Gostou do artigo? Compartilhe!

Jejuar por 24 horas pode enfraquecer o sistema imunológico

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie esta notícia

O jejum tem sido sugerido como uma abordagem útil para prevenir ou controlar doenças crônicas, como câncer1, obesidade2 e doenças cardíacas – mas resultados de estudos com camundongos mostram que jejuns prolongados podem prejudicar o sistema imunológico3.

Em um novo estudo, publicado na revista Immunity, camundongos que jejuaram por 24 horas tiveram mais inflamação4 e foram mais propensos a morrer de uma infecção5 bacteriana do que os camundongos seguindo um horário regular de alimentação.

Filip Swirski, da Escola de Medicina Icahn, em Mount Sinai, Nova York, e seus colegas analisaram amostras de sangue6 e tecidos de cinco camundongos sem acesso a comida por 24 horas. Exames de sangue6 comparando esses camundongos com aqueles que receberam uma dieta regular mostraram que, em média, os camundongos em jejum tinham menos de 10% do número de monócitos7 – um tipo de glóbulo branco que ajuda a combater infecções8 e recruta outras células9 imunes para tratar lesões10.

“Estas são as células9 que são soldados de infantaria realmente críticos do sistema imunológico3”, diz Swirski. Os pesquisadores descobriram que a diminuição se devia ao recuo dos monócitos7 do sangue6 para a medula óssea11, onde basicamente hibernavam, diz ele.

Como resultado, quando os camundongos em jejum receberam comida novamente, os monócitos7 voltaram à corrente sanguínea. “Como existe esse excesso de monócitos7 que estão hibernando e vivendo na medula óssea11, eles sobrevivem por mais tempo do que de outra forma”, diz Swirski. “Então, ao realimentar, o que vemos é uma onda de monócitos7.” Em comparação com camundongos que continuaram a jejuar ou aqueles que nunca jejuaram, esses animais tinham quase quatro vezes mais monócitos7 no sangue6, em média.

Leia sobre "Dieta do jejum" e "O que é uma alimentação saudável".

Para entender como isso afetou a imunidade12, o pesquisador e sua equipe injetaram em 45 camundongos uma cepa13 de bactéria14 que infecta os pulmões15. Vinte e três dos animais jejuaram por 24 horas antes da injeção16. Os pesquisadores então permitiram que eles tivessem acesso aos alimentos.

Após 72 horas, quase 90% dos camundongos que jejuaram morreram, enquanto cerca de 60% dos camundongos que nunca jejuaram morreram. Os camundongos em dietas restritas também apresentaram maiores níveis de inflamação4, sugerindo que longos períodos de jejum prejudicam as respostas imunes.

No entanto, Satchidananda Panda, do Salk Institute for Biological Studies, na Califórnia, diz que os regimes de jejum mais comuns para humanos não duram 24 horas. Na verdade, sua própria pesquisa mostrou que um jejum de 15 horas melhora a imunidade12 em camundongos.

Mesmo assim, Swirski diz que essas descobertas são importantes para a forma como pensamos sobre a duração e as implicações do jejum. “Como tantas coisas na vida, o equilíbrio é importante. Portanto, o que pode ser benéfico de uma forma pode ter um impacto negativo imprevisto de outra”, diz ele.

No artigo, os pesquisadores relatam como os monócitos7 reentram na medula óssea11 durante o jejum e alteram a resposta do hospedeiro à infecção5.

Destaques

  • Monócitos7 circulantes migram para a medula óssea11 quando é feito jejum
  • Os monócitos7 aumentam a proteína CXCR4 por meio de uma resposta de estresse hormonal induzida pelo jejum
  • A realimentação após um jejum prolongado resulta em um aumento de monócitos7 na circulação17
  • Jejum prolongado e realimentação alteram a resposta imune à infecção5 bacteriana

Resumo

A dieta influencia profundamente a fisiologia18. Considerando que a supernutrição eleva o risco de doenças por meio de sua influência na imunidade12 e no metabolismo19, a restrição calórica e o jejum parecem ser salutogênicos. Apesar das múltiplas correlações observadas entre dieta e saúde20, a biologia subjacente permanece obscura.

Neste estudo, identificou-se uma mudança induzida pelo jejum na migração de leucócitos21 que prolonga a vida útil dos monócitos7 e altera a suscetibilidade a doenças em camundongos.

Mostrou-se que o jejum durante a fase ativa induziu o retorno rápido de monócitos7 do sangue6 para a medula óssea11. A reentrada dos monócitos7 foi orquestrada pela liberação de corticosterona dependente do eixo hipotálamo22-hipófise23-adrenal (HHA), que aumentou o receptor de quimiocina CXCR4.

Embora a medula24 seja um refúgio seguro para os monócitos7 durante a escassez de nutrientes, a realimentação levou à mobilização que culminou na monocitose de monócitos7 cronologicamente mais velhos e transcricionalmente distintos. Essas mudanças alteraram a resposta à infecção5.

Esse estudo mostra que a dieta – em particular, o equilíbrio dinâmico temporal de uma dieta – modula o tempo de vida dos monócitos7 com consequências para a adaptação a estressores25 externos.

Veja também sobre "Sistema imunológico3" e "O que é inflamação4".

 

Fontes:
Immunity, publicação em 23 de fevereiro de 2023.
New Scientist, notícia publicada em 23 de fevereiro de 2023.

 

NEWS.MED.BR, 2023. Jejuar por 24 horas pode enfraquecer o sistema imunológico. Disponível em: <https://www.news.med.br/p/medical-journal/1434680/jejuar-por-24-horas-pode-enfraquecer-o-sistema-imunologico.htm>. Acesso em: 27 mai. 2024.

Complementos

1 Câncer: Crescimento anormal de um tecido celular capaz de invadir outros órgãos localmente ou à distância (metástases).
2 Obesidade: Condição em que há acúmulo de gorduras no organismo além do normal, mais severo que o sobrepeso. O índice de massa corporal é igual ou maior que 30.
3 Sistema imunológico: Sistema de defesa do organismo contra infecções e outros ataques de micro-organismos que enfraquecem o nosso corpo.
4 Inflamação: Conjunto de processos que se desenvolvem em um tecido em resposta a uma agressão externa. Incluem fenômenos vasculares como vasodilatação, edema, desencadeamento da resposta imunológica, ativação do sistema de coagulação, etc.Quando se produz em um tecido superficial (pele, tecido celular subcutâneo) pode apresentar tumefação, aumento da temperatura local, coloração avermelhada e dor (tétrade de Celso, o cientista que primeiro descreveu as características clínicas da inflamação).
5 Infecção: Doença produzida pela invasão de um germe (bactéria, vírus, fungo, etc.) em um organismo superior. Como conseqüência da mesma podem ser produzidas alterações na estrutura ou funcionamento dos tecidos comprometidos, ocasionando febre, queda do estado geral, e inúmeros sintomas que dependem do tipo de germe e da reação imunológica perante o mesmo.
6 Sangue: O sangue é uma substância líquida que circula pelas artérias e veias do organismo. Em um adulto sadio, cerca de 45% do volume de seu sangue é composto por células (a maioria glóbulos vermelhos, glóbulos brancos e plaquetas). O sangue é vermelho brilhante, quando oxigenado nos pulmões (nos alvéolos pulmonares). Ele adquire uma tonalidade mais azulada, quando perde seu oxigênio, através das veias e dos pequenos vasos denominados capilares.
7 Monócitos: É um tipo de leucócito mononuclear fagocitário, que se forma na medula óssea e é posteriormente transportado para os tecidos, onde se desenvolve em macrófagos.
8 Infecções: Doença produzida pela invasão de um germe (bactéria, vírus, fungo, etc.) em um organismo superior. Como conseqüência da mesma podem ser produzidas alterações na estrutura ou funcionamento dos tecidos comprometidos, ocasionando febre, queda do estado geral, e inúmeros sintomas que dependem do tipo de germe e da reação imunológica perante o mesmo.
9 Células: Unidades (ou subunidades) funcionais e estruturais fundamentais dos organismos vivos. São compostas de CITOPLASMA (com várias ORGANELAS) e limitadas por uma MEMBRANA CELULAR.
10 Lesões: 1. Ato ou efeito de lesar (-se). 2. Em medicina, ferimento ou traumatismo. 3. Em patologia, qualquer alteração patológica ou traumática de um tecido, especialmente quando acarreta perda de função de uma parte do corpo. Ou também, um dos pontos de manifestação de uma doença sistêmica. 4. Em termos jurídicos, prejuízo sofrido por uma das partes contratantes que dá mais do que recebe, em virtude de erros de apreciação ou devido a elementos circunstanciais. Ou também, em direito penal, ofensa, dano à integridade física de alguém.
11 Medula Óssea: Tecido mole que preenche as cavidades dos ossos. A medula óssea apresenta-se de dois tipos, amarela e vermelha. A medula amarela é encontrada em cavidades grandes de ossos grandes e consiste em sua grande maioria de células adiposas e umas poucas células sangüíneas primitivas. A medula vermelha é um tecido hematopoiético e é o sítio de produção de eritrócitos e leucócitos granulares. A medula óssea é constituída de um rede, em forma de treliça, de tecido conjuntivo, contendo fibras ramificadas e preenchida por células medulares.
12 Imunidade: Capacidade que um indivíduo tem de defender-se perante uma agressão bacteriana, viral ou perante qualquer tecido anormal (tumores, enxertos, etc.).
13 Cepa: Cepa ou estirpe é um termo da biologia e da genética que se refere a um grupo de descendentes com um ancestral comum que compartilham semelhanças morfológicas e/ou fisiológicas.
14 Bactéria: Organismo unicelular, capaz de auto-reproduzir-se. Existem diferentes tipos de bactérias, classificadas segundo suas características de crescimento (aeróbicas ou anaeróbicas, etc.), sua capacidade de absorver corantes especiais (Gram positivas, Gram negativas), segundo sua forma (bacilos, cocos, espiroquetas, etc.). Algumas produzem infecções no ser humano, que podem ser bastante graves.
15 Pulmões: Órgãos do sistema respiratório situados na cavidade torácica e responsáveis pelas trocas gasosas entre o ambiente e o sangue. São em número de dois, possuem forma piramidal, têm consistência esponjosa e medem cerca de 25 cm de comprimento. Os pulmões humanos são divididos em segmentos denominados lobos. O pulmão esquerdo possui dois lobos e o direito possui três. Os pulmões são compostos de brônquios que se dividem em bronquíolos e alvéolos pulmonares. Nos alvéolos se dão as trocas gasosas ou hematose pulmonar entre o meio ambiente e o corpo, com a entrada de oxigênio na hemoglobina do sangue (formando a oxiemoglobina) e saída do gás carbônico ou dióxido de carbono (que vem da célula como carboemoglobina) dos capilares para o alvéolo.
16 Injeção: Infiltração de medicação ou nutrientes líquidos no corpo através de uma agulha e seringa.
17 Circulação: 1. Ato ou efeito de circular. 2. Facilidade de se mover usando as vias de comunicação; giro, curso, trânsito. 3. Movimento do sangue, fluxo de sangue através dos vasos sanguíneos do corpo e do coração.
18 Fisiologia: Estudo das funções e do funcionamento normal dos seres vivos, especialmente dos processos físico-químicos que ocorrem nas células, tecidos, órgãos e sistemas dos seres vivos sadios.
19 Metabolismo: É o conjunto de transformações que as substâncias químicas sofrem no interior dos organismos vivos. São essas reações que permitem a uma célula ou um sistema transformar os alimentos em energia, que será ultilizada pelas células para que as mesmas se multipliquem, cresçam e movimentem-se. O metabolismo divide-se em duas etapas: catabolismo e anabolismo.
20 Saúde: 1. Estado de equilíbrio dinâmico entre o organismo e o seu ambiente, o qual mantém as características estruturais e funcionais do organismo dentro dos limites normais para sua forma de vida e para a sua fase do ciclo vital. 2. Estado de boa disposição física e psíquica; bem-estar. 3. Brinde, saudação que se faz bebendo à saúde de alguém. 4. Força física; robustez, vigor, energia.
21 Leucócitos: Células sangüíneas brancas. Compreendem tanto os leucócitos granulócitos (BASÓFILOS, EOSINÓFILOS e NEUTRÓFILOS) como os não granulócitos (LINFÓCITOS e MONÓCITOS). Sinônimos: Células Brancas do Sangue; Corpúsculos Sanguíneos Brancos; Corpúsculos Brancos Sanguíneos; Corpúsculos Brancos do Sangue; Células Sanguíneas Brancas
22 Hipotálamo: Parte ventral do diencéfalo extendendo-se da região do quiasma óptico à borda caudal dos corpos mamilares, formando as paredes lateral e inferior do terceiro ventrículo.
23 Hipófise:
24 Medula: Tecido mole que preenche as cavidades dos ossos. A medula óssea apresenta-se de dois tipos, amarela e vermelha. A medula amarela é encontrada em cavidades grandes de ossos grandes e consiste em sua grande maioria de células adiposas e umas poucas células sangüíneas primitivas. A medula vermelha é um tecido hematopoiético e é o sítio de produção de eritrócitos e leucócitos granulares. A medula óssea é constituída de um rede, em forma de treliça, de tecido conjuntivo, contendo fibras ramificadas e preenchida por células medulares.
25 Estressores: Que ou o que provoca ou conduz ao estresse.
Gostou do artigo? Compartilhe!