glicose2, o que o força a quebrar a gordura3 para produzir uma fonte alternativa de combustível chamada cetonas.

O jejum intermitente1 também pode melhorar a imunidade4 e ajudar a combater doenças, de acordo com uma descoberta em camundongos que mostra que as células5 imunológicas se defendem de maneira mais eficaz de infecções6 e câncer7 ao usar cetonas em vez de glicose2 como fonte de energia. Os achados foram publicados na revista Immunity.

Acredita-se amplamente que as células5 preferem a glicose2 como fonte de energia. No entanto, Russell Jones, do Van Andel Institute em Michigan, EUA, e seus colegas descobriram anteriormente que certas células5 imunológicas que combatem patógenos, chamadas células5 T, não produzem muita energia usando glicose2.

“Nós dissemos, ‘bem, isso é estranho’”, diz Jones. “Essas células5 precisam de muita energia. Então, o que elas estão usando para produzi-la?”

Ele e seus colegas coletaram dados de três outros estudos que analisaram geneticamente células5 T respondendo a infecções6 e tumores. Eles descobriram que, em comparação com as células5 T disfuncionais8, as células5 T efetivas tinham atividade aumentada nos genes envolvidos na quebra de cetonas, indicando que elas derivavam energia das cetonas ao combater doenças.

Em seguida, os pesquisadores modificaram geneticamente três camundongos para que não pudessem quebrar as cetonas e compararam sua resposta a uma infecção9 com um número igual de camundongos que podiam realizar a quebra. Eles descobriram que, em média, os camundongos normais tinham 50% mais células5 T produzindo substâncias para matar patógenos, chamadas citocinas10, do que os animais modificados, e que esses animais também podiam produzir mais citocinas10 por célula11 T.

Em outras palavras, a capacidade de quebrar cetonas tornou as células5 T mais eficazes no combate a infecções6 em camundongos. Ou, como diz Jones, aumentou o número de soldados e munições na linha de frente.

Leia sobre "Dieta do jejum – como é" e "Conhecendo o sistema imunológico12".

Jones e sua equipe também injetaram células5 cancerígenas nos camundongos e descobriram que, após 22 dias, os tumores nos camundongos incapazes de quebrar as cetonas tinham o dobro do tamanho daqueles nos camundongos que conseguiam.

Juntas, essas descobertas sugerem que as células5 imunológicas são mais eficazes no combate a doenças ao usar cetonas em vez de glicose2 como combustível, diz Jones.

Eles também explicam por que pesquisas anteriores mostraram que jejuar por 12 ou mais horas diárias melhora a função imunológica em camundongos, diz Satchidananda Panda, do Salk Institute for Biological Studies, na Califórnia, que não participou do estudo.

Além disso, os resultados podem nos ajudar a entender como as intervenções dietéticas que aumentam a produção de cetonas, como o jejum intermitente1, podem afetar nossa capacidade de combater infecções6 e câncer7, diz Jones.

No entanto, ele adverte que nem todas as dietas produtoras de cetonas têm os mesmos efeitos. Por exemplo, a dieta cetogênica com baixo teor de carboidratos pode prejudicar a imunidade4, pois altos níveis de gordura3 podem suprimir as células5 imunológicas, diz ele.

A cetólise impulsiona a função efetora de células5 T CD8+ através de efeitos na acetilação de histonas

Destaques

  • A cetólise regula o metabolismo13 das células5 T CD8+ e as respostas efetoras in vivo.
  • Corpos cetônicos exógenos aumentam a bioenergética das células5 T CD8+ e a produção de citocinas10.
  • O corpo cetônico βOHB é preferido em relação à glicose2 para a síntese de acetil-CoA.
  • Acetil-CoA derivada de βOHB regula a acetilação de histonas em loci de genes efetores.

Resumo

A disponibilidade de nutrientes no ambiente influencia o metabolismo13 das células5 T, afetando a função das células5 T e moldando os resultados imunológicos. Neste estudo, identificou-se corpos cetônicos (CCs) – incluindo β-hidroxibutirato (βOHB) e acetoacetato (AcAc) – como combustíveis essenciais que suportam o metabolismo13 das células5 T CD8+ e a função efetora.

O βOHB aumentou diretamente a produção de citocinas10 e a atividade citolítica das células5 T CD8+ efetoras, e a oxidação de CC (cetólise) foi necessária para as respostas das células5 T efetoras à infecção9 bacteriana e ao desafio tumoral.

As células5 T CD8+ efetoras usaram preferencialmente CCs em vez de glicose2 para abastecer o ciclo do ácido tricarboxílico (TCA) in vitro e in vivo. Os CCs aumentaram diretamente a capacidade respiratória e as vias metabólicas dependentes do ciclo do TCA que alimentam a função das células5 T CD8+.

Mecanisticamente, βOHB foi um substrato importante para a produção de acetil-CoA em células5 T CD8+ e regulou respostas efetoras por meio de efeitos na acetilação de histonas.

Juntos, esses resultados identificam a cetólise intrínseca da célula11 como um condutor metabólico e epigenético de respostas de células5 T CD8+ efetoras ideais.

Veja também sobre "Restrição calórica e longevidade" e "Nutrientes".

 

Fontes:
Immunity, publicação em 28 de julho de 2023.
New Scientist, notícia publicada em 28 de julho de 2023.

 

NEWS.MED.BR, 2023. O jejum intermitente pode melhorar a imunidade, além da perda de peso. Disponível em: <https://www.news.med.br/p/medical-journal/1443040/o-jejum-intermitente-pode-melhorar-a-imunidade-alem-da-perda-de-peso.htm>. Acesso em: 14 jul. 2024.

Complementos

1 Intermitente: Nos quais ou em que ocorrem interrupções; que cessa e recomeça por intervalos; intervalado, descontínuo. Em medicina, diz-se de episódios de febre alta que se alternam com intervalos de temperatura normal ou cujas pulsações têm intervalos desiguais entre si.
2 Glicose: Uma das formas mais simples de açúcar.
3 Gordura: Um dos três principais nutrientes dos alimentos. Os alimentos que fornecem gordura são: manteiga, margarina, óleos, nozes, carnes vermelhas, peixes, frango e alguns derivados do leite. O excesso de calorias é estocado no organismo na forma de gordura, fornecendo uma reserva de energia ao organismo.
4 Imunidade: Capacidade que um indivíduo tem de defender-se perante uma agressão bacteriana, viral ou perante qualquer tecido anormal (tumores, enxertos, etc.).
5 Células: Unidades (ou subunidades) funcionais e estruturais fundamentais dos organismos vivos. São compostas de CITOPLASMA (com várias ORGANELAS) e limitadas por uma MEMBRANA CELULAR.
6 Infecções: Doença produzida pela invasão de um germe (bactéria, vírus, fungo, etc.) em um organismo superior. Como conseqüência da mesma podem ser produzidas alterações na estrutura ou funcionamento dos tecidos comprometidos, ocasionando febre, queda do estado geral, e inúmeros sintomas que dependem do tipo de germe e da reação imunológica perante o mesmo.
7 Câncer: Crescimento anormal de um tecido celular capaz de invadir outros órgãos localmente ou à distância (metástases).
8 Disfuncionais: 1. Funcionamento anormal ou prejudicado. 2. Em patologia, distúrbio da função de um órgão.
9 Infecção: Doença produzida pela invasão de um germe (bactéria, vírus, fungo, etc.) em um organismo superior. Como conseqüência da mesma podem ser produzidas alterações na estrutura ou funcionamento dos tecidos comprometidos, ocasionando febre, queda do estado geral, e inúmeros sintomas que dependem do tipo de germe e da reação imunológica perante o mesmo.
10 Citocinas: Citoquina ou citocina é a designação genérica de certas substâncias segregadas por células do sistema imunitário que controlam as reações imunes do organismo.
11 Célula: Unidade funcional básica de todo tecido, capaz de se duplicar (porém algumas células muito especializadas, como os neurônios, não conseguem se duplicar), trocar substâncias com o meio externo à célula, etc. Possui subestruturas (organelas) distintas como núcleo, parede celular, membrana celular, mitocôndrias, etc. que são as responsáveis pela sobrevivência da mesma.
12 Sistema imunológico: Sistema de defesa do organismo contra infecções e outros ataques de micro-organismos que enfraquecem o nosso corpo.
13 Metabolismo: É o conjunto de transformações que as substâncias químicas sofrem no interior dos organismos vivos. São essas reações que permitem a uma célula ou um sistema transformar os alimentos em energia, que será ultilizada pelas células para que as mesmas se multipliquem, cresçam e movimentem-se. O metabolismo divide-se em duas etapas: catabolismo e anabolismo.
Gostou do artigo? Compartilhe!